Herman Daly e o mundo antropicamente cheio

 

Herman Daly e o mundo antropicamente cheio, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

Conhecer o trabalho de Heman Daly é fundamental para entender a situação econômica e ecológica atual

“O impacto ambiental é o produto do número de pessoas vezes o uso de recursos per capita. Em outras palavras, você tem dois números multiplicados um pelo outro – qual é o mais importante? Se você mantiver uma constante e deixar a outra variar, você ainda está multiplicando. Não faz sentido para mim dizer que apenas um número é importante”
Herman Daly (2018)

O crescimento econômico e demográfico do mundo iniciou um processo de aumento exponencial depois do ano de 1769, quando James Watt patenteou a máquina a vapor, dando início ao uso em larga escala dos combustíveis fósseis (começando pelo carvão mineral, depois petróleo e gás). Em 250 anos, a economia global cresceu 135 vezes, a população mundial cresceu 9,2 vezes e a renda per capita cresceu 15 vezes. Este crescimento demoeconômico foi muito maior do que em todo o período dos 200 mil anos anteriores, desde o surgimento do Homo sapiens.

No início da Revolução Industrial e energética havia menos de 1 bilhão de humanos no Planeta e, em 2023, deve chegar a 8 bilhões. Este alto crescimento demográfico alimentou a economia internacional com trabalhadores e consumidores que foram se enriquecendo (de maneira desigual) e empobrecendo (de maneira geral) a natureza. Patões, empregados e políticos costumam entoar o mantra do crescimento, mesmo sabendo que vivemos em um mundo entrópico e que as leis da física mostram que é impossível manter um crescimento econômico infinito em um Planeta finito.

O crescimento das atividades antrópicas fez a humanidade ultrapassar a capacidade de carga da Terra e está provocando um “crescimento deseconômico”, quando os “males” crescem mais rapidamente do que os “bens”, tornando-nos mais pobres, e não mais ricos, como mostrou o economista ecológico Herman Daly. Mas, infelizmente, as mensagens dos economistas ecológicos não são muito apreciadas pelo establishment econômico.

Conhecer o trabalho de Heman Daly é fundamental para entender a situação econômica e ecológica atual. Neste sentido, é muito bem-vindo o livro Herman “Daly’s Economics for a Full World: His Life and Ideas”, do professor Emérito e Acadêmico Sênior da Universidade de York, Peter A. Victor. O autor, nos convida a refletir sobre três questões que fomentaram a rejeição de Daly à economia neoclássica: “Qual é o tamanho da economia; quão grande pode ser sem desmoronar sua base ecológica, e quão grande deve ser?”

Herman Daly nos exorta a melhorar nossas contas nacionais de fluxos de materiais e buscar a eficiência – produzindo bens e serviços mais úteis para cada unidade de recursos e serviços ecossistêmicos que consumimos. Lamenta o desconhecimento proposital do conceito de economia de estado estacionário.

Porém, uma economia de estado estacionário se assemelharia à natureza. Isso nos permitiria buscar o desenvolvimento (artístico, espiritual, científico, etc.) em vez do crescimento. O nível atual de consumo da humanidade já excedeu a capacidade da Terra de sustentá-lo. Na atual economia linear “pegar-fazer-usar-resíduos”, as matérias-primas são extraídas para produzir bens que são usados ??e depois descartados como resíduos. Para quem quer conhecer mais sobre a economia ecológica o novo livro de Peter Victor.

Herman Daly’s Economics for a Full World, His Life and Ideas
Herman Daly’s Economics for a Full World, His Life and Ideas. Imagem: Amazon

Herman Daly (2014), no diagrama abaixo, mostra que a economia é um subsistema aberto que está dentro de uma ecosfera que é finita, não cresce e é materialmente fechada (embora receba energia vinda do sol). Quando a economia cresce, em termos físicos, incorpora matérias e energia da ecosfera para dentro de si própria. Pela 1ª Lei da Termodinâmica, há um desvio do uso natural dos materiais e energia para o uso antrópico. Assim, cria-se um óbvio dilema físico entre o crescimento da economia e a preservação do meio ambiente.

economia é um subsistema aberto que está dentro de uma ecosfera que é finita

Não dá para o subsistema crescer mais do que todo o sistema. Para conciliar a economia com a ecologia é preciso caminhar para um Estado Estacionário (como definiu John Stuart Mill, em 1848). Na primeira figura a economia cresce de maneira desregrada e tende a destruir o meio ambiente, o que leva à destruição da própria economia. Na segunda figura a economia diminui rapidamente e, no limite, pode zerar sua presença na biosfera. Na terceira figura existe um equilíbrio entre a economia e a ecologia, com uma taxa de transferência equilibrada, com o uso de recursos materiais e energia sendo capazes de serem reciclados de forma a diminuir a entropia.

O crescimento das atividades antrópicas nos últimos 250 anos mudou a correlação de forças no Planeta, aumentando a proporção da presença humana (planeta cheio) e diminuindo a proporção das demais espécies e da biocapacidade (planeta vazio). Herman Daly mostra que o crescimento econômico está ficando deseconômico e a natureza degradada já não fornece tantos serviços ecossistêmicos.

A solução atual passa pelo decrescimento das atividades humanas até o ponto que haja um equilíbrio sustentável entre a pegada ecológica e a biocapacidade. Portanto, é preciso reduzir a dimensão do modelo “extrai-produz-descarta”, para que as atividades antrópicas caibam dentro das Fronteiras Planetárias e para estabelecer um “espaço seguro e justo para a humanidade”, respeitando os ecossistemas e o equilíbrio entre as áreas ecúmenas e anecúmenas.

Tudo na natureza tem valor de existência intrínseco. O Planeta não pode ser banalizado pela racionalidade instrumental da sociedade anônima que precifica todos os “bens” ecossistêmicos. O mundo cheio precisa decrescer até atingir o Estado Estacionário, para alcançar convivência respeitosa entre os humanos, as espécies não-humanas e tudo que é inumano, mas tem direito à existência.

José Eustáquio Diniz Alves
Doutor em demografia, link do CV Lattes:
http://lattes.cnpq.br/2003298427606382

Referências:

DALY. Ecologies of Scale, Interview by Benjamin Kunkel. New Left Review 109, Jan-Feb 2018
https://newleftreview.org/II/109/herman-daly-benjamin-kunkel-ecologies-of-scale

Herman Daly, Economics for a full world, Great Transition, June 2015
https://greattransition.org/publication/economics-for-a-full-world

PETER A. VICTOR. Herman Daly’s Economics for a Full World, His Life and Ideas, Routledge, 2022
https://www.routledge.com/Herman-Dalys-Economics-for-a-Full-World-His-Life-and-Ideas/Victor/p/book/9780367556952

ALVES, JED. Economia Ecológica e dinâmica demográfica global e nacional: cenários para o século XXI, ECOECO, 24/06/2021
https://www.youtube.com/watch?v=baxzJkmgazE

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 30/03/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Um comentário em “Herman Daly e o mundo antropicamente cheio

  1. Se fizermos uma outra continha, verifica-se que o planeta é vazio. Em 10% da área de nosso Brasil, podem ser distribuídos TODOS os habitantes desta terra, os mais de 7 bilhões, em uma área de 114 m2 por habitantes, e sobram 90% do Brasil e o restante do mundo inteiro. PLANETINHA VAZIO ESTE, HEIM?

Comentários encerrados.

Top