A Terra com ‘pressão alta’ e hipertermia, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  “É triste pensar que a natureza fala e que a humanidade não a ouve”. Victor Hugo (1802-1885)     [EcoDebate] A hipótese Gaia, elaborada inicialmente por James Lovelock, diz que a Terra é um organismo vivo que tem um metabolismo natural capaz de regular seu clima e temperatura, promovendo um equilíbrio homeostático global. Eventos externos, como choques de meteoritos, podem provocar perturbações neste equilíbrio. Também forças internas, como vulcões, podem perturbar a estabilidade.

Incentivo de Trump à energia fóssil – Um passo atrás e em falso, artigo de André Ferretti

    [EcoDebate] Incentivo à produção de energia à base de carvão mineral e desestímulo à energia limpa são duas consequências imediatas do decreto assinado em 28 de março pelo presidente dos Estados Unidos. Outro efeito – perverso e, infelizmente, desconsiderado por Donald Trump – é o aumento da vulnerabilidade da própria sociedade norte-americana aos efeitos negativos da mudança climática. Nesse cenário, cabem preocupações sobre o quanto essas medidas afetarão em cadeia

O crescimento das energias renováveis e a redução das emissões na China, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    [EcoDebate] O governo Donald Trump, com apoio do Partido Republicano, está na contramão da história e está possibilitando uma passagem histórica do bastão da liderança global dos Estados Unidos para a China em tecnologia do clima e das fontes de energia renovável. A nova administração norte-americana está abandonando a liderança das ações de mitigação das mudanças climáticas, além de reduzir o financiamento em energia limpa e abraçar os investimentos em carvão

Mudança climática pode afetar espécies vegetais marinhas e prejudicar cadeia alimentar

  Alteração nas águas causada por dióxido de carbono (CO2) pode afetar espécies vegetais marinhas e prejudicar cadeia alimentar Por Júlio Bernardes, do Jornal da USP. Amostras de espécies vegetais marinhas (fitoplâncton) analisadas em pesquisa do Instituto Oceanográfico (IO) da USP mostram os efeitos futuros das mudanças climáticas nos oceanos. O trabalho do pesquisador Marius Müller revela que o aumento das emissões antropogênicas (feitas pela atividade humana) de dióxido de carbono (CO2), torna

A estagnação das emissões de CO2 do setor de energia, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    [EcoDebate] A Agência Internacional de Energia (IEA em inglês) divulgou em março os dados que mostram que as emissões globais de dióxido de carbono relacionadas à energia ficaram estáveis pelo terceiro ano consecutivo (2014, 2015 e 2016). Isto aconteceu mesmo com o crescimento da economia internacional, sinalizando um desacoplamento relativo das emissões de CO2 e da atividade econômica. Este fato inédito nas últimas décadas foi possível graças ao crescimento da

Estudo indica que faltam apenas quatro anos para mantermos o aumento da temperatura global em até 1.5º C

    De acordo com o coordenador do programa Mudanças Climáticas e Energia do WWF-Brasil, André Nahur, a análise demonstra, mais uma vez, a urgência de diminuir as emissões globais de gases de efeito estufa. Quatro anos de emissões atuais seriam suficientes para acabar com o que restou do orçamento de carbono para termos uma boa chance de manter o aumento da temperatura global em até 1.5º C. Essa é a conclusão da

Sugestões de diretrizes necessárias para assistência técnica e difusão de tecnologia para agricultura de baixo carbono no Brasil

Grupo de Trabalho de Agricultura de Baixo Carbono A assistência técnica (AT) e a difusão de tecnologia (DT) no meio rural brasileiro são temas de fundamental importância para a nova economia, baseada na baixa emissão de gases do efeito estufa (GEE). Entre as ações que devem ser parte das diretrizes para implementação da NDC brasileira (contribuição nacionalmente determinada, sigla em inglês) estão o fortalecimento das organizações de assistência técnica e extensão

Relatório analisa a transparência de projetos ligados ao mercado de carbono no Pará

  Publicação joga luz sobre as políticas ligadas mercado de carbono no Pará e analisa níveis de transparência dos órgãos públicos envolvidos     A ARTIGO 19 lançou o relatório “Vim Aqui Para Saber: O Que é o Carbono?” - acesso à informação e economia verde no Pará”. A publicação traz uma análise sobre o acesso à informação nos projetos existentes no Pará relativos ao mercado de carbono e ao mecanismo intitulado Redução de

Trump revoga medidas de redução de emissões de gases de efeito estufa dos EUA

    O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou ontem (28) o decreto-executivo da Independência Energética, que revê medidas do governo do ex-presidente Barack Obama que tinham como objetivo diminuir as emissões de gases de efeito estufa dos Estados Unidos para atender aos compromissos feitos no Acordo de Paris, de 2015. Segundo Trump, o decreto é necessário uma vez que a gestão Obama implementou regulamentações “caras que prejudicaram os empregos e

As commodities ambientais e a métrica do carbono, artigo de Amyra El Khalili

As commodities ambientais e a métrica do carbono Amyra El Khalili[1]* De acordo com o Ministério da Agricultura,  em 2013 o agronegócio brasileiro atingiu a cifra recorde de 99,9 bilhões de dólares em exportações. Soja, milho, cana ou carne ganham os mercados externos na forma de commodities: padronizadas, certificadas e atendendo a determinados critérios e valores regulados internacionalmente. No entanto, as monoculturas extensivas não deveriam ser a única alternativa de produção brasileira. A

Maior aumento da concentração de CO2 da história humana, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  “Se uma planta não consegue viver de acordo com sua natureza, ela morre, assim também o ser humano” Henry Thoreau (200 anos de seu nascimento)     [EcoDebate] Estudos indicam que o mundo conseguiu, pelo terceiro ano consecutivo, manter estáveis suas emissões de gases CO2. Os otimistas comemoram o desacoplamento relativo. Mas os números indicam que, se as emissões pararam de subir, elas continuam nos níveis mais elevados da história. Na realidade, a concentração

Carbono na COP22: um eficiente indexador para combustíveis fósseis, artigo de Amyra El Khalili

Se algum especulador me perguntasse qual a engenharia mais indicada para ganhar dinheiro com as mudanças climáticas, eu lhe responderia: “Compre commodities agropecuárias e venda créditos de carbono nas bolsas, ou faça uma negociação com minério e índice de C02 no mercado acionário. É a operação financeira que chamamos de “trava”. Se não der certo no curto prazo, arrole com swap!” Estou em terras tupiniquins, imaginando a participação dos lobistas e

Top