Aquecimento recorde em 2016 e os seis anos de contínuo aumento da temperatura, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    [EcoDebate] O ano de 2016 foi o mais quente já registrado. Desde o início da série de medição regular da temperatura do planeta, que começou em 1880, é a primeira vez que a temperatura atinge 0,94º Celsius acima da média do século XX e, ao mesmo tempo, o aquecimento global aumenta por seis anos seguidos. As temperaturas ficaram, acima da média do século XX, em 0,58º C em 2011, 0,62º C

O clima mudou, é a hora de mudarmos também, artigo de André Ferretti

    [EcoDebate] Eventos climáticos extremos, como secas e chuvas fortes, têm se tornado cada vez mais frequentes no Brasil. E junto com eles, prejuízos diretos a diversos segmentos sociais e econômicos, aos quais estão ligados, direta ou indiretamente, os mais de 200 milhões de brasileiros, como a agropecuária, que depende de fenômenos climáticos em certa intensidade e em determinados períodos para garantir sua produtividade. O novo relatório do Banco Mundial “Unbreakable: Building

O ano de 2016 bateu o recorde de ano mais quente desde 1880

  Temperatura global bate recorde e 2016 foi o ano mais quente desde 1880 Da Agência Ansa / ABr  O ano de 2016 bateu o recorde de ano mais quente desde 1880, quando foram feitos os primeiros registros históricos da temperatura, informaram nesta quarta-feira (18) cientistas na Nasa e da Agência Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (Noaa, na sigla em inglês). As informações são da Agência ANSA. Segundo a Noaa, a média da

Estudo simula o efeito das mudanças climáticas na hidrologia da Bacia Amazônica

    Pesquisa prevê condições mais úmidas para a parte oeste da Amazônia e mais secas para o leste Por Amanda Hamermüller, EFRGS Temperaturas mais elevadas e desequilíbrio entre as estações são reflexos expressivos do que costumamos chamar de mudanças climáticas. Elas são reais e estão nos atingindo com cada vez mais força. Cientistas de várias partes do mundo já observam que o aumento da temperatura média do planeta tem elevado o nível do

Aplicação de cortinas verdes na arquitetura como alternativa para controlar o excesso de incidência de sol

  Por Gabrielle Paula, UFRGS Em Paris, na França, já é lei: prédios comerciais devem ter tetos verdes ou painéis solares em suas construções. Soluções sustentáveis têm sido cada vez mais discutidas e pensadas nas grandes cidades do mundo. Foi justamente a crescente proposição das cortinas verdes como alternativa para controlar o excesso de incidência solar no interior dos edifícios que motivou a pesquisadora Minéia Scherer a desenvolver, como tese de doutorado,

Camada de gelo da Antártica tem impacto na variação climática regional e global, dizem pesquisadores

    Da Agência Xinhua Uma equipe de pesquisadores internacionais concluiu que a camada de gelo da Antártica desempenha papel importante na variação climática regional e global. De acordo com os pesquisadores, a descoberta, entre outros achados, pode ajudar a explicar por que o gelo marinho no Hemisfério Sul tem aumentado, apesar do aquecimento do resto da Terra. Os modelos climáticos globais observados nos últimos milhares de anos não conseguiram explicar a variação climática observada

As regiões úmidas do mundo estão ficando mais úmidas e as regiões secas estão ficando mais secas

    Universidade de Southampton Pesquisa da Universidade de Southampton, forneceu provas sólidas de que as regiões úmidas da Terra estão ficando mais úmidas e as regiões secas estão ficando mais secas, mas isto está ocorrendo em um ritmo mais rápido do que se pensava anteriormente. O estudo [Global water cycle amplifying at less than the Clausius-Clapeyron rate ], publicado em Scientific Reports, analisou a salinidade dos oceanos do mundo. Mais chuva e e maior desague

Estudo coordenado pela Fiocruz mapeia mudanças no clima do Mato Grosso do Sul

  Por Reginaldo Alves (Projeto Vulnerabilidade à Mudança do Clima / Fiocruz Minas) No Mato Grosso do Sul, a porção norte do estado poderá apresentar um aumento de até 5,8°C graus na temperatura e uma redução de até 19% no volume de chuvas nos próximos 25 anos. Os dados fazem parte de uma pesquisa inédita sobre o Mato Grosso do Sul, que identificou a vulnerabilidade à mudança do clima nos 79 municípios

Fenômenos climáticos extremos levam anualmente 26 milhões de pessoas à pobreza

    Os desastres naturais atiram para a pobreza 26 milhões de pessoas todos os anos e provocam perdas anuais de 520 mil milhões de dólares no consumo, revela relatório publicado na segunda-feira (14) pelo Banco Mundial. Intitulado "Inquebrável: Construir a Resiliência dos Pobres Perante Desastres Naturais", o relatório do Banco Mundial e da Instituição Global para a Redução de Desastres e Recuperação (GFDRR) avisa que o impacto humano e econômico dos fenômenos

Estudo inédito, coordenado pela Fiocruz, mapeia mudança de clima no Maranhão

    Por Reginaldo Alves (Projeto Vulnerabilidade à Mudança do Clima) Os 217 municípios do Maranhão poderão ficar, progressivamente, mais quentes e mais secos até 2070. A parte oeste do estado, por exemplo, poderá ter um aumento de mais de 5°C e uma diminuição de até 32% no volume de chuvas no período indicado. As informações fazem parte de uma pesquisa inédita que avaliou a vulnerabilidade das cidades maranhenses à mudança do clima.

Amazônia e Saara: o Yin-Yang do Planeta, artigo de Suzi Huff Theodoro

  [EcoDebate] A floresta Amazônica impacta pela sua beleza, esplendor e majestade. Porém, quando se vê o deserto do Saara pela primeira vez, fica-se igualmente impressionada por sua grandiosidade, imensidão e imponência. Na Amazônia a vida transpira, exala e brota indiscriminada e violentamente, com uma urgência de se reproduzir e expandir-se para além de seus domínios. No Saara, não se vê vida, não se percebe o renascer. Só o desgaste, a degradação

Cenários de seca extrema e seca excepcional cresceram no Nordeste, abrangendo partes de todos os 9 Estados

  Seca avança no Nordeste e assume contornos severos, mostra estudo  Os cenários de seca extrema e seca excepcional cresceram no Nordeste, abrangendo partes de todos os 9 estados. É o que mostra o mapa de setembro do Monitor de Secas do Nordeste do Brasil. O Ceará é um dos que apresentam maior avanço da estiagem. Segundo a Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), 75% do território do estado apresenta

Top