Basta. Chega de mortes! artigo de José Eustáquio Diniz Alves

“A lição sabemos de cor, só nos resta aprender” Beto Guedes   [EcoDebate] Aumentam as mortes no Brasil em proporção avassaladora. Segundo dados oficiais do Ministério da Saúde, o Brasil chegou a 271.628 pessoas infectadas e 17.971 mortes pela covid-19, com uma taxa de letalidade de 6,6%, no dia 19 de maio. O número diário de novas pessoas com o coronavírus foi de 17,971 casos, números só comparáveis com o país de Donald Trump

Covid-19: O que vem depois da crise? O Estado Social nos lembra o seu papel, por Gabriela Delgado e Renata Dutra

  [UnB] A humanidade enfrentou diversas crises em sua história, associadas às disputas por poder político, por bases político-territoriais, por hegemonia econômica, entre outras causas. As crises tendem a convocar mudanças e ressignificações, situando a impermanência no centro da vida. É sabido que os processos de crise do capitalismo no século XX provocaram uma reconfiguração paradigmática do Estado e de seu papel garantidor de direitos fundamentais, mediante a articulação do conceito de

Possível novo decreto pode reduzir a Mata Atlântica para beneficiar interesse do setor imobiliário

Governo avança sua ofensiva contra a Mata Atlântica que pode perder área de 110 mil km² No manifesto "Continuam Tirando o Verde da Nossa Terra", a SOS Mata Atlântica alerta para o que considera ser o maior atentado contra o bioma e os patrimônios ambientais do Brasil. Conforme notícia do portal Direto da Ciência , (24/04), está na Casa Civil da Presidência da República uma minuta de decreto que altera

O Brasil com baixa imunidade – medidas de austeridade fiscal reduziram recursos de programas sociais importantes para combater a pandemia da Covid-19

  Relatório do Inesc mostra como as medidas de austeridade fiscal reduziram recursos de programas sociais importantes para combater a pandemia da Covid-19 O relatório O Brasil com baixa imunidade – Balanço do Orçamento Geral da União 2019 é o primeiro de uma série anual onde o Inesc vai analisar os gastos orçamentários da União do ano anterior e comentar as previsões para o ano em curso. Com isso, esperamos contribuir para o debate

Governadores renovam isenção de R$ 6 bi para agrotóxicos em meio à crise e à falta de verbas

  Mesmo com falta de verbas para combater Coronavírus, secretários estaduais renovaram benefício bilionário no comércio de agrotóxicos; MT, SP e RS deixam de arrecadar 3 bi por ano Por Pedro Grigori, Agência Pública/Repórter Brasil Em meio a uma pandemia que gera demandas econômicas urgentes para os cofres públicos, governadores de todo o país decidiram prorrogar uma isenção fiscal que beneficia a venda de agrotóxicos. O acordo permite a desoneração de 30% a

Covid-19 – Salvar vidas agora, antes que seja tarde, artigo de Gilvander Moreira

Salvar vidas agora, antes que seja tarde Por Gilvander Moreira1 O balanço do Ministério da Saúde do dia 14 de abril de 2020 sobre a COVID-19 no Brasil apontou que o país agora tem mais de 23 mil casos confirmados da doença, mais de 1.300 mortes, sendo 26% dos mortos fora do grupo de risco, 25% com idade abaixo de 60 anos e, pior, com taxa de letalidade bem maior do que

Coronavírus mostra a necessidade de uma saúde gratuita para todas as pessoas – agora, artigo de Winnie Byanyima

  [ONU] Em artigo, a diretora-executiva do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (UNAIDS), Winnie Byanyima, faz um alerta: “três pessoas a cada segundo são levadas à extrema pobreza ao pagarem por serviços de saúde. Cobrar pelos serviços de saúde não prejudica apenas os diretamente afetados – coloca todos em risco”. Winnie Byanyima traz exemplos do Sri Lanka, Jamaica e Serra Leoa para mostrar que o país não precisa ser rico

Tarifa de energia elétrica nas nuvens. A quem cabe a culpa? artigo de Heitor Scalambrini Costa

    [EcoDebate] No Brasil, segundo a Agência Internacional de Energia (AIE), os consumidores já pagam a 3ª maior tarifa de energia elétrica do planeta, o dobro da média mundial. Muitas explicações e justificativas tem sido dadas para chegarmos a atingir tais patamares, principalmente pelas distribuidoras, pelo governo de plantão, e por aqueles que mais se locupletam com este verdadeiro atentado ao bolso do povo brasileiro. As atuais tarifas comprometem desde o crescimento da

Conselho Nacional de Saúde recomenda que STF vote pelo fim da isenção fiscal de agrotóxicos

    Benefício fiscal concedido aos agrotóxicos é denunciado como inconstitucional por ser prejudicial à saúde e ao meio ambiente; julgamento ocorre na quarta-feira, 19/2. IDEC O CNS (Conselho Nacional de Saúde) recomendou aos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) que declarem a inconstitucionalidade dos benefícios fiscais concedidos aos agrotóxicos, como prevê as cláusulas Primeira e Terceira do Convênio Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) 100/97. A orientação foi aprovada pelo Plenário do CNS

Chuvas, desastres e acidentes naturais (e o povo, como é que fica?) artigo de Adrimauro Gemaque

    [EcoDebate] Em março de 2013, portanto há pouco mais de seis anos, esse foi o título de artigo que escrevi para abordar o período invernoso amazônico, mais especificamente na cidade Macapá. Assim, começo minha narrativa a época eis aqui alguns fragmentos: (...) No Amapá, menos de 1% de sua área foi desmatada. O estado ainda mantém quase 30% de sua cobertura vegetal protegida. São reservas extrativistas, estações ecológicas, parque nacional e

Cadeia da carne bovina recebeu mais de 123 bilhões de reais de dinheiro público e gera forte impacto ambiental

    Estudo do Escolhas mostra que, com média anual, 12,3 bi, o valor representa 79% da arrecadação de impostos na cadeia, resultado que aponta a necessidade de discutir a sustentabilidade econômica dos aportes dos Governos Estaduais e Federal Por Salete Cangussu A presença dos subsídios no quilo de carne bovina que chegou à mesa do consumidor brasileiro, entre os anos de 2008 e 2017, totalizou a cifra de R$ 123 bilhões de reais

Sem políticas públicas, Brasil mostra descaso em questões ambientais

    Esgotamento de recursos e falta de políticas públicas para contenção indicam perda de interesse do governo em questões ambientais Por Carolina Fioratti, Rádio USP Vivemos em uma época em que os recursos naturais estão cada vez mais escassos. Apesar de parecer ilimitado, o uso indevido do petróleo, carvão e água, por exemplo, coloca o ser humano em risco de não poder contar com tais recursos no futuro. Wagner Costa Ribeiro, professor do Departamento

Top