Os 100 anos de Celso Furtado e o mito do desenvolvimento econômico

“A evidência à qual não podemos escapar é que em nossa civilização, a criação de valor econômico provoca, na grande maioria dos casos, processos irreversíveis de degradação do mundo físico” (1974, p. 17) Celso Furtado (26/07/1920-20/11/2004) Artigo de José Eustáquio Diniz Alves [EcoDebate] No dia 26 de julho de 2020, Celso Furtado (1920-2004) completaria 100 anos. Ele nasceu em Pombal, na Paraíba, formou-se em Direito no Rio de Janeiro, serviu na Força Expedicionária

Desenvolvimentismo predatório e a devastação da Amazônia e do Cerrado

  Por Henrique Cortez [EcoDebate] Dentre os movimentos sociais, os ambientalistas têm sido os críticos de primeira hora dos equívocos das políticas públicas, principalmente dos modelos econômico e de desenvolvimento, bem como de seus impactos sociais e ambientais. Por diversas vezes alertamos que o processo de devastação avança sem controle e que não observamos medidas estruturais que possam interromper este processo equivocado de desenvolvimento, socialmente injusto e ambientalmente irresponsável. Ninguém está propondo a insanidade

A tragédia do crescimento, uma metafísica do neoliberalismo, artigo de Agnès Sinai

Gilbert Rist foi um dos primeiros críticos do conceito de desenvolvimento. Em seu último livro, ele lembra que a economia política é o resultado de um projeto político e de uma construção social. Rist insiste na centralidade da propriedade privada na dinâmica do crescimento e na necessidade de invenções institucionais para sair desse paradigma. O crescimento é um Janus com duas cabeças. Considerada necessária, mesmo vital para a continuidade das sociedades industriais,

O Marketing Sustentável como Ferramenta para os Negócios Ecoturísticos no Brasil, por José Austerliano Rodrigues e Izabel Cristina da Silva

[EcoDebate] O desenvolvimento sustentável utiliza as ideias da sustentabilidade ambiental o desenvolvimento e crescimento econômico. O desenvolvimento sustentável tem sido descrito como sendo similar ao tradicional desenvolvimento e crescimento econômico, apenas com a adição dos recursos naturais como uma forma de capital natural Asefa (2005). O capital natural proporciona mercadorias e serviços da mesma forma que o capital manufaturado, e sua incorporação na equação econômica estabelece valores para os recursos

Injustiça socioambiental fere a dignidade da vida, artigo de Gilvander Moreira

  Injustiça socioambiental fere a dignidade da vida Por Gilvander Moreira1 Na perspectiva dos Movimentos Sociais transformadores, são inaceitáveis os discursos e as práticas que afirmam: “precisamos conciliar desenvolvimento com preservação ambiental”, “urge adequar os projetos econômicos mitigando os impactos socioambientais”, “temos que adequar os grandes projetos dentro das normas ambientais”. Isso é uma mentira. Busca-se dourar a pílula, criando uma fachada de preocupação socioambiental para viabilizar a continuidade da máquina de

No mundo pós-pandemia, a construção de outro modelo de economia depende de uma estratégia socioambiental, artigo de Amyra El Khalili

No mundo pós-pandemia, a construção de outro modelo de economia depende de uma estratégia socioambiental Amyra El Khalili A financeirização tem permeado os mais diversos setores da economia, provocando distorções entre a economia real (produção) e a economia financeira. A economia real baseia-se em produtividade na indústria, na agropecuária, no comércio e em serviços. Já a economia financeira é a que faz circular o dinheiro nos sistemas informatizados e tecnológicos, alimentando as

A transição ecológica para uma sociedade biocentrada, artigo de Leonardo Boff

  IHU "O grande desafio colocado a todos, a grande interrogação especialmente, aos donos dos grandes conglomerados multinacionais é: Como continuar? Voltar ao que era antes? Recuperar o tempo e os lucros perdidos?", escreve Leonardo Boff, teólogo, filósofo e escritor. Eis o artigo. O ataque do coronavírus contra toda a humanidade nos obrigou a nos concentrar no vírus, no hospital, no paciente, no poder da ciência e da técnica e na corrida desenfreada por

Exploração predatória do patrimônio natural e o ‘melhor’ negócio do mundo, artigo de Clóvis Borges

  [EcoDebate] A cada ano o mês do Meio Ambiente toma vulto e chama mais a atenção da sociedade, além do Dia Mundial do Meio Ambiente, em junho também se comemora o Dia da Ecologia e o Dia Mundial dos Oceanos. No entanto, o fenômeno que traz maior notoriedade ao tema ambiental não ocorre em decorrência apenas de agendas comemorativas. Esta fama crescente se dá, a bem da verdade, pela apreensão

Eco-nomia e Eco-logia, artigo de Roberto Malvezzi (Gogó)

  [EcoDebate] Nunca na história a correlação entre economia e ecologia foi tão clara e perturbadora. Nesse momento do Covid-19, as autoridades sanitárias do mundo inteiro nos orientam a permanecer em casa (Oikós) para não expandirmos a disseminação do vírus e nos contaminarmos como pessoas. Por outro lado, premidos pelas necessidades básicas do cotidiano, muitas pessoas não têm seu sustento garantido e arriscam a própria vida para sair em busca do

Coronavírus e o meio ambiente, artigo de Juacy da Silva

  [EcoDebate] Em carta/manifesto assinado ontem, 26 de Maio de 2020, endereçada a todos os líderes dos países do G20, as 20 maiores economias do mundo, que detinha em conjunto em 2028 nada menos do que 73,55% do PIB mundial, estando projetado que este percentual chegue a 74,02 em 2024, assim se expressaram: “Pela nossa saúde, devemos recomeçar pela saúde do planeta. Isso é o que escrevem e falam, em alto em bom som, 40

