Portal EcoDebate: Índice da edição nº 1.309, de 30/03/2011

Fenômeno La Niña, artigo de Roberto Naime A lição dos acontecimentos no Japão, artigo de Maurício Gomide Martins Sobre o urânio de Caetité Ibama multa em R$ 44 mil por dia município e prefeito de Belém pelas irregularidades ambientais no aterro do Aurá MPF/PA: Eletronorte se recusa a cumprir sentença em favor de índios atingidos pela usina de Tucuruí MPF/PB recomenda suspensão de licença de operação de termoelétrica em Campina

Fenômeno La Niña, artigo de Roberto Naime

[EcoDebate] O fenômeno La Niña corresponde ao resfriamento anômalo da superfície do mar, na região equatorial do centro e leste do oceano Pacífico. Isso eleva a pressão da região, com a geração de ventos alíseos mais intensos. A duração do fenômeno também é de 12 a 18 meses. Este fenômeno metereológico produz menos danos que o El Niño. Como conseqüência de La Niña, as frentes frias que atingem o sul do

A lição dos acontecimentos no Japão, artigo de Maurício Gomide Martins

[EcoDebate] Defendemos a tese de que os trágicos acontecimentos naquele país, na sua expressão maior, não são de natureza natural. Reafirmamos que tais ocorrências em que se perderam muitas vidas e bens materiais são conseqüência da aplicação extensa dos objetivos equivocados na atual civilização. Excesso de conforto. Esse meio cultural, em que estamos todos imersos, comprometidos e seduzidos pelos chocalhos reluzentes dos confortos materialistas, mostra que amamos mais as atitudes tecnológicas

Sobre o urânio de Caetité

[Por Zoraide Vilasboas, para o EcoDebate] A noticia da demissão dos dirigentes da Comissão Nacional de Energia Nuclear repercutiu como uma bomba hoje na Bahia, onde em julho do ano passado, pela primeira vez, dirigentes do Sindicato dos trabalhadores da Unidade de Concentrado de Urânio de Caetité, falaram publicamente contra o setor nuclear brasileiro e, em entrevista na Rádio Educadora revelaram o que se sabia a “boca-pequena”, que a Unidade

Ibama multa em R$ 44 mil por dia município e prefeito de Belém pelas irregularidades ambientais no aterro do Aurá

O Ibama aplicou, nesta terça-feira, multas diárias de R$ 40 mil à prefeitura e R$ 4 mil ao prefeito de Belém pelas irregularidades ambientais no aterro do Aurá, no Pará. As autuações foram tanto pelo aterro funcionar sem licença ambiental como por lançar resíduos sólidos a céu aberto sem o devido tratamento. As multas diárias só se interrompem com a implantação, pelo município, do

MPF/PA: Eletronorte se recusa a cumprir sentença em favor de índios atingidos pela usina de Tucuruí

O processo judicial chegou ao fim mas a empresa entrou com recurso protelatório alegando que não tem os dados para comprar as terras indicadas pela Justiça O Ministério Público Federal no Pará (MPF/PA) mandou manifestação à Justiça pedindo que a Eletronorte seja obrigada imediatamente a comprar terras para compensar a área que os índios akrãnkykatejês, conhecidos como gavião da montanha, perderam com a construção da usina hidrelétrica de Tucuruí. O caso tramita

MPF/PB recomenda suspensão de licença de operação de termoelétrica em Campina Grande

Sudema e empresa responsável têm dois dias para informar se acolheram a recomendação e que providências foram tomadas O Ministério Público Federal em Campina Grande (PB) recomendou nesta terça-feira, 29 de março, que a Superintendência de Administração do Meio Ambiente da Paraíba (Sudema) suspenda a licença prévia e a licença de operação de usina termoelétrica em Campina Grande, até que seja apresentado o estudo de impacto ambiental e o relatório de

Indígenas peruanos tomam ação contra madeireiros na Amazônia

Potes de cerâmica encontrados na reserva Isconahua são provas da presença desses índios isolados. © Villacorta Pepe / ProNaturaleza Indígenas peruanos foram obrigados a montar um posto de guarda para proteger uma reserva de índios isolados, depois que as autoridades ignoraram seus pedidos repetidos para que uma ação fosse tomada. A reserva Isconahua na fronteira Peru-Brasil foi criada com o apoio da organização indígena amazônica do Peru, AIDESEP, para proteger os

Índice indica vulnerabilidade de municípios fluminenses às mudanças climáticas

Como os municípios do Rio de Janeiro estão se preparando para essas mudanças e qual o grau de exposição de cada um nos próximos 30 anos? Para responder a estas perguntas, a Fiocruz fez um estudo encomendado pela Secretaria Estadual de Ambiente e o Inea Se até 2040 o panorama climático do planeta se mantiver no rumo atual, com a continuada liberação de gás carbônico na atmosfera, especialistas

