O endividamento dos estados X folha de pagamento, artigo de Adrimauro Gemaque

  [EcoDebate] Já venho debatendo em artigos anteriores a situação de endividamento dos estados demonstrando que existe uma estreita relação com a folha de pagamento. No artigo “ A escadinha de pagamento da dívida pública pelos estados! ”, abordei que não eram somente a crise econômica e dívida pública as únicas culpada pela crise fiscal dos entes federados. Um estudo do Ministério da Fazenda, já apontava que os maiores gastos dos

A estagnação das emissões de CO2 do setor de energia, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    [EcoDebate] A Agência Internacional de Energia (IEA em inglês) divulgou em março os dados que mostram que as emissões globais de dióxido de carbono relacionadas à energia ficaram estáveis pelo terceiro ano consecutivo (2014, 2015 e 2016). Isto aconteceu mesmo com o crescimento da economia internacional, sinalizando um desacoplamento relativo das emissões de CO2 e da atividade econômica. Este fato inédito nas últimas décadas foi possível graças ao crescimento da

Pós-Rio+20 – Reflexões sobre a ‘comoditização’ dos bens comuns, artigo de Amyra El Khalili

A palavra inglesa commodities vem sendo usada há anos nos jornais e cadernos especializados em notícias econômicas, mas pouco se sabe efetivamente o que são commodities. Sempre grafada no plural — commodities — e raramente no singular — commodity —, após a Rio+20, a palavra-expressão tornou-se vedete dos debates socioambientais que a utilizam tanto no plural quanto no singular para se referir à “comoditização” dos bens comuns. Commodity significa mercadoria padronizada

‘Descomoditização’: Ser ou não ser mercadoria – Eis a questão! artigo de Amyra El Khalili

    O debate sobre a “descomoditização” é antigo.[1] Começou bem antes da fundação do Movimento Via Campesina (1992) e do slogan cunhado pelo ativista campesino José Bové — “O mundo não é uma mercadoria” (1999). Essa discussão desenvolveu-se em fins da década de 80 e início da década de 90 entre alguns operadores de commodities e de futuros desde a adoção pelos banqueiros e políticos da teoria neoliberal de Milton Friedman,

Brasil versus Chile, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    [EcoDebate] O Chile é dono de uma das geografias mais extremas do continente americano, abrigando uma sequência de paisagens que vai da gelada e isolada Patagônia ao norte árido do país, onde se destaca o deserto do Atacama. O país possui mais de 2 mil vulcões, dos quais 80% deles, aproximadamente, contam com registros eruptivos nos últimos 450 anos. Sendo um dos países mais sísmicos do mundo, o Chile conta

Visconde de Mauá – economia da região mudou de foco: de rural para turismo, artigo de Nilo Sergio S. Gomes

  [EcoDebate] Desde seu aparecimento na geografia social brasileira, há cerca de um século e meio, a região de Visconde de Mauá conheceu diferentes tipos e focos de economia. Em uma síntese bem resumida, pode-se afirmar que a região passou de uma colônia agrícola inicial que atraiu sobretudo imigrantes, para um tipo de atividade predominantemente leiteira e de criação de gado, mescladas às lavouras de milho, feijão e de hortaliças. Mais

O crescente uso de recursos naturais e a necessidade de maior eficiência e desacoplamento, por José Eustáquio Diniz Alves

    [EcoDebate] O relatório “Resource Efficiency: Potential and Economic Implications”, divulgado no dia 16 de março de 2017, durante a reunião do G20 em Berlim, pelo International Resource Panel, da United Nations Environment Programme (UNEP), mostra que, até 2050, mantidas as tendências recentes, a população mundial deverá crescer 28%, com a utilização de 71% mais recursos per capita. Sem medidas urgentes para aumentar a eficiência, o uso global de metais, biomassa

A inevitável Reforma da Previdência, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  [EcoDebate] A reforma da previdência é absolutamente inevitável. Ela vai acontecer, de uma forma ou de outra, pelo simples fato de que não há como manter regras fixas, quando a economia e a demografia estão mudando de forma acelerada. Tudo na vida e na sociedade é impermanente. Não existe mágica capaz de eliminar a matemática. Não há como fazer mágica para apagar a diferença entre receitas e despesas. Resta saber:

O que está em jogo na ‘economia verde’? artigo de Amyra El Khalili

Às vésperas da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável– Rio+20 (2012), fomos abordados por uma avalanche vinda dos ativistas internacionais que denunciavam os perigos da “economia verde” tão propalada pela mídia e pelas grandes Ongs ambientalistas, com a anuência de políticos ideologicamente alinhados, tanto com a direita quanto com a esquerda, neste continente latinoamericano-caribenho. A economia verde se apresentou como uma alternativa para solucionar os problemas socioambientais, como o combate

Protegendo os ‘novos pobres’ da crise econômica do Brasil, artigo de Emmanuel Skoufias

  Banco Mundial O Brasil está no meio de uma recessão profunda iniciada no final de 2015, com uma contração de 3,5% na economia em 2016, aumento do desemprego - de 4,3% em dezembro de 2014 para 11,9% em novembro de 2016 - e queda dos salários reais. Visto que os salários são a principal fonte de renda das famílias pobres e vulneráveis, esta situação põe em risco os avanços do Brasil

O paradoxo das baixas taxas de desemprego em 2013 e 2014, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    [EcoDebate] A economia brasileira, que havia apresentado um crescimento econômico relativamente elevado entre 2004 e 2010 (com forte redução do desemprego), entrou em uma fase de desaceleração do PIB nos anos de 2013 e 2014, em função do fim do superciclo das commodities e do insucesso da “Nova matriz econômica”, do primeiro governo Dilma Rousseff. Na fase de expansão do Produto Interno Bruto, a taxa de ocupação (PO/PIA), nas seis maiores

Será que os Empreendedores, as Pessoas e o Governo Realmente se Beneficiam do Crescimento Econômico? por Ranulfo Paiva Sobrinho e Junior Garcia

  Será que os Empreendedores, as Pessoas e o Governo Realmente se Beneficiam do Crescimento Econômico? Ranulfo Paiva Sobrinho Junior Garcia [EcoDebate] Se você fizer essa pergunta para algum político ou economista, provavelmente as respostas sejam as seguintes: “Sim. Todos se beneficiam do crescimento econômico”. “A população se beneficia por ter mais empregos e aumento de sua renda. Os empreendedores se beneficiam porque vendem e lucram mais”. “Além dos empreendedores e a população, os governos também se

Top