Portal EcoDebate: Índice da edição nº 1.644, de 27/07/2012

  Eleições de 2012 e a participação das mulheres nas câmaras municipais, artigo de José Eustáquio Diniz Alves Infra, artigo de Montserrat Martins Quebradeiras de babaçu querem legislação federal para sobreviver no campo MPF/PA: protesto indígena em Altamira é consequência do descaso da Norte Energia com licenciamento [Áudio] Processo de transposição das embarcações no Rio Xingu é entrave nas negociações de Belo Monte Contaminação ao longo da cadeia de produção compromete

Eleições de 2012 e a participação das mulheres nas câmaras municipais, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  [EcoDebate] As mulheres conquistaram o direito de voto no Brasil em 1932. Mas não conseguiram avançar na representação municipal nos 60 anos seguintes. Em 1992, o percentual feminino nas Câmaras Municipais ficou em apenas 7,4% do total de vereadores do país. Para mudar esta situação de déficit democrático de gênero, o Congresso Nacional aprovou em setembro de 1995 – logo após a 4ª Conferência Mundial das Mulheres ocorrida em Beijing, capital

Infra, artigo de Montserrat Martins

  [EcoDebate] Frear pedágios abusivos é a mais popular medida do governo gaúcho até agora e mesmo se as concessionárias forem à Justiça esse será um bom debate, necessário, melhor do que deixarmos como está hoje. E que leva a uma questão ainda mais importante, nosso modelo de transportes e toda a infra-estrutura necessária para o desenvolvimento da economia, principalmente porque as previsões são de anos mais difíceis pela frente, a

Quebradeiras de babaçu querem legislação federal para sobreviver no campo

  Quebradeiras de babaçu. Foto do MIQCB (Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu) Diante de dificuldades de manter as atividades de coleta e quebra de coco babaçu no Piauí, Maranhão, Tocantins e Pará, as quebradeiras, principais produtores desse fruto, reivindicam a aprovação da Lei Federal de livre acesso aos babaçuais, no Congresso Nacional desde 2009. Querem também a aprovação de leis no âmbito Estadual e Municipal. Hoje as mulheres que vivem da

MPF/PA: protesto indígena em Altamira é consequência do descaso da Norte Energia com licenciamento

  Há dois dias funcionários da empresa responsável pela construção da hidrelétrica de Belo Monte estão sendo impedidos de deixar aldeia Desde 2001 o Ministério Público Federal no Pará (MPF/PA) vem alertando a Justiça que, se não cumprir as leis, o projeto da hidrelétrica de Belo Monte é um causador de conflitos em potencial. Para procuradores da República que atuam no caso, o fato de funcionários da concessionária Norte Energia estarem sendo

[Áudio] Processo de transposição das embarcações no Rio Xingu é entrave nas negociações de Belo Monte

  A falta de entendimento sobre o processo de transposição das embarcações no Rio Xingu se tornou mais um entrave nas obras da usina Belo Monte. Funcionários da Norte Energia (Nesa) seguem detidos na aldeia Muratu, em Altamira (PA), até que a empresa esclareça como será, de fato, esse processo. Indígenas pedem a presença do presidente da Nesa, Carlos Nascimento, no local. Apresentação de Graziele Bezerra, da Radioagência Nacional / ABr EcoDebate, 27/07/2012 [

Contaminação ao longo da cadeia de produção compromete qualidade do leite

  Conhecer os pontos críticos de contaminação é importante para controle da qualidade e segurança alimentar Pesquisa realizada com cinco laticínios do interior do Estado de São Paulo demonstra que ao longo da cadeia de produção do leite pasteurizado ainda existem pontos críticos de contaminação por microrganismos patogênicos, apesar de uma série de normas e cuidados para higienização e qualidade. O estudo apresenta uma visão geral da qualidade do leite, levando em

Cientistas querem associar fabricação de bioplásticos à cadeia produtiva do etanol

  Em workshop na FAPESP, pesquisadores procuram interação com a indústria a fim de viabilizar nova alternativa para uso do bagaço de cana: a fabricação de um plástico biodegradável produzido por bactérias a partir de matéria orgânica (foto:Biocycle) Com a expressiva produção brasileira de etanol, torna-se cada vez mais importante desenvolver novas alternativas de utilização para os subprodutos e resíduos da cana-de-açúcar. Uma das possibilidades consiste em associar à cadeia produtiva do

MPF e MP/SE pedem multa para prefeitura de Aracaju por descumprir acordo de fechamento do Lixão da Terra Dura

  Lixão, em foto de arquivo Valor total da multa é de R$ 29,4 milhões, referentes à multa diária de R$ 20 mil acumulada desde julho de 2008 O Ministério Público Federal em Sergipe e o Ministério Público do Estado de Sergipe ajuizaram execução contra o município de Aracaju, para cobrança da multa prevista em Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) assinado em 2006, no qual, entre outras medidas, foi acordado o fechamento

Mato Grosso lidera degradação florestal na Amazônia Legal

  Dados estão no Boletim SAD de junho, divulgado pelo Imazon Por Daniela Torezzan / Instituto Centro de Vida - ICV O Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) divulgou o Boletim do Desmatamento (SAD) referente ao mês de Junho. Segundo a organização, a partir de agora, a detecção do desmatamento e da degradação florestal será realizada em parceria com o Google, através da plataforma Google Earth Engine, o que possibilitará

‘Portaria da AGU viabiliza o modelo agroexportador do país’. Entrevista especial com Cleber Buzatto

  “A portaria abre as ‘porteiras’ das terras indígenas para que elas sejam exploradas de diversas formas seja pelo Estado brasileiro seja por empresas particulares”, aponta o secretário executivo do Conselho Indigenista Missionário – Cimi. Confira a entrevista. A portaria 303 da Advocacia Geral da União – AGU, que propõe novas regras para a demarcação das terras indígenas, “não tem fundamentação legal”, e caso seja consolidada criará uma “situação de vácuo jurídico e

O pesado custo ambiental da hidrelétrica de São Luiz do Tapajós

  A determinação do governo em levar adiante o plano de construir a última grande hidrelétrica do Brasil poderá impor um custo ambiental sem precedentes na história do país. A usina de São Luiz do Tapajós, que teria potência inferior apenas a Itaipu, Belo Monte e Tucuruí, produziria 6.133 megawatts (MW) de energia a partir da construção de uma muralha de 3.483 metros de comprimento atravessada no coração da Amazônia. A reportagem

Top