Pobre Planeta: os humanos estão explorando 100 bilhões de toneladas de riqueza ao ano, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

“Terra! És o mais bonito dos planetas Tão te maltratando por dinheiro Tu que és a nave nossa irmã”. (O Sal da Terra, Beto Guedes)     [EcoDebate] A humanidade está retirando riqueza do Planeta a uma taxa crescente para produzir bens e serviços em benefício de um padrão elevado de consumo que beneficia um enorme número de habitantes que, desafortunadamente, devolvem esgoto, poluição e resíduos sólidos para a natureza. Esta lógica de retirar riquezas ecossistêmicos e

Vaclav Smil e o paradoxo do crescimento, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  “Acreditar que o crescimento econômico exponencial pode continuar infinitamente num mundo finito é coisa de louco ou de economista” Kenneth Boulding (1910-1993)   Vaclav Smil. Growth: From Microorganisms to Megacities, MIT Press, 2019   [EcoDebate] Václav Smil (9/12/1943) é um cientista checo-canadense e autor de livros influentes nas áreas de energia, alimentação, população, economia, meio ambiente, etc. Ele é professor emérito na Faculdade de Meio Ambiente da Universidade de Manitoba em Winnipeg, Manitoba, Canadá. O seu

Estamos acabando com o mundo e vamos cada vez pior: a economia circular perde força

  IHU Segundo os dados apresentados no novo Relatório sobre a Lacuna Circular, a proporção de materiais e recursos que se reusam e reciclam a nível global diminuiu de 9,1% do total a 8,6%, enquanto que a humanidade usou mais materiais do que nunca, chegando às 100 bilhões de toneladas de recursos em apenas um ano. O artigo é de Eugenio Fernández Vázquez, consultor ambiental do Centro de Especialistas e Gestão Ambiental no México, publicado por CPAL Social,

Crescimento econômico e custos ambientais: Sempre uma relação polêmica, artigo de Marcus Eduardo de Oliveira

[EcoDebate] O comentário a seguir feito pelo notável José Goldemberg, uma década e meia atrás, além de oferecer uma analogia sugestiva que facilita o entendimento de como chegamos a esse atual modelo de civilização insustentável do ponto de vista ecológico, ainda permite questionar a ideologia do crescimento econômico como um todo: “Economias vibrantes significam mais ´progresso`, empregos, melhores salários e as amenidades que o dinheiro pode comprar. Apesar de centenas

Pirâmide global da riqueza, desigualdade social e as emissões de CO2, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  “O crescimento econômico e populacional está entre os mais importantes fatores do aumento das emissões de CO2 em decorrência da combustão de combustíveis fósseis” Alerta dos cientistas mundiais sobre a emergência climática (05/11/2019)   "A mudança climática é potencialmente a maior ameaça à saúde do século 21" Organização Mundial da Saúde (03/12/2019)   [EcoDebate] Todos os anos, desde 2010, o banco Credit Suisse publica o Relatório Global da Riqueza que é a fonte mais ampla de

A Terra teria déficit ambiental global mesmo sem os ricos, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  [EcoDebate] A economia é um subsistema da ecologia. Desta forma, a Pegada Ecológica gerada pela economia não pode ser maior do que a biocapacidade fornecida pela ecologia. Para manter a sustentabilidade e garantir o adequado padrão de vida da humanidade, sem degradar as condições ambientais, a Pegada Ecológica, no longo prazo, não pode ser maior do que a Biocapacidade do Planeta. Assim, é insustentável manter o crescimento da produção e

Não podemos continuar pensando na natureza como uma fonte infinita de recursos

  “Não podemos continuar pensando na natureza como uma fonte infinita de recursos”. Entrevista com Inger Andersen IHU A economista dinamarquesa Inger Andersen assumiu a direção do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), em junho do ano passado, após a renúncia por um escândalo de seu antecessor, o ex-ministro norueguês do meio ambiente, Erik Solheim. Uma auditoria interna revelou que ele havia viajado em 529 dos 668 dias auditados, nos quais gastou quase 490.000 dólares, em

Para garantir a sustentabilidade ecológica não basta a redução do consumo, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

“Precisamos pegadas menores, mas também precisamos de menos pés”. (Enough is Enough, 2010) [EcoDebate] A humanidade já ultrapassou a capacidade de carga da Terra. O aumento das atividades antrópicas excedeu a resiliência do Planeta. A pegada ecológica superou os limites da biocapacidade. A presença humana no mundo está sufocando os ecossistemas e provocando um colapso na vida selvagem. Portanto, é preciso reduzir o volume das atividades econômicas para possibilitar a restauração da

Não há futuro que valha a pena sem a natureza

    “Não há futuro que valha a pena sem a natureza”. Entrevista com Sandra Myrna Díaz IHU Um dos momentos favoritos de Sandra Myrna Díaz (Bell Ville, 1961), na Universidade de Córdoba (Argentina), onde trabalha no Instituto de Biologia Vegetal, ocorre quando questiona seus alunos, parecendo detetive, sobre a procedência de muitas folhas selecionadas para adivinhar suas características e estilo de vida. “Isso me apaixona. Gosto de ver como as plantas que evoluíram em lugares muito diferentes, isoladas umas das outras, acabam tendo síndromes

Sínodo da Amazônia e os caminhos para a Ecologia Integral, por Gilvander Moreira

Sínodo da Amazônia, bênção espiritual, ética e profética. Por Gilvander Moreira1 Bendito dia 15 de outubro de 2017, dia que o papa Francisco, acolhendo os clamores dos povos amazônidas, da mãe terra amazônica, da irmã água, da fauna, da flora e de toda a biodiversidade, teve a intuição e a coragem de convocar o Sínodo da Amazônia. Quase do tamanho do Brasil, com 8,5 milhões de quilômetros quadrados, 60% da Amazônia está

