Veredito do I Tribunal Popular Hidrelétricas do rio Madeira no banco dos Réus

Os organizadores do I Tribunal Popular – Hidrelétricas do Madeira no banco dos réus, realizado no dia 14 de novembro, no auditório do Ministério Público Estadual, na cidade de Porto Velho RO), tornam público o texto do veredito do I Tribunal Popular desta natureza na Amazônia brasileira, sendo eles: Grupo de Pesquisa em Energia Renovável Sustentável – GPERS/UNIR; Instituto Madeira Vivo – IMV; Movimento dos Atingidos por Barragens – MAB;

Cinco instituições cobram do Ibama medidas emergenciais sobre nova cheia no rio Madeira

  MPF, MP, Defensorias Públicas e OAB também querem que hidrelétricas de Santo Antônio e Jirau apresentem os relatórios com os novos estudos de impacto dos empreendimentos     A possibilidade de que ocorra uma nova cheia extraordinária no rio Madeira, em Rondônia, levou cinco instituições a cobrar na Justiça providências emergenciais a respeito do problema. Ministério Público em âmbito Federal (MPF) e Estadual (MP/RO), Defensoria Pública Estadual (DPE) e também da União (DPU),

O Complexo Hidrelétrico do Rio Madeira. A marcha forçada sobre os territórios. Entrevista com Luis Fernando Garzon

  “O licenciamento do Complexo Hidrelétrico do Rio Madeira é um fio que nos leva até o processo decisório do capitalismo brasileiro, que se internacionaliza subalternamente, mas se internacionaliza”, frisa o sociólogo.  Foto: www.franciscanosmapi.org.br As cheias do rio Madeira e os impactos gerados à população de Rondônia por conta das hidrelétricas de Jirau e Santo Antônio recolocam o projeto neodesenvolvimentista do país em discussão e demonstram que o “Brasil funciona como uma espécie

RO: especialistas discutem novos estudos de impacto das usinas do Madeira

  Debate será na próxima terça-feira, 20 de maio, no auditório da OAB, a partir das 14h   Localização da Usina Hidrelétrica Jirau. Foto: Reprodução/Energia Sustentável do Brasil   Para discutir a necessidade de novos estudos de impacto ambiental das usinas hidrelétricas no rio Madeira após a cheia histórica de 2014, seis instituições vão realizar um debate na próxima terça-feira, 20 de maio, com especialistas reconhecidos nacional e internacionalmente. A iniciativa de promover o debate

Morales pede investigação sobre impacto de hidrelétricas brasileiras em inundações na Bolívia

  Cheia do rio Madeira, atinge a BR 364. Foto: Secom/Acre/Fotos Públicas   O presidente da Bolívia, Evo Morales, pediu nesta quarta-feira uma investigação profunda sobre o impacto de duas hidrelétricas brasileiras na inundação de um povoado na Amazônia boliviana, onde a água seguia subindo, embora as chuvas tenham parado. Matéria da AFP, no Yahoo Notícias. As inundações, resultado do transbordamento do rio Madeira, afetaram nas últimas semanas os povoados amazônicos de Trinidad, Santa

As hidrelétricas, a nova cheia histórica do rio Madeira e as tergiversações de Dilma, por Luiz Fernando Novoa Garzon

  Enchente do Rio Madeira, em Porto Velho, capital de Rondônia. Foto: Marcos Freire / Secom Rondônia / Fotos Públicas   [Correio da Cidadania]  A presidente Dilma Rousseff promoveu uma viagem relâmpago a Porto Velho e Rio Branco, no dia 15 de março, para verificar in loco o resultado da maior cheia já observada nessa porção da Amazônia – entre Rondônia, Acre e o noroeste boliviano. A verificação poderia ter se traduzido em

RO: Defesa Civil identificará desabrigados que terão assistência de usinas no rio Madeira

  Liminar obriga hidrelétricas Santo Antônio e Jirau a prestar assistência a famílias desalojadas por enchente acima das barragens   Integrantes dos Ministérios Públicos Estadual e Federal, da OAB, das Defensorias Públicas Estadual e da União explicaram, na última quinta-feira, 13 de março, durante entrevista coletiva na sede do Ministério Público de Rondônia, a extensão da liminar concedida pela Justiça Federal que obriga as usinas hidrelétricas de Santo Antônio Energia (SAE) e Energia

Mad Maria, Mad Madeira, Mad Amazônia, artigo de Fernando Gabeira

  Enchente do Rio Madeira, em Porto Velho, capital de Rondônia. Foto: Marcos Freire / Secom Rondônia / Fotos Públicas   [O Estado de S.Paulo] Quem reconhece o drama, quando se precipita, sem máscara? Muitas vezes escrevi sobre o verso de Drummond. Não consigo esquecê-lo agora, navegando no bairro Triângulo, em Porto Velho, tomado pelo Rio Madeira, que já subiu 19 metros acima do nível normal. Milhares de desabrigados, milhões perdidos, estradas bloqueadas,

Liminar obriga usinas de Santo Antônio e Jirau, no Madeira, a refazer estudos de seus impactos

  Localização da Usina Hidrelétrica Jirau. Foto: Reprodução/Energia Sustentável do Brasil   Hidrelétricas Santo Antônio e Jirau também estão obrigadas a dar assistência às populações atingidas pelas inundações nas áreas acima de suas barragens O Ministério Público Federal, o Ministério Público do Estado, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/RO), a Defensoria Pública da União e a Defensoria Pública do Estado em Rondônia obtiveram uma decisão liminar favorável na ação civil pública contra o

Usinas hidrelétricas Santo Antônio e Jirau terão que ajudar vítimas da enchente do Rio Madeira

  Enchente do Rio Madeira, em Porto Velho, capital de Rondônia. Foto: Marcos Freire/ Secom Rondônia/ Fotos Públicas   As empresas responsáveis pela construção das usinas hidrelétricas Santo Antônio e Jirau, no Rio Madeira (RO), deverão atender imediatamente as necessidades básicas da população atingida pela enchente histórica do rio, como moradia, alimentação, transporte, educação e saúde. A decisão liminar é da Justiça Federal em Rondônia, atendendo a uma ação civil pública contra a

MP, OAB e Defensoria pedem suspensão de atividades das usinas do Madeira

    O Ministério Público Federal, o Ministério Público do Estado (MP/RO), a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/RO), a Defensoria Pública da União e a Defensoria Pública do Estado em Rondônia ingressaram com ação civil pública contra o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), a Energia Sustentável do Brasil (Usina de Jirau) e a Santo Antônio Energia (Usina de Santo Antônio). As instituições pedem que a Justiça

Bolívia e Brasil vão analisar impacto de usinas no rio Madeira em inundações na parte boliviana da Amazônia

  Cheia do rio Madeira, atinge a BR 364. Foto: Secom/Acre/Fotos Públicas   O ministro das Relações Exteriores da Bolívia, David Choquehuanca, disse ontem (6), em La Paz, que se reunirá com o chanceler brasileiro, Luiz Alberto Figueiredo, no dia 7 de abril, para analisar a situação da cheia do Rio Madeira e a suposta incidência das usinas hidrelétricas de Santo Antônio e Jirau nas inundações que ocorrem na parte boliviana da Amazônia. A

Top