Mosquitos vetores de doenças se expandem com redução de áreas verdes em São Paulo

  Por Maria Fernanda Ziegler, Agência FAPESP     A urbanização e a consequente redução de áreas verdes nas cidades podem ser consideradas uma verdadeira festa para mosquitos vetores de doenças, como o Aedes aegypti (dengue) e o Culex quinquefasciatus (filariose linfática). Mais adaptados às áreas urbanas, eles são beneficiados pelo declínio da população de outras espécies de mosquitos. No município de São Paulo, essa relação não é diferente. Foi o que comprovou um estudo feito por pesquisadores da Faculdade de

Estudos analisam as queimadas e seu impacto no clima e na saúde

  Por Graça Portela (Icict/Fiocruz) O ano de 2004 ficou marcado pelos 270.295 focos de incêndio em todo o país – o ápice do número de queimadas no século 21. Na época, apenas no bioma Amazônia, que ocupa cerca de 40% do território nacional e onde estão os estados do Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia e Roraima, e também partes do Maranhão, Tocantins e Mato Grosso, foram 145.251 focos. Em 2017, foram 275.120

Meta análise sobre a infecção por hepatite B em expostos a resíduos

    Resumo por Marcos Paulo Gomes Mol Pesquisador da Fundação Ezequiel Dias - Funed O contato humano com resíduos sólidos implica em riscos biológicos, químicos e físicos à saúde dos trabalhadores envolvidos com a coleta, transporte e armazenamento. A exposição abrange fatores como excesso de ruído, exposição à radiação solar, esforço muscular excessivo, presença de materiais perfurocortantes, agentes patogênicos e reagentes químicos perigosos. Buscando compreender melhor os possíveis danos à saúde aos quais

Febre amarela: dose fracionada da vacina imuniza por oito anos diz pesquisa do Bio-Manguinhos/Fiocruz

  Por Pamela Lang (Agência Fiocruz de Notícias) A estratégia anunciada pelo Ministério da Saúde (MS), na última terça-feira (9/1), de fracionar a vacina de febre amarela para três estados brasileiros teve como base um estudo da Fiocruz, realizado pelo seu Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos/Fiocruz), que comprova que 1/5 da dose da vacina gera uma proteção equivalente à da dose padrão por oito anos. A pesquisa com doses fracionadas da vacina de

Hepatite A: saiba como se pega o vírus, quais são os sintomas e tratamentos

  ABr     Neste verão, além da habitual preocupação com doenças como a dengue, a população do Rio de Janeiro foi surpreendida com um grande número de pessoas infectadas com o vírus da Hepatite A. Um surto, com concentração especial na comunidade do Vidigal, já registrou 92 casos notificados e 75 confirmados. Ao longo de 2017, em toda a capital, foram registrados 119 casos. A hepatite é uma inflamação aguda no fígado, que pode ser

Agricultores não associam uso inadequado de agrotóxicos ao seu estado de saúde

  Pesquisa do PPGAD foi realizada com 130 agricultores de Imigrante Apesar de conhecerem os problemas que os agrotóxicos podem gerar ao meio ambiente e à sua saúde, os agricultores não relacionam o uso inadequado dos agrotóxicos ao seu estado de saúde. Esse foi o resultado de uma pesquisa desenvolvida pela diplomada em Ciências Biológicas Mônia Wahlbrink, sob orientação da doutora Claudete Rempel, vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Ambiente e Desenvolvimento

Febre amarela, do século XIX a 2018: o que Oswaldo Cruz faria nos dias de hoje? artigo de Sucena Shkrada Resk

  Final do século XIX e 2018. Neste ir e vir da história, a questão sanitária no Brasil é ainda o calcanhar de aquiles que permeia a condução da gestão pública no país. Hoje o aumento do número de casos comprovados e suspeitos de febre amarela silvestre (pelos vetores Haemagogus ou o Sabethes, que transmitem o vírus RNA) acenderam a luz amarela para a versão urbana da doença, sobre a qual

Impactante estudio muestra que los herbicidas de glifosato contienen niveles tóxicos de arsénico, por Graciela Vizcay Gomez

  Zero Biocidas   Un  nuevo estudio publicado en Toxicology Reports ha demostrado que las evaluaciones regulatorias actuales de los herbicidas más usados ​​en el mundo son incorrectas, con ingredientes como el arsénico que se encuentra regularmente en los herbicidas a base de glifosato y otros pesticidas en niveles tóxicos. Por Graciela Vizcay Gomez La toxicidad del glifosato está actualmente siendo debatida a nivel internacional por las autoridades reguladoras y de salud, pero rara vez

Para especialista, conceito de alimentos ultraprocessados confronta a indústria, que insiste em negar seus malefícios à saúde

  Baixo custo e pouco valor nutricional são receita de ultraprocessados Jornal da USP . Salgadinhos, refrigerantes e biscoitos: alimentos ultraprocessados feitos com ingredientes de baixo custo e pouco valor nutricional – muito açúcar, sódio, aditivos e sal.  Produzidos com o intuito de serem “irresistíveis” e consumidos facilmente, esses alimentos oferecem riscos à saúde ao promover a obesidade, diabete e outras doenças crônicas relacionadas à alimentação. Estudos sobre esses produtos e sua influência na saúde

Incidência de lesões na medula espinhal aumenta no verão; Homens jovens são principais vítimas

    Não há no Brasil época mais esperada que o recesso de final de ano. Sol, calor e muita diversão, com banhos de mar, piscina, rio e cachoeira. Mas, infelizmente, é nesta época do ano em que o lazer pode se transformar em um problema de saúde grave, como as lesões da medula espinhal causadas por mergulhos em águas rasas ou desconhecidas. Segundo dados da Sociedade Brasileira de Coluna (SBC), mergulhos mal

Diminuir número de veículos é o melhor caminho para reduzir a poluição do ar em grandes metrópoles

  Jornal da USP A poluição do ar é um problema clássico em grandes metrópoles. Uma pesquisa do Programa de Geografia Física da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP mostrou que aumentar áreas verdes pode ajudar, mas que uma melhoria da qualidade do ar passa principalmente por diminuir a emissão de poluentes, com menos veículos nas ruas. O estudo avaliou como diferentes superfícies (urbanas ou vegetais) e a quantidade

Ameaças aos macacos também põem humanos em risco

    Desmatamento e mudança climática estão entre os fatores que põem em risco mais da metade das espécies de primatas do mundo Existem cerca de 500 espécies de primatas no planeta Terra e 60% delas correm risco de extinção. No Brasil, país com o maior número de espécies conhecidas, 35 das 139 são consideradas ameaçadas, de acordo com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). No entanto, as principais ameaças

Top