Desmatamento na Amazônia: Nota do Observatório do Clima afirma que o governo comete fraude intelectual para desqualificar o INPE

  Desmatamento na Amazônia: Nota do Observatório do Clima sobre entrevista coletiva de Jair Bolsonaro e ministros nesta quinta-feira Bolsonaro, Salles e Heleno comentam dados de desmatamento em Brasília (Foto: Reprodução de TV) Diante dos índices pornográficos de desmatamento na Amazônia no ano de 2019, Jair Bolsonaro e seus ministros Ricardo Salles (Meio Ambiente), Augusto Heleno (Segurança Institucional) e Ernesto Araújo (Relações Exteriores) convocaram uma entrevista coletiva na qual apresentaram uma mentira, uma

Aumento do desmatamento na Amazônia é incontestável, diz Carlos Nobre, pesquisador do IEA-USP

    Elton Alisson, de Campo Grande (MS)  |  Agência FAPESP – Alvo de recente questionamento, o aumento no desmatamento na Amazônia nos últimos meses, em comparação com 2018, é incontestável. O aumento foi apontado pelo sistema de monitoramento por satélites Deter, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), e deverá ser confirmado antes de dezembro com o lançamento dos dados obtidos durante um ano completo por outro sistema de monitoramento da

Áreas Protegidas na Amazônia estão sob risco com atividades ilegais como garimpo, extração de madeira e queimadas

  Lideram o ranking territórios que não deveriam registrar desmatamento, como Terras Indígenas e Unidades de Conservação Federais Por Stefânia Costa As Áreas Protegidas representam um patrimônio nacional e possuem muitos benefícios para a manutenção da biodiversidade, estoques de carbono e geração de serviços ambientais, além de possuir grande importância para a regulação do clima. A Amazônia Legal tem 46% do seu território formado por APs. Entretanto, dados publicados pelo Imazon apontam que essas

Conselho da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência – SBPC lança manifesto em defesa do INPE

    “Críticas sem fundamento a uma instituição científica, que atua há cerca de 60 anos e com amplo reconhecimento no País e no exterior, são ofensivas, inaceitáveis e lesivas ao conhecimento científico”, afirma a entidade em manifesto produzido durante a 71ª Reunião Anual da SBPC MANIFESTO DO CONSELHO DA SBPC EM DEFESA DO INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) O Conselho da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência – SBPC, em reunião

Moratória da soja precisa ser estendida para o Cerrado, defendem pesquisadores

    Elton Alisson, de São Pedro (SP)  |  Agência FAPESP – A implementação, em 2006, de um acordo entre a sociedade civil, agroindústrias e o governo para coibir a comercialização da soja proveniente de áreas desmatadas na Amazônia brasileira permitiu deter a expansão da produção da commodity naquele bioma sobre a floresta. Em contrapartida, o problema foi transferido para o Cerrado, onde a conversão de vegetação nativa em plantações do grão

Tendência de aumento no desmatamento na Amazônia é confirmada pelo Imazon

  Por Stefânia Costa Entre agosto de 2018 e junho de 2019, o Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD), divulgado pelo Imazon, detectou 3.767 km² de desmatamento na Amazônia Legal, um aumento de 4% em relação ao período anterior. Desse total, 801 km² foram destruídos em junho de 2019. Pesquisadores do Imazon identificaram 7.177 alertas de desmatamento no mês. Amazonas e Pará lideram o ranking de junho com 30% e 26% do total

Desmatamento e caça ameaçam o macaco-barrigudo, um dos maiores primatas da Amazônia

  Macaco-barrigudo, primata da Amazônia, pode perder até 59% de habitat nos próximos 40 anos, aponta estudo Júlia de Freitas, Instituto Mamirauá De cabeça arredondada e pelagem escura, o macaco-barrigudo (Lagothrix cana), um dos maiores primatas da Amazônia, corre o risco de perder cerca de 59% de seu habitat até 2050 caso sigam altos os níveis de desmatamento, problema que, seguido da caça, mais ameaça a espécie.   A pesquisa que identificou esses dados demonstra

DETER/INPE: As áreas de alerta de desmatamento e degradação na Amazônia Legal somaram 2.072,03 km² no mês de junho de 2019

  Alertas do DETER na Amazônia em junho somam 2.072,03 km² INPE As áreas de alerta de desmatamento e degradação na Amazônia Legal somaram 2.072,03 km² no mês de junho de 2019, segundo os dados registrados pelo DETER, o Sistema de Detecção do Desmatamento em Tempo Real (DETER) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Baseado em imagens de satélites de observação da Terra, o sistema DETER é destinado a orientar a fiscalização em

Pelo menos 50 milhões de hectares de floresta terão sido destruídos no mundo para a produção de commodities entre 2010 e 2020

    Cargill, Bunge, Unilever, Mars, Nestlé, Burger King e outras mantém soja proveniente do desmatamento do Cerrado em suas cadeias de produção Do Greenpeace Pelo menos 50 milhões de hectares de floresta - o equivalente a uma área quase do tamanho de Minas Gerais - terão sido destruídos no mundo para a produção de commodities entre 2010 e 2020, período no qual empresas se comprometeram a acabar com o desmatamento em suas cadeias

DETER/INPE registra em maio 1.102,57 km² de alertas de desmatamento e degradação na Amazônia Legal

  O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) registrou em maio 1.102,57 km² de áreas de alerta de desmatamento e degradação na Amazônia Legal. As informações são do DETER, o Sistema de Detecção do Desmatamento em Tempo Real, que é baseado em imagens de satélites e destinado a orientar a fiscalização em campo, feita pelos órgãos competentes. Considerando somente os alertas do tipo desmatamento, onde já houve a remoção completa da cobertura

Imazon: Desmatamento na Amazônia aumentou 20% entre agosto de 2018 e abril de 2019

  Por Stefânia Costa O Boletim do Desmatamento (SAD) detectou altos índices de desmatamento na Amazônia Legal. No período acumulado, que compreende agosto de 2018 a abril de 2019, foram perdidos 2.169 km² de floresta. Esse número representa um aumento de 20% da área desmatada em relação ao mesmo período no ano anterior. Pará (787 km²), Mato Grosso (502 km²) e Amazonas (353 km²) foram os estados que mais desmataram nestes nove

Imazon detecta aumento de 24% no desmatamento da Amazônia

  Desmatamento na Amazônia Legal aumenta 24% entre agosto de 2018 e março de 2019 Por Stefânia Costa O SAD detectou um aumento de 384 km² de desmatamento na Amazônia Legal entre agosto de 2018 a março de 2019 em relação ao período anterior (agosto de 2017 a março de 2018). O número representa um aumento de 24% na destruição das florestas nos oito primeiros meses do atual calendário do desmatamento. Pará (755

Top