Emergência Climática: OMS alerta para o impacto da mudança climática sobre a saúde humana

  Agência da ONU realizou pesquisa em mais de 100 países; apenas metade tinha estratégia para enfrentar o problema; sintomas mais comuns são: hipertermia, ferimentos ou morte por temperaturas extremas e doenças como dengue, malária e cólera. ONU News Proteger a saúde humana dos impactos das mudanças climáticas é mais urgente do que nunca, mas a maioria dos países não está fazendo o suficiente para atingir essa meta. É o que afirma o

Rio de Janeiro muda classificação de riscos para catástrofes climáticas

  O prefeito Marcelo Crivella, assinou decreto ontem (26) em que estabelece uma nova classificação dos estágios operacionais da cidade em caso de chuva ou acidentes graves, com a finalidade de agir mais rápido em casos de catástrofes climáticas.   Foto: Tânia Rêgo/ABr   ABr A partir de agora, os níveis de alerta serão cinco e não mais apenas três, como era anteriormente. Antes, as fases eram Normalidade, Atenção e Crise, o mais grave. A ordem

Emergência Climática – Os furacões estão se tornando maiores, mais fortes e mais perigosos

    Furacões estão se tornando maiores, mais fortes e mais perigosos Um novo estudo de pesquisadores do Instituto Niels Bohr, Universidade de Copenhague, Aslak Grinsted, Peter Ditlevsen e Jens Hesselbjerg mostra que os furacões se tornaram mais destrutivos desde 1900, e os piores deles são mais de três vezes mais freqüentes do que há 100 anos. Niels Bohr Institute*, University of Copenhagen Uma nova maneira de calcular a destruição, compensando a mudança social da

Áreas de Risco: sistemas de alerta em caráter permanente constituem decisão oportunista, desumana e cruel, artigo de Álvaro Rodrigues dos Santos

[EcoDebate] Diferentemente de países com vulcanismo ativo, terremotos, furacões, tempestades tropicais cíclicas e outros poderosos agentes da Natureza, no Brasil as áreas de risco estão inequivocamente associadas a erros humanos na ocupação de terrenos geológica, geotécnica ou hidrologicamente mais sensíveis e instáveis. Por exemplo, no caso de deslizamentos são ocupados terrenos que por sua enorme suscetibilidade natural a esse tipo de fenômeno não poderiam de forma alguma ser ocupados. Ou

As mudanças climáticas têm impacto na magnitude das inundações na Europa

  A mudança climática afeta as inundações na Europa   Foto: European Commission   Um grande projeto de pesquisa internacional liderado por TU Wien (Viena) demonstrou pela primeira vez que as mudanças climáticas têm um impacto na magnitude das inundações dos rios. Por Florian Aigner * ** Os rios transbordantes podem causar enormes prejuízos: em todo o mundo, o dano anual causado pelas inundações dos rios é estimado em mais de 100 bilhões de dólares - e

Estatística contra desastres – Modelagem de suscetibilidade de encostas a escorregamentos

  Episódios de escorregamentos rasos são frequentes em ambientes montanhosos como a Serra do Mar, localizada nas regiões Sul e Sudeste do Brasil. A ocorrência deste tipo de movimento de massa se dá por um conjunto de condições morfológicas, geológicas e climáticas, mas quais deles são mais significativos a esses eventos quase sempre associados a desastres naturais? Para responder à pergunta, a geógrafa Helen Cristina Dias fez um estudo sobre modelagem

As mudanças climáticas intensificaram as chuvas extremas do furacão Maria, que atingiu Porto Rico em 2017

  O furacão Maria causou mais chuvas em Porto Rico do que qualquer tempestade que atingiu a ilha desde 1956, um feito devido principalmente aos efeitos do aquecimento causado pelo homem, segundo uma nova pesquisa. American Geophysical Union* Um novo estudo que analisa a história do furacão de Porto Rico mostra que, em 2017, Maria teve a maior precipitação média das 129 tempestades atingidas na ilha nos últimos 60 anos. Uma tempestade de

A construção de piscinões está longe de ser a solução ideal para o problema das inundações, diz especialista

  Chuvas, enchentes, desabamentos, desabrigados e mortes - Como solucionar a tragédia nossa de cada verão? Por Paulo Capuzzo, Rádio USP. Chuvas, enchentes, desabamentos, desabrigados e mortes. O cenário se repete a cada verão. Não chega a surpreender, portanto, que as enchentes tenham sido a maior causa de mortes da estação: entre dezembro de 2018 e março deste ano, aconteceram 38 mortes no Estado de São Paulo, um aumento de 280% em relação

Situação do clima em 2018 mostrou aumento dos efeitos das mudanças climáticas, diz relatório

  ONU Foto: ONU Os sinais físicos e os impactos socioeconômicos deixados pela mudança climática são cada vez maiores devido às concentrações de gases de efeito estufa sem precedentes, que provocam um aumento das temperaturas mundiais a níveis perigosos, segundo o relatório mais recente da Organização Meteorológica Mundial (OMM). A 25ª edição da Declaração da OMM sobre o estado do clima mundial, correspondente a 2018, destacou a elevação recorde do nível do mar, assim como

Ações climáticas urgentes são necessárias para conter ciclones fatais como Idai, alerta o secretário-geral da ONU

  O crescente número de mortos provocado pelo ciclone Idai é “outro sinal alarmante dos perigos da mudança climática”, disse na terça-feira (26) o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, alertando que países vulneráveis como Moçambique serão atingidos com mais força se ações urgentes não forem tomadas pela comunidade internacional. “Tais eventos estão se tornando mais frequentes, mais severos e mais amplos, e isto só irá piorar se não agirmos agora”, disse

Fiocruz lança guia de preparação e resposta do setor de saúde aos desastres

  Por Tatiane Vargas (Ensp/Fiocruz) O Centro de Estudos e Pesquisas em Emergências e Desastres em Saúde da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (Cepedes/Ensp/Fiocruz) lançou, recentemente, o Guia de Preparação e Respostas do Setor Saúde aos Desastres, um documento elaborado em três etapas, desenvolvidas entre 2015 e 2017, com informações e conceitos que ajudam a compreender o que é importante saber para reduzir os riscos de desastres. A publicação inclui

Riscos ambientais dominam a Pesquisa Global de Percepção de Riscos do Fórum Econômico Mundial

  Os riscos ambientais continuam a dominar a Pesquisa Global de Percepção de Riscos do Fórum Econômico Mundial , responsável por três dos cinco principais riscos por probabilidade e quatro por impacto. Organização Meteorológica Mundial (OMM)* O clima extremo liderou a lista, mas há uma preocupação crescente com o fracasso das políticas ambientais, com o fracasso da mitigação e adaptação às mudanças climáticas sendo o segundo maior risco em termos de impacto este

Top