A Covid-19 não interrompeu as mudanças climáticas

    As mudanças climáticas não pararam para COVID-19. As concentrações de gases de efeito estufa na atmosfera estão em níveis recordes e continuam aumentando. As emissões estão caminhando na direção de níveis pré-pandêmicos, após um declínio temporário causado pelo bloqueio e desaceleração econômica. O mundo deve ter seus cinco anos mais quentes já registrados - em uma tendência que provavelmente continuará - e não está no caminho para cumprir as metas

A Amazônia e o regime de chuvas e clima no Sul do Brasil

  A Amazônia e o regime de chuvas e clima no Sul do Brasil Artigo de Eduardo Luís Ruppenthal Para não ser mais uma data vaga que preenche o calendário de dias comemorativos, esse 5 de setembro não está sendo diferente dos anos anteriores: a Amazônia está em chamas*. O que mudou é a intensidade dessas chamas e a sua dimensão, impulsionadas pelo discurso, pelo apoio e política ecocida e genocida do governo

Calor extremo, incêndios e tempestades indicam que futuro assustador já chegou

  Calor extremo, incêndios e tempestades indicam que futuro assustador já chegou Caos climático: calor extremo, incêndios e tempestades indicam que futuro assustador já chegou IHU Desde a histórica onda de calor e de incêndios florestais no Oeste dos Estados Unidos, passando pela enorme tempestade que atravessou o meio da nação, até o ritmo recorde da temporada de furacões deste ano, as condições extremas sem precedentes e simultâneas se assemelham ao clima caótico do futuro sobre o

Desmatamento no Cerrado afeta o clima e pode reduzir a produção de milho no Brasil

  Como o desmatamento e a agricultura estão alterando o clima do Cerrado Deforestation in the Cerrado affects the climate and may reduce corn production in Brazil Dartmouth College* O Brasil é um dos três principais produtores mundiais de soja e milho, e seu setor agrícola é responsável por um quinto da economia do país. As práticas de desmatamento e limpeza de terras têm sido associadas a reduções na biodiversidade e aumentos de temperatura,

Estiagem ameaça o abastecimento de água em regiões do Brasil, por Rodrigo Berté e André M. Pelanda

  [EcoDebate] Com bloqueio atmosférico, há meses as regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste do Brasil amargam a estiagem. Por meio do racionamento, os órgãos de distribuição e tratamento regulam a água. A pergunta é: o que está acontecendo? Para o Paraná, é a pior estiagem dos últimos 40 anos. Quais são consequências disso, em especial para o abastecimento de água e para a produção de alimentos? De acordo com o INPE –

Eventos climáticos atípicos aumentam mortalidade de árvores em florestas tropicais

  Estudos sobre a dinâmica florestal, realizados pela Embrapa, nos estados do Acre e Amazonas, comprovam que eventos climáticos atípicos como El Niño e La Niña elevam as taxas de mortalidade de árvores e afetam o desenvolvimento das florestas em áreas tropicais. Resultados de 20 anos de pesquisa revelaram que com a ocorrência desses fenômenos, a média de mortalidade de árvores subiu de 2% para 5%, em função do déficit hídrico

Eventos climáticos extremos – Como as mudanças climáticas podem impactar tempestades nos oceanos tropicais

  Por Alan Buis*, NASA's Jet Propulsion Laboratory Quando os cientistas climáticos da NASA falam em público, muitas vezes são questionados sobre possíveis conexões entre mudanças climáticas e eventos climáticos extremos, como furacões, fortes chuvas, inundações, nevascas, ondas de calor e secas. Afinal, parece que o clima extremo está nas notícias quase todos os dias tarde, e as pessoas estão percebendo. Como os fenômenos climáticos extremos e o clima natural, como El Niño e La

Influência do aquecimento global em eventos climáticos extremos tem sido frequentemente subestimada

  A análise mostra que o aquecimento global está intensificando a ocorrência de ondas quentes sem precedentes e aguaceiros mais rapidamente do que o previsto pelas tendências históricas. Novas abordagens para incorporar o aquecimento global em análises climáticas extremas podem melhorar o gerenciamento de riscos globais. Por Rob Jordan* Stanford Woods Institute for the Environment Um novo estudo de Stanford revela que uma abordagem científica comum de prever a probabilidade de eventos climáticos extremos futuros,

Seus hábitos alimentares podem influenciar o clima global?

  Seus hábitos alimentares podem influenciar o clima global? ONU Brasil Usinas elétricas ou pecuária? Quando se trata de mudanças climáticas, a principal causa do aumento das emissões dos gases de efeito estufa é a criação de animais para alimentação. Nos Estados Unidos, 80% de toda a área agricultável é reservada ao pasto ou ao cultivo de ração para alimentar os animais que serão abatidos e transformados em carne. Para atender ao aumento da demanda

Imprevisibilidade climática tem explicação? artigo de Rodrigo Berté

    [Ecodebate] Apesar de sempre estarmos afoitos à espera do verão, a estação vem se comportando de forma irregular e nos surpreendendo com temperaturas mais baixas. Mas não estranhem, pois tudo isso tem uma explicação. O último verão teve picos de temperaturas elevadas nos meses de dezembro, janeiro e em fevereiro, em especial na capital paranaense, Curitiba, e em toda a região Sul de forma geral. Essas nuances são justificadas pelo solstício

Europa tem o inverno mais quente já registrado

  O inverno passado foi de longe o mais quente já registrado para a Europa, de acordo com o Serviço de Mudança Climática do Copernicus / ECMWF . Foi o segundo fevereiro mais quente do mundo e da Europa.     De dezembro de 2019 a fevereiro de 2020, houve um clima ameno persistente na Europa, principalmente no norte e leste. A temperatura média foi quase 1,4 ° C mais alta que a do

