Concentrações de antibióticos encontrados em alguns dos rios do mundo ultrapassam os níveis ‘seguros’ em até 300 vezes

    Antibióticos encontrados em alguns dos rios do mundo ultrapassam níveis 'seguros', segundo estudo global University of York * Os pesquisadores procuraram 14 antibióticos comumente usados ??em rios em 72 países em seis continentes e encontraram antibióticos em 65% dos locais monitorados. O metronidazol, que é usado para tratar infecções bacterianas, incluindo infecções de pele e boca, excedeu os níveis de segurança pela maior margem, com concentrações em um local em Bangladesh 300 vezes

Jesus, água e agrotóxicos, artigo de Flávio José Rocha

Jesus, água e agrotóxicos Flávio José Rocha1 [EcoDebate] Diante das notícias recentes do envenenamento das nossas águas com agrotóxico em um quarto das cidades brasileiras, o que teria a experiência de Jesus e a sua relação com a água, um dos elementos essenciais à vida neste planeta, a nos ensinar? Tendo crescido em uma região semiárida, Jesus sabia da importância da água para o seu povo. Por isso mesmo ele a utilizou como

ONU alerta que meta global de redução do efeitos de produtos químicos não será alcançada

    Os países não conseguirão alcançar o objetivo de reduzir, até 2020, os impactos adversos que o uso de produtos químicos causam ao meio ambiente. O alerta foi feito durante a 4ª Assembleia das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEA), evento que começou ontem (11), em Nairóbi, no Quênia. Segundo o estudo Perspectivas dos Produtos Químicos a Nível Mundial, preparado pela ONU Meio Ambiente ao longo dos últimos três anos, por meio

Depois da tragédia em Brumadinho, rio Paraopeba tem nível de metais 600 vezes maior que o permitido

    O nível de cobre nas águas do rio Paraopeba chega a até 600 vezes acima do permitido a rios usados para abastecimento humano, irrigação em produção de alimento, pesca e atividades de lazer. ABr O limite aceitável de cobre é 0,009mg/l (miligramas por litro), mas variou de 2,5 a 5,4mg/l nas 22 amostras recolhidas em uma expedição ao longo de 305 quilômetros do Paraopeba para relatório da Fundação SOS Mata Atlântica, divulgado

No Mato Grosso, agrotóxicos considerados altamente tóxicos contaminam a água da chuva e de poços artesianos

  No Mato Grosso “chove” agrotóxicos, apontam pesquisadores Por Hara Flaeschen sob supervisão de Vilma Reis | Informações da Rede Brasil Atual Mato Grosso, estado que mais consome agrotóxicos no Brasil, apresenta vestígios de venenos – como atrazina, metolacloro e metribuzim – na água de chuva e em poços artesianos de escolas rurais e urbanas, em quatro municípios. A Rede Brasil Atual abordou a pesquisa que comprovou a contaminação, conduzida por Lucimara Beserra, durante

Tietê permanece adoecido na região metropolitana devido ao mau planejamento urbano, artigo de Sucena Shkrada Resk

    A sensação de déjà-vu é contínua. Entra ano, sai ano, esta é a realidade perversa que vivemos diariamente nas regiões metropolitanas. De um lado, algumas nascentes que resistem, sabe-se lá até quando à pressão humana e, por outro, rios que são engolidos, em diversos trechos de seus percursos, por plásticos e por todos os tipos de resíduos que são recicláveis, além da imensa descarga clandestina de esgotos domésticos e industriais.

Combustão de combustíveis fósseis é o principal contribuinte para o carbono negro em todo o Ártico

  Carbono Negro - Uma equipe internacional conduziu o estudo em locais na Rússia, Canadá, Suécia e Noruega, com pesquisadores da Universidade de Baylor contribuindo com medições para o Alasca. Por Terry Goodrich*, Baylor University Combustão de combustíveis fósseis é o principal contribuinte para o carbono negro coletado em cinco locais ao redor do Ártico, o que tem implicações para o aquecimento global, de acordo com um estudo de um grupo internacional de

Tragédia em Brumadinho: Ao menos 305 km do Rio Paraopeba estão contaminados, diz SOS Mata Atlântica

    A Fundação SOS Mata Atlântica, organização não governamental (ONG) que atua em defesa do meio ambiente desde 1986, divulgou ontem (14) dados de análises realizadas no Rio Paraopeba. De acordo com a entidade, uma análise de 22 pontos permitiu concluir que a água está contaminada, com qualidade péssima ou ruim, ao longo de pelos menos 305 quilômetros. ABr Os resultados foram obtidos após uma expedição que durou 10 dias e terminou no

Água mais quente e exposição química influenciam a expressão gênica entre gerações em um peixe costeiro

  Temperaturas de água mais quentes, combinadas com baixa exposição a produtos químicos que já são prejudiciais à vida aquática, influenciam a expressão de genes na prole de uma abundante espécie de peixe norte-americana - e ameaçam organismos cuja determinação sexual é sensível à temperatura da água. A descoberta foi publicada na revista online PeerJ. Por Chris Branam* Oregon State University Pesquisas anteriores já relatadas mostraram que essas mesmas exposições a compostos desreguladores endócrinos (CDEs)

Contaminação por microplásticos encontrada em fonte comum de água subterrânea, relatam pesquisadores

    Os microplásticos contaminam as águas superficiais do mundo, mas os cientistas apenas começaram a explorar sua presença em sistemas de águas subterrâneas. Um novo estudo é o primeiro a relatar microplásticos em aquíferos calcários fraturados - uma fonte de água subterrânea que responde por 25% do suprimento global de água potável. O estudo identificou as fibras de microplásticos, juntamente com uma variedade de medicamentos e contaminantes domésticos, em dois sistemas aquíferos

Elevados níveis de mercúrio liberado pelo descongelamento do permafrost no Ártico canadense

  Descongelamento do permafrost no oeste do Ártico canadense está liberando níveis sem precedentes de mercúrio nos cursos de água. Por Katie Willis* ** Descongelamentos no gelo do oeste do Ártico, no oeste do Canadá, está liberando quantidades recorde de mercúrio nos cursos de água, de acordo com uma nova pesquisa feita por ecologistas da Universidade de Alberta.     O mercúrio é um contaminante natural que é tóxico para os seres humanos e outros animais

Metais pesados e suas toxidades, artigo de Roberto Naime

    Os metais pesados diferem de outros agentes tóxicos porque não são sintetizados nem destruídos pelo homem [EcoDebate] A primeira lembrança que se materializa quando se fala em metais é a visão da tabela periódica dos elementos químicos, inicialmente desenvolvida pelo russo Gregor Mendeleiev. Metais integram a tabela periódica dos elementos químicos e talvez sejam os agentes tóxicos mais conhecidos pelo homem. Já em antigas eras, grandes quantidades de chumbo eram obtidas de

Top