A tragédia do crescimento, uma metafísica do neoliberalismo, artigo de Agnès Sinai

insustentável

Gilbert Rist foi um dos primeiros críticos do conceito de desenvolvimento. Em seu último livro, ele lembra que a economia política é o resultado de um projeto político e de uma construção social. Rist insiste na centralidade da propriedade privada na dinâmica do crescimento e na necessidade de invenções institucionais para sair desse paradigma.

O crescimento é um Janus com duas cabeças. Considerada necessária, mesmo vital para a continuidade das sociedades industriais, sua busca é, no entanto, impossível. É um dilema. Que o idioma inglês resuma muito bem sob o termo situação . Nós entramos na Era das Ruptura. O mundo de amanhã será muito diferente daquele que conhecemos. São os próprios padrões de explicação social que são obsoletos. Hoje, não se trata tanto de mudar nossa interpretação do mundo, mas de perceber que são as revoltas do mundo que nos forçam a mudar.

Agora somos atingidos por dissonância cognitiva. Para garantir nosso conforto psicológico, desistimos de considerar a verdade que nos envergonha. Para sair disso, precisamos primeiro decifrar o paradigma econômico dominante. Na primeira parte, Gilbert Rist mostra que a crise social e ambiental é a da ciência econômica dominante. 

O autor do desenvolvimento. História de uma crença ocidental (4ª edição, 2013) e Da economia comum entre sonhos e mentiras(2010) na Presses de Sciences Po, volta às fontes do pensamento econômico para explicar a origem da crise social e ambiental atual. “O duplo não pensado do pensamento econômico dominante” é explicado, por um lado, pela ignorância involuntária dos primeiros economistas em relação às práticas econômicas de outros continentes, criando assim um “viés eurocêntrico”. Além disso, em um momento em que não existiam problemas ecológicos, os primeiros economistas demonstraram “um descuido relativo aos presentes da natureza e às consequências a longo prazo de seu uso”, que é indubitavelmente devido a ” a impressão geralmente compartilhada de sua abundância e disponibilidade infinita ”. A natureza é assim “tornada burra e disponível gratuitamente”. 

Ricardo não estava mais consciente do que Smith da importância dos recursos naturais. Karl Marx foi mais esclarecido sobre a importância dos recursos naturais, apesar da imensa esperança que ele depositou no desenvolvimento das forças produtivas. A produção capitalista esgota a terra e o trabalhador. Ninguém é dono da terra. Teremos que esperar que William Stanley Jevons aponte a possível secagem dos recursos naturais.

ANACRONISMO DA DOXA

Essa imprudência dos primeiros economistas, que deixam de lado os incômodos industriais, é reforçada pela retórica da mecânica newtoniana que aumenta a validade do paradigma, dando-lhe uma aparência científica: “massa monetária”, “balanço” do comércio, “equilíbrio” orçamento, “atomicidade” dos participantes do mercado, “circuito” do comércio, “elasticidade” da oferta ou demanda. O mercado é como um cosmos perfeito. A doxa econômica repousa sobre uma mudança, um anacronismo: tudo acontece como se a ciência econômica contemporânea tivesse possibilitado explicar o mundo antes da revolução industrial. 

Os primeiros economistas ignoram a segunda lei da termodinâmica – a lei da entropia – segundo a qual a energia se degrada de forma irreversível e caótica. Eles raciocinam na ignorância das realidades biofísicas dos ciclos naturais e estoques não renováveis ​​formados por combustíveis fósseis. Os proponentes dessa economia dominante afastam o pioneiro do decrescimento Nicholas Georgescu-Roegen, o pensador da entropia na economia que apontou que o objeto da economia não diz respeito às transações monetárias, mas ao uso e a dissipação da energia-matéria. 

O paradigma econômico dominante é, portanto, obsoleto e animado por uma “ignorância aprendida”, tão prejudicial quanto suspeita. É também um paradigma contingente. Rist cita o trabalho de Thomas S. Kuhn: as ciências “normais” também experimentam transições assim que um paradigma se encontra em um estado de crise, transições sujeitas a relutância. Nesse caso, de acordo com Gilbert Rist, o paradigma econômico dominante deriva do dogma religioso, cuja doxa está contida no pequeno manual de Paul A. Samuleson, que ganhou o Prêmio Nobel de Economia em 1970 (enquanto isso foi recusado a Nicholas Georgescu-Roegen). 

É impossível estudar a economia sem passar pelo “Samuelson”, segundo o qual “a economia procura como os homens e a sociedade decidem, se devem ou não usar dinheiro, alocar recursos produtivos escassos à produção. através do tempo de vários bens e serviços e distribuí-los para fins de consumo presentes ou futuros entre os diferentes indivíduos e comunidades que constituem a sociedade ”(Samuelson, que obteve o Prêmio Nobel de economia em 1970 (enquanto foi recusado a Nicholas Georgescu-Roegen). 