(Degrowth New Root) Decrescimento: por novas raízes para a economia

  IHU Enquanto nossa economia depender do crescimento, cada recessão será devastadora. Para mudar, necessitamos do decrescimento: reduzir a escala da economia de modo planificado, sustentável, equitativo. Essa carta-manifesto é o resultado de um processo de colaboração dentro da rede internacional de decrescimento. Foi assinada por mais de 1.100 especialistas e mais de 70 organizações de mais de 60 países. O manifesto é do coletivo Degrowth New Roots, publicado por CPAL Social, 18-05-2020. A tradução é de Wagner Fernandes de

Jeffrey Sachs: Usamos energia demais, destruímos os habitats, as florestas, assistimos ao surgimento de novas doenças

“O insustentável peso do planeta”. Entrevista com Jeffrey Sachs IHU Entrevista com o estudioso, professor de desenvolvimento sustentável da Columbia University, em Nova York. "Usamos energia demais, destruímos os habitats, as florestas, assistimos ao surgimento de novas doenças. Os políticos devem aprender com a crise que é preciso pensar e planejar com antecedência". "Espero que nossos políticos aprendam algo com essa crise, acima de tudo, eles entendam que é preciso pensar e planejar com antecedência”. Caso contrário, o

O apartheid ambiental é a norma no Antropoceno

  “O apartheid ambiental é a norma no Antropoceno”. Entrevista com Ian Angus IHU “As pessoas e os países que têm a menor responsabilidade pelo aquecimento global são as suas principais vítimas. É um clichê ambiental o lema de que todos nós estamos no mesmo barco no globo terrestre, ao contrário, na realidade, alguns viajam na primeira classe, com assentos reservados nos melhores botes salva-vidas, enquanto a maioria vai para o convés, em

A utopia na era do Antropoceno, artigo de Santiago Álvarez Cantalapiedra

  IHU “A ideia de progresso que define nossa época é muitas vezes mais parecida com a progressão de uma doença do que com sua cura. Para Walter Benjamin, o progresso, quando visto pelo olhar dos oprimidos, assemelha-se muito a um vendaval que deixa um rastro de vítimas e escombros. Nessa perspectiva, progresso é sinônimo de catástrofe e a utopia tem a ver, sobretudo, com a esperança de interromper esse progresso”, escreve Santiago Álvarez Cantalapiedra, economista, diretor

A globalização e a Covid-19, artigo de Arthur Soffiati

    Pelos meios de comunicação, sobretudo pelas redes de televisão, as informações sobre cuidados com a higiene pessoal e as orientações para não criar pânico invadem as residências mais que o próprio novo vírus Corona. Estamos tão imersos no dia a dia da pandemia que não nos interessam conhecer as causas profundas das doenças transmissíveis. As TVs dedicam tanto tempo insistindo no controle do pânico que as pessoas acabam concluindo que

Um vírus, a humanidade e a terra, artigo de Vandana Shiva

  IHU “Um pequeno vírus pode nos ajudar a dar um grande passo à frente para fundar uma nova civilização planetária ecologista, baseada na harmonia com a natureza. Ou, então, podemos continuar vivendo a fantasia do domínio sobre o planeta e continuar avançando até a próxima pandemia. E, por último, até a extinção”, escreve Vandana Shiva, física, ecofeminista, ativista ambiental, defensora da soberania alimentar e fundadora do Movimento Navdanya, em artigo publicado por El Salto, 11-04-2020. A tradução é do Cepat. Eis

Brasil-Colônia no século XXI em queda livre, por Alenice Baeta e Gilvander Moreira

Brasil-Colônia no século XXI em queda livre. Até quando? Por Alenice Baeta1 e Gilvander Moreira2 Artigo publicado na revista Science demonstra que “o desaparecimento da  biodiversidade global é, atualmente, mil vezes mais veloz do que se ele acontecesse naturalmente, sem o impacto do homem. É uma taxa muito maior do que a estimada anteriormente, em 1995, quando estava em cem vezes”3. Não é toda e qualquer pessoa que está impactando o planeta Terra, mas

Decrescimento, uma alternativa, artigo de Iosu Perales

  O decrescimento é uma alternativa econômica? Quando um rio transborda, queremos que decresça e as águas retornem ao seu leito. Trata-se disso. Na realidade, o decrescimento não é uma opção, é uma necessidade – Iosu Perales IHU “Diante dessa ideia que quer colocar no centro da vida humana a produção e o consumo, o imaginário coletivo deve ser descolonizado. Vivemos em um planeta de cinco ou mais velocidades que classifica países, regiões e

O impacto global da classe média sobre o meio ambiente, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

[EcoDebate] O impacto das atividades antrópicas sobre o meio ambiente depende do tamanho da população, do volume da produção e consumo de mercadorias e da tecnologia utilizada no processo de desenvolvimento. Antes da Revolução Industrial e Energética, o impacto demográfico e econômico global era relativamente modesto e estava bem abaixo da capacidade de carga do Planeta. Mas tudo mudou a partir do uso de combustíveis fósseis (carvão mineral, petróleo, gás,

O incansável e falacioso mito da internacionalização da Amazônia, por Henrique Cortez

    [EcoDebate] Retornam as alegações do risco de internacionalização da Amazônia, inclusive servindo de lastro para acusar os ambientalistas, ONGs e críticos da devastação, como se estivessem a soldo de interesses escusos. Como pano de fundo, supostos inimigos externos interessados em ocupar a nossa Amazônia. Aliás, freqüentemente falamos da nossa Amazônia, das ameaças à nossa Amazônia, dos desafios da nossa Amazônia e por aí vai, sempre esquecendo que a região não é

Top