Portal EcoDebate: Índice da edição nº 1.311, de 01/04/2011

Alimentação e a Síndrome da Dependência da Droga, artigo de Américo Canhoto Avaliação de riscos de desastres em apoio a adaptação das comunidades as Mudanças Climáticas Código Florestal: nova versão do relatório de Aldo Rebelo pode reduzir ainda mais proteção de áreas de preservação Ministra do Meio Ambiente não abre mão de punir quem desmatou ilegalmente Ibama deflagra operação para apreender gado em cinco regiões da Amazônia Legal MPT em

Alimentação e a Síndrome da Dependência da Droga, artigo de Américo Canhoto

[EcoDebate] Dependência química: É um conjunto de fenômenos fisiológicos, comportamentais e cognitivos, no qual o uso de uma substância ou uma classe de substâncias alcança uma prioridade muito maior para um determinado indivíduo, do que outros comportamentos que antes tinham mais valor. Usualmente quando se fala em dependência logo imaginamos a dependência química das drogas ilícitas. Mas, a porta de entrada dos comportamentos viciosos que levam á dependência de todo tipo:

Avaliação de riscos de desastres em apoio a adaptação das comunidades as Mudanças Climáticas

Bianca Pyl, especial para a Cese Os participantes do Seminário Mudanças Climáticas e Riscos de Desastres puderam conhecer um exemplo da aplicação do “Instrumento participativo de avaliação de riscos climáticos e de desastres”, ocorrida entre os dias 22 e 25 de março no assentamento Tapera, em Riacho dos Machados, Norte de Minas Gerais. Essas metodologia está sendo discutida ao longo do seminário. O objetivo do método, inédito no Brasil, é incluir

Código Florestal: nova versão do relatório de Aldo Rebelo pode reduzir ainda mais proteção de áreas de preservação

A nova versão do relatório do deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP) sobre mudanças no Código Florestal pode reduzir ainda mais a proteção de áreas de preservação permanente (APP) nas margens de rios e em volta de nascentes. Segundo Rebelo, a pedido de representantes da agricultura familiar, as APPs poderão ser diminuídas em até 50%, além da redução já prevista na primeira versão do relatório. A legislação atual prevê que as APPs às

Ministra do Meio Ambiente não abre mão de punir quem desmatou ilegalmente

A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, afirmou ontem (31) que não abre mão de punir os produtores rurais que desmataram ilegalmente. O assunto faz parte dos debates em torno do novo Código Florestal, que está em discussão no Congresso Nacional. “O Ministério do Meio Ambiente nunca concordou com anistia a desmatador. A quem cometeu crime ambiental, desrespeitando a lei, não cabe anistia”, frisou a ministra, durante debate sobre meio ambiente

Ibama deflagra operação para apreender gado em cinco regiões da Amazônia Legal

O Ibama deflagrou hoje a Operação Disparada, para combater o desmatamento ilegal, simultaneamente, em cinco regiões da Amazônia Legal, englobando Pará, Mato Grosso e Amazonas. Os alvos da Disparada são frentes de pecuária ilegal, principal vetor do desmatamento na Amazônia, que afeta áreas protegidas, terras públicas, propriedades privadas ou mesmo terras indígenas invadidas. Os fiscais voltarão a propriedades privadas notificadas no início do ano para verificar se

MPT em Rondônia pede à Justiça do Trabalho embargo das obras de Jirau

O Ministério Público do Trabalho em Rondônia entrou na Justiça do Trabalho com pedido de embargo das obras da hidrelétrica de Jirau até que sejam restabelecidas as condições de trabalho no canteiro. A petição foi protocolada nesta terça-feira (30) na 3ª Vara do Trabalho de Porto Velho onde tramita uma Ação Civil Pública movida pelo MPT. No pedido embargo da obra, que está sob apreciação do juízo, os procuradores do Trabalho

MPF processa bancos por financiarem o desmatamento na Amazônia

Ação também pede desburocratização e melhores linhas de financiamento para produtores em processo de regularização além de obrigar o Incra à emissão de CCIR O Ministério Público Federal no Pará ajuizou hoje (31/03) ações civis públicas contra o Banco do Brasil e o Banco da Amazônia por terem concedido financiamentos com dinheiro público a fazendas com irregularidades ambientais e trabalhistas no Estado. O Instituto Nacional de Colonização

Comissão visita obras de Jirau na outra margem do Rio Madeira para averiguar condição de trabalho

Uma comissão formada por representantes do Tribunal Regional do Trabalho de Rondônia e da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE) – auxiliados por servidores da Usina Hidrelétrica Jirau – estão fazendo, neste momento, uma inspeção surpresa ao local, para averiguar se procede ou não a Ação Civil Pública impetrada ontem (30) pelo Ministério Público do Trabalho (MPT). A suspeita é de que alguns funcionários estejam dando continuidade à obra,

Fiscalização da Anvisa interdita 370 mil litros de agrotóxicos na empresa Nortox S.A.

Cerca de 370 mil litros de agrotóxicos interditados. Esse é o resultado da fiscalização realizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) na fábrica da empresa Nortox S.A, em Arapongas (Paraná), ao longo da semana passada. Entre os produtos interditados estão os agrotóxicos Cipermetrina Nortox 250 CE e Tebuco Nortox. Nos dois casos, fiscais da Agência constataram alterações nos componentes da formulação dos produtos. “Com

Alagoas: Município terá de retirar crianças do lixão em Murici

Após constatar a presença de crianças no lixão de Murici, cidade localizada a 48 quilômetros da capital, o Ministério Público do Trabalho em Alagoas propôs termo de ajustamento de conduta para que o município proíba a entrada de menores de 18 anos naquele local. O prefeito Remi Vasconcelos Calheiros recebeu notificação com recomendações para resolver o problema do trabalho infantil no lixão. O gestor tem até 28 de abril para

Catadores querem prefeitura fora do fundo criado para administrar dinheiro do biogás do aterro de Jardim Gramacho

Para os cerca de 2,5 mil catadores de material reciclável do aterro sanitário de Jardim Gramacho, no município de Duque de Caxias, a revisão do Plano de Ação de Desenvolvimento Comunitário daquele distrito deve incluir o repasse direto do fundo de capacitação dos catadores para as cooperativas locais, sem passar pela prefeitura. Isso exigiria projeto de lei a ser aprovado pelos vereadores. Os catadores são ligados a cinco cooperativas de

Top