Future fisheries can expect $10 billion revenue loss by 2050 if climate change continues unchecked

  function googleTranslateElementInit() { new google.translate.TranslateElement({pageLanguage: 'pt', includedLanguages: 'en,es,fr,pt', layout: google.translate.TranslateElement.InlineLayout.HORIZONTAL, autoDisplay: false, multilanguagePage: true, gaTrack: true, gaId: 'UA-10694569-1'}, 'google_translate_element'); }     Global fisheries stand to lose approximately $10 billion of their annual revenue by 2050 if climate change continues unchecked, and countries that are most dependent on fisheries for food will be the hardest hit, finds new UBC research. Climate change impacts such as rising temperatures and changes in ocean salinity, acidity

Cidades mais ameaçadas pelo aumento do nível do mar, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    [EcoDebate] O aquecimento global é uma realidade inquestionável e cada vez mais ameaçadora. O ano de 2015 foi o mais quente da série histórica que começou em 1880. No ano passado, a temperatura global ficou 0,90º C acima da média do século XX. Mas tudo indica que o ano de 2016 vai bater todos os recordes, pois a temperatura nos primeiros 9 meses do ano ficou 1º C acima da

Qual o problema da imprensa com o clima? por Beatriz Diniz e Marcia Pimenta

Qual o problema da imprensa com o clima? Veja na análise da cobertura da ratificação do Acordo de Paris [EcoDebate] É uma tristeza a ratificação do Acordo de Paris pelo Brasil não estar na capa dos principais jornais do país nem ter destaque em suas edições digitais e nos telejornais da TV aberta. A cerimônia na segunda 12/9 até foi noticiada pelos meios de comunicação, só que timidamente. O também chamado acordo

Projeções de clima sugerem que estiagens mais severas e prolongadas tenderão a ser a regra no Nordeste

  Por Peter Moon | Agência FAPESP   A seca atual que aflige o Nordeste iniciou em 2012 e se intensificou desde então. Ela já dura cinco anos e é considerada a mais severa em várias décadas. A intensidade e a persistência da atual estiagem podem ser indícios de que os extremos da variabilidade climática já começaram a cobrar a sua fatura no Nordeste brasileiro. E a conta pode aumentar se esses extremos

A maior temperatura em 5 milhões de anos, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  Até que a plenitude e a morte coincidissem um dia Caetano Veloso     [EcoDebate] A NASA acaba de anunciar que o mês de agosto bateu todos os recordes de temperatura. Aliás, todos os meses de 2016, até aqui, superaram as temperaturas dos meses de 2015, que por sua vez já tinham superado os registros ocorridos desde 1880. Na plenitude civilizacional, o mundo caminha em uma trajetória complexa e perigosa e tem aumentado

Pesquisa indica mudanças climáticas na Região Amazônica

  Por Reginaldo Alves (Fiocruz Minas) A região Nordeste do estado do Amazonas poderá apresentar um aumento de 5°C graus na temperatura e uma redução de até 25% no volume de chuvas nos próximos 25 anos. Esta informação faz parte de uma pesquisa inédita para a região Norte do país, que identificou a vulnerabilidade à mudança do clima em 62 municípios localizados na região Amazônica. Coordenado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), o

A concentração de gases de efeito estufa em 2016, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    [EcoDebate] O aumento dos gases de efeito estufa (GEE) na atmosfera teve uma alta recorde em 2016, em um momento em que o agravamento das mudanças climáticas faz com que o planeta fique mais perigoso e mais suscetível aos eventos climáticos extremos. Por exemplo, os meses de maio e junho foram marcados por diversas catástrofes naturais decorrentes destes eventos extremos. Em maio, uma onda de calor na Índia quebrou o recorde

A longevidade em tempos de mudanças climáticas, artigo de Sucena Shkrada Resk

    Caso fôssemos fazer uma enquete para saber se as pessoas querem envelhecer em um planeta com o aumento da temperatura média acima de dois graus Celsius até o final do século com relação à era pré-industrial, muitas talvez não tivessem a noção do que essa pergunta significa. Certamente neste cenário, dificilmente chegaríamos aos 116 anos, como o japonês Jiroemon Kimura, que morreu em junho de 2013, e não teríamos variantes

Saiba o que é o Acordo de Paris, ratificado pelo governo nesta segunda-feira

    Principal objetivo é garantir que o aquecimento global não ultrapasse os 2°C até 2100 O governo brasileiro ratificou, na manhã desta segunda-feira (12), o Acordo de Paris. O documento foi previamente aprovado, no ano passado, por 197 países que participaram da Conferência do Clima de Paris (COP 21). O compromisso dos países signatários é manter o aumento da temperatura média global em menos de 2°C acima dos níveis pré-industriais, e fazer um

Acordo de Paris enfrenta desafios econômicos para cumprir metas

    Segundo o diretor-executivo do Centro Brasil no Clima, Alfredo Sirkis, a situação é preocupante, e mesmo que “todos os países cumpram seus iNDCs religiosamente”, ainda assim, sobrará em 2030 aproximadamente 15 gigatoneladas de emissões de carbono para contribuir com o aquecimento global O Brasil faz parte dos 23 países que, até o momento, já aderiram ao Acordo de Paris sobre Mudança do Clima, para reduzir os gases de efeito estufa (GEE)

A mudança climática pode nos deixar sem Jogos Olímpicos no futuro próximo, por Amy Goodman e Denis Moynihan

    “Agora, o futuro da maratona em particular, e dos Jogos Olímpicos em geral, podem estar em perigo. Um relatório que acabar de ser publicado pela revista médica britânica The Lancet dá a entender que até o ano 2085 quase todas as cidades que poderiam sediar os Jogos Olímpicos seriam muito quentes para realizar eventos ao ar livre”, escrevem Amy Goodman e Denis Moynihan, em artigo publicado por Democracy Now, 19-08-2016.

As emissões de Carbono e o aquecimento global, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    [EcoDebate] Quanto mais cresce a população e a economia, mais crescem as emissões de carbono, agravando o aquecimento global. Em 1960, as emissões de carbono estavam concentradas nos Estados Unidos (EUA), Europa, Rússia, China e Japão. Os EUA eram os grandes emissores. A Alemanha emita seis vezes mais que a Índia. O Japão emitia quase o dobro da Índia e cinco vezes mais do que o Brasil. De 1960 a 2014

Top