Economia: Ásia emergente e América Latina submergente

 

Ásia emergente e América Latina submergente, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

A América Latina e Caribe (ALC) e a Ásia emergente são duas regiões do mundo que estão apresentando ritmos diferentes e opostos nos resultados do processo de desenvolvimento.

Enquanto a Ásia em desenvolvimento é uma região emergente que tem apresentado bons indicadores econômicos e cresce acima da média mundial, a ALC é uma região submergente que está presa na armadilha do baixo crescimento socioeconômico e cresce abaixo da média mundial.

O relatório WEO, do Fundo Monetário Internacional (FMI), divulgado no dia 06 de abril de 2021, apresenta uma série de estatísticas nacionais e internacionais de 1980 até 2020, com projeções até 2026. O gráfico abaixo mostra a renda per capita (US$ a preços constantes em poder de paridade de compra – ppp) da ALC, que era de US$ 11,8 mil em 1980, enquanto a Ásia emergente tinha uma renda de US$ 1,28 mil (a ALC tinha uma renda 9,2 vezes maior). Em 2019, antes da pandemia, a renda da ALC era de US$ 15,5 mil e da Ásia emergente de US$ 11,1 mil (a ALC tinha renda 40% maior). Em 2020 a renda da ALC caiu cerca de 8%, enquanto da Ásia emergente caiu 4%. Portanto, a Ásia sofreu menos e deve se recuperar rapidamente em 2021.

As projeções do FMI indicam uma renda per capita de US$ 16,2 mil na ALC e de US$ 15 mil na Ásia emergente em 2026, uma diferença de somente 7%. Ou seja, a ALC deverá ter a renda estagnada por mais de uma década (2013 a 2016) enquanto a Ásia emergente marcha celeremente para ultrapassar a ALC ainda na atual década (2021-2030).

renda per capita a preços constantes da Ásia e alc

 

Evidentemente, as razões para o avanço asiático e a estagnação latino-americana são muitas e fogem do escopo deste artigo. Mas cabe ressaltar que a Ásia tem conseguido combater a pandemia com muito mais sucesso. Especialmente no leste asiático, pois a comparação do Brasil, América do Sul, a média mundial e a Ásia é muito marcante.

O gráfico abaixo mostra que o Brasil e a América do Sul possuem médias diárias de casos bem acima das médias do mundo e da Ásia. O contraste é enorme e a América do Sul sofreu muito mais casos e mortes do que a Ásia emergente (principalmente leste asiático). Consequentemente, maior impacto da pandemia significa maior impacto econômico.

média de casos diários da covid 19 por milhão de habitantes brasil e continentes

 

O gráfico abaixo também mostra que o Brasil e a América do Sul possuem médias diárias de óbitos bem acima das médias do mundo e da Ásia. O número de vítimas fatais foi bem maior na América do Sul e a recuperação econômica será mais lenta e mais difícil para os países sul-americanos.
média de óbitos diários da covid 19 brasil e continentes

 

Reportagem do jornal Valor (01/07/2021) mostra que o pior ainda está por vir para os países emergentes. Segundo Agustín Carstens, diretor-geral do BIS (o banco dos bancos centrais), os emergentes estão próximos de esgotar sua capacidade de tomar empréstimos e de usar a política fiscal e monetária. Esta realidade é mais grave para a América do Sul e a América Latina.

Os países da Ásia emergente e, em especial, do leste asiático possuem maiores taxas de poupança e de investimento, o que os capacitam para aproveitar o 1º e o 2º bônus demográfico, conforme apresentei no Webinar “Tendências demográficas e pandemia de covid-19” do IPEA. Manter uma política macroeconômica sustentada e equilibrada é fundamental para garantir a geração de emprego e um futuro de bem-estar.

José Eustáquio Diniz Alves
Doutor em demografia, link do CV Lattes:
http://lattes.cnpq.br/2003298427606382

Referências:
ALVES, JED; CAMARANO, AA. Tendências demográficas e pandemia de covid-19, Webinário IPEA, 23/06/2021 https://www.youtube.com/watch?v=Bzog2U-zBo0

ALVES, JED. Três séculos de população no Brasil e os três bônus demográficos, Apresentação Webinário IPEA, 23/06/2021
https://drive.google.com/file/d/1JQW9TcZi3DFFfvEuIM1C78jQIxHLInVn/view

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 05/07/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top