Relatório da ONU defende abordagem que une saúde humana, animal e ambiental para evitar futuras pandemias

A COVID-19 é apenas um dos exemplos da tendência crescente de doenças transmitidas de animais para seres humanos – que inclui Ebola, Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS), Febre do Nilo Ocidental e Febre do Vale Rift. Novo estudo traz dez recomendações para evitá-las e identifica a abordagem da One Health como a melhor forma de prevenir e responder a futuras pandemias. A tendência crescente de doenças zoonóticas é

Covid-19 e outros ‘desserviços’ ecossistêmicos

Prezadas e prezados, A Revista Ambiente & Sociedade acaba de publicar um número com um denso dossiê especial sobre a Covid-19: The COVID-19 epoch: Interdisciplinary research towards a new just and sustainable ethics   https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_issuetoc&pid=1414-753X20200001&lng=en&nrm=iso   Nesse dossiê, escrevi um artigo, intitulado: Pandemics, Existential and non-Existential Risks to Humanity   https://www.scielo.br/pdf/asoc/v23/1809-4422-asoc-23-e0126.pdf Resumo: A pandemia causada pelo vírus SARS-Cov-2 deu início a uma era de estagnação econômica estrutural. Com ela, cruza-se o limiar em que os chamados “serviços ecossistêmicos” do planeta começam

Antropoceno: emergência e advertência global

  IHU O Antropoceno representa um novo período da história do Planeta, que a partir da ação humana como força impulsionadora da degradação ambiental acelera o colapso global. Daí a crise sistêmica, pois esse rápido e progressivo avanço na deterioração das condições de vida possui um impacto que gera múltiplas facetas interconectadas em um fenômeno global. E por ser de ordem emergencial, também exige respostas imediatas, audazes, coerentes e catalisadoras de forças desaceleradoras e restaurativas. Uma tarefa nada simples, que

Injustiça socioambiental fere a dignidade da vida, artigo de Gilvander Moreira

  Injustiça socioambiental fere a dignidade da vida Por Gilvander Moreira1 Na perspectiva dos Movimentos Sociais transformadores, são inaceitáveis os discursos e as práticas que afirmam: “precisamos conciliar desenvolvimento com preservação ambiental”, “urge adequar os projetos econômicos mitigando os impactos socioambientais”, “temos que adequar os grandes projetos dentro das normas ambientais”. Isso é uma mentira. Busca-se dourar a pílula, criando uma fachada de preocupação socioambiental para viabilizar a continuidade da máquina de

Exploração predatória do patrimônio natural e o ‘melhor’ negócio do mundo, artigo de Clóvis Borges

  [EcoDebate] A cada ano o mês do Meio Ambiente toma vulto e chama mais a atenção da sociedade, além do Dia Mundial do Meio Ambiente, em junho também se comemora o Dia da Ecologia e o Dia Mundial dos Oceanos. No entanto, o fenômeno que traz maior notoriedade ao tema ambiental não ocorre em decorrência apenas de agendas comemorativas. Esta fama crescente se dá, a bem da verdade, pela apreensão

A sociedade ainda não percebeu a extensão e a urgência do colapso ecológico

“Não tem mais mundo pra todo mundo”, diz Deborah Danowski A filósofa, que pesquisa há anos “a quebra da relação do homem com o mundo”, diz que a pandemia foi “uma pancada”, mas a sociedade ainda não percebeu a extensão e a urgência do colapso ecológico, em parte pela ação dos negacionistas financiados pela elite Por Marina Amaral, Agência Pública Deborah Danowski não é apenas professora, doutora e pós-doutora em filosofia. Ela é

Meio Ambiente e Biodiversidade, artigo de Juacy da Silva

  “Defender e melhorar o meio ambiente para as atuais e futuras gerações se tornou uma meta fundamental para a humanidade”. (Declaração da Conferência da ONU sobre o Meio Ambiente, Estocolmo 1972) [EcoDebate] A saúde humana está diretamente ligada e extremamente dependente da “saúde” do planeta terra, da mãe natureza. Enquanto as relações entre o ser humano/a humanidade e a natureza continuarem sendo de dominação, de exploração irracional, de degradação ambiental, cada

