Mudança nos rios atmosféricos pode acelerar o degelo da Antártida

  Mudança nos rios atmosféricos pode acelerar o degelo da Antártida Os sistemas climáticos responsáveis pelo transporte de umidade dos trópicos para as regiões temperadas do hemisfério sul têm mudado gradualmente em direção ao Polo Sul nos últimos 40 anos, uma tendência que pode levar a um aumento nas taxas de derretimento do gelo na Antártica, de acordo com novas pesquisas. American Geophysical Union* Os rios atmosféricos são longos e estreitos jatos de ar

Geleiras da região do Everest diminuindo mesmo em grandes altitudes

  Geleiras da região do Everest diminuindo mesmo em grandes altitudes University of St Andrews* Um novo estudo realizado por pesquisadores da Universidade de St Andrews e da National Geographic descobriu que as geleiras ao redor do Monte Everest estão agora perdendo massa em uma elevação que antes se pensava ser protegida da perda de gelo. O aquecimento sustentado ocorreu no Himalaia, e as geleiras na região montanhosa mais alta do planeta têm consistentemente

Países devem acelerar ações para limitar o aquecimento a 1,5°C

  Países devem acelerar ações para limitar o aquecimento a 1,5°C Novo relatório mostra que o progresso em todos os setores está muito lento para limitar o aquecimento a 1,5°C  Relatório conjunto do World Resources Institute e ClimateWorks conclui que as nações devem acelerar a ação climática mais acentuadamente do que as tendências recentes Por Karol Domingues Para manter a janela aberta para limitar o aquecimento global a 1,5°C, os países precisam acelerar a transformação em direção

Aumenta o custo humano dos desastres ambientais e climáticos

  Aumenta o custo humano dos desastres ambientais e climáticos “O que está em jogo são negatividades: perdas, devastação e ameaças” Ulrich Beck (1944-2015) Artigo de José Eustáquio Diniz Alves [EcoDebate] O relatório “The human cost of disasters: an overview of the last 20 years (2000-2019)” da UNDRR (United Nations Office for Disaster Risk Reduction) publicado no dia 13/10/2020 para marcar o Dia Internacional para Redução do Risco de Desastres, confirma que os eventos climáticos

Até 2050, os danos das mudanças climáticas chegarão aos 8 trilhões de dólares

  Até 2050, os danos das mudanças climáticas chegarão aos 8 trilhões de dólares O clima nos custa 100 bilhões de dólares. Artigo de Gernot Wagner IHU Sem intervenções, até 2050, os danos das mudanças climáticas chegarão aos 8 trilhões de dólares. Cada tonelada de CO2 liberada na atmosfera custa 40 dólares. A opinião é de Gernot Wagner, professor de Economia do Clima na Universidade de Nova York. O artigo foi publicado por La Repubblica,

Especialistas apontam causas para temporada recorde de furacões no Atlântico

    Especialistas apontam causas para temporada recorde de furacões no Atlântico Mudanças climáticas e diminuição da poluição do ar desde 1980 podem ter contribuído para elevação da temperatura dos oceanos Imagem: Cheng et al (2020). Por Cinthia Leone, ClimaInfo O furacão Iota é a 30ª tempestade nomeada a se formar no Atlântico em 2020, consolidando este como um ano sem precedentes para a frequência desses fenômenos. O recorde do maior número de tempestades nomeadas

Surgimento de novas comunidades ecológicas afetam os ecossistemas

  Surgimento de novas comunidades ecológicas afetam os ecossistemas A Terra e todos os organismos vivos nela estão mudando constantemente. Mas há alguma maneira de detectar se essas mudanças estão ocorrendo em uma taxa anormal? Quais são as consequências dessas mudanças para os organismos afetados? Friedrich-Alexander-Universität Erlangen-Nürnberg* Uma equipe internacional de pesquisadores, incluindo cientistas da FAU, desenvolveu um método para detectar tais desenvolvimentos e rastrear como novos ecossistemas são formados. Eles publicaram suas descobertas

Aquecimento de 2°C liberaria bilhões de toneladas de carbono do solo

  Aquecimento de 2°C liberaria bilhões de toneladas de carbono do solo Os solos globais contêm duas a três vezes mais carbono do que a atmosfera, e temperaturas mais altas aceleram a decomposição - reduzindo a quantidade de tempo que o carbono passa no solo (conhecido como "turnover de carbono no solo"). University of Exeter* O novo estudo de pesquisa internacional, liderado pela Universidade de Exeter, revela a sensibilidade do turnover do carbono do

Global warming of 2°C would lead to about 230 billion tonnes of carbon being released from the world’s soil

  Global warming of 2°C would lead to about 230 billion tonnes of carbon being released from the world's soil Warming of 2°C would release billions of tonnes of soil carbon University of Exeter Global soils contain two to three times more carbon than the atmosphere, and higher temperatures speed up decomposition – reducing the amount of time carbon spends in the soil (known as "soil carbon turnover"). The new international research study, led by

Relatório sobre o Estado dos Serviços Climáticos de 2020

    Relatório sobre o Estado dos Serviços Climáticos de 2020 “Os chimpanzés, gorilas e orangotangos viveram milhares de anos em suas florestas, com vidas fantásticas, em entornos onde reina o equilíbrio, em espaços onde nunca lhes passou pela cabeça destruir a floresta, destruir o seu mundo. Eu diria que eles tiveram mais sucesso do que nós em relação a esta harmonia com o meio ambiente”. Jane Goodall (1934 - ) Artigo de José