A estreita relação entre mudanças climáticas e o aumento de eventos climáticos extremos

  Maior frequência de eventos climáticos severos, como chuvas intensas e inundações, sinalizam a necessidade de rever modelos de desenvolvimento JORNAL DA UNICAMP TEXTO LIANA COLL FOTOS ANTONIO SCARPINETTI, AGÊNCIA BRASIL E REPRODUÇÃO EDIÇÃO DE IMAGEMRENAN GARCIA Fortes chuvas no sudeste brasileiro já vitimaram fatalmente mais de 70 pessoas em 2020. Foto: Tania Rego/Agência Brasil “Tudo está relacionado”: enchentes, incêndios, ondas de calor, recordes de temperatura e o aumento de eventos extremos. Assim reflete a professora Ana Maria Heuminski

Mudança do clima aumentou risco de incêndios florestais na Austrália, aponta novo estudo

De acordo com cientistas, as chances de episódios como os incêndios recentes no sudeste da Austrália acontecer aumentaram ao menos 30% por conta da mudança do clima causada pelas emissões antropogênicas de gases de efeito estufa Por Bruno Toledo, AviV, para o EcoDebate. A mudança do clima causada pela humanidade contribuiu para criar condições meteorológicas propícias para os incêndios florestais no sudeste da Austrália do final de 2019 e começo de

Emergência Climática: As correntes oceânicas movidas pelo vento estão mudando, o que afetará a elevação do nível do mar e a pesca

Um novo estudo identifica mudanças fundamentais na circulação oceânica, com efeitos potencialmente terríveis sobre o suprimento de alimentos, o nível do mar e o clima em áreas densamente povoadas. Por Bob Berwyn*, InsideClimate News As principais correntes oceânicas do mundo movidas pelo vento estão se movendo em direção aos polos a uma taxa de cerca de uma milha a cada dois anos, potencialmente privando águas costeiras importantes de nutrientes importantes e aumentando

Dados de estações meteorológicas comprovam aumento de eventos climáticos extremos em São Paulo

  São Paulo: Número de tempestades registrado nos últimos 20 anos já é maior do que nas seis décadas anteriores Texto: Herton Escobar Arte: Beatriz Abdalla Jornal da USP Dados de duas estações meteorológicas confirmam o que muitos paulistanos já vêm sentindo na pele há alguns anos: a ocorrência de eventos climáticos extremos na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP) aumentou muito nas últimas duas décadas. O fenômeno mais impactante é o aumento da intensidade das

Eventos climáticos considerados excepcionais já são a nova normalidade

  Por Gabriel Brito, da Redação do Correio da Cidadania Como já ocorre em quase todos os verões, chuvas torrenciais causam tragédias sociais em diferentes locais do país. Neste ano, destacaram-se as chuvas em Minas Gerais em janeiro e, em São Paulo, a tempestade de 10 de fevereiro, que paralisou a cidade e suas atividades por completo. De acordo com a Coalizão pelo Clima, coletivo ambientalista que concedeu entrevista ao Correio, não

Onda de calor extremo mata 4,5 mil raposas-voadoras na Austrália, por Marina Bhering

    A Austrália vive o verão mais quente e seco de sua história. Desde setembro do ano passado, os incêndios florestais destruíram cerca de 10 milhões de hectares. Cientistas apontam que mais de 1 bilhão de animais foram mortos ou feridos pelas chamas. Entre as vítimas estão espécies endêmicas - ou seja, que só ocorrem naquele local, como coalas, cangurus e alguns marsupiais. Segundo dados da organização internacional World Wildlife Fund

Enchentes em São Paulo: Para especialista, é preciso pensar formas da cidade absorver chuvas

  A chuva que atingiu a capital paulista neste mês de fevereiro tem causados transtornos para a população, que sofre com enchentes, deslizamentos e congestionamentos. ABr Nos primeiros 11 dias do mês, as chuvas na cidade ultrapassaram em 37,2% a média histórica para fevereiro. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), choveu neste mês 342,6 milímetros. A média para fevereiro registrada entre 1981 e 2010 ficou em 249,7 milímetros. O Inmet registrou, na segunda-feira (10), 114

As Águas de Minas, por Roberto Malvezzi (Gogó)

  AS ÁGUAS DE MINAS Roberto Malvezzi (Gogó) As águas de Minas vêm da Amazônia, Assim como as águas que caem No Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul São Paulo, Buenos Aires e Assunção. Porém, as águas aqui de Juazeiro-Petrolina vêm de Minas, Pelo Velho Chico Mas que vieram da Amazônia para Minas pelos Rios Voadores Os Rios Voadores fazem chover nas áreas de recarga do Bambuí e do Urucuia, mas também do Guarani E as águas de superfície de

Em 2018, desastres deslocaram 17,2 milhões de pessoas; 90% fugiram por causa de questões e riscos relacionados ao clima

  ONU: desastres forçam mais pessoas de suas casas que conflitos e violência Vítimas de desastres naturais na província de Rumonge, no Burundi (28 de novembro de 2018). Foto: Ocha Burundi / Ana Maria Pereira   ONU News Segundo Escritório das Nações Unidas para Redução do Risco de Desastres, em 2018, desastres deslocaram 17,2 milhões de pessoas; 90% fugiram por causa de questões e riscos relacionados ao clima. Eventos climáticos extremos, como inundações, tempestades, incêndios florestais

Top