A força de Xi Jinping e a busca chinesa pela liderança global no século XXI, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    [EcoDebate] A China é uma das civilizações mais antigas e importantes do mundo. O Imperador Quin (221-207 aC.) é considerado o fundador do Império e o responsável pelo Estado unificado chinês. Há mais de 2 mil anos, ele adotou um sistema único de pesos e medidas, de escrita e de moeda em todo o Império. Também promoveu a realização de concursos públicos para o preenchimento de cargos, selecionando os candidatos

Perspectivas para a economia da América Latina e Caribe em 2019, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  A América Latina e Caribe (ALC) continua apresentando baixo crescimento econômico e deve enfrentar dificuldades ainda maiores em 2019   [EcoDebate] O relatório da CEPAL, “Balanço preliminar das economias da América Latina e do Caribe”, edição 2018, considera que a região enfrenta um cenário econômico global complexo, no qual se espera uma redução na dinâmica de crescimento, tanto nas economias desenvolvidas quanto nas emergentes, acompanhada de um aumento da volatilidade dos mercados

Adaptar nosso jeito de viver aos meios ecológicos, artigo de Marcus Eduardo de Oliveira

  Por uma nova economia baseada em uma racionalidade ambiental     [EcoDebate] Falando com simplicidade, nunca é demasiado asseverar que o “funcionamento” de toda a economia, isto é, a capacidade de produzir qualquer coisa, exige recursos materiais e energia da única (vale o grifo) fonte existente, a natureza. Daí a necessidade de pormenorizar ao menos dois pontos cruciais que, não raras vezes, passam despercebidos: i) o sistema econômico é um subsistema do ecossistema

Os caminhos invertidos das economias da Venezuela e do Vietnã, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    [EcoDebate] A única coisa em comum entre a Venezuela e o Vietnã é a letra V. Mas, parece que no Vietnã o V significa vitória e na Venezuela atual o V significa vergonha. Não existe destino preestabelecido para as nações. Quem estava em cima pode cair e quem estava embaixo pode subir. Tudo depende do projeto nacional que é adotado e da capacidade de união do povo para conquistar uma

Colapso econômico e ecológico, artigo de Tomas Togni Tarquinio

  O crescimento do PIB não resolve o problema do emprego, da distribuição da renda e tampouco o da crise ecológica     [EcoDebate] A médio e longo prazo, manter o crescimento do PIB juntamente com o crescimento do emprego e reduzir as desigualdades é um desafio impossível; tanto mais que estamos vésperas de mais uma revolução com a entrada em cena da inteligência artificial. Talvez por pouco tempo ainda seja possível alcançar taxas positivas

A menor influência da religião é essencial para o desenvolvimento econômico, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

"A religião é o ópio do povo" Karl Marx     [EcoDebate] Os estudos acadêmicos mostram que os países seculares tendem a ser mais ricos e menos desiguais do que os religiosos. Mas o que vem primeiro e qual o sentido da causalidade? É a secularização que antecede ao enriquecimento e ao bem-estar de um país ou é o desenvolvimento econômico que possibilita o aumento da secularização? O sociólogo francês, Emile Durkheim (1858-1917), acreditava que o

Quarenta anos das reformas de Deng Xiaoping e o renascimento da China como potência, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

Uma China como potência assertiva, dominante e autoconfiante (além de pouco democrática) é a nova realidade das relações internacionais. “Art. 1: Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade” 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos (10/12/1948)   “A religião para mim é ciência e a ciência é religião” 203 anos do nascimento

Dois mil anos de história econômica em um gráfico, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  “Nada no universo perdura para sempre, tudo se transforma continuamente e todos os fatos são impermanentes” Buda (563-483 a.C.)     [EcoDebate] Muita coisa aconteceu no mundo nos últimos 2000 mil anos e parece até impossível resumir as principais tendências econômicas de uma forma simples e transparente. Contudo, o gráfico acima resume a história econômica dos dois últimos milênios (Desjardins, 2017), servindo como uma visualização das principais alterações acontecidas no período. O gráfico mostra a participação

ONU, OCDE e Banco Mundial pedem aos governos que invistam na economia de baixo carbono

  Investimentos na economia de baixo carbono e infraestruturas resilientes são necessários para limitar os efeitos das mudanças climáticas   ONU News Os 20 países mais desenvolvidos do mundo, G20, devem permitir uma mudança radical de investimento na economia de baixo carbono e em infraestruturas resilientes para limitar os efeitos das mudanças climáticas. O apelo foi feito esta quinta-feira pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico, Ocde, a agência da ONU para o Meio

O show de Xi Jinping na APEC e a reunião do G-20 na Argentina, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  São muitas as questões em aberto e por conta disto a reunião do G-20, no final de novembro e início de dezembro, assume um papel decisivo     [EcoDebate] O fórum Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (na sigla em inglês: Asia-Pacific Economic Cooperation - APEC) agrupa 21 países-membros localizados nos dois lados do oceano Pacífico. A APEC foi criada em 1989 e, conforme apresentado na tabela acima, os 21 países da Organização, em ordem de

Relatório de agências governamentais dos EUA aponta impacto das mudanças climáticas no país

As mudanças climáticas já estão impactando os Estados Unidos e reduzirão o Produto Interno Bruto (PIB) do país em 10% até 2100, caso não sejam adotadas políticas para amenizar os efeitos das alterações climáticas. A conclusão é da 4ª Avaliação Nacional do Clima, um documento feito em conjunto por 13 agências governamentais norte-americanas. O relatório de 1.656 páginas detalha as consequências devastadoras do aumento das temperaturas globais na economia, na saúde humana

Nigéria: colapso ambiental e fábrica de pobreza? artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    [EcoDebate] A Nigéria é a nação mais populosa da África e, atualmente, a sétima com maior número de habitantes do mundo. A população da Nigéria em 2018 está estimada em 195,9 milhões de pessoas, devendo atingir 419 milhões em 2050 (ultrapassando os Estados Unidos e tornando-se a terceira nação mais populosa do mundo) e podendo chegar a 794 milhões de habitantes em 2100, segundo as projeções médias da Divisão de

Top