Inventário vai indicar fontes de emissões por poluentes orgânicos persistentes

São 21 Poluentes Orgânicos Persistentes de que tratam a Convenção de Estocolmo, ratificada pelo Brasil em 2004. Inventário será fundamental para decidir sobre as ações a serem executadas pelo governo. A queima de lixo ou de pneus a céu aberto causa mais do que a poluição do ar. Esses tipos de combustão geram dioxinas e furanos - substâncias que provocam doenças como o câncer nas pessoas e também afetam a vida

Escola Politécnica (Poli) da USP desenvolve rotor nacional para produção de energia eólica

Uma equipe de pesquisadores do Núcleo de Energias Renováveis da Escola Politécnica (Poli) da USP está desenvolvendo um rotor aerodinâmico integralmente nacional para turbinas eólicas de 10 quilowatts. O equipamento é ideal para gerar energia elétrica em áreas isoladas, que não dispõem de rede de transmissão. Liderado pela professora Eliane Aparecida Faria Amaral Fadigas, do Departamento de Energia e Automação Elétricas da Poli,

Participantes do 2º Simpósio de Mudanças Climáticas divulgam Carta Compromisso

Os participantes do 2º Simpósio Nacional de Mudanças Climáticas e Justiça Social, que aconteceu no Jardim Ingá (GO), de 14 a 16, divulgaram, ao final do encontro, uma Carta Compromisso no qual se dizem “preocupados” com o futuro do planeta. Na Carta, os participantes dizem tentar compreender o que se passa com o planeta Terra, “preocupados com os desastres socioambientais que afetam cada vez mais a vida e provocam mortes de

‘Queremos água ou mineração? Vida ou degradação?’ Entrevista com Ruben Siqueira, CPT/BA

“É preciso mineração? Claro que sim. Mas a expansão da mineração a esse custo para atender uma demanda que vem de outros países é um desrespeito”, afirma o militante social. Confira a entrevista. Além de sofrer grandes consequências em função da transposição do seu curso de água, o rio São Francisco também está sendo condenado pela contaminação dos rejeitos de chumbo, cádmio e cobre resultantes da exploração minerária

Dois modelos em disputa no Cerrado: agroecologia e agronegócio

Populações tradicionais se mobilizam pelo direito à terra e a uma produção que respeite o meio ambiente e promova a saúde Durante os dias 15, 16 e 17 de março, geraizeiros , quilombolas, indígenas, pesquisadores, agrônomos, comunicadores e militantes de movimentos sociais participaram da Oficina Territorial Diálogos e Convergências do Norte de Minas Gerais, na cidade de Montezuma (MG). A exemplo das atividades já realizadas no pólo de

Danielly Palma: Contaminação do leite materno por agrotóxicos é alarmante

A repórter Manuela Azenha esteve em Cuiabá, Mato Grosso, onde assistiu à defesa de tese da pesquisadora Danielly Palma. A ela coube pesquisar o impacto dos agrotóxicos em mães que estavam amamentando na cidade de Lucas do Rio Verde. A seguir, o relato: Lucas do Rio Verde é um dos maiores produtores de grãos do Mato Grosso, estado vitrine do agronegócio no Brasil. Apesar de apresentar alto IDH (índice de desenvolvimento

Degradação ambiental faz desertificação avançar sobre Minas Gerais

Em 20 anos, 1/3 das terras do Estado será improdutiva se não houver controle sobre fatores como desmatamento Um terço do território mineiro corre o risco de virar deserto se nada for feito para combater a degradação do solo. A ameaça, que pode se concretizar em 20 anos, recai sobre 142 municípios que ocupam 177 mil quilômetros quadrados na Região Norte e nos vales do Jequitinhonha e Mucuri, onde predominam os

O aumento da incidência dos desastres naturais, artigo de Marco Antonio Rocha

[O Estado de S.Paulo] Dentro em breve os estudos sobre a viabilidade econômica de um país talvez não repousem apenas na fórmula clássica: recursos materiais abundantes, recursos humanos qualificados, extensão territorial, etc. Poderão incluir - e há quem já diga, deverão incluir - uma medição da propensão do país a sofrer desastres naturais e da proporção que esses desastres podem assumir na economia estudada. Mesmo antes do terremoto/maremoto que varreu o

Alemanha: fim da energia nuclear ganha força no governo Merkel

Antes a favor das usinas nucleares, coalizão de governo agora debate o fechamento das centrais alemãs. Merkel diz que o desastre no Japão a fez repensar suas posições sobre os riscos da energia atômica. A coalizão de governo alemão aparentemente quer ganhar de volta a confiança do eleitorado com uma rápida desativação da energia nuclear do país. O secretário-geral do Partido Liberal (FDP), Chris Lindner, pediu nesta terça-feira (29/03) o desligamento

Top