Brasil perde uma vida humana por minuto para a covid-19 e milhões de vidas para o ecocídio, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

[EcoDebate] O Brasil continua sua escala de aumento do número de indivíduos doentes e de pessoas mortas pela covid-19. Pelo terceiro dia consecutivo o país bateu o triste recorde de casos e mortes e ficou no primeiro lugar do ranking internacional. No dia 04 de junho foram 30,9 mil novos casos e 1.473 vidas perdidas em 24 horas, o que dá 61,4 mortes por hora ou mais de uma morte

Estudo aponta o risco associado da desintegração ecológica com a origem de mais doenças infecciosas, como a Covid-19, artigo de Sucena Shkrada Resk

    Surtos epidêmicos entre humanos, com início em doenças zoonóticas, se tornam mais prováveis A The Wildlife Conservation Society lançou um documento, neste mês de maio, que alerta sobre o perigo que ronda a humanidade com a possibilidade de mais surtos epidêmicos e pandemias derivados de contágios primários provenientes de animais selvagens – as chamadas doenças zoonóticas -, onde existe o desequilíbrio ecossistêmico, que podem resultar posteriormente na transmissão de vírus entre

Espiral de autodestruição – Basta de ‘remédios’ que são novos venenos, artigo de Gilvander Moreira

Basta de ‘remédios’ que são novos venenos Por Gilvander Moreira1 Muitas crises estão afetando as pessoas e todos os outros seres vivos que habitam nossa Casa Comum, o planeta Terra. A crise ecológica já acendeu o sinal vermelho há muito tempo. “O mundo está em chamas”, já dizia, ainda no século XVI, Teresa de Jesus, espanhola e freira carmelita, uma das três mulheres consideradas doutoras pela Igreja. O que acontece é que

Jeffrey Sachs: Usamos energia demais, destruímos os habitats, as florestas, assistimos ao surgimento de novas doenças

“O insustentável peso do planeta”. Entrevista com Jeffrey Sachs IHU Entrevista com o estudioso, professor de desenvolvimento sustentável da Columbia University, em Nova York. "Usamos energia demais, destruímos os habitats, as florestas, assistimos ao surgimento de novas doenças. Os políticos devem aprender com a crise que é preciso pensar e planejar com antecedência". "Espero que nossos políticos aprendam algo com essa crise, acima de tudo, eles entendam que é preciso pensar e planejar com antecedência”. Caso contrário, o

Famílias de filho único, decrescimento populacional e regeneração dos ecossistemas, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

"Nosso trabalho é promover uma transição demográfica mundial e aplainar a curva exponencial - eliminando a pobreza extrema, disponibilizando amplamente métodos seguros e eficazes de controle de natalidade e ampliando o poder político real das mulheres" Carl Sagan (1934-1996) [EcoDebate] A taxa total de fecundidade (TFT) global que era de 5 filhos por mulher em meados do século passado caiu pela metade, em poucas décadas, e atualmente está em torno de

Medidas de estímulo econômico pós COVID-19 não devem estimular futuras pandemias

  Karina Toledo | Agência FAPESP – Doenças que emergiram da relação entre animais e humanos matam no mundo cerca de 700 mil pessoas todos os anos e o risco de surgirem novas pandemias é grande. Estima-se que as aves aquáticas e os mamíferos sejam reservatório para 1,7 milhão de vírus ainda não identificados, mas com potencial para infectar humanos. “Qualquer um desses pode ser a próxima ‘doença-X’ – potencialmente mais disruptiva

A pandemia da Covid-19: entre Gaia e o Antropoceno, artigo de Andityas Soares de Moura Costa Matos