A ECONOMIA, UMA CONSTRUÇÃO SOCIAL

No entanto, não podemos culpar os economistas de hoje por ignorarem as consequências ambientais dos processos produtivos, exceto que eles visam conciliar a atividade produtiva e seus efeitos sobre o meio ambiente, permanecendo sempre o velho paradigma. Um número de displays é implantado para acender fogueiras e ocultar os desastres causados ​​pelo consumismo produtivista. O princípio do poluidor-pagador estabelece o direito de poluir, isto é, garante o crescimento econômico e, ao mesmo tempo, compensa suas consequências desagradáveis. A ideia de dar um preço à natureza propõe dotar-lhe o status de capital natural baseado em um sistema das chamadas compensações ecológicas. Quanto aos serviços ecossistêmicos, eles podem ser listados e securitizados no mercado de ações.

O problema do paradigma econômico dominante reside na enormidade de seus efeitos, quando não se baseia em nenhuma validade científica. Os efeitos do dogma neoliberal resultaram em uma distribuição desigual do excedente, além da devastação ecológica que ele causou.

Consequentemente, é por suas consequências políticas e sociais que a economia deve ser julgada. Com grande clareza, Gilbert Rist emprega uma genealogia de conceitos que alimenta a construção social que é a economia. Ele lembra que os pais fundadores da economia não previam crescimento ilimitado, até pronunciaram a busca por um estado estacionário que permitisse alcançar o suficiente em termos materiais para se libertar e cultivar uma arte de viver, segundo John Stuart Mill. 

Em seu trabalho anterior, Rist já demonstrou como o mito da escassez alimenta o crescimento, o que deve impedi-lo. Paradoxalmente, a abundância de mercadorias precisava suprir a escassez. No entanto, prevaleceram as desigualdades, sem que a paz social fosse estabelecida, exceto pelo advento de um estado de bem-estar social que hoje está ameaçado.

AXIOMAS DO INTERESSE

Surpreendentemente, os efeitos negativos do crescimento passaram despercebidos até hoje, porque os fatores de produção de riqueza não incluem energia, que externalidades não quantificáveis ​​em termos monetários não são levadas em consideração, e que a economia não é vista como um subconjunto da ecologia, de acordo com Rist. Acima de tudo, entender a aderência desse sistema e esse construto social requer esclarecer quem se beneficia. 

O primeiro fator raiz do crescimento é a propriedade privada. Como o título de proprietário se baseia na dinâmica do crédito, será necessário aumentar a renda dos proprietários para enfrentar os vencimentos dos bancos. A generalização e sacralização burguesa da propriedade privada está na origem da obrigação de crescer em uma dinâmica de empréstimos que serve ao credor. Assim como o crescimento, a economia financeira (ou especulação) pode aumentar os lucros. Proporciona renda sem trabalhar, aumenta a desigualdade e concentra a riqueza.

O resultado é uma onipresença do “axioma do interesse”, inerente às culturas ocidentais, enquanto, como aponta o sociólogo Jacques Godbout, populações não contaminadas pelo capitalismo ignoram o axioma do egoísmo e preferem confiança e cooperação mútuas. Uma fortiori, o indivíduo representado pela teoria econômica dominante nunca é mais do que uma abstração muito distante das realidades antropológicas. Quanto ao mercado, é inseparável do interesse individual e constitui a matriz da maioria das trocas. Agora, estamos lidando com uma ficção econômica que optou por ignorar as práticas sociais para justificar a crença teórica de que o mercado constitui a solução ideal para a troca. O Ato Único Europeu de 1986 e a revogação em 1999 do Ato Glass-Steagall de 1933 quebraram a partição entre bancos de depósito e investimento. Dinheiro exige dinheiro. A doutrina econômica está acima do solo e gera infortúnio social e a destruição da natureza. Trata-se de retirar a economia de seu paradigma simplificador. Devemos tomar nota da finitude.

Como demonstrou Georgescu-Roegen, o sistema econômico é um sistema aberto que deve constantemente receber e devolver à natureza a energia e a matéria, ou seja, transformar irreparavelmente a matéria e a energia em desperdício.

O fetichismo do crescimento repousa, antes de tudo, em uma longa habituação coletiva aos efeitos considerados positivos que ele produziu nos países ricos por muito tempo. Mesmo que alguém comece a sentir alguns de seus efeitos indesejáveis, começando pela poluição urbana, prevalece a nostalgia: como se acredita que o crescimento é a solução para todos os problemas, deve-se encontrar, trazer de volta, despertá-lo. Então você tem que pensar em pós-crescimento. Primeiro mude as condições estruturais que tornam necessário o crescimento, depois imagine as características de outro tipo de sociedade que não estaria mais acima do solo. Se o crescimento é baseado no interesse individual, na propriedade privada e nos mercados, como esse conjunto de restrições pode ser superado

DESFAZER O CRESCIMENTO

Primeira via: como a generalização da propriedade privada constitui um dos motores mais poderosos do crescimento, é aconselhável imaginar outros regimes institucionais capazes de reverter a tendência. É por isso que restaurar os bens comuns é agora uma demanda amplamente compartilhada em círculos que afirmam estar diminuindo. Rist prefere usar o termo “instituição comunitária” para não dissociar os bens comuns dos grupos sociais que o utilizam. 

