Não há futuro que valha a pena sem a natureza

    “Não há futuro que valha a pena sem a natureza”. Entrevista com Sandra Myrna Díaz IHU Um dos momentos favoritos de Sandra Myrna Díaz (Bell Ville, 1961), na Universidade de Córdoba (Argentina), onde trabalha no Instituto de Biologia Vegetal, ocorre quando questiona seus alunos, parecendo detetive, sobre a procedência de muitas folhas selecionadas para adivinhar suas características e estilo de vida. “Isso me apaixona. Gosto de ver como as plantas que evoluíram em lugares muito diferentes, isoladas umas das outras, acabam tendo síndromes

Emergência Climática – Mudanças climáticas podem afetar a biodiversidade de áreas de proteção ambiental

  Em levantamento feito por pesquisadores da Unicamp, 258 regiões foram classificadas como de "vulnerabilidade média" e 17 como "altamente suscetíveis". Amazônia, Mata Atlântica e Cerrado concentram áreas de maior risco   foto: Ministério do Meio Ambiente   Chloé Pinheiro  |  Agência FAPESP – O Brasil é o país que abriga a maior concentração de ecossistemas tropicais em áreas protegidas, mas uma parcela considerável dessas reservas pode estar vulnerável às mudanças climáticas em curso no

Perigos para as florestas de Bornéu, das mais biodiversas e ameaçadas do planeta

  Caros colegas, Apesar das promessas de reduzir pela metade o desmatamento, as taxas globais de perda de florestas aumentaram 43% nos últimos anos. O que é especialmente alarmante é o rápido desaparecimento de áreas selvagens sobreviventes e florestas intactas. Por que estamos fragmentando a Terra tão rapidamente? A maior ameaça direta: uma explosão de nova infraestrutura e as dramáticas mudanças que muitas vezes traz - uma caixa de perturbação ambiental de Pandora. Este enorme

Pesquisadores alertam que o Brasil desperdiça o potencial de sua biodiversidade, um ativo único e inigualável

  Biodiversidade e serviços ecossistêmicos: Benefícios são muitos, porém pouco aproveitados e muito ameaçados, segundo documento preparado por 85 pesquisadores brasileiros Por Herton Escobar, Jornal da USP Brasil tem a maior biodiversidade do mundo — isso, todo mundo já sabe. Mas e daí? O que o País ganha com isso? Maior segurança alimentar, energética, hídrica e climática; proteção contra erosão, enchentes, deslizamentos e outros desastres socioambientais; proteção natural contra pragas no campo e

A poluição por fungicidas pode ter consequências imprevisíveis para o funcionamento dos sistemas aquáticos

  Os fungicidas são usados mundialmente na agricultura. Grandes quantidades de fungicidas aplicados vazam para as águas superficiais próximas. Os efeitos dessas substâncias nos organismos aquáticos são pouco compreendidos e não são abordados especificamente nos quadros regulamentares da UE no que diz respeito à proteção das águas superficiais. Forschungsverbund Berlin e.V.*   Foto: Pixabay/FV-Berlin   Cientistas do Leibniz-Institute of Freshwater Ecology and Inland Fisheries (IGB) descobriram que a poluição por fungicidas pode ter consequências imprevisíveis, mas

O aquecimento global pode diminuir a variedade genética de plantas na Europa Central

  Mudanças climáticas: Apenas algumas espécies vegetais estão preparadas para o aumento das secas Max-Planck-Gesellschaft* As variedades genéticas de plantas na Europa Central podem entrar em colapso devido a temperaturas extremas e secas provocadas pelas mudanças climáticas. De acordo com um novo artigo, apenas alguns indivíduos de uma espécie já se adaptaram a condições climáticas extremas. Esses achados sugerem que a diversidade genética geral das espécies pode ser bastante reduzida. A publicação foi

Extinção da anta e da queixada causaria uma importante redução na biodiversidade florestal

    Agência FAPESP * – Uma equipe de pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp) em Rio Claro concluiu que a extinção conjunta dos dois maiores herbívoros sul-americanos – a anta (Tapirus terrestres) e a queixada (Tayassu pecari) – causaria uma importante redução na biodiversidade florestal do continente. Resultados de um experimento iniciado há 10 anos indicam que as comunidades de plantas são mais diversificadas nas áreas em que as espécies estão simultaneamente

Dia Mundial pelo fim do Especismo: 24 de agosto de 2019, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

“Não tenho dúvidas de que é parte do destino da raça humana, na sua evolução gradual, parar de comer animais, tal como as tribos selvagens deixaram de se comer umas às outras quando entraram em contato com os mais civilizados” Henry Thoreau (1817-1862) [EcoDebate] Em 24 de agosto de 2019 acontece o Dia Mundial pelo Fim do Especismo (DMFE). É uma oportunidade para denunciar o genocídio das espécies, o holocausto biológico, a

Terras indígenas da Austrália, Brasil e Canadá abrigam e protegem alta biodiversidade

    Estudo destaca a importância de colaborar com comunidades indígenas para proteger a biodiversidade Por Lou Corpuz-Bosshart * ** Mais de um milhão de espécies de plantas e animais em todo o mundo estão em extinção, segundo um recente relatório das Nações Unidas. Agora, um novo estudo conduzido pela UBC sugere que as terras administradas por indígenas podem ter um papel crítico em ajudar as espécies a sobreviver. Os pesquisadores analisaram dados de terras

As mudanças climáticas são mais rápidas do que os animais conseguem se adaptar

  As mudanças climáticas podem ameaçar as espécies e as extinções podem afetar a saúde dos ecossistemas.   Parus Major - Foto: Bernard Castelein   Forschungsverbund Berlin* É de vital importância avaliar em que grau os animais podem responder às mudanças nas condições ambientais - por exemplo, mudando o tempo de reprodução - e se essas mudanças permitem a persistência de populações a longo prazo. Para responder a essas perguntas, uma equipe internacional de 64 pesquisadores, liderada

Pesquisadores e jovens ribeirinhos promovem feiras para repor agrobiodiversidade da várzea amazônica

  Ações resultaram de pesquisa que avaliou impactos de cheia extrema de 2015. Estudo avaliou também identificou ações dos ribeirinhos em resposta às mudanças climáticas     A diversidade de espécies agrícolas cultivadas pelas comunidades ribeirinhas da Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá, localizada no estado do Amazonas, está sob ameaça. Localizadas em área de várzea, ecossistema alagável da Amazônia, as comunidades que praticam a agricultura sentiram os efeitos das mudanças climáticas em 2015, quando

Impacto da expansão de terras cultiváveis sobre a biodiversidade é muitas vezes maior do que a intensificação do uso

  Impacto da expansão de terras cultiváveis sobre a biodiversidade Um novo estudo compara os efeitos da expansão versus intensificação do uso das terras cultiváveis nos mercados agrícolas globais e na biodiversidade, e descobre que a estratégia de expansão representa uma ameaça particularmente séria à biodiversidade nos trópicos. Ludwig-Maximilians-Universität München* A produção agrícola global deve ser aumentada nos próximos anos, a fim de atender à crescente demanda e à mudança nos padrões de consumo.

Top