Queimadas na Amazônia – Junho registra maior número de focos de queimadas na Amazônia dos últimos 13 anos

  Apesar dos volumosos recursos gastos em operações militares, as queimadas na Amazônia já surgem com força. Por Karen Mota Em junho de 2020, foram registrados 2.248 focos de calor no bioma Amazônia. Esse é o maior número de focos para o mês desde 2007, e representa um aumento de 19,57% em relação ao registrado em junho de 2019 (1.880). Fonte: INPE Queimadas Além disso, imagens de satélite mostraram uma série de grandes polígonos desmatados

Commodities agrícolas foram as grandes responsáveis por incêndios na Amazônia, segundo estudo

  Pesquisa aponta frigoríficos e produtores de soja com maior risco de serem associados a queimadas Commodities agrícolas foram as grandes responsáveis por incêndios na Amazônia, segundo estudo que cruza dados da Nasa com cadeias de suprimentos das empresas por Marcelo Coppola* Em agosto do ano passado, imagens dos incêndios na Amazônia atraíram a atenção do mundo todo. Chefes de governo, organizações multilaterais, ambientalistas e celebridades manifestaram preocupação com o futuro da maior floresta

Área desmatada na Amazônia a ser queimada em 2020 pode superar os 4,5 mil km2

    Amazônia: Se tudo virar fumaça, região pode enfrentar estado de calamidade pública na saúde devido à sobreposição com pandemia de covid-19 Por Cristina Amorim e Natália Moura     Uma área desmatada de pelo menos 4.500 quilômetros quadrados na Amazônia, equivalente a três vezes o município de São Paulo, está pronta para queimar. Resultado da soma do que foi derrubado no ano passado e nos primeiros quatro meses desse ano, e ainda não queimado,

Desmatamento em alta, grileiros à solta, crises políticas: queimadas na Amazônia podem ser piores que as de 2019

  IHU Ainda é muito cedo para um veredito, mas, até agora, as ameaças à Amazônia seguem inabaladas em plena pandemia de Covid-19. Enquanto o vírus se espalha e produz cenas dramáticas na região, grileiros avançam e o desmatamento não dá sinais de redução. Pelo contrário: disparou no primeiro trimestre de 2020. A reportagem é de Caio de Freitas Paes, publicada por Mongabay, 07-05-2020. O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) aponta que 796 km2 de floresta foram derrubados nos três primeiros meses do

Desmatamento em terras públicas da Amazônia explode e pode alimentar estação de fogo

    Por Cristina Amorim O desmatamento de 2020, somado ao que foi derrubado em 2019 e não queimou, pode alimentar uma nova estação intensa de fogo na Amazônia, especialmente em terras públicas que estão sob a guarda da União e dos Estados. Só no primeiro trimestre deste ano, 50% do desmatamento registrado pelo sistema Deter, do INPE, aconteceu nessas áreas. O destaque fica por conta das florestas públicas ainda não destinadas, terras devolutas

Pesquisa mostra que El Niño 2015 e incêndios contribuíram para o colapso de insetos na Amazônia

A seca e o fogo que atingiram as florestas durante o El Niño 2015 causaram uma perda de mais de 50% nas populações dos besouros chamados rola-bosta. Esses insetos são essenciais para a recuperação dos ecossistemas através da dispersão de sementes e nutrientes. Universidade Federal de Lavras Uma equipe internacional de pesquisadores, entre os quais estão representantes da Universidade Federal de Lavras (UFLA), foi até a Amazônia para investigar como a seca

Poluição por incêndios florestais no Brasil agrava qualidade do ar em cidades distantes

  Incêndios florestais no Brasil produzem poluição aérea que piora a qualidade do ar em grandes cidades como São Paulo – cancelando os esforços para melhorar o ambiente urbano e colocando riscos à saúde para os cidadãos, de acordo com um novo estudo. Por Tony Moran, University of Birmingham O planeta é frequentemente afetado pela fumaça de incêndios causados por seres humanos e processos naturais. Austrália, Califórnia e outras regiões são propensas a

O ‘Piroceno’ chegou e agora? por Sucena Shkrada Resk

  Os incêndios na Austrália são o alerta mais contundente do aquecimento global na atualidade Nem nos longas-metragens mais dramáticos, poderíamos imaginar o roteiro da vida real de incêndios florestais que atingem com mais intensidade até agora especialmente a Austrália, desde setembro de 2019, com um efeito devastador nunca antes visto: mais de 11,8 milhões de hectares e 3 mil casas destruídos e mais de meio bilhão de exemplares de fauna mortos

Emergência Climática: Os ‘megaincêndios’ florestais são o novo normal?

  Os enormes incêndios florestais na Austrália, na Amazônia, na Califórnia, na bacia do Congo e na Indonésia chamaram a atenção do mundo para os riscos de longos períodos de clima excepcionalmente quente e seco — um dos efeitos das mudanças climáticas. A temperatura média global está agora 1,1°C mais alta do que no início do século passado. Temperaturas mais altas criam, em algumas partes do mundo, condições mais secas, aumentando a

Mudanças climáticas aumentam o risco de incêndios florestais, confirma nova revisão de 57 artigos

    As mudanças climáticas induzidas pelo homem promovem as condições das quais os incêndios florestais dependem, aumentando sua probabilidade - de acordo com uma revisão de pesquisa sobre mudança climática global e risco de incêndios publicada ontem. À luz dos incêndios na Austrália, cientistas da Universidade de East Anglia (UEA), do Met Office Hadley Center, da Universidade de Exeter e do Imperial College de Londres, realizaram uma revisão de 57 artigos revisados

