Estudo global avalia o impacto da poluição na diversidade das plantas aquáticas e nos ambientes de água doce

  Estudo traz novas descobertas sobre impacto da ação humana nos ambientes de água doce ONU A fotossíntese em muitas plantas aquáticas depende de bicarbonato (HCO3?) além de dióxido de carbono (CO2). O estudo investiga a ligação entre os dois e seu impacto na distribuição das plantas. “As mudanças antropogênicas estão afetando as concentrações de bicarbonato e de CO2, e isso pode alterar a composição das espécies das comunidades de plantas de água doce”,

Pesquisa mostra que El Niño 2015 e incêndios contribuíram para o colapso de insetos na Amazônia

A seca e o fogo que atingiram as florestas durante o El Niño 2015 causaram uma perda de mais de 50% nas populações dos besouros chamados rola-bosta. Esses insetos são essenciais para a recuperação dos ecossistemas através da dispersão de sementes e nutrientes. Universidade Federal de Lavras Uma equipe internacional de pesquisadores, entre os quais estão representantes da Universidade Federal de Lavras (UFLA), foi até a Amazônia para investigar como a seca

Metade do PIB mundial é mais depende da natureza e da biodiversidade do que o estimado, afirma novo relatório

• A ciência mais recente nos diz que cerca de 25% de nossas espécies vegetais e animais catalogados estão ameaçadas por ações humanas, com um milhão de espécies em extinção, muitas em décadas • As empresas são mais dependentes da natureza do que se pensava anteriormente, com aproximadamente US $ 44 trilhões em geração de valor econômico moderada ou altamente dependente da natureza • Construção, agricultura, alimentos e bebidas são

Emergência climática: incêndios, ondas de calor marinhas e perda de biodiversidade

  2020 é um ano decisivo para lideranças com poder de decisão sobre questões da biodiversidade e das mudanças climáticas, e também para a humanidade como um todo começar a prestar atenção no colapso dos nossos sistemas planetários. O ano sediará dois grandes eventos, conhecidos como "conferências das partes", sobre a biodiversidade e o clima. Na conferência sobre biodiversidade, as partes chegarão a um acordo e apresentarão o novo conjunto de metas para a natureza na próxima

Espécies exóticas invadem áreas degradadas da Amazônia

    Caros(as) colegas, Uma surpresa comum é que ecossistemas perturbados frequentemente sustentam tantas (ou até mais) espécies quanto aquelas que são intocados. Por quê? A resposta é que ambientes perturbados, como os afetados pela exploração madeireira, mineração ou poluição, geralmente contêm muitas espécies exóticas ou não nativas que invadiram o ecossistema. O estudo Avian ecological succession in the Amazon: A long-term case study following experimental deforestation, que é bastante singular, mostra esse processo de

Incêndios florestais na Austrália: Estima-se que mais de 1 bilhão de animais já foram mortos

  Acredita-se que mais de 1 bilhão de animais tenham sido mortos em incêndios que assolaram a Austrália desde setembro, disse Chris Dickman, professor da Universidade de Sydney, ao Huffington Post, em uma atualização de sua estimativa anterior de 480 milhões na semana passada. Por que é importante: os incêndios ameaçaram a vida selvagem da Austrália, conhecida por seus animais raros e ecossistemas distintos. O meio ambiente já estava ameaçado pelo desmatamento

Diversidade e produtividade das plantas não se recuperam significativamente após uso agrícola

  Décadas após o abandono das terras agrícolas, a diversidade de plantas e a produtividade lutam para se recuperar. Isso foi demonstrado por uma nova pesquisa, publicada na revista Nature Ecology & Evolution . Pesquisadores do Centro Alemão de Pesquisa Integrativa em Biodiversidade (iDiv), do Centro Helmholtz de Pesquisa Ambiental (UFZ) e da Universidade de Minnesota examinaram a diversidade e a produtividade das plantas em campos que foram arados e abandonados para

Pesquisadores avaliam os efeitos diretos e indiretos do crescimento urbano na perda de biodiversidade

  Em um mundo em rápida urbanização, a conversão de habitats naturais em áreas urbanas leva a uma perda significativa de biodiversidade nas cidades. No entanto, esses efeitos diretos do crescimento urbano parecem ser muito menores que os indiretos fora das cidades, como a liberação urbana de gases de efeito estufa que causa mudanças climáticas globalmente ou a crescente demanda por alimentos e recursos nas cidades que levam à mudança no uso

Níveis globais de biodiversidade podem ser mais baixos do que pensamos, alerta novo estudo

    A biodiversidade em todo o mundo pode estar em um estado pior do que se pensava, já que as avaliações atuais da biodiversidade não levam em conta o impacto duradouro das mudanças bruscas de terra, alertou um novo estudo . Por Stephanie Allen*, University of Sussex O estudo mostra que menos espécies e menos indivíduos são observados em locais que foram perturbados por uma terra abrupta mudança nas últimas décadas. Os autores alertam

Biodiversidade não é problema, é solução! Análise de Luiz Marques (IFCH/Unicamp)

  No dia 4 de Novembro próximo, terá lugar no Centro de Convenções da Unicamp o evento mais importante dos últimos anos em nossa Universidade no que se refere ao mais crucial problema da humanidade, ao lado da emergência climática: a manutenção e a recuperação dos combalidos alicerces da biodiversidade, no Brasil e no planeta como um todo. O encontro, intitulado Biodiversidade não é problema, é solução!, é uma iniciativa do Programa BIOTA, da

Grande Barreira de Corais em rápido declínio

  Um estudo de longo prazo da cobertura de corais da Grande Barreira de Corais descobriu declínios entre 40 e 50% dos corais em grupos de ilhas costeiras durante as últimas décadas. ARC Centre of Excellence for Coral Reef Studies at James Cook University*     Cientistas do Centro de Excelência ARC para Estudos de Recifes de Corais da James Cook University (Coral CoE da JCU) dizem que os dados eram tão alarmantes que eles

Não há futuro que valha a pena sem a natureza

    “Não há futuro que valha a pena sem a natureza”. Entrevista com Sandra Myrna Díaz IHU Um dos momentos favoritos de Sandra Myrna Díaz (Bell Ville, 1961), na Universidade de Córdoba (Argentina), onde trabalha no Instituto de Biologia Vegetal, ocorre quando questiona seus alunos, parecendo detetive, sobre a procedência de muitas folhas selecionadas para adivinhar suas características e estilo de vida. “Isso me apaixona. Gosto de ver como as plantas que evoluíram em lugares muito diferentes, isoladas umas das outras, acabam tendo síndromes

Top