Descolonizando a ecologia – Como adotar práticas que tornem a ciência mais justa

 

Descolonizando a ecologia – Como adotar práticas que tornem a ciência mais justa

Mais oportunidades para grupos historicamente marginalizados definirem agendas de pesquisa é uma forma importante de corrigir os desequilíbrios de poder em curso

Sistemas de conhecimento fora daqueles sancionados por universidades ocidentais têm sido frequentemente marginalizados ou simplesmente não envolvidos em muitas disciplinas científicas, mas há vários exemplos onde cientistas ocidentais reivindicaram descobertas para conhecimento que especialistas residentes já conheciam e compartilhavam.

Isso demonstra não uma falta de conhecimento em si, mas sim que, para muitos cientistas criados na sociedade ocidental, pouca educação sobre histórias de opressão sistêmica foi planejada. O conhecimento científico ocidental também tem sido usado para justificar o controle social e ambiental, incluindo a desapropriação de povos colonizados de suas terras e modos de vida e descontando os sistemas de conhecimento existentes.

Mas como podem aqueles na disciplina ecológica começar lentamente a praticar a ecologia de uma forma mais criativa, reflexiva, igualitária e inclusiva? De acordo com um novo artigo publicado na revista Nature Ecology & Evolution, existem cinco intervenções para construir uma ecologia mais anti-opressiva e descolonial:

  • Descolonize sua mente para incluir várias maneiras de conhecer e comunicar ciência;
  • Conheça suas histórias para reconhecer o papel que a pesquisa desempenhou em possibilitar a violência colonial e contínua contra os povos e a natureza e iniciar processos de justiça restaurativa;
  • Descolonize o acesso indo além dos periódicos de acesso aberto e repositórios de dados para abordar questões de soberania de dados e a dinâmica de poder da propriedade de pesquisa;
  • Descolonizar conhecimentos ampliando diversos conhecimentos em ecologias de especialistas locais e dando o devido crédito e peso a esse conhecimento ; e
  • Pratique a ecologia ética em equipes inclusivas, estabelecendo equipes de pesquisa diversificadas e inclusivas que ativamente desconstruam os preconceitos, para que todos os membros da equipe sejam participantes habilitados no desenvolvimento de novos conhecimentos.

“Essas ações não são oferecidas como uma lista de verificação capaz de desfazer sistemas injustos em todo o mundo, nem de ofuscar longas histórias de luta anticolonial e anti-racista baseada em lugares, mas como pontos de conexão para ação para ecologistas praticantes”, disse o Dr. Chris Trisos , da Iniciativa de Desenvolvimento e Clima da África com base na Universidade da Cidade do Cabo e coautora do artigo Decoloniality and anti-oppressive Practices for a More Ethics Ecology.

“Como os processos coloniais de colonos aumentaram a vulnerabilidade das pessoas e outras espécies, deslocando-as para paisagens desconhecidas ou de qualidade inferior, o conceito de vulnerabilidade ecológica às mudanças ambientais se cruza com a justiça ambiental”, acrescentou

A coautora Dra. Jess Auerbach, do Departamento de Antropologia da North-West University, compartilhou que o acesso à literatura acadêmica e aos recursos de dados é um problema global. Dados e documentos de pesquisa costumam ficar bloqueados por acesso pago ou alojados em servidores e museus no Norte Global, mesmo quando os dados coletados são do Sul Global. “Isso o torna inacessível para acadêmicos de instituições com poucos recursos, que muitas vezes são obrigados a usar sites piratas para ler publicações científicas. Publicar apenas recursos de acesso aberto é parte da solução, mas os problemas são muito mais profundos e deve-se considerar onde os repositórios de dados são detidos, quem detém o direito a esses dados e o que é necessário para acessá-los “, disse ela.

Uma área que os pesquisadores destacam é o uso do inglês como a forma dominante de comunicação do conhecimento em ciências, o que pode levar a um viés de publicação contra cientistas não nativos de língua inglesa. Quando se lê, escreve e pensa em inglês, é fácil esquecer que para a maioria das pessoas o conhecimento ecológico é produzido e testado em outras línguas. É irônico que em muitos departamentos de ecologia, saber nomes latinos de espécies seja recebido com admiração, enquanto falar línguas vivas de locais de origem de dados é uma habilidade “agradável de se ter”.

Os estudos ecológicos devem, portanto, desenvolver métodos para incluir vários idiomas na síntese de evidências e pode exigir que os estudiosos ganhem fluência em idiomas relevantes como um ponto de entrada essencial para a compreensão de corpos ricos de conhecimento local sobre ecossistemas e cultivar uma forma mais inclusiva de conhecer e estudar ecologia. Equipes mais inclusivas também são necessárias para liderar esses projetos e desconstruir ativamente os preconceitos. Equipes diversificadas que incluem e amplificam as vozes das comunidades indígenas resultam em soluções de problemas mais inovadoras e eficazes e conjuntos de dados mais ricos.

O professor associado Madhu Katti, coautor da Universidade Estadual da Carolina do Norte, nos EUA, compartilhou um exemplo: “A Equipe de Conservação da Amazônia trabalha com comunidades indígenas em vários países da América do Sul em projetos participativos para promover a auto governança e a conservação da biodiversidade. Eles desenvolveram uma metodologia de mapeamento cultural colaborativo, fornecendo tecnologia, como telefones celulares e aplicativos para comunidades indígenas.

O povo Kogi, uma das últimas civilizações sobreviventes do período pré-colombiano, começou a usar um aplicativo para celular para criar mapas georreferenciados de suas terras dentro da estrutura de seu próprio conhecimento cultural, resultando em um conjunto de dados mais rico do que um ecologista ou conservacionista ocidental ‘em para-quedas’ seria capaz de reunir.

“A análise da mudança nos sistemas socioecológicos deve considerar os impactos das histórias coloniais e oferecer soluções em uma estrutura descolonial. Mais oportunidades para grupos historicamente marginalizados definirem agendas de pesquisa é uma forma importante de corrigir os desequilíbrios de poder em curso”, acrescentou.

Referência:

Trisos, C.H., Auerbach, J. & Katti, M. Decoloniality and anti-oppressive practices for a more ethical ecology. Nat Ecol Evol (2021). https://doi.org/10.1038/s41559-021-01460-w

 

Henrique Cortez, tradução e edição, a partir de original da University of Cape Town

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 24/05/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top