Derretimento do permafrost (solo congelado) pode liberar dobro de carbono na atmosfera

  Pesquisador diante de permafrost descongelado, na região costeira de Herschel Island, Yukon, no extremo noroeste do Canadá (Foto: Michael Fritz / UNEP)   Permafrost tem 1.700 Gt de carbono na forma de matéria orgânica congelada, mostra estudo O permafrost, solo permanentemente congelado que cobre quase um quarto do Hemisfério Norte, está derretendo por conta do aquecimento global e seu desaparecimento pode piorar ainda mais a concentração de gases de efeito estufa na atmosfera.

Thawing of Permafrost Expected to Cause Significant Additional Global Warming

  O permafrost, solo permanentemente congelado que cobre quase um quarto do Hemisfério Norte   Policymakers and Climate Scientists Must Monitor and Prepare for Large Carbon Dioxide and Methane Emissions from Permafrost, Says UNEP Report Permafrost covering almost a quarter of the northern hemisphere contains 1,700 gigatonnes of carbon, twice that currently in the atmosphere, and could significantly amplify global warming should thawing accelerate as expected, according to a new report released today by

Agência Espacial Europeia observa sinais de degelo do permafrost no Ártico

  Infográfico da Agência Espacial Europeia (ESA) A Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês) informou nesta terça-feira que seus satélites permitiram observar sinais de degelo do permafrost, tipo de solo encontrado no Ártico, em um processo que libera gases do efeito estufa e agrava os efeitos da mudança climática. Matéria da EFE. A agência detalhou que embora não possa medir diretamente do espaço o permafrost, a camada que por definição permanece

Degelo do permafrost, no Ártico, acelera aquecimento mais do que o previsto

  Derretimento de solo permanentemente congelado libera carbono. Artigo foi publicado pela revista 'Nature'. Mapa da área de permafrost no Ártico. Fonte: Wikipedia O degelo do permafrost, solo permanentemente congelado do Ártico, pode acelerar o aquecimento global mais do que o previsto, afirmou nesta quarta-feira (30) um grupo de cientistas, em artigo [Climate change: High risk of permafrost thaw] publicado pela revista "Nature". Matéria da France Presse. Por volta do ano de 2100, o

Descongelamento do permafrost: Emissões de metano do Ártico saltam 30% em 4 anos

Esta foi a região do mundo que teve maior aumento de emissão; fato pode indicar descongelamento As emissões de um potente gás causador do efeito estufa pela região ártica saltou 30% em anos recentes, num preocupante sinal de que o aquecimento global poderá liberar enormes estoques de metano aprisionados no solo congelado, dizem cientistas. "Ainda é cedo para dizer que se trata de uma tendência, mas se continuar desse jeito, haverá sérias

ScienceBlogs Brasil ‘Chi vó, non pó’: Pesquisadores predizem que o derretimento do permafrost vai inten­sificar as mudanças climáticas

[ Arctic Tundra May Contribute to Warmer World ] As áreas com permafrost derretem, mais carbono antigo é liberado e o equilíbrio do carbono muda. Crédito e imagem ampliada Um estudo publicado na edição de 28 de maio da Nature ajuda a definir a contri­buição potencial do derretimento do permafrost para o aumento das concen­trações atmosféricas de carbono, que já alcançaram níveis sem precedentes. "Em um trabaho anterior nós estimamos que o derretimento geral

O derretimento do permafrost Ártico é uma ‘bomba relógio’ climática

Poucas pessoas compreendem com clareza os riscos climáticos da emissão de metano pelo derretimento do permafrost. Este é um dos temas mais discutidos e avaliados nas mais recentes pesquisas e, ainda assim, está distante do grande público em termos de compreensão. O blog GREENSPACE, do Los Angeles Times, mostra, no post "Katey Walter and the 'Methane Time Bomb'" um vídeo produzido pela bióloga Katey Walter, mostrando claramente o significado do potencial

Descongelamento do permafrost pode liberar dobro da quantidade de carbono na atmosfera

Pesquisa realizada Ted Schuur, professor de ecologia da Universidade da Flórida (University of Florida, Gainesville), publicada na revista Bioscience, afirma que o permafrost do hemisfério norte contém mais do dobro da quantidade de carbono na atmosfera, tornando-se um enorme contribuinte potencial para as mudanças climáticas, dependendo da forma com que este carbono for liberado. Por Henrique Cortez*, do EcoDebate. 4221

O futuro climático depende do controle social das decisões de investimento

  O futuro climático depende do controle social das decisões de investimento; análise de Luiz Marques (IFCH/Unicamp) Do Acordo de Paris à COP 26. O que nos diz o dinheiro Texto Luiz Marques | Instituto de Filosofia e Ciências Humanas Fotos Divulgação Pixabay Edição de imagem Renan Garcia   “Quase tudo o que compreendemos hoje sobre o aquecimento global já era compreendido em 1979.” Nathaniel Rich [1] Há pouco mais de 40 anos, em 1979, dois eventos marcaram a

Mudanças climáticas impulsionam ondas de frio e calor extremos

  Mudanças climáticas impulsionam ondas de frio e calor extremos Inúmeras são as consequências advindas das ações humanas, sejam no campo da ciência, tecnologia, do urbanismo ou na natureza. E, de um modo geral, elas impactam diretamente o meio ambiente: as ondas de calor intensa, as chuvas carregadas, o ar seco, as queimadas e as enchentes são fortes exemplos dos efeitos das intervenções humanas. Segundo o Prof. Dr. Franco Bonetti, coordenador dos cursos

