Portal EcoDebate: Índice da edição nº 2.012, de 10/02/2014

    Chega de ser bom, artigo Montserrat Martins O que é a soberania alimentar? artigo de Esther Vivas Produtores ribeirinhos pedem socorro. O caso da juta no Pará, artigo de João de Deus Barbosa Nascimento Júnior Sem medidas para reduzir impacto, Sema não deve conceder licença para Usina Sinop, no rio Teles Pires MPF denuncia diretores da Cedae por crimes ambientais na Baixada Fluminense MPF/PI cobra cumprimento de acordo para despoluição dos

Chega de ser bom, artigo Montserrat Martins

    [EcoDebate] Os rodoviários em greve prolongada em Porto Alegre cansaram de se preocupar em serem “bonzinhos” com patrões ou mesmo com a população toda, pois só eles sentem na pele a violência produzida pelo trânsito na sua saúde e na sua qualidade de vida – a diminuição da carga horária é uma das principais reivindicações. Doenças como infarto, AVC, hipertensão arterial, estresse, depressão, são bem mais frequentes em algumas categorias

O que é a soberania alimentar? artigo de Esther Vivas

    [EcoDebate] Comer: mastigar e esmigalhar o alimento na boca e passá-lo ao estômago, segundo a definição da Real Academia Espanhola. Comer, no entanto, é bem mais que engolir alimentos. Comer de maneira sã e consciente implica interrogar-se sobre de onde vem o que consumimos, como se elaborou, em que condições, porque pagamos um determinado preço. Significa tomar o controle sobre os nossos hábitos alimentares e não delegar. Ou por outras

Produtores ribeirinhos pedem socorro. O caso da juta no Pará, artigo de João de Deus Barbosa Nascimento Júnior

  PRODUTORES RIBEIRINHOS PEDEM SOCORRO: INEXISTEM PROGRAMAS DE PRODUÇÃO DE FIBRAS NATURAIS NO ESTADO DO PARÁ, o caso da produção de juta.   Cultivo de juta. Foto no blogue pautasnaweb ~ Política e economia   RESUMO: Considerando que a cultura da juta é típica das áreas de várzeas e sendo, a região amazônica rica em áreas dessa natureza, por possuir a maior bacia hidrográfica do mundo, isso bastaria para mostrar a importância socioeconômica do seu cultivo

Sem medidas para reduzir impacto, Sema não deve conceder licença para Usina Sinop, no rio Teles Pires

  Mapa por Telma Monteiro, no Correio da Cidadania   Recomendação expedida pelo Ministério Público Federal à Secretaria de Meio Ambiente de Mato Grosso condiciona a expedição da licença para o início das obras à adoção de medidas para atender ceramistas, pescadores e assentados da reforma agrária atingidos pela obra 06/02/2014 às 11h41 A Secretaria de Estado de Meio Ambiente de Mato Grosso (Sema) não deve conceder a licença que autoriza o início das

MPF denuncia diretores da Cedae por crimes ambientais na Baixada Fluminense

    Sistema de captação de água na Reserva Biológica do Tinguá não tem licença ambiental O Ministério Público Federal (MPF) em São João de Meriti (RJ) denunciou por crime ambiental a Cedae e dois diretores da companhia responsáveis por atividades de grande impacto ambiental, sem licenciamento, na Reserva Biológica do Tinguá, na Baixada Fluminense. Os réus são acusados de causar danos diretos à reserva por permitirem o funcionamento de empreendimentos de captação

MPF/PI cobra cumprimento de acordo para despoluição dos rios Poti e Paranaiba

  AGUAPÉS e carananas tomam conta do leito do Rio por causa da poluíção. Foto Diário Teresina   Em reunião, MPF pediu informações sobre a execução das medidas assumidas pelas partes O Ministério Público Federal no Piauí (MPF/PI) cobrou cumprimento do acordo firmado com a Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Semam) e do Ibama para a despoluição dos rios Poti e Parnaíba. Em reunião, o procurador da República Kelston Pinheiro Lages pediu informações sobre

Ibama atua no Rio Solimões para coibir pesca ilegal e matança de botos e jacarés

  A primeira etapa da operação de fiscalização  Rios Federais foi realizada no médio Solimões, na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá e Reserva Extrativista Auati-Paraná nos municípios de Tefé, Maraã e Fonte Boa. Até o momento, os autos de infração lavrados somam 95 mil reais em multas. Houve, ainda, apreensão de um barco regional, 1.680 kg de pirarucu, 110 kg de pirapitinga, 74 kg de tambaqui e 23 animais silvestres (aves

Assentados são exemplos na venda de produtos para o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA)

    As vaquinhas Crioula e Moeda são como tesouros para o seu Astrô, como é conhecido o agricultor familiar Astrogercilio Pinto de Almeida no Assentamento Pequeno Willian, na região rural de Planaltina, no Distrito Federal. Os animais foram comprados com o dinheiro da venda de produtos para o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) do governo federal, que ajuda a sustentar a família: mulher e seis filhos. “Já deu para comprar

Antropólogos denunciam racismo na regularização de terras quilombolas

  A ABA lança Campanha Nacional pela Regularização de Terras Quilombolas.Divulgação/ABA   Remanescentes de quilombos sofrem racismo do Estado brasileiro, segundo a Associação Brasileira de Antropologia (ABA). Para os especialistas, as decisões técnicas e políticas do governo federal estariam impedindo a regularização fundiária dessas comunidades, pilar de uma série de outros direitos. O racismo das instituições públicas é determinante para que os quilombolas continuem à margem da cidadania, denunciam os antropólogos. Lançado no início

Em 2013, a escravidão urbana passou a rural pela primeira vez

  Segundo dados sistematizados pela Comissão Pastoral da Terra, 53% dos resgatados em 2013 exerciam atividades nas cidades. Construção civil encabeça lista     Por Igor Ojeda, da Agência de Notícias Repórter Brasil. O número de trabalhadores resgatados de condições análogas à escravidão em atividades urbanas superou a quantidade de casos ocorridos no campo pela primeira vez desde que dados sobre libertações começaram a ser compilados. De acordo com a Comissão Pastoral da Terra (CPT),

França aprova proibição de pesticidas em jardins públicos e particulares

  Uso doméstico de agrotóxicos é perigoso para a saúde, dizem especialistas. http://www.generations-futures.fr Lúcia Müzell A partir de 2020, os parques e jardins públicos na França não poderão mais ser tratados com pesticidas e herbicidas. Dois anos depois, em 2022, os milhões de franceses que cultivam um jardim em casa também não poderão mais usar os produtos químicos, de acordo com uma lei aprovada em janeiro pelo Parlamento do país. A proibição dos agrotóxicos é

Top