30 anos após o acidente com o césio-137, em Goiânia, Brasil ainda não sabe o que fazer com material radioativo

  A radiação emitida foi reduzida pela metade no local do acidente, em Goiânia, de acordo com o professor Daniel Junqueira Dorta, da USP de Ribeirão Preto Rádio USP Este mês, o acidente radiológico com o césio-137, em Goiânia, completa 30 anos. Segundo a Comissão Nacional de Energia Nuclear, no âmbito radioativo, esse acidente só não foi maior que o da usina nuclear de Chernobyl, na Ucrânia.     O acidente aconteceu dia 13 de setembro

Vítimas do Césio-137 seguem desamparadas 30 anos após tragédia radioativa em Goiânia

  Por Juliana Ferreira, para a Articulação Antinuclear Brasileira   Este mês completam-se 30 anos do início do maior acidente radiológico do mundo, causado por uma cápsula de Césio-137 abandonada em um aparelho hospitalar no centro de Goiânia. As 17 gramas do elemento radioativo contaminaram pessoas, meio ambiente e causaram consequências sentidas até hoje. É uma tragédia que ainda não terminou. A Articulação Antinuclear Brasileira apoiou uma série de eventos que marcaram os

Série de eventos em Goiânia marca os 30 anos do acidente com o Césio-137

  ‘Césio 137: Eu também sou vítima’ será o mote da mobilização para discutir a situação atual das vítimas     Em 13 de setembro deste ano completa-se 30 anos que uma cápsula contendo 19 gramas de Césio-137 iniciou o maior acidente radioativo do Brasil, provocando a morte de 4 pessoas inicialmente e um número desconhecido nos anos seguintes, contaminando direta e indiretamente centenas de moradores e causando pânico em Goiânia. Mesmo após 3

Do Rio para Goiás e Goiânia – Exposição sobre acidente do Césio 137 é doada para suas vítimas

  Depois de ser exibida em Goiás durante o FICA 2017, a exposição "Mãos de Césio" agora passa para as mãos da Associação das Vítimas do Césio 137 de Goiânia (AVCésio) para continuar a brilhar por onde passar. "Mãos de Césio" é uma exposição fotográfica sobre o acidente radiológico de Goiânia, realizada pelo Jornalista alemão Norbert G. Suchanek e foi exibida pela primeira vez em 2011, no Rio de Janeiro, no Centro

Oceanos se recuperaram após acidente de Fukushima, dizem cientistas

    Os cientistas acreditam que, após o acidente na usina nuclear japonesa de Fukushima 1, o nível de radiação nos oceanos voltou ao normal. Esta conclusão consta do relatório do Comitê Científico de Pesquisas Oceânicas (Scientific Committee on Oceanic Research), que reúne especialistas de todo o mundo. O acidente ocorreu em março de 2011. O relatório é baseado em 20 medições dos níveis de radiação em diferentes partes do Oceano Pacífico —

Após 30 anos, usina de Chernobyl terá escudo de aço para evitar novos vazamentos de radiação

   Num canteiro de obras montado ao lado do reator número 4 da antiga Usina de Chernobil, na Ucrânia, uma espécie de escudo gigante feito de aço, construído a partir de um projeto de colaboração e financiamento internacional, está sendo finalizado. Trata-se da maior estrutura móvel do mundo, com 108 metros de altura, 250 metros de largura e 150 metros de comprimento. A dimensão equivale a um prédio de 36 andares e

Central de Fukushima ainda representa riscos, diz autoridade de regulação

  Inspetores da AIEA, em Fukushima   O presidente da Autoridade de Regulação Nuclear do Japão (NRA), Shunichi Tanaka, disse hoje, quando se completam quatro anos do acidente nuclear em Fukushima, causado pelo sismo seguido de tsunami, que a central ainda representa inúmeros riscos. “Foram registrados, no último ano, acidentes e problemas e temos que admitir que isso gera ansiedade nas pessoas daquela área”, disse Tanaka, em reunião do órgão realizada para marcar a

Central de Fukushima detecta novo vazamento de água radioativa para o mar

    A operadora da Central Nuclear de Fukushima detectou novo vazamento, divulgado ontem (25) pela imprensa japonesa. A proprietária da central, a Tokyo Electric Power Company (Tepco), anunciou nessa terça-feira (24) a descoberta de um depósito de água altamente radioativa acumulado sobre o teto do reator número 2 da fábrica. O líquido continha 29.400 bequeréis por litro de césio radiativo e 52 mil de estrôncio e outras substâncias emissoras de raios beta, segundo

Novo vazamento de água radioativa é detectado na Central de Fukushima

    Um novo vazamento de água altamente radioativa para o mar foi detectada ontem (22) na Central de Fukushima, no Japão, anunciou a empresa Tokyo Eletric Power (Tepco). Segundo a agência de notícias France Presse, com base nas declarações de um porta-voz da empresa, a situação foi observada por meio de sensores ligados a um tubo de drenagem de águas pluviais e subterrâneas, que mediram níveis de radioatividade até 70 vezes maiores

Japão atrasa por tempo indeterminado armazenamento de resíduos radioativos de Fukushima

    O governo japonês atrasou, por tempo indeterminado, o armazenamento de resíduos radioativos recolhidos nos trabalhos de descontaminação perto da Central Nuclear de Fukushima, por não ter sido construído nenhum depósito seguro, segundo fontes oficiais citadas pela imprensa. As autoridades tinham previsto começar a transferir os resíduos para depósitos nucleares em janeiro próximo, data que foi adiada de forma indefinida dadas as dificuldades em encontrar uma localização para as instalações, segundo a

