SBPC na UFMG: Ainda timidamente, academia se abre aos saberes tradicionais

  Reportagem: Ferdinando Marcos, Universidade Federal de Minas Gerais Trinta e seis mestres e mestras de saberes tradicionais, entre parteiras indígenas, mestres do Reinado do Rosário, pais e mães de santo do candomblé, ceramistas xacriabás e xamãs xavantes, passaram a frequentar a academia graças ao Programa de Formação Transversal em Saberes Tradicionais, iniciado há cinco anos na UFMG, durante uma edição do Festival de Inverno. Um balanço da iniciativa foi apresentado pelo professor

SBPC convoca toda a comunidade científica a participar da Marcha pela Ciência, 22 de abril

    O movimento ocorre em 22 de abril em todo o mundo. No Brasil, a mobilização será em São Paulo (SP) e em Natal (RN) A SBPC convoca toda a comunidade científica a participar da Marcha Pela Ciência, mobilização mundial de apoio à pesquisa científica. O movimento acontecerá no dia 22 de abril em diversos países. No Brasil, a marcha será em São Paulo, partindo às 14h do Largo da Batata, e

As mulheres da ciência: uma herança marcante, artigo de Thiago Lustosa Jucá

    [EcoDebate] No dia 8 de Março é celebrado o Dia Internacional da Mulher, data que continua sendo fortemente lembrada pelas lutas e conquistas de diversas mulheres que ousaram desafiar as desigualdades e injustiças, ainda tão marcantes na nossa sociedade. Nesse contexto, vale a pena lembrar o legado deixado por mulheres corajosas que contribuíram e contribuem para pavimentar a estrada da qual a ciência é construída. Em 2017, completam-se 150 anos de

Biologia sintética, bioengenharia, bioeconomia… artigo de Antonio Silvio Hendges

    [EcoDebate] Converter a biologia em objeto passível de intervenções da engenharia é atualmente uma prioridade nas agendas de investigação científica. A bioengenharia tem a intenção de fabricar e/ou obter novas possibilidades biológicas, para além das combinações e interações gênicas naturais e abrir espaços para a expansão da bioeconomia. Portanto, quem interpreta a bioeconomia referida em algumas ocasiões na imprensa, empresas multinacionais ou governos baseia-se na organização ecológica natural ou em

Avaliação da concentração de nitrato em águas subterrâneas coletadas no município de América Dourada-Ba, artigo de Lourival Martins de Souza Júnior

    AVALIAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO DE NITRATO EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS COLETADAS NO MUNICÍPIO DE AMÉRICA DOURADA-BA RESUMO: Entre o período chuvoso e o período de estiagem no ano de 2015, foram coletadas amostras de água de dois poços tubulares no município de América Dourada-Ba, um no distrito de Ipanema e um outro no distrito de Soares, e verificou-se que em ambos, os teores de nitrato estavam acima do limite permitido pela portaria nº

Ecologia Histórica, Parte 3/3 (Final), artigo de Roberto Naime

    [EcoDebate] Os seres humanos tem interagido com o ambiente através de toda sua história, gerando uma influência duradoura sobre as paisagens de todo o mundo. Geralmente mudam ativamente suas paisagens de forma direta, enquanto que em outros momentos suas ações alteram paisagens através de efeitos secundários. Essas mudanças são chamadas de distúrbios humanos mediados e são efetivadas através de várias mecanismos. Estes mecanismos variam, podendo ser prejudiciais em alguns casos e

Ecologia Histórica, Parte 2/3, artigo de Roberto Naime

    [EcoDebate] Na ecologia histórica, a paisagem é definida como uma área de interação entre cultura humana e ambiente não antrópico. A paisagem é perpetuamente alterada, manifestações físicas históricas. Ecologia histórica revisa a noção de ecossistema e o substitui por paisagem. Enquanto um ecossistema é estático no espaço e cíclico tempo, a paisagem é tudo isto e mais a história. Enquanto a concepção de visão do ecossistema sempre tenta retorná-lo ao estado de

Ecologia Histórica, Parte 1/3, artigo de Roberto Naime

    [EcoDebate] Ecologia Histórica é uma linha de pesquisa que foca na interação entre humanos e o meio ambiente em que eles vivem. Em vez de concentrar em um evento específico, a ecologia histórica visa estudar e compreender essa interação ao longo do espaço e tempo, a fim de obter uma compreensão completa de seus efeitos acumulativos. Através dessa interação, os seres humanos moldam o meio ambiente e contribuem continuamente para a

Inovações Sustentáveis, artigo de Roberto Naime

artigo

    [EcoDebate] Ricardo Abramovay assevera que precisamos de inovações sustentáveis. Crítico do alarmismo, o professor Ricardo Abramovay defende divulgação de boas práticas ambientais para sensibilizar população. Em entrevista a Renato Grandelle afirma que “em qualquer setor, as empresas precisam conversar cada vez mais com os cientistas e ser sensíveis às mudanças das preferências dos consumidores” Parece impossível discutir o futuro do planeta sem cair no pessimismo. As mudanças climáticas são tão flagrantes que

Fontes de Assinaturas Geoquímicas Urbanas, artigo de Carlos Augusto de Medeiros Filho

artigo

    [EcoDebate] Aspectos básicos da ciência “geoquímica urbana” foram apresentados em artigo anterior (Medeiros Filho, 2016). Em continuidade, serão discutidos algumas assinaturas geoquímicas (alóctones ou não nativas), comuns na área urbana, a partir de pesquisa bibliográfica, especialmente do artigo de Chambers et al. (2016). Áreas urbanas incorporam características geoquímicas diferentes do ambiente natural (geogênico) e que podem ser comuns para a maioria das cidades de porte similar ou ser relativamente exclusiva em

Posição da Academia de Ciências do Estado de São Paulo sobre a indicação de um religioso como Ministro da Ciência e Tecnologia

nota pública

    Academia de Ciências do Estado de São Paulo divulga carta com seu posicionamento sobre a indicação do bispo Marcos Pereira como Ministro da Ciência e Tecnologia, caso Michel Temer assuma o governo Leia a carta abaixo: O desprezo brasileiro pelas gerações do futuro Posição da Academia de Ciências do Estado de São Paulo sobre a indicação de um religioso como Ministro da Ciência e Tecnologia Qual a probabilidade do sucessor do Papa Francisco ser

Mudanças climáticas: por que devemos nos preocupar? artigo de Marcos Buckeridge

    Com as mudanças climáticas globais, estamos indo em direção a um aumento de 2,7°C na temperatura do planeta e não há mais retorno. Com isto, as previsões de mais seca no sudeste e nordeste do Brasil e mais chuva no sul têm maior probabilidade de se concretizarem. Poderemos ter uma folga de um ou dois anos, mas as crises de eventos extremos tendem a voltar cada vez mais fortes. Há

Top