Votação de projeto que aumenta pena para trabalho escravo é adiada na Câmara

O Projeto de Lei nº 5016 de 2005, que torna mais clara a definição do trabalho escravo e aumenta a pena para quem pratica esse tipo de crime, seria votado ontem (26) na Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público da Câmara, mas foi retirado da pauta. Matéria de Amanda Cieglinski, da Agência Brasil, publicada pelo EcoDebate. O deputado federal Vicentinho (PT-SP) pediu mais tempo para analisar a proposta. Depois da

Movimentos sociais pedem apoio do BNDES para pequenos agricultores

Movimentos sociais, centrais sindicais e ambientalistas, apoiados por parlamentares, realizaram ontem (26) ato público na sede do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no Rio de Janeiro, em repúdio aos financiamentos da instituição ao agronegócio e contra a expansão de monoculturas no estado. Matéria de Alana Gandra, da Agência Brasil, publicada pelo EcoDebate. Os manifestantes integram a Rede Alerta Contra o Deserto Verde Fluminense e do Espírito Santo, que

Casa Nova, BA: Juiz volta atrás em decisão que beneficiava empresários em grilagem de terras

Ontem (26), durante audiência pública que terminou há pouco, o juiz do município de Casa Nova (BA), Eduardo Ferreira Padilha, voltou atrás na decisão que beneficiava a dois empresários pela posse de aproximadamente 30 mil hectares de terras e determinava a expulsão de mais de 300 famílias. A decisão inusitada foi comemorada pelos trabalhadores com festa e uma passeata pelas ruas da cidade. Matéria de Clarice Maia, Articulação Popular São

Problema ambiental trava início de 6 usinas do PAC

As seis hidrelétricas que, segundo o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), deveriam começar a ser construídas neste ano têm problemas ambientais para sair do papel. Nenhuma tem licença de instalação e três nem têm a licença prévia, informou a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica). Uma delas está oficialmente adiada para 2009. A reportagem é de Humberto Medina e publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 26-03-2008. Preocupado com esse

Um estudo inédito da USP calcula que Angra 3 só seria viável com subsídios ocultos de R$ 4 bilhões

O custo do átomo - O governo federal vem dando sinais de que pretende retomar o investimento em energia nuclear. No ano passado, autorizou o reinício das obras da usina nuclear de Angra 3, no litoral do Rio de Janeiro. O empreendimento foi aprovado pelo Conselho Nacional de Políticas Energéticas (CNPE). “A decisão de construir Angra 3 e as discussões que estamos tendo sob a coordenação da Casa Civil mostram

MP denuncia 35 por desmatamento em Tailândia-PA

BELÉM - O Ministério Público do Pará denunciou hoje à Justiça 35 acusados de integrar uma quadrilha que em menos de um ano destruiu as últimas reservas florestais de Tailândia, município hoje ocupado por 300 homens da Força Nacional de Segurança que combatem crimes ambientais na região. Conhecidos por "sem-toras", os acusados invadem terras, expulsam empregados das fazendas, derrubam as árvores e vendem a madeira para empresas clandestinas que atuam

mineração em terras indígenas: Eldorado ameaçado

O Congresso Nacional nunca demonstrou empenho em reformular o Estatuto do Índio, em vigor desde a ditadura. Há 14 anos, mofa em alguma gaveta do Parlamento o projeto de lei que prevê a modernização do estatuto. Mas nada como os interesses comerciais para mover as engrenagens de Brasília. Por iniciativa de um grupo de deputados, ao menos um dos capítulos previstos no projeto pode ir a votação neste ano: o

As Águas do Cariri, artigo de Roberto Malvezzi (Gogó)

[EcoDebate] As imagens do Ceará e Paraíba se afogando em águas chama a atenção. Há muitos anos atrás, dois compositores cearenses – Nelinho e Gordurinha - criaram “Súplica Cearense”, um dos mais belos clássicos da música nordestina. Ao contrário das demais que abordam os problemas da seca da região, essa abordava o excesso de águas. Mais tarde Patativa do Assaré cria “Seca D’Água”, dizendo em um de seus versos que

A culpa é mesmo nossa, artigo de Nelito Fernandes

[Época] Meu pai morreu de dengue. Ele tinha 66 anos, conseguiu a proeza de chegar vivo até a aposentadoria, mesmo sendo policial civil no Rio de Janeiro. Meu pai começou a trabalhar com 9 anos de idade e já sobrevivera a dois aneurismas cerebrais e a quatro tiros. Apesar da vida castigada, era um homem forte, de ombros largos. Morreu no início do mês por causa de um mosquito que

Top