Retirada da capa protetora de um dos reatores de Fukushima é adiada devido a risco de contaminação

    A Central Nuclear de Fukushima adiou por um ano a retirada da capa protetora de um dos reatores danificados devido ao risco de contaminação radioativa, o que poderá atrasar o processo de desmantelamento da central, informa hoje (16) a imprensa do Japão. Trata-se do reator número 1 da central, um dos que sofreu explosão de hidrogênio após o terremoto, seguido de tsunami, de 11 de março de 2011, e cujo edifício

Fukushima: municípios aceitam construção de depósitos temporários dos detritos da descontaminação

    Os municípios japoneses de Fukushima, Futaba e Okuma comunicaram ao governo que aceitam a construção de depósitos temporários para armazenagem dos detritos provenientes da descontaminação da central nuclear da região, atingida por um terremoto, seguido de tsunami, em março de 2011. "É um fardo pesado para a região, mas tomamos a decisão dolorosa de aceitar a construção desses locais de armazenamento", disse o governador de Fukushima, Yuhei Sato, aos ministros japoneses

Custo total do acidente nuclear de Fukushima chegará a ser o dobro do previsto

    O custo total do acidente nuclear de Fukushima chegará a 11,08 trilhões de ienes (aproximadamente R$ 241.976.292.143), quase o dobro do previsto pelo Executivo japonês em 2011, informou um estudo apresentado nesta terça-feira por duas universidades japonesas. Matéria da EFE, no UOL Notícias. De acordo com os autores do relatório, Kenichi Oshima e Masafumi Yokemoto, professores de Economia e de Política do Meio Ambiental nas universidades de Ritsumeikan e de Osaka,

Três anos após a catástrofe nuclear de Fukushima, Japão decide manter energia nuclear

  Três anos após a catástrofe nuclear de Fukushima, governo aprova retomada da energia nuclear, anulando decisão do gabinete anterior de fechar todas as usinas até 2030. Segundo o texto do novo plano básico de energia, aprovado nesta sexta-feira (11/04) em Tóquio, o governo do Japão dará prosseguimento à "reativação das centrais nucleares" do país, que permanecem "paradas" em consequência do acidente nuclear provocado por um terremoto seguido de tsunami,

Pobres e sem qualificação são contratados para limpar Fukushima

    Em Fukushima, a medida se traduziu em empregos mais escassos e com salários mais baixos, o que afugentou os trabalhadores qualificados. Por isso, segundo informaram operários e outras pessoas, só ficaram em Fukushima funcionários que geralmente são contratados por empresas de recrutamento aventureiras que têm pouco conhecimento técnico e sobre as normas de segurança --isso sem falar na preocupação quase inexistente em relação à contratação de pessoas desesperadas. A polícia

Centrais nucleares nunca podem ser 100% seguras, diz diretor geral da AIEA

  Usina de Fukushima, após o desastre nuclear – Em 11 de março de 2011, o mundo soube da tragédia de Fukushima: um fortíssimo terremoto e um tsunami de grandes proporções, a que se seguiu a explosão de uma usina nuclear com todas as consequências de um acidente nuclear: a difusão de radioatividade, que permanecerá ativa durante anos, ameaçando muitas gerações. Foto: DW   O diretor geral da Agência Internacional da Energia Atômica

Três anos depois do acidente nuclear, a luta contra a radiação de Fukushima

  Após sofrerem contaminação radioativa, moradores de Namie, cidade nos arredores da usina nuclear, foram evacuados e agora controlam, eles mesmos, o seu estado de saúde. Há dois casos de câncer entre crianças. Minako Fujiwara lembra com tristeza de seu cachorro, que morreu em junho do ano passado. "Ele perdeu os pelos do pescoço, e a pele escureceu", conta a japonesa de 56 anos. Tais sintomas também foram registrados em

Três anos da tragédia nuclear de Fukushima – Carta Aberta ao Primeiro-ministro do Japão

  Usina de Fukushima, após o desastre nuclear – Em 11 de março de 2011, o mundo soube da tragédia de Fukushima: um fortíssimo terremoto e um tsunami de grandes proporções, a que se seguiu a explosão de uma usina nuclear com todas as consequências de um acidente nuclear: a difusão de radioatividade, que permanecerá ativa durante anos, ameaçando muitas gerações. Foto: DW   11 de março de 2014, três anos da tragédia

A advertência de Fukushima: uma lição para o resto do mundo, por Amy Goodman

    A perigosa trajetória que vai das armas nucleares à energia nuclear está a ser questionada por um crescente movimento popular que reclama paz e sustentabilidade. E é uma lição para o resto do mundo.   De Tóquio. - "Escrevo estas palavras da forma mais objetiva possível, na esperança de que sirvam de advertência ao mundo", escreveu o jornalista Wilfred Burchett de Hiroshima. O seu artigo intitulado "A praga atômica" foi publicado a

Operadora de Fukushima pede ao governo japonês uma ajuda suplementar de 7 bilhões de euros

    A Tokyo Eletric Power Company (Tepco), que gere a Central Nuclear de Fukushima, no Japão, afetada pelo terremoto e tsunami de março de 2011, anunciou na sexta-feira (27) que fez um pedido suplementar de apoio estatal no valor de 7 bilhões de euros. A ajuda solicitada pela Tepco visa a compensar as vítimas deslocadas pelo acidente com a central nuclear não só por terem perdido terras, mas também por danos morais. Esta

Top