O crescente desmatamento do planeta e o mito da ‘transição florestal’, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

“A floresta precede os povos E o deserto os segue” (Chateaubriand)     [EcoDebate] O número de árvores no mundo está em torno de três trilhões de unidades. São muitas árvores, mas havia o dobro deste número no passado recente. A humanidade já destruiu a metade de todas as árvores do planeta desde o avanço exponencial da pegada ecológica da civilização, segundo um estudo da Universidade de Yale, publicado pela revista científica Nature,

Imazon apresenta análise da exploração madeireira no Pará entre 2015 e 2016

  Pesquisadores desenvolveram sistema que permite mapear a retirada ilegal de madeira no estado     O Pará está entre os estados com maiores índices de exploração de madeira, com extração ocorrendo em grandes áreas sem qualquer autorização. Para acompanhar a dinâmica da atividade madeireira, pesquisadores do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) desenvolveram um sistema independente que permite mapear áreas de ocorrência de exploração autorizada e não autorizada: o Sistema

Em 15 anos, entre 2000 e 2015, Cerrado perdeu 11% de cobertura vegetal nativa por causa do desmatamento

    Em 15 anos, Cerrado perde 11% de cobertura vegetal nativa por causa do desmatamento. Entrevista especial com Tiago Reis IHU O resultado do desmatamento no Cerrado entre 2000 e 2015 é uma perda de 11% da cobertura da vegetação nativa do bioma, informa Tiago Reis, pesquisador no Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia – Ipam, e autor de um estudo recente que mede o desmatamento no Cerrado e na Amazônia. Segundo ele,

Amazônia Protege: MPF busca a punição de todos os responsáveis por desmatamentos ilegais acima de 60 hectares

    Projeto mapeou mais de 1,2 mil grandes áreas desmatadas de forma irregular entre 2015 e 2016; 757 ações civis públicas já foram propostas Ação coordenada do Ministério Público Federal (MPF) com os órgãos ambientais federais identificou 1.262 áreas de desmatamento ilegal na Amazônia com mais de 60 hectares de extensão cada, registradas por monitoramento de satélite realizado de agosto de 2015 a julho de 2016. Por meio de cruzamento com bancos

Amazônia Protege: MPF propõe 757 ações civis públicas contra desmatamento ilegal

    Em solenidade de lançamento da ação coordenada, Raquel Dodge destacou o trabalho conjunto no combate ao desmatamento “Cada órgão pode fazer sua parte, mas juntos podemos apresentar resultados ainda melhores”. A declaração sobre ação coordenada do Ministério Público Federal (MPF) em parceria com órgãos de fiscalização para combater o desmatamento ilegal na floresta amazônica foi feita pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, durante o lançamento do Projeto Amazônia Protege, na Procuradoria-Geral

Zerar o desmatamento na Amazônia impactaria em menos de 0,7% do PIB brasileiro até 2030

    Estudo lançado na COP23 indica caminhos para o Brasil zerar o desmatamento na Amazônia Para Frederico Machado, especialista em políticas públicas do WWF-Brasil, zerar o desmatamento é plenamente possível e implicaria em custo baixíssimo à economia do Brasil. "De acordo com estudo recente, impactaria em menos de 0,7% o PIB brasileiro, até 2030. O Grupo de Trabalho (GT) pelo Desmatamento Zero - composto pelas ONGs Greenpeace, Instituto Centro de Vida, Imaflora, Imazon,

Entre 2000 e 2015, o desmatamento no Cerrado foi maior do que o da Amazônia

    O Cerrado perdeu 236 mil quilômetros quadrados de mata entre 2000 e 2015. No mesmo período, a Amazônia perdeu 208 mil km2 – bioma duas vezes maior. Esse desmatamento no Cerrado gerou a emissão de 8,16 milhões de toneladas de dióxido de carbono (CO2), o principal gás do efeito estufa. O volume equivale a 3,6 anos da emissão total do Brasil registrada em 2016. A ocupação desordenada do segundo maior bioma

Desmatamento do Pantanal custa, em serviços ambientais, mais de R$ 19 milhões ao ano, estima o WWF-Brasil

    O Pantanal fornece o equivalente a R$ 560 bilhões em serviços ambientais para todo o planeta - As mudanças climáticas alteram as chuvas podendo afetar a disponibilidade de água doce no Pantanal e na América do Sul. O desmatamento do Pantanal tem um preço: mais de R$24 mil por hectare ao ano*. Considerando que 18% da planície já foi desmatada - por conta da expansão de commodities, principalmente para produção extensiva

Estudo mostra que é economicamente viável zerar desmatamento no Brasil

  Por Maura Campanili, Instituto Escolhas Impactos no PIB e nos salários seriam muito baixos e podem ser compensados com pequeno aumento nas taxas de intensificação da pecuária Se todo o desmatamento – e a consequente expansão da fronteira agrícola – no Brasil acabasse imediatamente, seja legal ou ilegal, incluindo terras públicas e privadas, haveria um impacto mínimo na economia do país. Isso significaria uma redução de apenas 0,62% do PIB acumulado entre

Cortes no orçamento da União para 2018 atingem unidades de conservação e combate ao desmatamento

  WWF-Brasil Se não houver recursos para financiamento da área ambiental, país pode comprometer a biodiversidade, o fornecimento de água e o combate às mudanças climáticas, alerta estudo. Em meio à ofensiva para reduzir o tamanho ou rebaixar o status de proteção de Unidades de Conservação (UCs) na Amazônia, estimulada pela bancada ruralista e por representantes do setor de mineração, o governo propôs o corte pela metade das verbas destinadas às UCs no

Governo divulga que desmatamento na Amazônia caiu 16% em 12 meses

ABr   Em 12 meses, Amazônia perdeu área de floresta equivalente a quatro vezes a cidade de São Paulo O desmatamento na Amazônia caiu 16% entre agosto de 2016 e julho de 2017. Os dados são do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e foram divulgados ontem (17) pelos ministros do Meio Ambiente, Sarney Filho, e da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab. Apesar da queda, 6.624 quilômetros quadrados (km²) de floresta

Queda do Desmatamento na Amazônia: o que comemoramos?

  O governo federal divulgou, em Brasília, que a taxa de desmatamento na Amazônia caiu 16% entre agosto de 2016 e julho de 2017 em relação ao mesmo período anterior. Com isso, a derrubada volta a cair depois de dois anos de tendência de alta, mas não há real motivo para celebração. “Bom que caiu a taxa, mas temos de focar em acabar com o desmatamento. Já passou da hora de o

Top