Videocast: Porque as nações podem perder muito dinheiro em grandes projetos

    Caro Henrique, O meu grupo de pesquisa produziu recentemente um terceiro vídeo dinâmico e breve em português, que salienta os sérios riscos de uma rápida expansão das estradas, focalizando amplamente as questões ambientais, econômicas e sociais. Aqui está o link para o novo vídeo: 1. Por que como nações podem perder muito dinheiro em grandes projetos https://www.youtube.com/watch?v=gFBJA-PX4sM   Aqui estão os links para nossos dois vídeos anteriores:   2. Porque razão como estradas são tão perigosas https://www.youtube.com/watch?v=_ySvW07t6js   3. Porque as

STF suspende julgamento de MP que alterou limites de parques nacionais na Amazônia para a construção de hidrelétricas

    ABr O Supremo Tribunal Federal (STF) começou a julgar ontem (16) a legalidade de medidas provisórias que reduziram áreas de unidades ambientais de conservação. A ação foi movida pela Procuradoria-Geral da República (PGR) e pede a nulidade de uma Medida Provisória (MP) editada durante o governo da ex-presidente Dilma Rousseff que redefiniu os limites de parques nacionais na Amazônia para a construção de hidrelétricas. Na sessão desta tarde, o único voto proferido

Para PGR, medida provisória não pode reduzir limites de parques nacionais e florestas da Amazônia

    PGR Julgamento da ação direta de inconstitucionalidade foi suspenso por um pedido de vista Em sessão no Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quarta-feira (16), o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, manifestou-se pela procedência da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI 4717), ajuizada contra a Medida Provisória 558, de 2012, que alterou limites dos Parques Nacionais da Amazônia, dos Campos Amazônicos e Mapinguari, das Florestas Nacionais de Itaituba I, Itaituba II e do Crepori

Defender os biomas brasileiros. ‘Não podemos abdicar de nossa tarefa’, alerta Roberto Malvezzi (Gogó)

  IHU     A riqueza e a biodiversidade nos biomas brasileiros são imensas, mas os desafios frente a sua sistemática dilapidação são gigantescos. Buscar alternativas a esse sistema predatório é mais que urgente. “Não podemos abdicar de nossa tarefa”, afirma o ambientalista Roberto Malvezzi (Gogó), filósofo, teólogo, escritor e compositor. Trata-se de alguém forjado na luta que, desde inícios dos anos 1980, enraizou-se no nordeste brasileiro. Reside em Juazeiro, na Bahia, mas percorre

Fundo Amazônia abre chamada pública para projetos de conservação e uso sustentável da floresta

  ABr   O Fundo Amazônia abriu ontem (9) chamada pública para projetos de conservação e uso sustentável da floresta com foco em atividades produtivas sustentáveis. Serão selecionados até dez projetos na Amazônia Legal, que receberão de R$ 10 milhões a R$ 30 milhões. O total financiado será de R$ 150 milhões. “Queremos aumentar a base de projetos e entidades que possam receber do Fundo Amazônia e fazer uma aplicação de recursos mais ágil

O último século das florestas tropicais? Análise de Luiz Marques (IFCH/Unicamp)

  Jornal da UNICAMP “As florestas são o lar de mais de 80% de todas as espécies terrestres” [I]. A maior parte dessa biodiversidade concentra-se nas florestas tropicais [II]. Há estimativas de que as florestas tropicais podem abrigar mais da metade das espécies terrestres do planeta, grande parte delas vivendo na canópia das árvores. E. O. Wilson, por exemplo, contou 43 diferentes espécies de formigas em uma única árvore na Amazônia peruana,

O grande massacre das árvores – Luiz Marques nos fala do temor cada vez mais crescente de um mundo sem florestas

  O grande massacre das árvores Do Jornal da UNICAMP Texto LUIZ MARQUES Fotos REPRODUÇÃO | Daniel Beltra - Greenpeace Edição de imagem LUIS PAULO SILVA   Eclode, nessa exclamação de Rilke, a verticalidade totêmica da árvore, o mais majestoso traço de união entre o céu e a terra. Esses versos vêm à mente diante da ameaça de extinção dos maiores seres vivos terrestres do planeta, como o Jequitibá-Rosa, a Peroba-Rosa, a Sumaúma, as Castanheiras do Pará

ONU divulga versão em português do documento final da Conferência dos Oceanos

  Ocorrida entre os dias 5 e 9 de junho na sede das Nações Unidas em Nova Iorque, a Conferência sobre os Oceanos contou com os principais chefes de Estado e de Governo, bem como representantes de organizações de todo o mundo que trabalham com o tema; acesse aqui o documento na íntegra. O Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio) divulgou nesta quarta-feira (26) o documento final

Premiando a grilagem na Amazônia: redução da Flona do Jamanxin pode ser só o começo

  IPAM Confirmando as piores expectativas da sociedade, o governo acaba de enviar ao Congresso Nacional um projeto de lei em regime de urgência que corta cerca de 350 mil hectares da Floresta Nacional (Flona) do Jamanxin, uma das principais unidades de conservação do país, localizada no Pará. O projeto de lei (PL) 8107/2017, que substitui a medida provisória 756/2016, vetada mês passado por Michel Temer, anistia a grilagem e pode gerar um

Após veto, governo envia ao Congresso novo projeto que reduz a Flona do Jamanxim, no Pará

  ABr   O governo federal enviou ao Congresso um novo projeto de lei que diminui os limites da Floresta Nacional (Flona) do Jamanxim, no Pará, para criar uma Área de Proteção Ambiental (APA), unidade de conservação de uso mais flexível. A nova proposta foi elaborada após veto do presidente Michel Temer a duas medidas provisórias alteradas pelos parlamentares para reduzir a Flona. O novo projeto de lei prevê que a APA do Jamanxim

Fundação SOS Mata Atlântica lança o estudo ‘Unidades de Conservação Municipais da Mata Atlântica’

    A Fundação SOS Mata Atlântica acaba de lançar o estudo “Unidades de Conservação Municipais da Mata Atlântica”, o primeiro trabalho feito no país sobre essas áreas protegidas nas cidades do bioma. O levantamento, divulgado hoje no Fórum Brasil de Gestão Ambiental, em Campinas (SP), revela a existência de mais de mil Unidades de Conservação (UCs) municipais na Mata Atlântica e nos ambientes costeiros e marinhos. As análises se concentraram em 934

Ação e reação: descaso com oceanos gera consequências para todo planeta

  Inédita conferência da ONU realizou uma "chamada para ação" de parceiros e voluntários para promover a conservação dos oceanos; um dos desafios do Brasil é passar de 1,5% para 10% de áreas marinhas protegidas     O que inundações no Sul do Brasil, o aumento da frota de automóveis e a crescente produção de lixo têm em comum? Para os oceanos, tudo! É na porção aquática do planeta que os efeitos das ações

Top