São incompatíveis a produção agrícola e a manutenção da biodiversidade? O futuro da biodiversidade passa pela cesta de compra

  IHU     A cesta de compra de uma família de Ohio (Estados Unidos) afeta a biodiversidade da península ibérica. A afirmação, tão genérica como desconcertante, vai além do efeito mariposa e condensa a importância do consumo e da exportação de produtos na saúde do planeta e das espécies que o habitam. O biólogo Edwar Osborne Wilson, a quem se atribui o termo “biodiversidade”, o resume de maneira simples: seriam necessários os recursos de quatro Terras para que toda a população do mundo pudesse

Extração mundial de matérias-primas triplicou em quatro décadas, diz PNUMA

  A quantidade de matérias-primas extraídas da Terra passou de 22 bilhões de toneladas em 1970 para 70 bilhões de toneladas em 2010, segundo relatório apoiado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA). Os países mais ricos consomem em média dez vezes mais recursos que os mais pobres e duas vezes mais que a média mundial. Se a tendência se mantiver, em 2050 o planeta precisará de 180 bilhões

Planteta vivo e planeta morto, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  [EcoDebate] Muita gente acha estranho quando se diz que a humanidade já está consumindo 1,5 planeta (um planeta e meio), sendo que, segundo a metodologia da pegada ecológica, o mundo deverá atingir -dependendo da continuidade do ritmo de loucuras do modelo atual - o consumo equivalente a 2 planetas entre 2030 e 2050 Mas como é possível consumir mais de um globo terrestre? A resposta é simples: não existe apenas um planeta

O hiperconsumismo leva a um impasse, entrevista com Benjamin Barber

Imagem: Stockxpert A crise financeira serve para desbaratar alguns mitos: o mito do mercado todo-poderoso, com seus corolários, entre eles a desregulamentação e a privatização; o mito do capitalismo hiperconsumista; e, o mito de que o capitalismo pode triunfar fabricando desejos, necessidades, e não produtos. A análise é de Benjamin Barber, ex-conselheiro de Bill Clinton. 6525

A humanidade já consome mais recursos naturais do que o planeta é capaz de repor

[Humanity already consumes more natural resources than the planet is able to restore] Imagem: Stockxpert O colapso é visível nas florestas, oceanos e rios. O ritmo atual de consumo é uma ameaça para a prosperidade futura da humanidade A exploração dos recursos naturais da Terra permite à humanidade atingir patamares de conforto cada vez maiores. Diante da abundância de riquezas proporcionada pela natureza, sempre se aproveitou como se o dote fosse inesgotável. Essa

Um terço da captura mundial de peixe é desperdiçado na produção de ração animal

[One-third of the world's fish catch is wasted in the production of animal feed] Foto Greenpeace Rações preparadas a partir de peixes representam 37% (31,5 milhões de toneladas) do total de peixes retirados dos oceanos a cada ano e 90 % das capturas transformam-se em farinha e óleo de peixe. Em 2002, 46% de farinha de peixe e óleo de peixe foram utilizadas como alimento para a aqüicultura (piscicultura), 24% para alimentar

O planeta é o que você come

Os ecotarianos, a tribo do momento, defendem um tipo de alimentação que prejudique o mínimo possível o meio ambiente Se você tem uma horta no quintal de casa, prefere os alimentos orgânicos e evita comer carne para não contribuir para o desmatamento da Amazônia e o aquecimento global, pode não saber, mas é um ecotariano. O ecotarianismo é a palavra do momento no Hemisfério Norte, especialmente na Inglaterra, onde o termo

Consumo na cidade de São Paulo influencia a devastação da floresta e a exploração de mão-de-obra escrava

Pesquisa vasculha setores e aponta empresas vinculadas aos impactos sociais e ambientais na Amazônia As entranhas da relação entre a destruição da Amazônia e a economia da cidade de São Paulo foram expostas, nesta terça-feira (15), com a apresentação do estudo "Conexões Sustentáveis São Paulo - Amazônia: Quem se beneficia com a destruição da Amazônia?". O trabalho foi elaborado por jornalistas das ONGs Repórter Brasil e Papel Social Comunicação, que durante meses

A hora de refazer todas as contas, artigo de Washington Novaes

[O Estado de S.Paulo] Nos mesmos dias em que o mundo acompanhava, perplexo, o farto noticiário sobre as tentativas de conseguir no Congresso norte-americano a aprovação de um plano de US$ 700 bilhões para conter a crise financeira que já se espalhava por todos os continentes, a comunicação praticamente não deu nenhuma importância à notícia, divulgada pela ONG canadense Global Foot Print Network, de que no dia 23 de setembro

