Síntese de Indicadores Sociais – Pobreza aumenta e atinge 54,8 milhões de pessoas em 2017

  O país tinha 54,8 milhões de pessoas que viviam com menos de R$ 406 por mês em 2017, dois milhões a mais que em 2016     Resumo: Proporção de pessoas na pobreza sobe de 25,7% para 26,5% de 2016 para 2017 País tinha 15,2 milhões de pessoas na extrema pobreza em 2017 Cresce a proporção de crianças e adolescentes abaixo da linha de pobreza A intensidade da pobreza aumentou entre 2016 e

Síntese de Indicadores Sociais – Ensino médio público reduz chances de acesso ao nível superior

  Dos alunos que completaram o ensino médio na rede pública, apenas 36% entraram numa faculdade. Para os da rede privada, esse percentual mais que dobrou: ficou em 79,2%. Os números foram divulgados hoje pelo IBGE na Síntese de Indicadores Sociais 2018, que destaca as desigualdades de acesso ao ensino na pré-escola e no nível superior. A pesquisadora do IBGE Betina Fresneda comenta que o Brasil é o país que tem o maior

Redução da desigualdade de renda recua e Brasil se torna o 9º país mais desigual

  Entre 2016 e 2017 a redução da desigualdade de renda no Brasil foi interrompida pela primeira vez nos últimos 15 anos. Dados foram divulgados pela organização Oxfam Brasil O relatório País estagnado: um retrato das desigualdades brasileiras – 2018, divulgado nesta segunda-feira (26) pela organização não governamental Oxfam Brasil, mostra que entre 2016 e 2017 a redução da desigualdade de renda no Brasil foi interrompida pela primeira vez nos últimos 15

Os países mais religiosos são os mais desiguais socialmente, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    [EcoDebate] Desigualdade social e religiosidade são fenômenos que andam juntos e de mãos dadas. Em geral, quanto mais desigual um país, maior importância a população tende a dar à religião. Essa é uma conclusão que se pode tirar do gráfico acima, apresentado pela pesquisa "Americans are far more religious than adults in other wealthy nations”, do Instituto PEW (31/07/2018). A linha inclinada do gráfico mostra que os países que mais valorizam a

A desigualdade social da pirâmide da riqueza global 2018, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    [EcoDebate] Todos os anos o banco Credit Suisse publica o Relatório Global da Riqueza que é a fonte mais ampla de informações sobre o patrimônio familiar global. Os dados mostram o grau de desigualdade das pessoas em relação ao estoque de riqueza. Em sua nona edição, o relatório consolida os dados sobre a desigualdade da riqueza nas regiões e nos diversos segmentos de classe. Entre 2017 e 2018, a riqueza global

A classe média é maioria no mundo pela primeira vez na história, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  O aumento da renda tem ocorrido com base em um crescimento do modelo de produção e consumo insustentável     [EcoDebate] O capitalismo é o sistema econômico que mais gerou riqueza na história mundial, fato sem paralelo desde o surgimento do Homo sapiens. Mas também é o modo de produção que gerou os maiores níveis de desigualdade social e de degradação ambiental. Mesmo com todo o sucesso na geração de riqueza, o capitalismo pode

Acesso universal à educação é insuficiente para diminuir desigualdade socioeconômica

  Sistema de cotas e política tributária têm impacto social mais rápido na redução da desigualdade socioeconômica ABr     É possível reduzir a desigualdade socioeconômica no Brasil só pela via educacional? Os sociólogos Marcelo Medeiros (Ipea/UnB), Flávio Carvalhaes (UFRJ) e Rogério Barbosa (Centro de Estudos da Metrópole – USP) fizeram uma série de análises com dados estatísticos e confirmaram que sim. Porém, o resultado é muito aquém do que o senso comum costuma acreditar.

Estudo da Unicef revela que seis em cada dez crianças no Brasil vivem na pobreza

  Seis em cada dez crianças no Brasil vivem na pobreza, de acordo com estudo inédito apresentado ontem (14) pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). São crianças e adolescentes até 17 anos que são monetariamente pobres e/ou estão privados de um ou mais direitos, como educação, informação, água, saneamento, moradia e proteção contra o trabalho infantil. O levantamento, feito com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) 2015,

Aumenta a pobreza e a extrema pobreza no Brasil, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  Aumenta a pobreza e a extrema pobreza no Brasil   [EcoDebate] O Brasil não deve cumprir o objetivo 1 dos ODS - Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, que trata da “Erradicação da Pobreza” e que estabelece: “Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares” até 2030. Em vez de cair, o número de pobres e de indigentes (extrema pobreza) subiu. A economia brasileira vive a sua mais longa e

Agir contra injustiça social garante progressos em saúde

  Por Júlia Dias (Agência Fiocruz de Notícias) “Por que tratar pessoas e devolvê-las às mesma condições que as fizeram adoecer?”, essa é a pergunta que inicia o livro The Health Gap (A lacuna em saúde), do diretor do Institute of Health Equity, sir Michael Marmot. Ela resume a ideia dos determinantes sociais da saúde, que buscam entender e atuar sobre fatores socioeconômicos que interferem na saúde. “Esta ideia está decolando”, garantiu o fundador

Cidades carentes de habitações saudáveis são as mais impactadas por doenças que se alimentam da desigualdade social, como a tuberculose

    Sem moradia, não há saúde Por Katia Machado - EPSJV/Fiocruz Ainda que ratificado na Declaração Universal dos Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU), da qual o Brasil é signatário, e garantido na Constituição Federal, .o direito à moradia não é uma realidade para a maioria dos brasileiros. Legalmente, ele está definido no artigo da Carta de 1988 que trata dos direitos sociais, junto com a educação, a saúde e a

Cotas foram revolução silenciosa no Brasil e que beneficiam toda a sociedade, afirma especialista

  ABr A chance de ter um diploma de graduação aumentou quase quatro vezes para a população negra nas últimas décadas no Brasil. Depois de mais de 15 anos desde as primeiras experiências de ações afirmativas no ensino superior, o percentual de pretos e pardos que concluíram a graduação cresceu de 2,2%, em 2000, para 9,3% em 2017. Apesar do crescimento, os negros ainda não alcançaram o índice de brancos diplomados. Entre a

Top