O setor de energia é causa, mas é vulnerável às mudanças climáticas

  O setor de energia é causa, mas é vulnerável às mudanças climáticas À medida que as temperaturas globais aumentam, a demanda por refrigeração está aumentando. Mas, em face do aumento da demanda de energia na estação quente, a confiabilidade da energia pode ser prejudicada, devido aos impactos das mudanças climáticas no sistema energético, especialmente no Sul da Ásia e na América Latina. Fondazione Centro Euro-Mediterraneo sui Cambiamenti Climatici* Um artigo de revisão na

O recuo das geleiras da Groenlândia pode afetar a ecologia local

  O recuo das geleiras da Groenlândia pode afetar a ecologia local   NASA Sea Level Change Portal Um novo estudo sobre o encolhimento do manto de gelo da Groenlândia revela que muitas das geleiras da ilha não estão apenas recuando, mas também passando por outras mudanças físicas. Algumas dessas mudanças estão causando o redirecionamento dos rios de água doce sob as geleiras, onde se encontram com o leito rochoso. Esses rios carregam nutrientes para o

Aumento do CO2 atmosférico e o futuro incerto dos oceanos

  Aumento do CO2 atmosférico e o futuro incerto dos oceanos Estudo analisa a reação das comunidades de plâncton ao aumento do dióxido de carbono Helmholtz Centre for Ocean Research Kiel* As teias alimentares marinhas e os ciclos biogeoquímicos reagem de forma muito sensível ao aumento do dióxido de carbono (CO2) - mas os efeitos são muito mais complexos do que se pensava. Isso é mostrado em um estudo publicado por uma equipe de pesquisadores

Pantanal pode ter temperaturas elevadas em 7ºC até 2100

  Pantanal pode ter temperaturas elevadas em 7ºC até 2100 Por Peter Moon, da Agência FAPESP     O Pantanal, a maior planície alagada do mundo, corre o risco de, em 2100, ver as suas temperaturas médias anuais elevadas em até 7 °C. Tamanho aumento de temperatura implicaria uma redução sensível no regime de chuvas da região, principalmente no inverno. Tais mudanças climáticas teriam impacto sobre a evaporação da região e a própria existência do Pantanal

Mudança climática é real; Entenda a emergência climática

  Os fatos que você precisa saber sobre a Emergência Climática: A ciência das mudanças climáticas está bem estabelecida: A mudança climática é real e as atividades humanas são a principal causa. (IPCC) A concentração de gases de efeito estufa na atmosfera terrestre está diretamente ligada à temperatura média global da Terra. (IPCC) A concentração tem aumentado continuamente, e com ela as temperaturas globais médias, desde a época da Revolução Industrial. (IPCC) O gás de

Aquecimento do oceano Atlântico é sem precedentes em quase 3.000 anos

  Aquecimento do oceano Atlântico é sem precedentes em quase 3.000 anos Aproveitando as propriedades únicas dos sedimentos do fundo do Lago Sawtooth no Alto Ártico canadense, os cientistas climáticos estenderam o registro da temperatura da superfície do oceano Atlântico de cerca de 100 para 2.900 anos, e mostra que o intervalo mais quente ao longo deste período foram os últimos 10 anos. University of Massachusetts Amherst* Uma equipe liderada por François Lapointe e

O mundo reduziu as emissões de CO2 na pandemia mas o velho normal já predomina

  O mundo reduziu as emissões de CO2 na pandemia mas o velho normal já predomina “Até 2100, 73,9% da população do mundo enfrentará ondas letais de calor, pelo menos 20 dias por ano” IPCC (2018) Artigo de José Eustáquio Diniz Alves [EcoDebate] O Brasil viveu dias de calor intenso nos últimos dias e isto é fruto de um processo de aquecimento global de longo prazo. A concentração de CO2 na atmosfera variava em

Aumento das emissões pode mudar parte da Amazônia para ecossistema do tipo savana

Aumento das emissões pode mudar parte da Amazônia para ecossistema do tipo savana Stockholm Resilience Centre À medida que as emissões aumentam, mais partes da Amazônia devem secar Uma parte maior da floresta amazônica pode cruzar um ponto crítico onde pode se tornar um ecossistema do tipo savana mais do que se pensava Destaques da matéria Se a precipitação cair abaixo de um certo limiar, as áreas podem mudar para um estado de savana

Aquecimento dos oceanos pode mudar recifes de corais, mostra estudo

  Aquecimento dos oceanos pode mudar recifes de corais, mostra estudo Pesquisa da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) prevê mudanças na configuração dos recifes de corais e migração de peixes do Caribe e do litoral brasileiro nas próximas décadas devido ao aquecimento dos oceanos. A queda na quantidade de peixes que se alimentam de algas na região tropical pode fazer com que os ecossistemas dos recifes percam a sua diversidade

Ártico atinge o 2º menor nível de gelo em setembro de 2020

Ártico atinge o 2º menor nível de gelo em setembro de 2020 Artigo de José Eustáquio Diniz Alves [EcoDebate] Só os negacionistas mais tacanhos questionam a existência do fenômeno do aquecimento global provocado pela emissão de gases de efeito estufa. Os últimos 7 anos (2014-20) foram os mais quentes já registrados e a década 2011-20 é a mais quente da série histórica. A atmosfera do Planeta está ficando mais quente e isto

Top