Emergência Climática: Oceano Ártico no verão provavelmente estará livre de gelo antes de 2050

  A eficácia das medidas de proteção climática determinará com que frequência e por quanto tempo. Estes são os resultados de uma nova pesquisa envolvendo 21 institutos de pesquisa de todo o mundo, coordenados por Dirk Notz, da Universidade de Hamburgo, Alemanha.   Ursos polares, no gelo do oceano ártico. Foto: Prof. Dr. Dirk Notz   A equipe de pesquisa analisou resultados recentes de 40 modelos climáticos diferentes. Usando esses modelos, os pesquisadores consideraram a

O aquecimento global atual é 10 vezes mais rápido do que os eventos anteriores, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

“Há 10.000 anos os seres humanos e seus animais representavam menos de um décimo de um por cento da biomassa dos vertebrados da terra. Agora, eles são 97 por cento”. Ron Patterson (maio de 2014) [EcoDebate] O ritmo de avanço do aquecimento global atual é um fenômeno nunca visto na história geológica da Terra e supera os eventos semelhantes que aconteceram na história. O Planeta já passou por outros momentos de extinção

Mudanças climáticas podem causar perdas potencialmente catastróficas de biodiversidade em todo o mundo

  Um clima global em aquecimento pode causar súbitas e potencialmente catastróficas perdas de biodiversidade em regiões do mundo todo ao longo do século XXI, revela um novo estudo liderado pela UCL. University College London* As descobertas, publicadas na Nature , preveem quando e onde poderá haver graves perturbações ecológicas nas próximas décadas e sugerem que as primeiras ondas já podem estar acontecendo. O autor principal do estudo, Dr. Alex Pigot (Centro de Pesquisa

O coronavírus ataca também a luta contra a emergência climática

  IHU “A crise do coronavírus não deve ser uma desculpa para interromper as políticas contra a emergência climática, mas um incentivo para ser ainda mais ambiciosos e atuar com maior urgência. Por isso, esperamos que a COP26 não seja adiada para além dos primeiros meses de 2021”, escreve Juan López de Uralde, ativista e político ambientalista espanhol, em artigo publicado por Público, 03-04-2020. A tradução é do Cepat. Eis o artigo. Na última hora da noite de quarta-feira, ouvimos a notícia

Mudanças climáticas podem interferir na circulação oceânica do Atlântico

  Se a circulação de águas profundas no Atlântico parar ou diminuir devido às mudanças climáticas, isso poderá causar resfriamento no norte da América do Norte e Europa - um cenário que ocorreu durante os períodos glaciais frios do passado. Rutgers*, The State University of New Jersey Agora, um estudo em co-autoria de Rutgers sugere que as interrupções de curto prazo da circulação oceânica profunda ocorreram durante períodos interglaciais quentes nos últimos 450.000

Menos gelo e mais emissões de metano nos lagos boreais: resultado do aquecimento global

  Invernos mais curtos e mais quentes levam a um aumento nas emissões de metano dos lagos do norte, de acordo com um novo estudo realizado por cientistas da Finlândia e dos EUA. University of Eastern Finland* Períodos mais longos sem gelo contribuem para o aumento das emissões de metano. Na Finlândia, as emissões de metano dos lagos podem aumentar em até 60%. Um estudo internacional realizado por cientistas da Universidade Purdue, nos EUA,

Carros elétricos são melhores para o clima em 95% do mundo

  O medo de que os carros elétricos possam realmente aumentar as emissões de carbono é infundado em quase todas as partes do mundo, mostram novas pesquisas. Radboud Universiteit* Os relatos da mídia questionam regularmente se os carros elétricos são realmente "mais ecológicos" quando as emissões da produção e da geração de eletricidade são levadas em consideração. Mas um novo estudo da Universidade Radboud, com as universidades de Exeter e Cambridge, concluiu que

Emergência Climática: A geleira Denman, na Antártida Oriental, recuou quase 5 quilômetros nos últimos 22 anos

  Cientistas avaliam camada de gelo com potencial para elevar o nível do mar global em quase 1 metro University of California, Irvine*     O Glaciar Denman da Antártica Oriental recuou 5 quilômetros nos últimos 22 anos e pesquisadores da Universidade da Califórnia, Irvine e do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA estão preocupados com a forma do a superfície do solo sob a camada de gelo pode torná-la ainda mais suscetível ao

Efeitos da desaceleração econômica resultante do COVID-19 não substituem urgência da Ação Climática

  World Meteorological Organization (WMO)* Os esforços para controlar a pandemia de Coronavírus reduziram a atividade econômica e levaram a melhorias localizadas na qualidade do ar . Mas é muito cedo para avaliar as implicações para as concentrações de gases de efeito estufa responsáveis ​​pelas mudanças climáticas de longo prazo. Até agora, os níveis de dióxido de carbono nas principais estações de observação foram mais altos que no ano passado. Quaisquer cortes nas emissões como resultado da crise econômica desencadeada pelo

Eventos climáticos extremos – Como as mudanças climáticas podem impactar tempestades nos oceanos tropicais

  Por Alan Buis*, NASA's Jet Propulsion Laboratory Quando os cientistas climáticos da NASA falam em público, muitas vezes são questionados sobre possíveis conexões entre mudanças climáticas e eventos climáticos extremos, como furacões, fortes chuvas, inundações, nevascas, ondas de calor e secas. Afinal, parece que o clima extremo está nas notícias quase todos os dias tarde, e as pessoas estão percebendo. Como os fenômenos climáticos extremos e o clima natural, como El Niño e La

