Portal EcoDebate: Índice da edição nº 1.482, de 02/12/2011

  O Código que ninguém entende, artigo de Efraim Rodrigues Humor, negócio de futuro, artigo de Montserrat Martins A Rio+20 e seu 'affair' com a Economia Verde, artigo de Leonardo Trindade A indústria do Petróleo e a falta de fiscalização do IBAMA são sinônimos de acidentes ambientais, artigo de Marcus Saussey Código Florestal: Entrevista com a pesquisadora Lucia Sevegnani Pesquisadores desenvolvem jogo educativo sobre sustentabilidade PF prende três suspeitos de ataque

O Código que ninguém entende, artigo de Efraim Rodrigues

  [EcoDebate] Não há nada mais o que falar sobre o Código Florestal. A ciência já se pronunciou sobre o problema da limitação de terras para produção agrícola. Não usamos nem a terra disponível. O cidadão saudável pode constatar com seus olhos em qualquer voltinha pela zona rural e os mais detalhistas podem ver os trabalhos científicos com sensoriamento remoto em meu blog http://ambienteporinteiro-efraim.blogspot.com/. O mundo quer produtos mais saudáveis (assim como

Humor, negócio de futuro, artigo de Montserrat Martins

  [EcoDebate] Vou adivinhar qual é o seu time, se for gaúcho: é um cuja torcida, em 2011, pressionou até derrubar o Celso Roth. Personagem já folclórico no sul, um misto de "Dom Casmurro" com Analista de Bagé dos técnicos, aparecia no site de humor O Bairrista como “autor” de uma coluna de esportes, “assinada” por Celso Juarez. Os negócios imitam a arte: agora, a RBS o contratou para escrever o

A Rio+20 e seu ‘affair’ com a Economia Verde, artigo de Leonardo Trindade

  [EcoDebate] Sem querer ser alarmista demais, acredito realmente que estamos vivendo uma crise, não somente ambiental, mas também econômica, política, social... em suma, uma crise do modo de vida capitalista ocidental com seu produtivismo e consumismo desenfreados. Em âmbito nacional, temos as notícias recentes da retomada dos projetos de usinas nucleares, a exploração de petróleo no pré-sal com seus riscos inerentes, as grandes hidrelétricas na Amazônia e o desmantelamento do Código

A indústria do Petróleo e a falta de fiscalização do IBAMA são sinônimos de acidentes ambientais, artigo de Marcus Saussey

  [EcoDebate] Derramamentos de óleo em alto mar ocorrem basicamente de duas formas: Em decorrência de desastres naturais, como por exemplo, furacões, pois a intensidade dos ventos contidos no interior de um furacão afundar uma plataforma. A segunda e mais freqüente causa de um derramamento de óleo em alto mar se dá em decorrência de erros e imprudências operacionais. Uma vez que o derramamento tenha ocorrido, será a agilidade na execução das etapas

Código Florestal: Entrevista com a pesquisadora Lucia Sevegnani

  “Se as reformas no Código forem aprovadas, teremos uma redução drástica da Mata Atlântica”, diz pesquisadora O mês de setembro de 2011 ficará na história de Santa Catarina como um dos piores desastres ambientais das últimas três décadas. Cem municípios, o equivalente a um terço do estado, foi invadido pelas águas, após uma seqüência de dias com chuvas torrenciais. Casas, estabelecimentos comerciais e rodovias estavam cobertos pela água, deixando a população

Pesquisadores desenvolvem jogo educativo sobre sustentabilidade

  Batizado de Half na Floresta, videogame criado por pesquisadores do Centro Multidisciplinar para o Desenvolvimento de Materiais Cerâmicos pode ser acessado pela internet. O Centro Multidisciplinar para o Desenvolvimento de Materiais Cerâmicos (CMDMC) – um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) da FAPESP – e o Instituto Nacional de Ciências dos Materiais em Nanotecnologia lançaram na internet, em parceria com a empresa Aptor Games, um jogo educativo sobre sustentabilidade. Batizado

PF prende três suspeitos de ataque à aldeia indígena Guarani-Kaiowá em Mato Grosso do Sul

  A Polícia Federal (PF) prendeu ontem (1º) três suspeitos de atacar o acampamento indígena Tekoha Guaiviry, localizado entre as cidades de Amambai e Ponta Porã, em Mato Grosso do Sul. Além de participação no ataque ao acampamento dos Guarani-Kaiowá, os três homens detidos nesta manhã são suspeitos de envolvimento no desaparecimento do cacique Nísio Gomes. Os três suspeitos prestaram depoimento na delegacia da PF em Ponta Porã, mas seus nomes e

Sem demarcação de terras os indígenas do Mato Grosso do Sul seguirão martirizados, diz CNBB

  O ataque de pistoleiros ao acampamento Tekoha Guaiviry do povo Kaiowá Guarani, no dia 18 de novembro entre Amambai e Ponta Porá, região sul do Mato Grosso do Sul, ainda repercute demonstrações de indignação ao episódio e apoio aos indígenas. A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) convocou entrevista coletiva para divulgar, nessa quarta-feira, nota de repúdio ao ataque e defender a demarcação de terras aos indígenas como única alternativa

Guarani-Kaiowá no Mato Grosso do Sul: Genocídio em marcha

  Morte de cacique kaiowá-guarani joga luz sobre conflitos entre tribos e fazendeiros em Mato Grosso do Sul, onde morreram 250 índios nos últimos oito anos   ALVO Testemunhas viram o cacique Nísio Gomes (abaixo) sofrer uma emboscada. Acima, índios do acampamento dele Há décadas ocorre um sangrento conflito em Mato Grosso do Sul no qual índios vêm sendo assassinados. Agora, a questão ganhou visibilidade até no Exterior por meio de um nome e um rosto:

‘Existe uma amnésia periódica sobre a presença dos índios no Brasil’. Entrevista com Carlos Alberto Ricardo

  “Hoje, existem no Brasil mais de 230 etnias indígenas diferentes, falando mais de 180 línguas, e nos últimos anos esse número de etnias tem aumentado”, informa Carlos Alberto Ricardo, pesquisador do Instituto Socioambiental – ISA, à IHU On-Line, na entrevista a seguir, concedida por telefone. Nos últimos cinco anos, apesar dos avanços conquistados em relação à demarcação de terras indígenas, tem aumentado também os conflitos entre as comunidades e os

MPF denuncia fazendeiros por trabalho escravo em Campos (RJ)

  Empregadores, que podem pegar até 200 anos de prisão, também omitiam dados nas carteiras de trabalho dos empregados O Ministério Público Federal (MPF) denunciou o proprietário da fazenda Lagoa Limpa, em Campos (RJ) e seus dois sócios por submeterem os empregados a condições análogas à de escravidão e omitir dados de suas carteiras de trabalho. Se condenados, Walter Lysandro Godoy (dono da fazenda), Paulo Sérgio Passos Queiroz e Jair Rodrigues dos

Top