Rio Araguaia pode secar em 40 anos por causa do desmatamento

    Por Maísa Penetra, da Radioagência Nacional O nível do rio Araguaia, no norte do Tocantins, preocupa os especialistas. Numa seca histórica, as queimadas e o desmatamento fizeram o nível baixar para 20 centímetros em alguns trechos. Vídeos divulgados nas redes sociais mostram que em vários locais é possível caminhar onde há um ano só era possível atravessar de barco. Segundo informações da prefeitura de Xambioá, a pesca, principal motor da economia local,

Infográfico: A triste evolução recente do desmatamento da Amazônia

  Infográfico elaborado pela RNS Ambiental   Colaboração de Nayrison da Costa, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 10/10/2017   [CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ] Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394, Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário,

Operação conjunta combate extração ilegal de madeira na Terra Indígena mais desmatada do Brasil

  Investigação começou em 2015 com participação do Ibama, PF, MPF e Justiça Federal e concluiu que os danos ambientais podem chegar a R$ 900 milhões. Esquema foi desmontado na quarta-feira (4). Na área de influência de Belo Monte (PA), a Terra Indígena Cachoeira Seca, dos índios Arara, foi considerada pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) a mais desmatada do Brasil no período de 2011 a 2015. Desde então, Polícia Federal,

Ibama e PF realizam operação de combate a fraudes em sistema de controle florestal em MT

  Agentes do Ibama e da PF vistoriam alvo da operação Floresta Virtual, em Mato Grosso Foto: Ibama Operação realizada pelo Ibama em conjunto com a Polícia Federal (PF) para combater fraudes no Sistema de Comercialização e Transporte de Produtos Florestais da Secretaria do Meio Ambiente de Mato Grosso (Sisflora-MT) resultou no cumprimento de 20 mandados de busca e apreensão em municípios do norte do estado e na capital, Cuiabá. De acordo com

Impactos sociais e ambientais da Bralanda no Sul e no Extremo Sul Baiano, por Elissandro dos Santos Santana e Ramon Rafaello

Impactos sociais e ambientais da Bralanda no Sul e no Extremo Sul Baiano Elissandro dos Santos Santana Ramon Rafaello Resumo: Este trabalho resultou de pesquisa bibliográfica em torno dos impactos sociais e ambientais provocados pela BRALANDA nos territórios do Sul e do Extremo Sul da Bahia ao longo dos anos. A partir das leituras e das observações feitas foi possível elaborar uma análise dos fatos, problematizar histórico-econômico-socialmente o objeto estudado e refletir acerca

Estudo da UFMG constata que cadastro ambiental não coíbe desmatamento de áreas rurais na Amazônia

    O Cadastro Ambiental Rural (CAR) foi criado com a justificativa de que impediria o desmatamento de propriedades rurais. Com base no monitoramento das terras via satélite pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o proprietário rural, quando desmatasse, receberia a multa pelo correio, sem necessidade de fiscalização presencial. Para muitos especialistas, essa vigilância a distância forçaria os produtores a reduzir os níveis de desmatamento em suas terras. Estudo desenvolvido por pesquisadores

Governo federal e sociedade civil organizada buscam acordo para conter desmatamento no Cerrado

  ABr O governo federal, a sociedade civil organizada e setores produtivos estão trabalhando em um grande acordo para estabelecer medidas de proteção para o Cerrado, no âmbito do Plano de Ação para Prevenção e Controle do Desmatamento e das Queimadas no Cerrado (PPCerrado). Ontem (11) celebrou-se o Dia Nacional do Cerrado, o segundo maior bioma da América do Sul, que ocupa cerca de 22% do território nacional, mas sofre com a pressão

MPF pede indenização por desmatamento de mais de mil hectares de floresta nativa na região do Jamanxim (PA)

  Dano do desmatamento é equivalente à retirada de mais de 13 mil caminhões de madeira e o valor do dano material causado é de mais de R$ 8 milhões O Ministério Público Federal (MPF) entrou com ação contra Joel de Assis por desmatar mais de mil hectares de floresta nativa no município de Itaituba, oeste paraense. O dano do desmatamento é equivalente à retirada de mais de 13 mil caminhões de

Mineração é o motivo das iniciativas para reduzir áreas protegidas também no sudoeste do Pará

    Emendas ao PL 8107 colocam em risco mais três unidades de Conservação, cerca de um milhão de hectares. Do WWF-Brasil Não é só na região da Reserva Nacional de Cobre e Associados (Renca), entre Pará e Amapá, que áreas protegidas estão sob ataque para beneficiar a mineração. A Floresta e o Parque Nacional de Jamanxim, no sudoeste do Pará, também estão na mira. Após o governo apresentar ao Congresso em regime de

Estamos caminhando para o desaparecimento irreversível das florestas

  Estamos caminhando para o desaparecimento irreversível das florestas. Entrevista especial com Luiz Marques IHU Uma das evidências que confirma o “declínio” das florestas tropicais no mundo é que a “taxa de desmatamento no primeiro decênio deste século foi 62% maior que no último decênio do século passado, e desde 2011 constata-se uma aceleração dessa aceleração, sobretudo na Ásia e na Oceania”, adverte o historiador Luiz Marques à IHU On-Line. No Brasil, afirma, embora tenha

Amazônia: Área desmatada registrada pelo PRODES 2016 indica uma taxa de aumento de 27% em relação a 2015

  INPE apresenta dados consolidados do PRODES 2016 A consolidação da medida da área de desmatamento na Amazônia do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (PRODES), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), foi finalizada com o cálculo de 7.893 km2 de corte raso no período de agosto de 2015 a julho de 2016. A área desmatada registrada pelo PRODES 2016 indica uma taxa de aumento de 27% em

Em defesa da Amazônia e do Cerrado; análise de Luiz Marques

  Do Jornal da UNICAMP Texto LUIZ MARQUES Fotos REPRODUÇÃO | Daniel Beltra - Greenpeace Edição de imagem LUIS PAULO SILVA Em 2014, a FAO lançou um manifesto intitulado “Não podemos viver sem florestas” [I]. Seu primeiro parágrafo reitera o que todos sabemos: “As florestas são imprescindíveis para sustentar a vida no planeta (...) e são o lar de 80% da biodiversidade terrestre”. Em 22 de agosto último, Michel Temer deu mais um passo para

Top