Capitalismo Responsável e Sustentabilidade, artigo de José Rodrigues Filho

  [EcoDebate] Desde que o prêmio Nobel de economia, Milton Friedman, escreveu em 1970, que a responsabilidade social dos negócios é aumentar seus lucros, a confiança do público no capitalismo começou a diminuir, principalmente com a crise financeira de 2008, exacerbando a desigualdade da renda. Assim sendo, para muitos o capitalismo do século vinte não é mais viável, enquanto para outros é irremediável, ao se perceber que o crescimento não pode ser

‘Estamos destruindo a natureza para o proveito de uma minoria’, diz o economista Ladislau Dowbor

  Resumo: Escolhido para a Entrevista do Mês dos Aliados da Pública, o economista Ladislau Dowbor alerta: na era do capitalismo improdutivo, caminhamos em ritmo acelerado para um desastre Por Texto: Caio Costa, Thiago Domenici | Fotos: José Cícero da Silva Fonte: Agência Pública   O diagnóstico é grave, mas Ladislau Dowbor nega ser pessimista. Brinca: “O pessimista é o otimista bem informado”, repetindo uma frase do economista Ignacy Sachs, com quem compartilha trabalhos e a

A Ilusão da Universalização do Consumo, por Felipe Soares de Moraes e Diego Márcio Ferreira Casemiro

  A Ilusão da Universalização do Consumo Felipe Soares de Moraes1 Diego Márcio Ferreira Casemiro2 [Ecodebate] As discussões sobre o desenvolvimento sustentável e a iminência do colapso socioambiental global tem desafiado a lógica capitalista durante décadas. A ideia de que o progresso e o desenvolvimento econômico serão acessível a todos os povos, e que os padrões de consumo dos países periféricos serão iguais aos padrões de consumo dos países desenvolvidos (FURTADO, 1974), vem sendo

Acumulam capital destruindo vidas, artigo de Gilvander Moreira

Acumulam capital destruindo vidas Por Gilvander Moreira1 A realidade dramática causada pela implantação da barragem e hidrelétrica de Itapebi no Rio Jequitinhonha, no município de Salto da Divisa, na região do Baixo Jequitinhonha, MG, e em todos os grandes projetos de interesse do capital, nos recorda Marshall Berman, no livro Tudo o que é sólido se desmancha no ar, quando o personagem Fausto, após passar pela primeira metamorfose, que o ensinou a

Clima sem saúde, artigo de Paulo K. de Sá

    [EcoDebate] Em tempos de avanço no desmatamento da Amazônia, uma das áreas mais importantes do planeta para a regulação do clima, biodiversidade e sobrevivência de inúmeras espécies, inclusive a nossa, assistimos a uma voraz investida sobre um dos maiores patrimônios da humanidade. Como se não bastasse, a Mata Atlântica e, principalmente, o Cerrado são devastados em meio à nuvem de fumaça na Amazônia. Sabemos que o modelo econômico dita as decisões

A emergência climática é a questão política central da nossa época. Entrevista com Michael Löwy

  Por Patricia Fachin, IHU A emergência climática “já é, e vai se tornar ainda mais nos próximos anos, a questão política central de nossa época”, diz o sociólogo Michael Löwy à IHU On-Line. Defensor do ecossocialismo, um “modelo de civilização baseado na justiça social, na igualdade, na democracia, na solidariedade e no respeito por nossa Casa Comum”, ele explica por que a catástrofe ambiental ainda não está no centro das políticas das esquerdas. “Durante muito tempo, em particular no decorrer do

Open letter to humanity – Carta aberta à humanidade, por Jeremy Desir

  Open letter to humanity - Carta aberta à humanidade por Jeremy Desir, Analista Quantitativo do HSBC Original publicado em 1 de agosto de 2019 no LinkedIn Tradução livre por Maria Clara de Oliveira O capitalismo está morto. E, embora as terras virgens que estão prestes a ser esmagadas e as frágeis vidas que estão prestes a se afogar possam jamais ver seu futuro florescer, o capitalismo está, de fato, morto na sua essência, tanto

A vida na Terra tem duas ameaças vitais: mudanças climáticas e ecocídio, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  [EcoDebate] Em quase 10 anos de colaboração no Portal EcoDebate, chego ao artigo de número mil. Durante esta década de reflexões sobre os temas de população, desenvolvimento e meio ambiente foi ficando claro que são enormes e diversificados os desafios para a redução da pobreza, para a promoção da equidade social em todas as suas formas e para garantir a justiça e a sustentabilidade ambiental. Porém, há que se destacar

Estudo indica prejuízo de R$ 118 bilhões ao país com a privatização de terras na Amazônia

  A conclusão é de um artigo científico publicado pelo Imazon que aponta avanço do desmatamento e perdas de bilhões de reais para os cofres públicos pela prática de cobrar abaixo do preço de mercado pelo hectare de médias e grandes posseiros que se apropriaram de áreas públicas. Por Stefânia Costa     A sociedade brasileira poderá custear subsídios na ordem de R$ 118 bilhões (7% do PIB brasileiro) na venda de médias e grandes propriedades

O modelo de produção e consumo capitalista é o que está levando ao esgotamento do planeta

  Ecossocialismo: caminho para superação das crises ambientais e econômicas. Entrevista especial com Arlindo Manuel Esteves Rodrigues João Vitor Santos, IHU O modelo de produção e consumo capitalista é o que, na visão do professor Arlindo Manuel Esteves Rodrigues, está levando ao esgotamento do planeta, e o estado de crises econômicas que se vive é uma das faces dessa degradação. “Inicio citando o ativista e economista Kenneth Boulding: ‘quem acredita que um crescimento infinito é possível em um mundo

Top