O consumo supérfluo da água engarrafada é um desastre ambiental, por Henrique Cortez

  [EcoDebate] A indústria da água engarrafada é uma das atividades que mais crescem no mundo, mesmo diante de uma grande crise financeira global. O competente marketing da indústria fixou no inconsciente das pessoas o mito de que a água engarrafada é mais segura e saudável. Mas, se ignorarmos o mito, veremos que consumir água engarrafada, onde a água da rede é tratada e potável, é uma injustificável insanidade ambiental. No Brasil, é

Black Friday 2019: seis dicas para não cair em golpes ou fraudes

    A Black Friday, realizada em 29 de novembro, é a segunda principal data para o varejo nacional, fica atrás apenas do Natal. No total, a expectativa é que as lojas virtuais brasileiras recebam mais de 10 milhões de pedidos, com tíquete médio de R$ 350. As categorias historicamente mais buscadas são de informática, celulares, produtos eletrônicos, moda e acessórios e casa e decoração. Por Lorena Oliva Ramos No entanto, é importante ficar

Consertar em vez de descartar, uma aposta consciente contra o consumo incessante

    IHU “Descartá-los é melhor do que remendá-los. Quanto mais remendos, mais miseráveis, quanto mais remendos, mais miseráveis ... ”, rezava uma das orientações ensinadas às classes altas no livro Admirável Mundo Novo, escrito pelo britânico Aldous Huxley, 87 anos atrás. A reportagem é de Nicolás Hernández Gómez, publicada por El Tiempo, 06-10-2019. A tradução é do Cepat. O conteúdo desta obra pode ser lido como uma premonição da sociedade atual. No mundo de Huxley, os remendos e os consertos eram atos socialmente

Consumo consciente deve ser incentivado desde a infância

  Consumo consciente - Especialistas indicam que família e escola trabalhem o tema com as crianças     Uma pesquisa publicada no fim de 2018 pelo Instituto Akatu aponta que 76% dos 1.090 entrevistados – homens e mulheres com mais de 16 anos – não praticam o consumo consciente. Além das vantagens para a sociedade, a prática também gera economia para o bolso, especialmente ao evitar comprar desenfreadamente e reduzir o desperdício de água,

Diante da emergência climática, universidades da Europa estão banindo carne bovina de seus restaurantes

  IHU Universidade de Coimbra vai banir bife, hambúrgueres e outros produtos com carne bovina a partir de janeiro de 2020. E ela não está sozinha. A reportagem é de Luiza Belloni, publicada por Huffpost, 20-09-2019.     Uma das universidades mais antigas do mundo, a Universidade de Coimbra, em Portugal, informou recentemente que vai banir carne bovina de seus restaurantes a partir de janeiro de 2020. O anúncio foi feito pelo reitor Amílca Falcão nesta semana e não é o único. Na verdade, a universidade portuguesa segue uma tendência

A Ilusão da Universalização do Consumo, por Felipe Soares de Moraes e Diego Márcio Ferreira Casemiro

  A Ilusão da Universalização do Consumo Felipe Soares de Moraes1 Diego Márcio Ferreira Casemiro2 [Ecodebate] As discussões sobre o desenvolvimento sustentável e a iminência do colapso socioambiental global tem desafiado a lógica capitalista durante décadas. A ideia de que o progresso e o desenvolvimento econômico serão acessível a todos os povos, e que os padrões de consumo dos países periféricos serão iguais aos padrões de consumo dos países desenvolvidos (FURTADO, 1974), vem sendo

Sobre o poder de barrar os crimes ambientais a partir das nossas escolhas de consumo, por Augusto Lima da Silveira e Rodrigo Berté

    [EcoDebate] Todas as atividades humanas são responsáveis por modificar o meio ambiente, gerar resíduos e causar impactos. Com o desenvolvimento industrial e a inserção de materiais sintéticos, o problema do descarte aumenta vertiginosamente por meio dos diversos processos produtivos. À medida que caminhamos para uma realidade tecnológica, criamos por outro lado, problemas que ainda não somos capazes de resolver. Extrair recursos naturais, utilizá-los como matérias-primas, produzir bens de consumo e ofertar

‘Greenwashing’: Pesquisa inédita do Idec alerta para produtos que usam falsas alegações socioambientais

    'Greenwashing' Análise avaliou prática conhecida por “greenwashing”, que manipula informações para passar ao público uma imagem ecologicamente responsável Uma pesquisa realizada pelo Idec, Ong de Defesa do Consumidor, com 509 produtos de higiene e cosméticos, limpeza e utilidades domésticas com alegações socioambientais em seus rótulos revelou que 47,7% não deveriam apresentar essa descrição em sua embalagem. O resultado foi encontrado após a análise dos rótulos de produtos dessas três categorias vendidos nas cinco principais redes

Obesidade infantil: medidas drásticas são necessárias para conter a ingestão de refrigerantes

  Por Márcia Wirth Refrigerantes e Obesidade Infantil - Entidades médicas pedem impostos sobre o consumo e limites de marketing para crianças Duas das principais entidades médicas americanas reivindicam impostos mais altos para os refrigerantes e a proibição de publicidade da bebida, na esperança de desencorajar as crianças a consumi-los. Em um comunicado conjunto, a Academia Americana de Pediatria e a Associação Americana de Cardiologia endossaram uma série de recomendações que, segundo as entidades médicas, poderão

As sacolas plásticas e o início de um novo tempo, artigo de Mariana Schuchovski

    [EcoDebate] Desde o último dia 26 de junho, partir desta quarta-feira (26), os estabelecimentos do Estado do Rio de Janeiro estão proibidos de oferecer sacos ou sacolas plásticas descartáveis aos seus clientes, devido a aprovação da Lei 8.006/2018. Na mesma semana, a cidade de São Paulo (SP) sancionou um projeto de lei municipal para a proibição do fornecimento de canudos plásticos na cidade. Seguindo esse ritmo, logo medidas semelhantes estarão

O grande crescimento da Pegada Ecológica no mundo e nos continentes, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  “A civilização é a multiplicação ilimitada de necessidades desnecessárias” Mark Twain     [EcoDebate] O mundo tinha superávit ambiental em 1961. A pegada ecológica total era de 7 bilhões de hectares globais (gha) para 9,6 bilhões de gha de biocapacidade. A pegada ecológica per capita era de 2,29 gha e a biocapacidade per capita de 3,13 gha, para uma população em torno de 3 bilhões de habitantes, em 1961. A figura acima, com dados sobre

Solidariedade e consumo, Parte 1/2, artigo de Roberto Naime

    Solidariedade e consumo [EcoDebate] Lisabete Alves, coordenadora do serviço educativo da Fundação de Serralves, reflete sobre o paradigma do consumismo, o qual associa diretamente a concepção de sucesso e felicidade. Associar a capacidade de consumo de cada pessoa com satisfação existencial é algo disseminado por todas as culturas ditas “desenvolvidas” do planeta. Hoje todos são confrontados com claros sinais de colapso da lógica do arranjo econômico global, apoiado em altos níveis de

Top