Índice da edição de 22/05/2009

Manifesto ‘Porto Sul: autoritarismo, desastre ambiental e desemprego no Sul da Bahia’ Baixo Amazonas, grandes projetos e as comunidades tradicionais Estudo das espécies nativas da região metropolitana de Porto Alegre revela potencial alimentício e econômico Mais de 10 toneladas de medicamentos irregulares são apreendidos em Mato Grosso Forte protesto contra os planos do WWF de certificar a aqüicultura industrial insustentável Povos indígenas por uma outra sustentabilidade Escola e assistência não afastam crianças do trabalho infantil A transgenia

Manifesto ‘Porto Sul: autoritarismo, desastre ambiental e desemprego no Sul da Bahia’

Porto Sul – autoritarismo, desastre ambiental e desemprego no Sul da Bahia Ilhéus, maio de 2009 O Governo da Bahia, de maneira obscura, anuncia a instalação de um complexo intermodal (porto, retroporto, ferrovia, aeroporto) na região da Ponta da Tulha, litoral norte de Ilhéus, desde janeiro de 2008. Mais recentemente, já se noticia siderurgia e usina nuclear no Sul da Bahia, sob as sombras do Porto Sul. Tudo começou com a BAMIN, empresa

Baixo Amazonas, grandes projetos e as comunidades tradicionais

Entrevista com Irene Pinheiro, Quilombola de Oriximiná-PA ao Fórum Carajás Há algum rincão na Amazônia em que não haja situação de tensão pelo controle do território e os recursos lá existentes? A oeste do Pará, região banhada pelo principal rio da Amazônia, o Amazonas, incidem situações entre comunidades tradicionais e as grandes corporações de mineração, de monocultivos e projetos de geração de energia. 13860

Estudo das espécies nativas da região metropolitana de Porto Alegre revela potencial alimentício e econômico

Pouco se tem estudado sobre as potencialidades das espécies nativas do país. Atualmente, agricultores são incentivados pelas esferas governamentais a cultivar espécies exóticas em sistema de monocultura, o que empobrece o solo, diminuindo sua vida útil. No entanto, os gastos com esses cultivos podem ser altos e desvantajosos, se comparados com os benefícios da produção de plantas nativas. 13857

Mais de 10 toneladas de medicamentos irregulares são apreendidos em Mato Grosso

O MPF deverá pedir a anulação das licenças de funcionamento das três distribuidoras, além da indenização causada pelo dano moral coletivo, diante da lesividade que os consumidores foram expostos. Um balanço parcial da Operação Drágea realizada nesta terça-feira (19/05), em Cuiabá, contabilizou pouco mais de 10 toneladas de medicamentos irregulares apreendidos em três distribuidoras localizadas em Cuiabá. 13854

Forte protesto contra os planos do WWF de certificar a aqüicultura industrial insustentável

O rápido aumento na demanda global de camarões e salmão cultivado baratos, tem causado vasta degradação das zonas úmidas de mangues e outros ecossistemas costeiros e decorrentes perdas na biodiversidade. Essas perdas também têm destruído meios de vida entre as comunidades locais e povos indígenas em várias nações do Sul global. Sem mudar o padrão de consumo-comercialização-consumo, o World Wildlife Fund (WWF) planeja criar um órgão de certificação para a produção

Povos indígenas por uma outra sustentabilidade

Os povos indígenas sempre foram considerados um estorvo. Assim foi no Brasil Colônia, no Brasil Império, e continua sendo no Brasil República. Passados mais de quinhentos anos da chegada do cetro real espanhol e português nas terras de Pindorama, pouco mudou. A presença dos povos indígenas segue sendo vista como uma ameaça à integridade e o desenvolvimento do país. Ainda mais surpreendente é o fato de que essa visão é

Escola e assistência não afastam crianças do trabalho infantil

Pesquisa aponta que maioria (98%) das crianças e adolescentes entrevistados em 17 municípios paulistas frequentava escola e também recebia alguma ajuda de organizações sociais. Mesmo assim, 67% estavam trabalhando Dados da pesquisa Retratos do Trabalho Infantil apontam que medidas de combate ao trabalho infantil não têm sido suficientes para enfrentar o problema. O levantamento constatou que quase todas as crianças e os adolescentes entrevistados (98%) em 17 municípios de São Paulo

A transgenia na agricultura brasileira. Entrevista especial com Bruno Gasparini

“A história da transgenia na agricultura brasileira foi construída de maneira abrupta e inconsequente.” Esta é a conclusão de Bruno Gasparini, que acaba de lançar o livro Transgenia na agricultura (Curitiba: Juruá Editora, 2009). Em entrevista concedida por e-mail à IHU On-Line, Bruno relata a história do desenvolvimento da transgenia no Brasil e faz uma crítica severa à forma como o Poder Público conduziu a questão no país. O autor

Brasil: Território livre para os transgênicos?

País perde controle dos transgênicos. 'Plante-se ilegalmente que depois o governo aprova’ A primeira safra de milho geneticamente modificado no Brasil ampliará o descontrole do país em relação ao controverso uso desse tipo de produto na indústria de alimentos. Além de já representar uma ameaça de contaminação a produtores de variedades não transgênicas, o milho transgênico deverá contaminar milhões de toneladas do grão convencional devido à decisão dos produtores de não

Teste de campo de árvores geneticamente modificadas: contribuição do governo belga ao Dia Internacional da Diversidade Biológica

Em 6 de maio, a Ministra da Ciência e a Inovação de Flandres (Bélgica) Patricia Ceyssens plantou uma árvore. Não há nada estranho nisso, logicamente. O que era inusual sobre esse tipo de cerimônia “verde” era que essa não era uma árvore comum. Era de fato o primeiro choupo geneticamente modificado a ser plantado em um teste de campo aberto pelo Instituto de Flandres para a Biotecnologia (VIB), a ser

Austrália: preocupação pelas plantações varrida para debaixo do tapete pelo movimento ambiental, artigo de Anthony Amis

A Austrália, como todos os países coloniais se baseou no roubo das terras dos povos indígenas. No entanto, na Austrália, as autoridades levaram o roubo além disso, declarando que o continente era ‘Terra Nullius’, significando terra vazia ou terra que não pertencia a ninguém. O Terra Nullius não garantia direitos para os povos indígenas, já que, como poderiam ter direitos se legalmente não existiam? Nas porções do sul da Austrália,

Top