Possibilidades e limitações para a inserção da agricultura familiar no desenvolvimento e produção de bioenergia derivada da Palma-de-Óleo no Estado do Maranhão

    POSSIBILIDADES E LIMITAÇÕES PARA A INSERÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR NO DESENVOLVIMENTO E PRODUÇÃO DE BIOENERGIA DERIVADA DA PALMA-DE-ÓLEO NO ESTADO DO MARANHÃO1 Adriano Venturieri1 adriano.venturieri@embrapa.br – Pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental; Alfredo Kingo Oyama Homma1 alfredo.homma@embrapa.br – Pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental; João de Deus Barbosa Nascimento Júnior1 joao.nascimento@embrapa.br – Pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental; José Mário Ferro Frazão2 jose.frazao@embrapa.br – Pesquisador da Embrapa Cocais; Lucieta Guerreiro Martorano2 lucieta.martorano@embrapa.br –

Corte ilegal, defaunação e mudanças climáticas tornam incerto o futuro do palmito juçara

  Por Peter Moon, Agência FAPESP     Há um conjunto de fatores que parecem afetar a sobrevivência da palmeira juçara, da qual se extrai o palmito de melhor qualidade – e por isto mesmo o mais valorizado. Além da forte pressão do corte ilegal da juçara e a destruição da Mata Atlântica, a extinção de aves e as mudanças no clima podem levar a espécie à extinção na natureza. O fenômeno de extinção de

Zoneamento Agrícola de Risco Climático ganha versão aprimorada

    As próximas safras brasileiras de soja, milho e cana-de-açúcar contarão com avaliações em três níveis de risco climático graças a uma série de melhorias implementadas na metodologia do Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc), instrumento do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), executado pela Embrapa e instituições parceiras. Agora, produtores rurais e analistas de crédito e seguro agrícola poderão saber se a cultura tem probabilidade de 80%, 70% ou

Seca e Resiliência na África Oriental – Como os camponeses e pastores enfrentam a fome

  Já não se trata de medidas preventivas a serem adotadas para evitar problemas futuros: a mudança climática já está em marcha e seus efeitos são devastadores principalmente nas regiões suscetíveis à seca. Ironicamente, são os países mais pobres os que menos poluem e os que sofrem o impacto maior. As esperanças contudo, resistem. Os agricultores da África contra-atacam e sua resiliência é crítica para a segurança de nossos alimentos. Sem o

Resíduos de Agrotóxicos em frutos e hortaliças, parte 2/3, artigo de Roberto Naime

    [EcoDebate] REIS (2013) assevera que a crescente demanda por alimentos, acompanhada pelo aumento da área cultivada, propiciou maior utilização de agrotóxicos nos alimentos de origem vegetal para compensar os problemas do processo produtivo, principalmente relacionados à infestação de pragas (GAMA et al., 2013). Assim, os alimentos são considerados a principal fonte de exposição dos seres humanos aos agrotóxicos (GONZÁLEZ-RODRÍGUEZ et al., 2008; RIVAS et al., 2007). Os agrotóxicos podem ser bioacumulados

O Brasil rural é maior do que estimou o Governo, artigo de Nilo Sergio S. Gomes

  [EcoDebate] Os dados apurados pelo Cadastro Ambiental Rural (CAR) revelam um Brasil rural maior do que as estimativas iniciais do próprio Serviço Florestal Brasileiro, do Ministério do Meio Ambiente. Além disso os números deixam evidente a forte concentração da terra em poucas propriedades, especialmente no Norte e no Centro-Oeste do país, realidade que se mantém desde os tempos do Brasil Colônia. O Cadastro foi criado a partir do novo Código Florestal

Jovens agricultores do Piauí utilizam energia solar para cultivar produtos biofortificados

  Com o objetivo de apresentar uma solução inovadora, que possibilite ao jovem rural uma fonte de renda segura que o mantenha no campo, a Embrapa, por meio do projeto Biofortificação de Alimentos (Biofort), implantou, em fevereiro de 2017, a primeira Unidade de Segurança Produtiva Solar, em Santo Inácio, na região Sul do Piauí.     Essas Unidades são pequenas áreas para cultivo em que são utilizadas todas as tecnologias necessárias para reduzir o

Sugestões de diretrizes necessárias para assistência técnica e difusão de tecnologia para agricultura de baixo carbono no Brasil

Grupo de Trabalho de Agricultura de Baixo Carbono A assistência técnica (AT) e a difusão de tecnologia (DT) no meio rural brasileiro são temas de fundamental importância para a nova economia, baseada na baixa emissão de gases do efeito estufa (GEE). Entre as ações que devem ser parte das diretrizes para implementação da NDC brasileira (contribuição nacionalmente determinada, sigla em inglês) estão o fortalecimento das organizações de assistência técnica e extensão

Processos de produção de alimentos e produtos podem reduzir reservas de água, alerta Instituto Akatu

    ABr As ações cotidianas para economizar água envolvem, geralmente, hábitos como diminuir o tempo no banho, fechar a torneira na hora de escovar os dentes ou usar um balde em vez da mangueira para lavar o carro ou a calçada. No entanto, grande parte da população desconhece a chamada água invisível, usada em processos como a produção de alimentos e até de celulares, e que pode reduzir ainda mais as reservas

Perto de completar cinco anos, Código Florestal ainda não foi totalmente implementado

  ABr   Quase cinco anos depois de sua aprovação, o Código Florestal (Lei 12.651/2012) ainda não foi totalmente implementado. Organizações ambientais avaliam que, dos 14 pontos do novo código que elas consideram prioritários, apenas a inscrição de propriedades rurais no Sistema Nacional de Cadastro Ambiental Rural (Sicar) tem funcionado de forma satisfatória e com providências de melhoramento em curso. A avaliação é do Observatório do Código Florestal e do Instituto de Pesquisa Ambiental

Agronegócio e conservação da natureza ditam o ritmo na Sapucaí, por André Ferretti, Carlos Hugo Rocha e Carlos Nobre

    Especialistas veem nas críticas a oportunidade de ampliar o debate sobre problemas do meio ambiente [EcoDebate] A agremiação carioca Imperatriz Leopoldinense trouxe para a Marquês de Sapucaí este ano o enredo “Xingu, o clamor que vem da floresta”, em que defende os índios e acusa produtores rurais pelas mazelas da região. A escola, que vai cantar: “Sangra o coração do meu Brasil, o belo monstro rouba as terras dos seus filhos,

Pesquisadores buscam reduzir os danos provocados ao meio ambiente pelos fertilizantes convencionais

  Por um mundo livre de agentes nocivos Por Danielle Kiffer, FAPERJ Fábio Olivares (2º a partir da dir.) e equipe testam novas formas de potencializar os efeitos positivos de bactérias associadas a fungos (Fotos: Divulgação/Uenf) As mudanças ambientais provocadas pela civilização moderna preocupam cientistas e podem colocar em risco a própria sobrevivência da espécie humana. Dentro desse quadro, a necessidade de mudanças no setor produtivo em direção a uma matriz sustentável se torna

Top