Assentar os acampados é reconhecê-los cidadãos, artigo de Osvaldo Russo

    O ministro do Desenvolvimento Agrário, Patrus Ananias, tomou posse com grande expectativa dos movimentos sociais e anunciou, entre as prioridades de sua gestão, a reforma agrária e o assentamento das famílias acampadas no Brasil. Decidir acampar na beira da estrada e permanecer nela durante tempo indeterminado não é alternativa fácil de seguir. Importa em sacrifício e risco para a família – homens, mulheres, crianças, adolescentes, jovens e idosos. Os movimentos sociais,

Indicação de Kátia Abreu reforça opção do Governo Dilma pelo agronegócio. Entrevista com Gerson Teixeira

  “As afirmações da ministra refletem o pensamento conservador que decreta a intempestividade da reforma agrária ante a realidade rural da atualidade”, destaca o agrônomo. Foto: ebc.com.br Passados 12 anos do governo petista, pouco ou quase nada se avançou no tema reforma agrária. Agora, em nome do presidencialismo de coalizão, o novo governo Dilma inicia com aliados que sempre foram ícones na defesa do agronegócio – vide a ministra da Agricultura Kátia Abreu. Diante

MA: Reforma agrária e o fim de uma infâmia, por Adalberto Franklin

    [Por Adalberto Franklin, em Territórios Livres do Baixo Parnaíba] Um dos cenários sociais mais constrangedores no município de Imperatriz está com os dias contados para acabar. Os trabalhadores rurais do acampamento Viva Deus, próximo ao povoado Petrolina, na beira da Estrada do Arroz, onde 110 famílias estão acampadas há mais de uma década em casas de taipa e palha, sem água nem energia elétrica, devem tomar posse de parte da

Nota da CPT: Balanço da Reforma Agrária 2014 e do primeiro mandato da Presidenta Dilma Rousseff

A Comissão Pastoral da Terra – Regional Nordeste II divulga o balanço da Reforma Agrária do ano de 2014 e do primeiro mandato da Presidenta Dilma Rousseff. Confira a análise na íntegra:   No último ano do primeiro mandato, Dilma Rousseff deixa sua marca na questão agrária: foi a presidenta que menos desapropriou terras e assentou famílias para a Reforma Agrária; menos demarcou os territórios  Indígenas, Quilombolas e de diversas populações tradicionais;

MST defende reforma agrária com ênfase na agroecologia

      Durante o debate Mesa de Controvérsias sobre Terra e Território, promovido ontem (4) pelo Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea), o integrante do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Gilmar Mauro, defendeu que a reforma agrária no país deve ser pensada de acordo com um novo modelo que dê ênfase à agroecologia e à sustentabilidade ambiental. “Temos que discutir que tipo de uso queremos dar à água, ao solo

Reforma Agrária: Carta Aberta da CPT à presidenta Dilma Rousseff

    Para a Sra. Presidenta da República Dilma Rousseff Excelentíssima Senhora, A Comissão Pastoral da Terra, CPT, reunida em Conselho Nacional, em Luziânia-GO, entre 27 e 29 de outubro de 2014, dirige-se respeitosamente a V. Excia. para, em primeiro lugar, parabenizá-la pela reeleição e desejar-lhe um novo mandato profícuo e benéfico para toda a nação brasileira, de modo especial para os menos favorecidos, já que foram estes a maioria dos que a reelegeram. Por

A situação da Reforma Agrária, os políticos e a urgência de soluções

    Caros amigos e amigas do MST, Viemos a sua presença para lhes informar alguns fatos recentes muito importantes que aconteceram na luta pela Reforma Agrária brasileira, e a situação no campo em geral. Nos últimos anos, o capital vem implementando o modelo de produção agrícola do agronegócio, que temos denunciado como perverso para os interesses do povo brasileiro. Um modelo baseado na monocultura, no uso intensivo de venenos, que contamina os alimentos,

Saiba o que os(as) candidatos(as) à Presidência propõem sobre reforma agrária

    Propostas relacionadas à reforma agrária não ocupam muito espaço nos programas de governo apresentados pelos candidatos à Presidência. A reorganização do campo é uma das propostas de maior consenso e aparece na maior parte dos programas de governo apresentados à Justiça Eleitoral. Outros destaques são a construção de assentamentos, o fim de conflitos agrários e a defesa pela expropriação de grandes propriedades.   Saiba o que os candidatos propõem sobre reforma agrária: Aécio

Carta do MST aos candidatos e canditadas à Presidência da República

    Confira Nota da Direção Nacional do MST aos candidatos e candidatas à Presidência da República e aos governos estaduais, analisando a situação dos camponeses, Sem Terra, exigindo mudanças econômicas, sociais e estruturais para que se cumpra uma Reforma Agrária de fato:   CARTA DO MST AOS CANDIDATOS E CANDIDATAS Os períodos eleitorais devem ser momentos de debate sobre as grandes questões estruturais da sociedade brasileira, apontando a natureza de nossos problemas e as

Nota pública da CPT sobre o período eleitoral – Onde está a Reforma Agrária?

