Manutenção das três principais bacias hidrográficas do país depende da preservação do Cerrado

  Manutenção das três principais bacias hidrográficas do país depende da preservação do Cerrado. Entrevista especial com Fernando Tatagiba IHU     Depois de quatro anos de negociação e da realização de estudos fundiários, socioeconômicos e ambientais envolvendo o governo estadual de Goiás e o Ministério do Meio Ambiente – MMA, a comunidade que reside nas proximidades do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, em Goiás, está na expectativa de que a área do parque

Notas sobre a contaminação de nitrato em aquíferos em zonas agrícolas de climas semiáridos a áridos, artigo de Carlos Augusto de Medeiros Filho

  [EcoDebate] No Estado do Rio Grande do Norte, levando-se em consideração apenas o índice pluviométrico, o clima é tropical chuvoso com verão seco, no litoral sul, com precipitações médias acima dos 1 200 milímetros (mm) anuais; tropical chuvoso com inverno seco no litoral nordeste, nas partes mais elevadas da Serra de João do Vale e na região serrana, onde se situam as serras de Luís Gomes, Martins e Portalegre (800

ES, SC e MG receberam, juntos, R$ 8,2 milhões para projetos de recuperação de nascentes em APPs

  Projetos de recuperação de nascentes em três estados receberam R$ 8,2 mi - Recursos foram repassados pelo Fundo Nacional do Meio Ambiente para projetos no Espírito Santo, Santa Catarina e Minas Gerais     Portal Brasil Espírito Santo, Santa Catarina e Minas Gerais receberam, juntos, R$ 8,2 milhões para projetos de recuperação de nascentes em áreas de preservação permanente. Os recursos foram repassados pelo Fundo Nacional do Meio Ambiente (FNMA). O repasse, efetuado na última

Agência Nacional de Águas (ANA) publica Informe 2016 do relatório Conjuntura dos Recursos Hídricos no Brasil

    A Agência Nacional de Águas (ANA) publicou nesta terça-feira (20) o Informe 2016 do relatório Conjuntura dos Recursos Hídricos no Brasil. Esta nova edição atualiza a versão do ano anterior e dá amplo destaque aos efeitos da disponibilidade hídrica para os usos múltiplos diante da recorrência de secas históricas, em especial aquelas ocorridas no Semiárido brasileiro. A nova edição do Informe está disponível para download no site da ANA. Atribuição conferida

Perdas de solo e água em área de nascente estratégica para o Sistema Cantareira, por Marco Antonio Ferreira Gomes e Lauro Charlet Pereira

PERDAS DE SOLO E ÁGUA EM ÁREA DE NASCENTE ESTRATÉGICA PARA O SISTEMA CANTAREIRA Marco Antonio Ferreira Gomes1 Lauro Charlet Pereira2   INTRODUÇÃO O uso e ocupação de áreas de alta declividade favorecem, quase sempre, perdas de solo por erosão que é uma das principais responsáveis pela degradação do solo, com prejuízos à produtividade agrícola e às atividades econômicas relacionadas à agricultura. Esta erosão é causada pela energia cinética da água da chuva gerada

As regiões úmidas do mundo estão ficando mais úmidas e as regiões secas estão ficando mais secas

    Universidade de Southampton Pesquisa da Universidade de Southampton, forneceu provas sólidas de que as regiões úmidas da Terra estão ficando mais úmidas e as regiões secas estão ficando mais secas, mas isto está ocorrendo em um ritmo mais rápido do que se pensava anteriormente. O estudo [Global water cycle amplifying at less than the Clausius-Clapeyron rate ], publicado em Scientific Reports, analisou a salinidade dos oceanos do mundo. Mais chuva e e maior desague

A questão hídrica atual do Nordeste seco! artigo de João Suassuna

    O setentrional nordestino, que há cinco anos vem enfrentando situações de seca, está em “estado de emergência” e muitos dos municípios da região, como o de Campina Grande, na Paraíba, que tem aproximadamente 355 mil habitantes, e Caruaru, em Pernambuco, com 300 mil habitantes, enfrentam problemas de abastecimento de água para o consumo de suas populações. O maior problema da seca é que não há gestão dos recursos hídricos e, em

A Mercantilização da Água no Brasil, artigo de Flávio José Rocha da Silva

A Mercantilização da Água no Brasil Flávio José Rocha da Silva1 [EcoDebate] Recentemente o Presidente Michel Temer anunciou um programa de privatizações que inclui a Companhia Estadual de Águas e Esgotos - CEDAE – do Rio de Janeiro como uma das empresas a serem vendidas para a iniciativa privadas. É o início de um processo que vem sendo anunciado há algum tempo: a mercantilização da água através de sua privatização. Devemos nos

Descarte inadequado de lixo e entulho em área de recarga compromete Aquífero Guarani

  Análise de amostras de sedimento da Lagoa do Saibro, área de recarga do aquífero, em Ribeirão Preto, identificou a presença de vários contaminantes     O hábito da população de descartar objetos e materiais em qualquer local, principalmente em rios, lagos, lagoas e mares, pode comprometer o meio ambiente e também a população que vive nas redondezas, como é o caso da Lagoa do Saibro (foto ao lado), em Ribeirão Preto. A Lagoa do

Podcast: Saiba mais sobre o programa Produtor de Água

    Apresentação Joana D'Arc, da Radioagência Nacional O Programa Produtor de Água, desenvolvido pela Agência Nacional de Águas (ANA), que usa o pagamento por serviços ambientais como forma de incentivar os produtores rurais a adotarem boas práticas conservacionista em ganhado destaque no país. Atualmente, são 38 projetos em execução, abrangendo cerca de 400 mil hectares, dos quais 40 mil de áreas já recuperadas. O programa s. A iniciativa convoca produtores rurais a aderirem, de

Projeto da FAU/USP, para rios paulistanos, alia usos múltiplos das águas, do lazer à macrodrenagem

  Proposta prevê implantação de parques em orlas fluviais e a criação de lagos nas nascentes e foz de rios como alternativa para prevenção contra enchentes Pesquisa da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da USP propõe uma série de intervenções para as orlas fluviais de três rios da cidade de São Paulo. O trabalho da arquiteta Eloísa Balieiro Ikeda prevê a construção de dois níveis de cais ao longo do canal

Agência Nacional de Águas (ANA) autoriza nova redução da vazão mínima de barragens no Rio São Francisco

    A Agência Nacional de Águas (ANA) autorizou a redução da vazão mínima das barragens de Sobradinho (BA) e Xingó (AL/SE), no Rio São Francisco, para 700 metros cúbicos por segundo (m³/s). O limite, que valerá até o dia 31 de janeiro de 2017, é o menor já adotado para os dois reservatórios, mas a agência poderá suspender a decisão caso haja recomendações técnicas. A resolução da ANA autorizando a redução

Top