Assim, o comum implica uma “relação social baseada na reciprocidade, mas também uma relação de conivência com a Natureza, ligada a um sentimento de co-pertença”. Rist considera que o Estado não é um bom administrador de mercadorias, que a interação de interesses especiais a impede de desempenhar seu papel de árbitro teoricamente imparcial, constituindo assim uma forma de expropriação que priva a comunidade do direito que exercia. 

Diferentemente dos bens públicos administrados pelo Estado, os bens comuns não devem ser dissociados dos grupos sociais que os utilizam. “O comum é, portanto, uma construção política, uma forma de autogoverno que combina co-atividade e co-decisão e que garante a reprodução do recurso”. Quanto aos bens comuns planetários (bens públicos globais, patrimônio comum da humanidade), Gilbert Rist critica a “solução razoável” proposta por Joseph Stiglitz com o objetivo de estabelecer uma gestão pública global, um conjunto de “regulamentos planetários sobre os usos e atos que causam externalidades planetárias. Essa solução equivale a transformar os bens comuns planetários em bens públicos, entregues a critério dos Estados, e trazê-los para a lógica do mercado, longe dos bens comuns administrados por seus beneficiários. Rist propõe abrir um novo espaço na forma de uma categoria jurídica que escaparia das armadilhas da propriedade privada, bem como da onipotência do Estado, que está longe de sempre promover o interesse geral.

A segunda proposta principal da tragédia do crescimento é acabar com crédito e dívida. Hoje, a dívida pública de todos os países da União Europeia representa quase 90% do seu PIB, contra 30% em 1970. Durante várias décadas, as dívidas públicas explodiram na maioria dos países, em particular porque na União Europeia os bancos centrais nacionais foram proibidos de criar dinheiro reservando esse privilégio ao Banco Central Europeu. A dívida explode para impulsionar o crescimento. A multiplicação do dinheiro do crédito criado pelos bancos envolve uma obrigação de crescimento econômico. 

Assim, o sistema se alimenta de ciclos de feedback positivo (crescimento, circulação de dinheiro, endividamento) que levam à exploração desenfreada da Natureza, considerada como um “ativo negociável nos mercados”. Na maioria das vezes, ninguém imagina seriamente que a dívida será paga: o capital público líquido mal seria suficiente na França para pagar dívidas públicas. O pagamento dessa dívida é uma ilusão: na metafísica neoliberal, dívida e crença são termos relacionados. A dívida é principalmente um instrumento de dominação pelo credor sobre o mutuário, e o endividamento público envenena a vida social. 

Uma medida radical apoiada pelos proponentes do decrescimento consistiria em pura e simplesmente suprimir a possibilidade de criar dinheiro pelo mecanismo de crédito bancário, o que reduziria os juros da dívida pública. Sair do domínio dos bancos implica conceder o monopólio da criação de dinheiro ao Banco Central e proibir a “privatização” do dinheiro pelos bancos comerciais. 

Os Estados não seriam mais reféns dos bancos e não seriam mais forçados a recapitalizá-los em caso de inadimplência. Isso reduziria bastante a dívida pública. A dívida privada também seria reduzida, uma vez que os empréstimos especulativos seriam proibidos e, acima de tudo, o dinheiro seria novamente parte dos bens comuns.

Terceira faixa: repensar o intercâmbio fora do ciclo utilitário. A sociedade não pode ser reduzida ao mercado, e uma sociedade de mercado é um mercado sem sociedade. O mercado constitui o grau zero de vínculo social. São gestos altruístas que tornam possível “viver juntos”, reciprocidade ou “o ciclo de doações”. À medida que a austeridade aumenta, os serviços de ajuda mútua se tornam mais importantes. Por um lado, o mercado representa uma transação bilateral quase instantânea e impessoal; por outro, o presente desencadeia uma série de relacionamentos feitos de reconhecimento, obrigações e reciprocidade, que se estendem ao longo do tempo, criando uma sociedade unida , colaboração e ajuda mútua. As velhas formas de troca identificadas por Karl Polanyi ainda existem hoje, apesar da oni-mercadoria.

Na época do Antropoceno, um período de crescimento excessivo e uma dívida incrível com a natureza, resta ouvir a voz dos “coletivos burros” (animais domésticos ou não, a biosfera, a camada de ozônio) rios, geleiras, oceanos, plantas, micróbios etc.) e conceder reconhecimento à natureza e status legal. Para Rist, essa grande transformação. – recuperação dos bens comuns, domínio da moeda, reavaliação da reciprocidade e redistribuição, inclusão da natureza nas deliberações – não pode ser alcançada sem a assistência do Estado. Como apenas o Estado pode reformar o sistema tributário, tributar ou proibir transações financeiras especulativas, modificar a distribuição de subsídios agrícolas.

Agnès Sinai é Professora na Sciences Politiques de Paris, sobre crise ecológica, colapso e decrescimento. É também membro do Institut Momentum.

Artigo originalmente publicado em Terrestres e indicado por Tomas Togni Tarquinio

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 30/06/2020

 

Para pesquisar mais sobre este tema ou outros, use a ferramenta de pesquisa

 

 

CONTEÚDO SUGERIDO / PUBLICIDADE



 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top