    A CPT vem a público manifestar sua análise sobre o período eleitoral, o perfil e os planos de governo dos principais candidatos, trazendo como maior questionamento, “Onde está a Reforma Agrária” no futuro desses possíveis governantes?  Onde está a Reforma Agrária A Diretoria e a Coordenação Executiva Nacional da Comissão Pastoral da Terra, após denunciar no início da semana passada a onda de violência que se abateu sobre os trabalhadores e trabalhadoras

Governo destina 3,28 milhões de hectares para áreas de preservação e reforma agrária

    O Programa Terra Legal do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) destinou 3,28 milhões de hectares de terras federais no Acre, Amazonas, Pará e em Rondônia para a reforma agrária e para a conservação do meio ambiente. O ministro do Desenvolvimento Agrário, Miguel Rosseto, ressaltou que a decisão anunciada ontem (27) colabora para a estabilidade fundiária na Amazônia Legal e informa que foram respeitadas as regras para a transferência de titularidade. “Nós estamos

Rio: Feira da Reforma Agrária leva alimentos saudáveis do campo para a cidade

  O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) realiza, no Largo da Carioca, a 5ª Feira Estadual da Reforma Agrária. Fotos: Cícero Guedes e Tânia Rêgo/Agência Brasil  O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) promove, desde ontem (24), a 5ª Feira Estadual da Reforma Agrária Cícero Guedes, no Largo da Carioca, centro da capital fluminense. O objetivo é mostrar ao consumidor o que é produzido nas áreas de assentamento e

Com o selo da Reforma Agrária, assentamentos plantam e colhem de tudo pelo país

  Por Vitor Nuzzi Da Revista do Brasil Seu Antônio carpina a terra. São 60 anos de experiência – aos 8, começou a ajudar os pais. Já foi meeiro, hoje é assentado. “Nunca trabalhei empregado em firma”, conta Antônio Paulino Santo, que trabalha na Agrovila III, uma área de assentamentos em Itapeva, no sudoeste paulista, a 270 quilômetros da capital e já perto da divisa com o Paraná. Sete agrovilas espalhadas na região

Internacionalismo camponês, artigo de Esther Vivas

    [EcoDebate] Terra, água e sementes são imprescindíveis para cultivar e comer. Ou alimentos para a maioria ou dinheiro para a minoria, esta é a questão. A Via Campesina, o maior movimento internacional de pequenos agricultores, trabalhadores rurais e camponeses sem terra, reivindica-o dia a dia. No dia internacional da luta camponesa, 17 de abril, recordamos a sua história. Combatendo a globalização alimentar A globalização alimentar, desenhada por e para a agroindústria e

GO: Assentada monta único abatedouro da região a fornecer aves para a alimentação escolar

  A trabalhadora rural Romilda Borges Rezende da Silva, moradora do assentamento Rio Paraíso, no município de Jataí (GO), superou todas as exigências burocráticas e implantou, sozinha, o primeiro abatedouro de frango da região administrado por agricultores familiares. Desde o ano passado ela é a única assentada a fornecer aves abatidas, limpas e embaladas a cerca de 40 escolas municipais de Jataí, por meio do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). Trabalhando

Pequenos agricultores sofrem pressão para abandonar terra, diz pesquisadora

    Os pequenos agricultores e as comunidades tradicionais brasileiras sofrem constante pressão para abandonar a terra. Isso ocorre porque ela é um bem valioso, disputado com o agronegócio e seus interesses, e ainda, em razão de dificuldades econômicas e falta de políticas públicas que assegurem a permanência no campo, como oferta de saúde e de educação. A avaliação é da pesquisadora Leonilde Medeiros, professora da Universidade Federal Rural do Rio de

Assentados são exemplos na venda de produtos para o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA)

    As vaquinhas Crioula e Moeda são como tesouros para o seu Astrô, como é conhecido o agricultor familiar Astrogercilio Pinto de Almeida no Assentamento Pequeno Willian, na região rural de Planaltina, no Distrito Federal. Os animais foram comprados com o dinheiro da venda de produtos para o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) do governo federal, que ajuda a sustentar a família: mulher e seis filhos. “Já deu para comprar

MST alfabetizou mais de 50 mil trabalhadores em 30 anos

  Foto: Marcos Santos/USP Imagens   Da Página do MST O acesso à educação é um direito humano fundamental. Desde a retomada da luta pela terra, em 1984, no Acampamento da Encruzilhada Natalino, no Rio Grande do Sul, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) busca garantir que os acampados e assentados tenham acesso à educação pública, gratuita e de qualidade em todos os níveis.   Mais de 50 mil pessoas já aprenderam a ler

João Pedro Stédile: ‘Avanço do capital no campo impede a reforma agrária’

    Por Mário Augusto Jakobskind, no jornal da ABI.   Para João Pedro Stédile, reforma agrária avançou menos na gestão Dilma do que no governo do General Figueiredo. “Em entrevista exclusiva concedida ao site e jornal da ABI, o coordenador geral do MST, João Pedro Stédile, revela como as multinacionais Monsanto, Cargill, Bungue, Adm e Dreyfuss agem sobre a agricultura brasileira, hoje sob o predomínio do agronegócio. Além de fazer uma análise crítica sobre o

Turma de técnicos e técnicas em meio ambiente homenageia Josué de Castro e perpetua suas ideias

    Josué de Castro, mais conhecido como o geógrafo da fome, afirmava que a fome não era um problema natural, ou seja, não dependia nem era resultado dos fatos da natureza, mas sim, era fruto de ações dos homens, de suas opções, da condução econômica que condicionava a sociedade. No dia 12 de dezembro de 2013, as ideias de Josué de Castro foram pactuadas por 23 formandos do Curso Técnico em

Top