Ultrapassar pontos de não retorno aumentaria impactos econômicos da mudança climática

  Ultrapassar pontos de não retorno aumentaria impactos econômicos da mudança climática O risco de ultrapassagem de pontos de não retorno no sistema climático - os chamados tipping points - poderia aumentar em cerca de 25% o custo econômico dos danos causados pela mudança climática em comparação com projeções anteriores. A estimativa reflete o cenário principal de um estudo publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences . Instituto ClimaInfo Pontos de não

IPCC relata que as mudanças climáticas são reais – Conheça as principais conclusões do relatório

  IPCC relata que as mudanças climáticas são reais - Conheça as principais conclusões do relatório Novo relatório do IPCC diz que influência humana no clima é “inequívoca” e que aumento de temperatura pode superar 1,5 ºC já em 2040. Muitos efeitos são irreversíveis, mas ainda há tempo de evitar o pior Por Herton Escobar / Arte: Lívia Magalhães / Jornal da USP As mudanças climáticas são reais, causadas pelo homem, estão se intensificando numa

IPCC AR6 WGI – Síntese principais conclusões do relatório

  IPCC AR6 WGI - Síntese principais conclusões do relatório Os cientistas não têm dúvidas de que as atividades humanas aqueceram o planeta. Mudanças rápidas e generalizadas ocorreram no clima do planeta e alguns impactos estão agora se concretizando Climate Change 2021: the Physical Science Basis (Mudança Climática 2021: a Base da Ciência Física) Hoje, a 54ª sessão do IPCC aceitou o trabalho do muito esperado Resumo para Formuladores de Políticas (SPM) da contribuição

EcoDebate: Índice da edição nº 3.718, de 03/08/2021

  EcoDebate: Índice da edição nº 3.718, de 03/08/2021 Revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394 Texto e Áudio O que o mangue pode ensinar às crianças Degelo do permafrost libera gases de efeito estufa do subsolo Estudo indica que combate às mudanças climáticas pode fortalecer agenda de desenvolvimento Entenda a relação entre a COVID-19 e a presença de tromboses Sobrepesca prejudica gravemente áreas marinhas protegidas em todo o mundo Inseticidas neonicotinóides em qualquer quantidade são prejudiciais para as abelhas Chuvas tornam-se

Pesquisas sobre aquecimento global e mudanças climáticas, de 25 a 30/06/2021

  Pesquisas sobre aquecimento global e mudanças climáticas, de 25 a 30/06/2021 Aquecimento dos oceanos e a perda de corais podem reduzir mais de 40% na diversidade de peixes de recife / Eventos extremos: os ecossistemas oferecem proteção econômica / Dados revelam aumento alarmante de gases de efeito estufa / Glaciares no topo de montanhas dos trópicos estão desaparecendo em todo o mundo / Degelo do permafrost ameaça a infraestrutura do Alasca Aquecimento

EcoDebate: Índice da edição nº 3.692, de 25/06/2021

  EcoDebate: Índice da edição nº 3.692, de 25/06/2021 Revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394 Texto e Áudio O que é preciso para viabilizar a recuperação dos ecossistemas proposta pela ONU? Ir às ruas para salvar vidas Degelo do permafrost ameaça a infraestrutura do Alasca A elevação do nível do mar e o impacto no litoral brasileiro Livro digital gratuito expõe os prejuízos econômicos da mudança climática Nota do MPF reafirma inconstitucionalidade de mineração em terras indígenas Covid-19: Estudo revela que

EcoDebate: Índice da edição nº 3.668, de 24/05/2021

  EcoDebate: Índice da edição nº 3.668, de 24/05/2021 Revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394 Texto e Áudio Brasil tem taxa de mortalidade maior do que G-7, BRICS e os 10 países mais populosos Justiça Climática para a América Latina e o Caribe Lei de Segurança Nacional como estratégia de intimidação judicial Câmeras fotográficas flagram jaguatiricas caçando nas florestas do Legado das Água Estado de Rondônia abre caminho para danos irreversíveis no meio ambiente FMI passa a incluir mudança climática

Aquecimento ártico é três vezes mais rápido que a média global

  Aquecimento ártico é três vezes mais rápido que a média global Novas observações mostram que o aumento na temperatura média da superfície do Ártico entre 1979 e 2019 foi três vezes maior do que a média global durante este período - maior do que relatado anteriormente - de acordo com o Arctic Monitoring and Assessment Program (AMAP). Os impactos das mudanças climáticas nas comunidades, ecossistemas e espécies do Ártico, especialmente quando associados

EcoDebate: Índice da edição nº 3.665, de 19/05/2021

  EcoDebate: Índice da edição nº 3.665, de 19/05/2021 Revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394 Texto e Áudio O Plano econômico de Joe Biden e suas consequências Desdém e desmonte da ciência brasileira As veias abertas na Mata Atlântica Feedbacks de carbono do permafrost ameaçam as metas climáticas globais Segurança alimentar global: adaptação às mudanças climáticas requer novos cultivares 3°C de aquecimento levará o degelo da Antártica ao ponto de inflexão em 2060 Mudança climática responde por US$ 8 bi em

Top