Poluição do ar: Qual é o valor de cinco segundos? artigo de Sucena Shkrada Resk

    A maioria de nós provavelmente nunca pensou quanto valem cinco segundos nos dias de hoje, não é? Valem literalmente uma vida, pois neste curto espaço de tempo morre uma pessoa no mundo em decorrência de doenças associadas à poluição do ar, correspondendo anualmente a 7 milhões de pessoas. Para compreender melhor a gravidade do problema, faça a conta: nove em dez pessoas respiram ar poluído e contaminado no mundo, segundo

Cinco razões pelas quais você deve se preocupar com a poluição do ar

  A poluição do ar está ao nosso redor. Dentro de casa, ao ar livre, nas cidades e no campo. Isso afeta a todos nós, quer percebamos ou não. Por muito tempo, tomamos o ar que respiramos por garantido. Havia ar, havia cheiros, havia vento frio, havia ar quente. Mas pesquisas recentes começaram a lançar luz sobre alguns aspectos bastante preocupantes do que o ar ao nosso redor realmente contém, e como

Como está o ar que respiramos? artigo de Sandra Maria Lopes de Souza

    [EcoDebate] Dados fornecidos pela ONU Meio Ambiente — a agência ambiental da Organização das Nações Unidas (ONU) — demonstram que 9 em cada 10 pessoas no mundo estão expostas a altos níveis de poluição do ar, excedendo os padrões considerados seguros pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Aproximadamente 7 milhões de pessoas morrem prematuramente ao ano acometidas de doenças ocasionadas pelo mesmo problema. Em grandes cidades, onde o parque industrial

Pesquisadores associaram respirar ar poluído ao potencial de inúmeros problemas para mulheres grávidas

    Em um estudo abrangente, pesquisadores da Texas A & M University determinaram que o material particulado nocivo na atmosfera pode produzir defeitos congênitos e até fatalidades durante a gravidez usando o modelo animal. A equipe de pesquisadores das Faculdades de Agricultura e Ciências da Vida e Geociências do Texas A & M, do Centro de Ciências da Saúde do Texas A & M e colegas da Universidade da Califórnia-San Diego publicou

Poluição urbana de Manaus aumenta em até 400% a formação de aerossóis pela floresta amazônica

  Maria Fernanda Ziegler  |  Agência FAPESP – Estudo internacional com a participação de pesquisadores brasileiros descobriu que a poluição urbana vinda de Manaus (AM) aumenta – muito mais do que o esperado – a formação dos aerossóis produzidos pela própria floresta amazônica. De acordo com o artigo publicado na revista Nature Communications, a poluição urbana resulta em um aumento médio de 200%, com picos de até 400%, na formação dos

Pesquisa do IB-USP revela que a poluição do ar afeta crescimento de árvores em São Paulo

  Os efeitos da poluição do ar à saúde humana já são conhecidos. Uma pesquisa do Instituto de Biociências (IB) da Universidade de São Paulo (USP) identificou agora que as árvores também sofrem esses efeitos, o que interfere nos benefícios ambientais prestados por elas. Os pesquisadores utilizaram como modelo a tipuana (Tipuana tipu) – uma das espécies de árvores mais comuns em São Paulo – e mostraram que os poluentes atmosféricos

União Europeia proíbe uso de plásticos em cotonetes, pratos, canudos, copos e recipientes para alimentos e bebidas

  A proibição do consumo de uma série produtos passa a valer a partir de 2021 e busca reduzir a poluição por plásticos No esforço de combater o lixo nos oceanos, rios e lagos, assim como a poluição como um todo, o Parlamento Europeu aprovou ontem (27) a proibição do consumo de uma série produtos plásticos nos países que formam o bloco. A lista tem dez itens e inclui cotonetes, pratos, canudos,

Um bilhão de litros de chorume são despejados todo ano na Baía de Guanabara

    ABr* No Dia Mundial da Água é comemorado este ano, no Rio de Janeiro, com a constatação de que um bilhão de litros de chorume são despejados na Baía de Guanabara todo ano, de acordo com denúncia do Movimento Baía Viva. Chorume é o líquido poluente de cor escura e mau cheiro, originado de processos biológicos, químicos e físicos da decomposição de resíduos orgânicos. O vazamento de chorume proveniente do lixão de

Uso excessivo de fertilizantes fosfatados pode reduzir as funções microbianas críticas para a saúde das culturas

  Uso excessivo de fertilizantes fosfatados O fósforo é crucial para o crescimento das plantas - com isso, as plantas podem adquirir, transferir e armazenar a energia que as ajuda a florescer com saúde plena. Sem ela, as plantas se debatem: são raquíticas, descoloridas e produzem baixos rendimentos. Por esta razão, os agricultores e jardineiros aplicam frequentemente fertilizantes fosfatados (fertilizante-P) para aumentar a quantidade de fósforo no seu solo. No entanto, um

ONU alerta que meta global de redução do efeitos de produtos químicos não será alcançada

    Os países não conseguirão alcançar o objetivo de reduzir, até 2020, os impactos adversos que o uso de produtos químicos causam ao meio ambiente. O alerta foi feito durante a 4ª Assembleia das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEA), evento que começou ontem (11), em Nairóbi, no Quênia. Segundo o estudo Perspectivas dos Produtos Químicos a Nível Mundial, preparado pela ONU Meio Ambiente ao longo dos últimos três anos, por meio

Tietê permanece adoecido na região metropolitana devido ao mau planejamento urbano, artigo de Sucena Shkrada Resk

    A sensação de déjà-vu é contínua. Entra ano, sai ano, esta é a realidade perversa que vivemos diariamente nas regiões metropolitanas. De um lado, algumas nascentes que resistem, sabe-se lá até quando à pressão humana e, por outro, rios que são engolidos, em diversos trechos de seus percursos, por plásticos e por todos os tipos de resíduos que são recicláveis, além da imensa descarga clandestina de esgotos domésticos e industriais.

Combustão de combustíveis fósseis é o principal contribuinte para o carbono negro em todo o Ártico

  Carbono Negro - Uma equipe internacional conduziu o estudo em locais na Rússia, Canadá, Suécia e Noruega, com pesquisadores da Universidade de Baylor contribuindo com medições para o Alasca. Por Terry Goodrich*, Baylor University Combustão de combustíveis fósseis é o principal contribuinte para o carbono negro coletado em cinco locais ao redor do Ártico, o que tem implicações para o aquecimento global, de acordo com um estudo de um grupo internacional de

Top