Incêndios florestais na Austrália: Estima-se que mais de 1 bilhão de animais já foram mortos

  Acredita-se que mais de 1 bilhão de animais tenham sido mortos em incêndios que assolaram a Austrália desde setembro, disse Chris Dickman, professor da Universidade de Sydney, ao Huffington Post, em uma atualização de sua estimativa anterior de 480 milhões na semana passada. Por que é importante: os incêndios ameaçaram a vida selvagem da Austrália, conhecida por seus animais raros e ecossistemas distintos. O meio ambiente já estava ameaçado pelo desmatamento

Incêndios florestais na Austrália: Seca e altas temperaturas

  A Austrália registrou seu dia mais quente em 19 de dezembro, com temperatura máxima média de 41,9 ° C. No sul da Austrália, uma temperatura de 49,9 ° C foi registrada em Nullarbor, 49,8 em Eucla e 49,5 em Forrest. De acordo com o Bureau of Meteorology , o país como um todo observou sua segunda temperatura média mais quente registrada entre janeiro e novembro. A temperatura máxima média foi a mais alta registrada

Incêndios florestais na Austrália: Relação com as mudanças climáticas

Relação com as mudanças climáticas A incidência de incêndios florestais é grandemente influenciada pela variabilidade natural em nosso clima, incluindo precipitação e vento, bem como outros fatores não relacionados ao clima (por exemplo, manejo de terras e florestas, práticas de construção). O relatório do estado da Austrália sobre o clima de 2018, publicado em 2019, disse que houve um "aumento a longo prazo do clima extremo de incêndio, e na duração da

Austrália destinará 1,2 bi de euros para recuperar áreas afetadas pelos incêndios

  Por RTP* / ABr A Austrália vai destinar 2 bilhões de dólares australianos (1,2 bilhão de euros) para a recuperação de áreas afetadas pelos incêndios, anunciou o primeiro-ministro Scott Morrison. Segundo ele, o dinheiro será distribuído nos próximos dois anos e gerido por uma nova agência dedicada à a reconstrução de casas e infraestruturas danificadas. Os incêndios na Austrália já destruíram, desde setembro, mais de 5,5 milhões de hectares, o equivalente a um

Queimadas na Amazônia deixam vestígios no rio Amazonas e em seus afluentes

    Elton Alisson | Agência FAPESP – Além dos rastros de destruição na floresta, as queimadas na Amazônia deixam vestígios no rio Amazonas e em seus afluentes. A queima incompleta da madeira das árvores resulta na produção de um tipo de carbono – conhecido como carbono negro – que chega às águas do Amazonas nas formas de carvão e fuligem e é transportado para o oceano Atlântico como carbono orgânico dissolvido. Um

Aumento de problemas respiratórios em crianças nas áreas de queimadas da Amazônia acarreta forte impacto para o SUS

  Coordenado pela Fiocruz, estudo mapeou o impacto das queimadas para a saúde infantil e concluiu que, nas áreas mais afetadas pelo fogo, o número de crianças internadas com problemas respiratórios dobrou. A Fiocruz, em estudo coordenado pelo Instituto de Comunicação e Informação em Saúde (Icict), mapeou o impacto das queimadas para a saúde infantil na região amazônica.  A pesquisa concluiu que, nas áreas mais afetadas pelo fogo, o número de crianças

Incêndio na Chapada dos Veadeiros já queimou 6,5 mil hectares e ameaça território quilombola

  Um incêndio espalha-se pelo Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, destruindo parte da unidade de conservação localizada no nordeste de Goiás. ABr Em comunicado divulgado nas redes sociais, a Rede Contra o Fogo, que reúne voluntários, afirma que o fogo atingiu cerca de 3 mil hectares no interior do parque e mais 3,5 mil hectares no entorno da unidade de conservação. A Delegacia Estadual do Meio Ambiente instaurou inquérito para investigar as

Secretaria de Meio Ambiente (Sema) de Santarém, no Pará, suspeita de queimada criminosa em Alter do Chão

  Sema suspeita de queimada criminosa em Alter do Chão; Fogo atingiu mais de 7% da área de proteção ambiental ABr A Secretaria de Meio Ambiente (Sema) de Santarém, no Pará, tem suspeitas de que os incêndios ocorridos desde sábado (14) na Área de Proteção Ambiental (APA) de Alter do Chão foram provocadas por ação humana, com o propósito de liberar pedaços de terra para exploração turística às margens do Rio Tapajós, em

Amazônia: Estudo mostra queimadas em 1/3 das áreas de desmatamento ilegal alvo de ação do MPF

    Cerca de 1/3 das áreas de desmatamento ilegal identificadas pelo Ministério Público Federal no âmbito do projeto Amazônia Protege foram alvo de queimadas em 2019. Isso totaliza 170 mil hectares ilegalmente desmatados entre 2015 e 2017 que apresentaram focos de calor este ano. É o que mostra laudo técnico produzido pela equipe de peritos do órgão, a pedido da Câmara de Meio Ambiente e Patrimônio Cultural (4CCR/MPF). O estudo aponta que

Mata Atlântica em Minas arde: diariamente novos focos de incêndio destroem fragmentos preciosos do bioma

    Mata Atlântica em Minas: Estima-se que mais de 1.000 hectares de florestas e campos ferruginosos podem ter sido destruídos pelas chamas A Mata Atlântica em Minas Gerais está virando cinza. A cada dia aumenta o número de focos. Somente no município de Rio Manso, cujo manancial de mesmo nome abastece grande parte da região metropolitana de Belo Horizonte, estima-se que 300 hectares de florestas em estado avançado de regeneração tenham sido

Top