O encolhimento e o empobrecimento relativo da América Latina, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  [EcoDebate] A América Latina e Caribe (ALC) ganhou destaque na economia mundial depois do processo de descolonização ocorrido na primeira metade do século XIX. O primeiro país a fazer a independência foi o Haiti. Depois veio o México. Simon Bolívar garantiu a independência da Venezuela e foi homenageado na independência da Bolívia. O Brasil foi o último (dos grandes) a fazer a independência, o último a acabar com a escravidão

Pior recessão, pior recuperação e pior octênio (2012-1019) da história brasileira, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  [EcoDebate] O Brasil vive o seu pior período de recessão e recuperação dos últimos 120 anos. A retração do Produto Interno Bruto (PIB) entre os anos de 2014 a 2016 foi longa e profunda, mas pior tem sido a inédita a lenta recuperação, com a manutenção de altas taxas de desemprego e de subutilização da força de trabalho. O Gráfico abaixo, com base em texto do IBRE, de Borça Jr, Barboza

Dois mil anos de crescimento demoeconômico global, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    Dois mil anos de crescimento demoeconômico global [EcoDebate] O crescimento da população e da economia nos últimos dois mil anos foi algo impressionante. Do ano 1 da Era Cristã até o ano 2000, a população mundial passou de cerca de 225 milhões de habitantes para 6 bilhões de habitantes e a renda per capita global passou de $ 467 para $ 6.055 (dólares internacionais em poder de paridade de compra –

O bom para o desenvolvimento humano é ruim para a natureza, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    [EcoDebate] O maior paradoxo dos tempos modernos é que o avanço da qualidade de vida humana tem ocorrido em função do recuo da qualidade da vida natural. As sociedades progridem e os ecossistemas regridem. Isto pode ser visto no gráfico acima. O impacto ambiental cresce na medida em que os diversos países avançam no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). A Pegada Ecológica mede a quantidade de recursos naturais necessários para manter

A Organização de Cooperação de Shangai (OCS) versus o grupo BRICS, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

A Organização de Cooperação de Shangai (OCS) versus o grupo BRICS   [EcoDebate] A guerra comercial entre os Estados Unidos e a China ameaça descambar em uma guerra tecnologia mais ampla e as recentes restrições contra a gigante Huawei mostram que a economia mundial vai ser afetada por este novo tipo de protecionismo. Com certeza este vai ser um tema da 14ª reunião de cúpula do G20, que ocorrerá entre os dias

Bolívia e Venezuela: experiências bolivarianas opostas, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  [EcoDebate] A Venezuela é a terra natal de Simon Bolívar (1783-1830) e a Bolívia é a nação latino-americana que homenageou o libertador da América Latina dando o seu nome ao país. As duas nações possuem regimes que seguem a linha bolivariana pregada por Hugo Chávez (1954-2013). Todavia, em termos econômicos, os dois países seguem rumos bem diferentes. No final do século passado, a Venezuela era a nação mais rica da América

A crise fiscal brasileira e suas armadilhas, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  A crise fiscal brasileira e suas armadilhas [EcoDebate] O Brasil enfrenta uma dramática crise fiscal, que tem consequências sobre o crescimento econômico, a geração de emprego e renda e o bem-estar da população. O gráfico abaixo, com dados do Fundo Monetário Internacional (FMI), divulgados em abril de 2019, mostra o superávit/déficit primário no período 2003 até 2018 e as projeções até 2024. O resultado primário é o balanço da arrecadação, menos

Amazônia e a bioeconomia: um modelo de desenvolvimento para o Brasil

  Amazônia e a bioeconomia: um modelo de desenvolvimento para o Brasil. Entrevista especial com Carlos Nobre Por Patricia Fachin e Ricardo Machado, IHU “A região Amazônica oferece a possibilidade de implantar um modelo que nenhum país do mundo ainda implantou: uma revolução industrial baseada no aproveitamento da biodiversidadede um país tropical”, diz Carlos Nobre, coordenador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Mudanças Climáticas – INCT-MC, à IHU On-Line. Nos últimos anos, o pesquisador tem defendido um modelo

Crescimento populacional e colapso social e ambiental de Moçambique, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  Crescimento populacional e colapso social e ambiental de Moçambique [EcoDebate] Moçambique vive uma situação de colapso ambiental. As figuras abaixo mostram como o país foi desflorestado de maneira implacável e rápida em menos de 20 anos. As imagens de satélite mostram o desmatamento em Moçambique de 2000 (esquerda) para 2012 (centro) e as projeções para 2019 (direita), segundo dados do próprio governo de Moçambique.     Moçambique tinha uma situação confortável de superávit ambiental,

O recorde do desemprego e da subutilização da força de trabalho no Brasil, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  “Todo ser humano tem direito ao trabalho, à livre escolha de emprego, a condições justas e favoráveis de trabalho e à proteção contra o desemprego” Artigo 23 da Declaração Universal dos Direitos Humanos (10/12/1948)     [EcoDebate] O Brasil coleciona notícias ruins na criação de oportunidades de emprego e na área do direito ao trabalho. A PNAD Contínua (PNADC) do IBGE mostra que o desemprego e a subutilização da força de trabalho no Brasil bateram

Cai o investimento público e a produtividade no Brasil submergente, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    [EcoDebate] O Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgou, em 10 de abril de 2019, os dados econômicos e as projeções até 2024 para todos os países e regiões. Os dados para o Brasil não são nada estimulantes e confirmam que o maior país da América Latina está encolhendo e ficando mais pobre em termos relativos. O FMI reduziu as projeções de crescimento da economia brasileira para o período 2019-2022, em relação

A minoria infame de 2018 – O 1% mais rico da humanidade supera, hoje, a riqueza de 99% de seus semelhantes; análise de Luiz Marques (IFCH/Unicamp)

  Jornal da UNICAMP TEXTO LUIZ MARQUES FOTOS REPRODUÇÃO: WIKIPEDIA.ORG | WILSON DIAS | AB EDIÇÃO DE IMAGEM LUIS PAULO SILVA   O 1% mais rico da humanidade supera, hoje, a riqueza de 99% de seus semelhantes Em 2010, 388 bilionários detinham tanta riqueza quanto a detida pela metade mais pobre da humanidade. Em 2017, esse número de bilionários caiu para 42 [1] e em 2018, para 26. [2] Nos EUA, a situação é ainda pior: 3 bilionários igualam em riqueza

Top