NÃO à mudança constitucional que permite instalar usinas nucleares em Pernambuco, artigo de Heitor Scalambrini Costa

    [EcoDebate] Em 5 de outubro de 2019 a Constituição Estadual completou 30 anos. Veio no rastro da Carta Magna de 1988, chamada de Constituição Cidadã, que inovou no federalismo, assegurando aos Estados maior capacidade de autogestão, autonomia política para escolherem seus gestores e editarem leis. Neste trintenário da Constituição pernambucana, uma proposta de mudança de seu artigo 216 está provocando polêmica, e ao mesmo tempo um amplo debate na sociedade. O

Negócios da indústria nuclear, artigo de Heitor Scalambrini Costa

    [EcoDebate] O atual governo brasileiro de extrema direita considera construir seis usinas nucleares até 2050, além de concluir a usina de Angra 3. Uma pergunta recorrente é: a quem interessa? Do ponto de visto elétrico a nucleoeletricidade pouco contribui e pouco contribuirá para a matriz elétrica. Para responder a esta pergunta que não quer calar, a resposta é simples: SIGA O DINHEIRO. Uma usina nuclear como prevista, tem uma potência instalada de

Vendedores de ilusão: Caso da usina nuclear em Pernambuco, artigo de Heitor Scalambrini Costa

    [EcoDebate] Uma forte ofensiva para a construção de novas usinas nucleares do país tomou fôlego no atual governo. Principalmente pelo fato de quem está a frente do Ministério de Minas e Energia é um almirante da marinha brasileira, atuante na área nuclear, tendo sido coordenador do programa Brasil e França para construção de submarinos, inclusive 2 deles movido a energia nuclear. Além disso, outro fator não declarado abertamente contribuiu para esta

Governo estuda construção de seis usinas nucleares até 2050, ao custo de US$ 30 bilhões

    O governo federal informou ontem (26) que estuda construir seis usinas nucleares até 2050. A informação foi dada pelo secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético do Ministério de Minas e Energia, Reive Barros. A construção das usinas deve ser incluída no Plano Nacional de Energia (PNE), que está em fase final de elaboração. Em nota, o ministério destaca que o PNE está em fase final de elaboração e informa que o governo

Porque o Brasil não precisa de energia nuclear, artigo de Heitor Scalambrini Costa e Zoraide Vilasboas

[EcoDebate] Os atuais padrões de produção e consumo de energia estão apoiados nas fontes fósseis (petróleo, gás natural e carvão mineral) que geram emissões de poluentes locais, gases de efeito estufa e põem em risco o suprimento do planeta a longo prazo, por serem finitas. É preciso mudar esses padrões, incentivar a economia de energia e estimular o uso das energias renováveis (solar, eólica e biomassa), sem gerar danos socioambientais.

O grande aliado dos ‘nucleolóides’, artigo de Heitor Scalambrini Costa

    [EcoDebate] Sem dúvida estamos vivenciando um momento trágico da história de nosso país, onde a irresponsabilidade dos veículos de comunicação tradicional, para se dizer o mínimo, pratica a antítese do jornalismo, e de suas boas práticas, se aliando ao atual governo de extrema direita. Assim tem-se mentido, manipulado, e confundido o povo brasileiro. Nunca o dito de José Saramago (Premio Nobel de literatura de 1998) foi tão sintonizado com o

Acidentes em usinas nucleares quando ocorrem são catastróficos, artigo de Heitor Scalambrini Costa

    [EcoDebate] Os argumentos dos defensores da energia nuclear como fonte de energia elétrica se baseiam principalmente em minimizar os riscos da ocorrência de acidentes nas usinas nucleares. Se referenciam em informações citando cientistas, instituições e organismos pró nuclear para suas alegações, e se aliam a setores econômicos que se beneficiam diretamente ou indiretamente da expansão desta tecnologia. Uma das irresponsabilidades maiores dos defensores dos “negócios nucleares” é a insistência em minimizar,

Alerta: nucleolóides em ação! artigo de Heitor Scalambrini Costa

    [Ecodebate] No atual governo de extrema direita, vencedor das últimas eleições presidenciais, ressurgiu com grande ímpeto a lenda de que o Brasil precisa construir usinas nucleares para atender a demanda nacional por energia elétrica. Chegam alguns até em afirmar que sem tais usinas os apagões serão frequentes. Outros argumentos, considerados “mais técnicos” vindo de “especialistas”, afirmam categoricamente que o Brasil precisa de energia firme, aquela ininterruptamente fornecida por usinas, sem as

Caminhada em Pernambuco rechaça energia nuclear – Marandiba, 15/6

  A pretensão do governo federal de impor a construção de quatro a oito usinas nucleares no Brasil, como indica o Plano Nacional de Energia 2030, esbarra na forte convicção dos pernambucanos contrários à implantação de usina atômica em Itacuruba, às margens do “Velho Chico”, no sertão nordestino. Desde que esta hipótese surgiu, há cerca de 10 anos, o povo da região vem construindo uma resistência ao lobby nuclear, inspirada na

Uma semana de filmes e debates sobre segurança nuclear – 25 de maio começa o 9° Internacional Uranium Film Festival, na Cinemateca do MAM Rio

UMA SEMANA DE FILMES E DEBATES SOBRE SEGURANÇA NUCLEAR     Tiros num comboio de combustível nuclear, risco de rompimentos de barragens com rejeitos radioativos, aparelhos de césio radioativo abandonados, um carro com elementos radioativos roubado, uma usina nuclear e um submarino nuclear no centro da Lava Jato e da corrupção: A segurança nuclear é um assunto para todos, porque todos podem ser afetados. De 25 de maio a 02 de junho de 2019,

Energia nuclear não é assunto somente para técnicos, artigo de Heitor Scalambrini Costa

    [EcoDebate] Existe uma estrategia clara dos defensores da energia nuclear, para produção de energia elétrica, em minimizar os acidentes que podem ocorrer nas indústrias envolvidas no chamado ciclo do combustível nuclear, em particular nas usinas núcleo-elétricas. Querem nos fazer crer que a segurança das centrais nucleares é infalível, e que acidentes com a liberação de material radioativo não acontecem, e nem acontecerão. Além de tentarem desqualificar aqueles que são contrários

8° aniversário do desastre de Fukushima: 11 de março de 2011, um dia para não ser esquecido, artigo de Heitor Scalambrini Costa

  [EcoDebate] Oito anos se passaram desde o acidente na usina nuclear Fukushima Dai-Ichi, com a explosão de 3 reatores, e que espalhou poeira radioativa pela província japonesa de Fukushima, em 11 de março de 2011. A contaminação do ar, da terra e da água forçou o deslocamento de mais de 100.000 pessoas. Antes do acidente, a província de Fukushima tinha 2 milhões de habitantes, e era conhecida como uma área tranquila

Top