  IHU “Só superaremos a crise pandêmica mediante a criação de sistemas políticos-econômicos-sociais que não sejam apenas isso, mas também naturais, de modo que se possa dar um fim ao Antropoceno enquanto marca da intrusão humana negativa no planeta, preparando assim a nossa reconciliação com Gaia. Uma reconciliação com nós mesmos”, escreve Andityas Soares de Moura Costa Matos, professor da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, em artigo publicado no sítio da UFMG, 13-04-2020. Eis o artigo. O que a Covid-19 põe em

Pessoas, ambientes, desigualdade e doença: um enfoque ecossistêmico, artigo de André Francisco Pilon

  [Jornal da USP] O filósofo francês Marcel Gauchet (da heteronomia à autonomia), ao analisar a evolução, ao longo da história, da crença de que os eventos, antes atribuídos a fatalidades externas, estariam agora sob o domínio humano, chegou à conclusão de que os indivíduos e as sociedades atuais, longe de se emanciparem, tornaram-se impotentes e não dispõem de autocontrole e verdadeira autonomia. A definição dos problemas é fragmentada e reduzida por

Coronavírus, Meio Ambiente e Humanidade: O que temos a (re)aprender? artigo de Wendell Andrade

  Em tempos de Saúde e Economia disputando o Oscar de Melhor Argumento numa "Holiúde" refém da polarização, Meio Ambiente segue há anos-luz de qualquer protagonismo e também muito distante de ser ator coadjuvante. No máximo, um figurante… De luxo. Nem as proporções que a epid… ops, pandemia, do “Novo Coronavírus” está tomando a cada dia têm sido suficientes para fazer com que os olhares do mundo – imprensa, autoridades, grandes corporações,

A desobediência a Gaia e a COVID-19, artigo de Eloy F. Casagrande Jr.

  - Menino, leva um casaco, vai esfriar! - Vem para dentro moleque, não vai ficar no sereno que você pega um resfriado! - Coloca o sapato guria, quer ficar doente! [EcoDebate] Mãe cuida! Sempre foi assim! Atenta, protetora, sábia! Mãe Terra também é assim! Gaia nos avisou! Nos deu todos os sinais, implorou! Foi vendo suas florestas sendo derrubadas, os recursos sendo arrancados do seu ventre, o ar sendo poluído, os rios envenenados, os

Pandemia COVID-19 na Era do Capitaloceno: Racismo ambiental disfarçado de consciência ecológica, artigo de Victor Pinto

[EcoDebate] Estou vendo várias pessoas compartilhando notícias sobre a "recuperação ambiental do planeta" com essa pandemia de Corona vírus e alguns comentários me chamaram atenção e me preocuparam enquanto biólogo e progressista. Então escrevi esse texto baseado nas minhas leituras e espero ajudar na construção de uma reflexão mais adequada dentro do cenário político-econômico-ambiental atual no meio de uma pandemia. Para isso vou trazer à luz alguns conceitos complexos, mas

A COVID-19 é um exemplo a mais de nossa relação tóxica com a natureza

  "A COVID-19 é um exemplo a mais de nossa relação tóxica com a natureza". Entrevista com Pedro Jordano IHU Pedro Jordano (Córdoba, 1957) vive a pandemia do SARS-COVID-2 perplexo pelo alcance que está tendo. Como biólogo, constata como estamos desarmados diante do desconhecido. A biodiversidade dos coronavírus é enorme e este (que gera a doença COVID-19) é novo para nós, do mesmo modo que são novas as 18.000 espécies de organismos superiores (plantas, animais...) para as quais damos nome, a cada

O impacto global da classe média sobre o meio ambiente, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

[EcoDebate] O impacto das atividades antrópicas sobre o meio ambiente depende do tamanho da população, do volume da produção e consumo de mercadorias e da tecnologia utilizada no processo de desenvolvimento. Antes da Revolução Industrial e Energética, o impacto demográfico e econômico global era relativamente modesto e estava bem abaixo da capacidade de carga do Planeta. Mas tudo mudou a partir do uso de combustíveis fósseis (carvão mineral, petróleo, gás,

Top