Consumo se transforma em espaço de debate político, moral e ético

A transformação do consumo em questão política é um dos temas que serão abordadas no 4º Encontro Nacional de Estudos de Consumo (Enec), que será aberto amanhã (24), na sede do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O evento é promovido por pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFF), Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) e Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM). 4810

Trânsito brasileiro: por uma reeducação a partir da população. Entrevista especial com Jaime Waisman

O problema do transporte e da poluição já não faz mais parte exclusivamente dos pesquisadores do trânsito e do dia-a-dia daqueles que estão presos num metrô lotado, esperando um ônibus ou numa fila quilométrica de carros nos grandes centros urbanos. As principais promessas dos candidatos a prefeitos de algumas das maiores cidades do Brasil incluem tal problema. Todos querem ter o nome marcado pela melhoria no trânsito brasileiro, principalmente em

consumismo: Atual matriz de produção pode levar a colapso

Pensamento econômico voltado só para crescimento está consumindo mais do que o planeta oferece. A discussão de sustentabilidade ainda está muito focada no valor econômico. Muitas empresas agem nesse sentido apenas porque é bom para a imagem, porque atrai mais investimento, mas falta mudar a estratégia de fazer negócio, o modelo corrente de produção. Do O Estado de S. Paulo, 04/09/2008. 4213

Para ser cidadão, é preciso simplesmente consumir

Um mundo sem ideais. Uma vida política desértica. Sexo e prazer banalizados. A visão do psicanalista Charles Melman sobre nossa sociedade e seu futuro não é nada animadora. Por trás das críticas que o francês - um dos principais colaboradores de Jacques Lacan - faz ao mundo atual está o avanço desenfreado do consumo, essencial para o bom funcionamento da engrenagem que move o sistema capitalista. A reportagem é Raquel Salgado

Abaixo os jipões, artigo de Marcelo Leite

[Folha de S.Paulo] É curioso que as pessoas se preocupem tanto com a qualidade do ar em Pequim. Particularmente em São Paulo, essa mania tem muito de postiça. Além de parar de pensar com a própria cabeça, vamos também começar a respirar com o pulmão dos atletas olímpicos? Nem a chuva de verão que despencou na terça-feira, em pleno inverno (vá lá, acontece), parece ter sido capaz de lavar a poluição

Jogar fora não existe, artigo de Danilo Pretti Di Giorgi

[Correio da Cidadania] Ouvi recentemente o economista Hugo Penteado, dono de um excelente blog, questionando a idéia de "jogar algo fora". Ele lembrou como temos o estranho costume de olhar o planeta como uma grande lata de lixo onde podemos descartar tudo. O "fora" na verdade não existe, se considerararmos que estamos todos "dentro" da Terra e que daqui não podemos sair, apesar dos delírios tecnológicos tão apreciados pelos que

Consumo sustentável. O que é isso? Entrevista especial com Lisa Gunn

Foto: Corbis “A verdade é que o consumidor hoje não tem muita informação para entender realmente os impactos dos seus hábitos de consumo”, segundo a socióloga Lisa Gunn, que concedeu por telefone a entrevista abaixo à IHU On-Line. Ela falou sobre a pessoa humana ecologicamente correta e as dificuldades de contribuir com atitudes sustentáveis. Acredita que o consumidor precisa ter uma atitude menos passiva “e cobrar das empresas das quais está

Porque comer menos pode ajudar o meio ambiente

Estudo constata que uma dieta saudável e um regresso à agricultura tradicional podem ajudar a reduzir o consumo de energia e de alimentos nos EUA. Estima-se que 19 por cento do total da energia utilizada nos EUA é consumida na produção e distribuição de alimentos. A energia norte-americana é, majoritariamente, de origem fóssil, cada vez mais cara e escassa, além de ser a principal fonte de emissão de carbono nos Estados

Consciência ecológica em baixa no consumo, mostra pesquisa da PUC-Rio

A preservação do meio ambiente está na moda. Mas o consumo ecológico ainda não conquistou cariocas com poder aquisitivo e nível de instrução altos. Estudo da Escola de Negócios da PUC-Rio mostra que, na hora de decidir o que comprar, esse consumidor continua privilegiando critérios como preço e marca. Já o fato de o produto ser poluente ou não fica em último plano. A reportagem é de Mariana Schreiber e

Top