Organização Meteorológica Mundial (OMM) confirma 2017 entre os três anos mais quentes registrados

    Em um claro sinal de mudanças climáticas de longo prazo causadas pelo aumento das concentrações atmosféricas de gases de efeito estufa, 2015, 2016 e 2017 foram confirmados como os três anos mais quentes registrados. 2016 ainda mantém o recorde mundial, enquanto 2017 foi o ano mais quente sem um El Niño, que pode aumentar as temperaturas anuais globais. Uma análise consolidada da Organização Meteorológica Mundial, de cinco principais conjuntos de dados

Pesquisadores identificam como as mudanças climáticas alteram o crescimento das plantas

  Martin-Luther-Universität Halle-Wittenberg* O aquecimento global afeta mais do que apenas a biodiversidade vegetal - ele também altera a forma como as plantas crescem. Uma equipe de pesquisadores da Universidade Martin Luther Halle-Wittenberg (MLU) uniu forças com o Leibniz Institute for Plant Biochemistry (IPB) para descobrir quais processos moleculares estão envolvidos no crescimento da planta. Na edição atual da revista de renome internacional Current Biology , o grupo apresenta as últimas descobertas

A aceleração do degelo global, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    [EcoDebate] Os anos de 2016 e 2017 bateram todos os recordes de degelo global. Com o aquecimento da temperatura, a tendência de perda do gelo nos polos e nos glaciares é bastante clara. A curva apresentada no gráfico acima tem uma distribuição bimodal, pois o hemisfério Sul tem pico de gelo em junho e julho e um pico de degelo em fevereiro e março. O máximo do gelo global acontece

Pesquisa avalia o impacto negativo das mudanças climáticas nos corpos de água doce

    Ruhr-University Bochum* Os oceanos não são os únicos corpos de água que acidificam devido a mudanças climáticas feitas pelo homem; Os sistemas de água doce também são afetados - e isso, por sua vez, pode ter um impacto nos organismos que vivem neles. Esta é a conclusão feita pelos biólogos da Ruhr-Universität Bochum na sequência de uma análise dos dados a longo prazo de uma série de reservatórios de freswhater em

Emissões globais de CO2 aumentaram em 2017, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    [EcoDebate] A curva de Keeling segue sua tendência inexorável de subida e a concentração de CO2 na atmosfera deve ultrapassar 410 partes por milhão (ppm) em maio de 2018. O mundo precisava parar (ou diminuir muito) a queima combustíveis fósseis. Contudo, as emissões globais de CO2 aumentaram em 2017. O aumento previsto das emissões de gases de efeito estufa para 2017, após três anos de estabilidade, sugere que as emissões ainda

Desmatamento pode aquecer o clima ainda mais do que o pensado originalmente, advertem os cientistas

    University of Leeds* Uma equipe internacional de cientistas, liderada pela Universidade de Leeds, estudou a forma como os gases reativos emitidos por árvores e vegetação afetam o clima. A pesquisa, publicada na Nature Communications, descobriu que esses gases reativos resfriam nosso clima, o que significa que o desmatamento levaria a temperaturas mais elevadas do que anteriormente antecipadas à medida que menos gases fossem criados. O autor principal do estudo, Dr. Catherine Scott, da

Mudanças climáticas ameaçam as cadeias alimentares marinhas

  The University of Adelaide* Um novo estudo descobriu que os níveis de estoques de peixes comerciais podem ser prejudicados à medida que o aumento da temperatura do mar afeta sua fonte de alimento. Os cientistas da Universidade de Adelaide demonstraram como as mudanças climáticas podem reduzir o colapso das "cadeias alimentares" marinhas.     O estudo indica que o aumento da temperatura reduz o fluxo vital de energia dos principais produtores de alimentos na base

72% das empresas ainda não reconhecem as mudanças climáticas como um risco financeiro

  No mundo inteiro, 72% das empresas de médio e grande portes com ações negociadas em bolsas de valores ainda não reconhecem os riscos financeiros oriundos das mudanças climáticas em seus relatórios anuais financeiros, de acordo com a Pesquisa 2017 de Relatórios de Responsabilidade Corporativa da KPMG (The KPMG Survey of Corporate Responsibility Reporting 2017, em inglês). O levantamento estudou relatórios anuais financeiros e relatórios de responsabilidade corporativa das 100 maiores

Aumenta a concentração de CO2 na atmosfera em 2017, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    [EcoDebate] Mais um ano que passa e mais o frankensteiniano efeito estufa global se acentua. A NOAA (National Oceanic & Atmospheric Administration), por meio da Global Monitoring Division, divulgou no dia 06/01/2018, os dados do crescimento médio da concentração de CO2 na atmosfera. Em 2017, o aumento foi de 2,13 partes por milhão (ppm). É um número menor do que os 3,03 ppm de 2015 e os 2,98 ppm de 2016.

Modelos de comportamento humano alteram as mudanças climáticas projetadas

  National Institute for Mathematical and Biological Synthesis (NIMBioS)*     As mudanças no comportamento humano em resposta às mudanças climáticas, como a instalação de painéis solares ou isolantes, alteram as emissões de gases de efeito estufa. Um novo estudo, pela primeira vez, mede os efeitos dessas "emissões ajustadas ao comportamento" no clima. Os seres humanos podem ser a causa dominante do aumento da temperatura global, mas também podem ser um fator crucial para ajudar

Mudanças climáticas: feedback positivo não pode ser explicado pelos animais do solo

  German Centre for Integrative Biodiversity Research (iDiv)* Halle-Jena-Leipzig Quando o solo aquece, libera mais dióxido de carbono (CO 2 ) - um efeito que alimenta as mudanças climáticas. Até agora, assumiu-se que o motivo disso se deve principalmente à presença de pequenos animais do solo e micro-organismos que comessem e respiram mais em temperaturas mais quentes. No entanto, um novo estudo na Nature Climate Change mostrou que este não é o caso. Muito pelo contrário: se o calor é

Ilhas do Pacífico: as lições das crianças das nações insulares na COP 23 – Bula! por Sucena Shkrada Resk

    Ilhas do Pacífico: as lições das crianças das nações insulares na COP 23 – Bula! Por Sucena Shkrada Resk A Aliança dos Pequenos Estados Insulares (em inglês, Alliance of Small Island States – AOSIS, com 39 países) assumiu, pela primeira vez, um protagonismo na condução da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (COP 23), em Bonn, Alemanha, ao ter na presidência o governo de Fiji, que trouxe uma carga

Top