Influência do aquecimento global em eventos climáticos extremos tem sido frequentemente subestimada

  A análise mostra que o aquecimento global está intensificando a ocorrência de ondas quentes sem precedentes e aguaceiros mais rapidamente do que o previsto pelas tendências históricas. Novas abordagens para incorporar o aquecimento global em análises climáticas extremas podem melhorar o gerenciamento de riscos globais. Por Rob Jordan* Stanford Woods Institute for the Environment Um novo estudo de Stanford revela que uma abordagem científica comum de prever a probabilidade de eventos climáticos extremos futuros,

Groenlândia perdeu gelo a uma taxa sem precedentes em 2019; Antártica continua a perder massa

  Durante o verão ártico excepcionalmente quente de 2019, a Groenlândia perdeu 600 bilhões de toneladas de gelo, o suficiente para elevar o nível do mar global em 2,2 milímetros em dois meses. No pólo oposto, a Antártica continuou a perder massa no penhasco do Mar de Amundsen e na Península Antártica, mas viu algum alívio na forma de aumento da neve na Terra da Rainha Maud, na parte oriental do

Pesquisa relaciona o derretimento do gelo marinho da Antártica com as mudanças climáticas nos trópicos

  A diminuição do gelo marinho se traduz em oceanos mais quentes, mais chuva e ventos fortes nos trópicos University of California San Diego* A perda de gelo no Ártico e na Antártica será responsável por cerca de um quinto do aquecimento previsto para os trópicos, de acordo com um novo estudo liderado por Mark England, cientista climático polar do Scripps Institution of Oceanography da Universidade da Califórnia em San Diego. e Lorenzo

Groenlândia e Antártica estão derretendo seis vezes mais rápido do que nos anos 90

  Do Jet Propulsion Laboratory, NASA* Observações de 11 missões de satélite monitorando as camadas de gelo da Groenlândia e da Antártica revelaram que as regiões estão perdendo gelo seis vezes mais rápido do que na década de 1990. Se a atual tendência de derretimento continuar, as regiões estarão no caminho certo para coincidir com o "pior caso" do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), com um aumento extra de 6,7 polegadas

O que o coronavírus tem a ver com as mudanças climáticas?

  IHU É verdade que a resposta global ao coronavírus levou a quedas significativas nas emissões de carbono em todo o mundo. Também é verdade que alguns especialistas estão dizendo que a resposta mostra o potencial para uma ação política radical diante de uma emergência. A reportagem é de Jesse Remedios, publicada em National Catholic Reporter, 12-03-2020. A tradução é de Moisés Sbardelotto. No entanto, não distorça essas afirmações. O coronavírus não é uma coisa boa. Seja para enfrentar a crise climática, seja para qualquer

O ano de 2020 está a caminho de ser o mais quente do Antropoceno, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

“Nossa casa ainda está pegando fogo e vocês estão jogando gasolina nas chamas!” Greta Thunberg em discurso no WEF de Davos em 2020   [EcoDebate] Não há dúvida. O aquecimento global é para valer. E o ritmo de aumento anual da temperatura está ocorrendo de forma inédita e ultrapassando, de maneira preocupante, as previsões mais pessimistas. Desde a década de 1970, a temperatura do Planeta sobre de forma contínua e com taxas crescentes,

Pandemia do coronavírus pode nos ensinar a enfrentar a verdadeira emergência de longo prazo: o clima

  IHU A Itália está paralisada. O impacto das medidas de segurança que se tornaram necessárias para tentar frear a epidemia do coronavírus não tem precedentes na história. Pensávamos que estávamos vivendo em uma sociedade que dava espaço para todas as liberdades. Em vez disso, acabamos na situação oposta. A reportagem é de Mariella Bussolati, publicada em Business Insider, 12-03-2020. A tradução é de Moisés Sbardelotto. Como tudo vai acabar não depende não apenas de nós, mas também das características do vírus e,

Conscientização sobre as mudanças climáticas e seus impactos não é suficiente para levar as pessoas a agir

  Novas pesquisas sobre como as visões de mundo das pessoas afetam suas percepções e ações podem ajudar os formuladores de políticas e ativistas a reformular a discussão sobre a mitigação das mudanças climáticas. International Institute for Applied Systems Analysis (IIASA)* Apesar de um nível muito alto de conscientização sobre as mudanças climáticas e seus impactos, as pessoas geralmente hesitam em tomar medidas para mudar seu comportamento, de acordo com um novo estudo

Relatório afirma que mudança climática provoca aumento de mortes, doenças e fome no planeta

  Novo relatório destaca consequências do fenômeno global como subida do nível do mar e recordes de temperatura; secretário-geral afirmou que 2020 é um ano chave para enfrentar a emergência climática. Da ONU News A Organização Meteorológica Mundial, OMM, publicou esta terça-feira um relatório que mostra as consequências da mudança climática em todo o mundo, como aumento da temperatura, subida do nível dos oceanos e derretimento do gelo. O relatório foi lançado em Nova Iorque

Relatório de várias agências destaca sinais e impactos crescentes das mudanças climáticas na atmosfera, terra e oceanos

  Os sinais físicos reveladores das mudanças climáticas, como aumento do calor da terra e dos oceanos, aceleração da elevação do nível do mar e derretimento do gelo, são destacados em um novo relatório compilado pela Organização Meteorológica Mundial e uma extensa rede de parceiros. Ele documenta os impactos dos eventos climáticos e climáticos no desenvolvimento socioeconômico, saúde humana, migração e deslocamento, segurança alimentar e ecossistemas terrestres e marinhos. A  Declaração da OMM sobre

Top