Brasil contraria tendência global e pode ter alta em emissões na pandemia

  Análise do Observatório do Clima indica que carbono emitido por desmatamento pode subir até 50% em relação a 2018, compensando queda em energia Por Solange A. Barreira A recessão global gerada pela Covid-19 deve causar uma redução nas emissões de gases de efeito estufa da ordem de 6% em 2020. Mas um país foge a essa escrita: análise do Observatório do Clima lançada nesta quinta-feira (21) indica que as emissões do Brasil

Crise do COVID-19 causa queda de 17% nas emissões globais de carbono, mas é improvável que dure

  O bloqueio global do COVID-19 teve um efeito "extremo" nas emissões diárias de carbono, mas é improvável que dure - de acordo com uma nova análise feita por uma equipe internacional de cientistas. University of East Anglia* O estudo publicado na revista Nature Climate Change mostra que as emissões diárias diminuíram 17% - ou 17 milhões de toneladas de dióxido de carbono - globalmente durante o pico das medidas de confinamento no

Nível do mar pode subir mais de 1 metro até 2100 se as metas de emissão não forem cumpridas, revela pesquisa internacional

  Um estudo internacional liderado por cientistas da Universidade Tecnológica de Nanyang, em Cingapura (NTU Cingapura), descobriu que o aumento médio do nível do mar global pode exceder 1 metro por 2100 e 5 metros por 2300 se as metas globais de emissões não forem atingidas. Nanyang Technological University, Singapore (NTU Singapore)* O estudo usou projeções de mais de 100 especialistas internacionais para as mudanças globais médias do nível do mar em dois

Se emissões de carbono não caírem, 1/3 da humanidade poderá viver em áreas de calor insuportável em 50 anos

De acordo com pesquisa conduzida por cientistas dos Estados Unidos, China e Europa e publicada na revista Proceedings of the National Academy of Sciences nesta semana, as zonas do planeta onde hoje vive 1/3 da humanidade se tornarão tão quentes como as partes mais áridas do deserto do Saara dentro de 50 anos, a menos que as emissões de gases de efeito estufa diminuam. O aquecimento acelerado significaria que cerca

A pandemia da covid19 a bolha de carbono e o menor preço do petróleo em 150 anos, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

“Assim como a Idade da Pedra não acabou por falta de pedras, a Era do Petróleo chegará ao fim, não por falta de óleo”. Ahmed-Zaki Yamani     [EcoDebate] A economia mundial cresceu, nos últimos 250 anos, em função dos combustíveis fósseis (primeiro carvão mineral, depois petróleo e gás). O petróleo tem um protagonismo de pelo menos 150 anos. Nos 100 anos de aproximadamente de 1875 a 1975 o preço do petróleo (em termos reais)

OCDE e África: diferentes dinâmicas demográficas, econômicas e de emissão de CO2, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

“Na África estamos sofrendo a crise climática agora” Vanessa Nakate (12/12/2019)     [EcoDebate] No dia 22 de abril de 2020 o mundo comemora os 50 anos do Dia da Terra. Estavam programadas grandes manifestações de rua em todo o mundo, porém a pandemia de covid-19 impediu aglomerações, diante da emergência global de saúde pública. Contudo, a emergência climática e ambiental não passou e mesmo que a paralisação das atividades produtivas e a quarentena

As emissões globais de CO2 por nível de renda, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

“Só temos 12 anos para limitar o aquecimento global a 1,5 graus Celsius” IPCC, 2018 [EcoDebate] Existe não só uma correlação, mas também uma causalidade, entre o crescimento da população e o crescimento das emissões de CO2. Todas as pessoas, sem exceção, realizam atividades que emitem gases de efeito estufa (GEE). Não existe pessoa com nível zero absoluto de emissão e quanto mais gente, maiores são as emissões de GEE. Mas as

África do Sul, Etiópia e RD Congo: dinâmicas demoeconômicas e emissões de CO2, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

“Cada problema ambiental e social neste planeta finito se torna mais difícil e, em última análise, impossível de resolver com o aumento global da população” David Attenborough   [EcoDebate] A atmosfera é um bem comum que está sendo poluído e desrespeitado. As emissões globais de CO2 que estavam em 2 bilhões de toneladas em 1900, passaram para 37 bilhões de toneladas em 2018. Em consequência a concentração de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera

Capacidade das florestas tropicais de remover carbono da atmosfera está diminuindo

  O sumidouro de carbono das florestas tropicais já está enfraquecendo rapidamente A capacidade das florestas tropicais do mundo de remover carbono da atmosfera está diminuindo, de acordo com um estudo que rastreia 300.000 árvores ao longo de 30 anos, publicado na Nature . Por University of Leeds* A colaboração científica global, liderada pela Universidade de Leeds, revela que uma mudança temida das florestas tropicais não perturbadas do mundo de um sumidouro de carbono

Quase metade do PIB global tem metas líquidas reais ou previstas de emissão zero: a ambição triplica em oito meses

Quase metade do produto interno bruto (PIB) do mundo é agora gerado em locais onde as autoridades estabeleceram ou propõem estabelecer uma meta de levar as emissões de carbono a zero líquido em ou antes de 2050. Por Karol Domingues, AviV, para o EcoDebate Uma nova análise da Unidade de Inteligência Energética e Climática (ECIU), um think tank com sede em Londres, mostra que pouco mais de US$ 39 trilhões, cerca de

Aumento do uso da terra em áreas tropicais está afetando o ciclo do carbono

  Um estudo internacional, liderado por pesquisadores da Universidade de Lund, na Suécia, mostra que o rápido aumento do uso da terra nas áreas tropicais do mundo está afetando o ciclo global do carbono mais do que se sabia anteriormente. Ao estudar dados de um novo sistema de imagem de satélite, os pesquisadores também descobriram que a biomassa nas florestas tropicais está diminuindo. Lund University* A vegetação desempenha uma função muito importante no ciclo

Terras indígenas emitem menos carbono que regiões sem proteção, revela estudo

    Estudo publicado na revista científica Proceedings of the National Academy of Science, para medir as emissões de carbono causadas pela degradação e pelo desmatamento – usando uma tecnologia inovadora que combina imagens de satélite com dados de campo –, sugere que as terras indígenas (TIs) e as áreas naturais protegidas (ANPs) na Amazônia são menos propensas à perda de carbono por degradação do que regiões desprotegidas. Isso ocorre porque a liberação de

Top