Os 70 anos da Revolução Comunista na China, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

“A revolução não é um convite para um jantar” Mao Tse-Tung [EcoDebate] No dia 01 de outubro de 1949, depois de uma longa marcha e do acúmulo de uma série de vitórias parciais, o líder do Exército de Libertação Popular e do Partido Comunista Chinês (PCC), Mao Tse-tung, proclamou, em Pequim, na Praça Tiananmen, a República Popular da China. Em seguida, Chiang Kai-shek, do kuomintang (Partido Nacionalista Chinês) se refugiou em Taiwan

Brasil vive outra década perdida, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

[EcoDebate] O IBGE divulgou no final de agosto que o Produto Interno Bruto (PIB) registrou variação positiva de 0,4% no segundo trimestre de 2019 (comparado ao primeiro), na série com ajuste sazonal. Desta forma, este número evitou que o Brasil entrasse em recessão técnica (queda em dois trimestres consecutivos). Mesmo assim, a recuperação apresenta fôlego curto e não evitará que a segunda década dos anos 2000 entre para a história como

A grave crise fiscal que afeta as contas dos estados, artigo de Adrimauro Gemaque

  [EcoDebate] A crise econômica que se instalou no país a partir de 2014 foi sentida por uma forte recessão econômica, com reflexos no recuo do PIB, desemprego em massa e deterioração das contas públicas, em especial dos estados e municípios. A dívida pública, que não estava em nenhuma agenda, veio à cena na maioria dos estados considerando a gravidade da saúde fiscal dos entes federados. Em agosto de 2019, o Boletim

‘Estamos destruindo a natureza para o proveito de uma minoria’, diz o economista Ladislau Dowbor

  Resumo: Escolhido para a Entrevista do Mês dos Aliados da Pública, o economista Ladislau Dowbor alerta: na era do capitalismo improdutivo, caminhamos em ritmo acelerado para um desastre Por Texto: Caio Costa, Thiago Domenici | Fotos: José Cícero da Silva Fonte: Agência Pública   O diagnóstico é grave, mas Ladislau Dowbor nega ser pessimista. Brinca: “O pessimista é o otimista bem informado”, repetindo uma frase do economista Ignacy Sachs, com quem compartilha trabalhos e a

Baixo investimento e alto desemprego: as armadilhas da estagnação econômica, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  [EcoDebate] O Brasil está preso na armadilha do baixo crescimento econômico e a principal variável que explica a “estagnação secular” brasileira é a baixa taxa de investimento. Sem investimento, à altura das necessidades, o país não consegue modernizar a infraestrutura, não consegue avançar tecnologicamente, não consegue investir o necessário em tecnologia amigável ao meio ambiente (como as energias renováveis) e não consegue criar postos de trabalho para atingir a meta

A América Latina submergente, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  [EcoDebate] O Fundo Monetário Internacional divulgou no dia 23 de julho de 2019 as atualizações para o desemprenho da economia global, das regiões e dos países. O crescimento do PIB mundial que estava estimado para 3,3% em 2019 (WEO de abril) caiu para 3,2%. A maior redução ocorreu na América Latina e Caribe (ALC) cujo crescimento estava previsto para 1,4% e caiu para O,6% em 2019. Portanto, a região (com

A participação da ASEAN e da América Latina e Caribe na economia global, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  [EcoDebate] A Associação das Nações do Sudeste Asiático (Association of Southeast Asian Nations – ASEAN) é uma organização regional de países do sudeste asiático que foi criada, em 1967, por 5 países: Indonésia, Filipinas, Malásia, Singapura e Tailândia. Mas ao longo dos anos, outros 5 países foram incorporados: Brunei (1984), Vietnã (1995), Laos (1997), Camboja (1999) e Mianmar (1997). Além dos 10 países membros efetivos, são membros observadores Timor-Leste e

O Índice de Pobreza Multidimensional global de 2019 e o aumento da fome no mundo, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    [EcoDebate] O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e a Oxford Poverty and Human Development Initiative (OPHI) lançaram na semana passada o relatório sobre o Índice de Pobreza Multidimensional (IPM) global de 2019, mostrando que o conceito tradicional de pobreza precisa ser atualizado e ampliado. Definir os domicílios como ricos ou pobres apenas com base na renda é uma simplificação excessiva. O Índice de Pobreza Multidimensional global de 2019

Acertos e desacertos da 14ª Cúpula do G20 em Osaka 2019, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  [EcoDebate] O G20 é a articulação mais forte entre os diversos blocos de países que se reúnem no cenário internacional. As Cúpulas do G20 assumiram o protagonismo da governança global a partir da recessão econômica de 2008, após a queda do banco Lehman Brothers. A primeira Cúpula dos Chefes de Estado do G20 ocorreu, exatamente, em Washington, nos Estados Unidos, o epicentro da crise. As ações acordadas nas reuniões do

Preço do gás e desemprego elevam uso da lenha para cozinhar no Brasil; Queima trará efeitos negativos para saúde e meio ambiente

  O aumento desregrado do uso de lenha nas casas trará consequências negativas tanto para a saúde quanto para o meio ambiente do país. Esse é um dos alertas do estudo desenvolvido pela professora Adriana Gioda, do Departamento de Química do Centro Técnico Científico da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (CTC/PUC–Rio). ABr     Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados em maio deste ano mostraram que 14 milhões de

O encolhimento e o empobrecimento relativo da América Latina, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  [EcoDebate] A América Latina e Caribe (ALC) ganhou destaque na economia mundial depois do processo de descolonização ocorrido na primeira metade do século XIX. O primeiro país a fazer a independência foi o Haiti. Depois veio o México. Simon Bolívar garantiu a independência da Venezuela e foi homenageado na independência da Bolívia. O Brasil foi o último (dos grandes) a fazer a independência, o último a acabar com a escravidão

Pior recessão, pior recuperação e pior octênio (2012-1019) da história brasileira, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  [EcoDebate] O Brasil vive o seu pior período de recessão e recuperação dos últimos 120 anos. A retração do Produto Interno Bruto (PIB) entre os anos de 2014 a 2016 foi longa e profunda, mas pior tem sido a inédita a lenta recuperação, com a manutenção de altas taxas de desemprego e de subutilização da força de trabalho. O Gráfico abaixo, com base em texto do IBRE, de Borça Jr, Barboza

Top