Portal EcoDebate: Índice da edição nº 1.524, de 06/02/2012

  O tempo fechou no Wall Street Journal, artigo de Efraim Rodrigues Da economia verde, @s indignad@s e os fóruns sociais, artigo de Esther Vivas A lembrança do Pinheirinho não pode 'cicatrizar', artigo de Paulo Sanda Altamira, Pará: Chegou o inv(f)erno! artigo de Antônio Claret É Lenha, artigo de Cristiano Cardoso MPF/TO requer condenação de fazendeiro por trabalho escravo SC: Dirigentes de sindicatos e empresa carbonífera são condenados por dano moral

O tempo fechou no Wall Street Journal, artigo de Efraim Rodrigues

  [EcoDebate] Escolha um ponto de vista e escolherá também amigos e inimigos. Tenho repetido em todo lugar a dura frase "– Sua opinião não me interessa !” seguida de "– E a minha também não !” para mostrar que devemos nos ater mais aos fatos que a simpatias que têm a ver com tanta coisa de cada um. A pessoa pode ter, por exemplo, simpatia por saquinhos plásticos porque lembra

Da economia verde, @s indignad@s e os fóruns sociais, artigo de Esther Vivas

  [EcoDebate] A defesa dos bens comuns, os ecosistemas e a biodiversidade é hoje um dos temas mais importantes na agenda dos movimentos sociais na América Latina e isto é precisamente o que está em jogo na Cúpula das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio+20, que terá lugar em junho de 2012 no Rio de Janeiro. O Fórum Social Temático 'Crise capitalista, justiça social e ambiental', encerrado no domingo passado dia

A lembrança do Pinheirinho não pode ‘cicatrizar’, artigo de Paulo Sanda

  [EcoDebate] Minha caçula é uma uma graça, uma loirinha sapeca que só ela. Talvez você se pergunte, porque eu tenho que dizer que minha filha é loirinha? Simples, eu sou oriental e minha esposa também, então ela é a diferente, entre meus 4 filhos. Mas ela ainda não se deu conta disto, vive no meio da japonesada, um tio meu, sempre que a vê, diz “ela vai ter problema de identidade”. Aos

Altamira, Pará: Chegou o inv(f)erno! artigo de Antônio Claret

  [EcoDebate] Andava pelas ruas de Altamira. Era sábado pela manhã, dia 21 de janeiro. Chovia muito, e forte, mas com pequenos intervalos de neblina. Enfim chegou aquele friozinho, do que aqui se chama inverno! Foi-se o calor escaldante, que traz aquela moleza, quase insustentável. O corpo agradece e se reanima. Quando a chuva engrossava, procurava, então, me esconder sob uma beira de telhado que aparecesse; quando fina, saía e, assim, pulando

É Lenha, artigo de Cristiano Cardoso

  [EcoDebate] A cada dia é mais fácil ser seduzido pelos apelos às questões ambientais. Nossos filhos são muito mais conscientes do que é bom ou ruim para o ambiente. Entre o bem e o mau muitas coisas foram sacadas como constituintes do mal dentre elas: o consumo de petróleo, a não reciclagem, a garrafa pet e ultimamente a sacola plástica. Nossa busca em definir o que é bom ou ruim se

MPF/TO requer condenação de fazendeiro por trabalho escravo

  Jornadas extenuantes, alojamentos sem condições de higiene e liberdade cerceada eram a realidade de 27 trabalhadores aliciados em Goiatins até serem libertados por ação do grupo móvel de fiscalização Em alegações finais apresentadas à Justiça Federal, o Ministério Público Federal no Tocantins requer a condenação de Waldir Batista Rios por reduzir 27 trabalhadores rurais a condição análoga à de escravo, sujeitando-os a condições degradantes de trabalho (artigo 149 do Código Penal)

SC: Dirigentes de sindicatos e empresa carbonífera são condenados por dano moral coletivo

  Decisão do juiz da 1ª Vara do Trabalho de Criciúma, José Carlos Külzer, em primeira instância, é favorável a Ação Civil Pública do Ministério Público do Trabalho em Santa Catarina, proposta pelo Procurador Luciano Lima Leivas com relação a denúncia de corrupção, troca de favores políticos , lavagem de dinheiro e outras práticas envolvendo representantes sindicais e uma empresa carbonífera do sul do estado. A sentença determina o fechamento do Sindicato

Pesquisa feita na Unicamp propõe aliar a produção do etanol de celulose com a produção de biogás

  O etanol de segunda geração, feito com a celulose existente no bagaço da cana-de-açúcar, é uma alternativa importante para aumentar a produção de biocombustível sem prejudicar as plantações de alimentos ou as áreas de preservação ambiental. Mas como seu processo de produção é mais caro que o do etanol de primeira geração – obtido pela fermentação da sacarose do caldo de cana –, é preciso encontrar alternativas para torná-lo economicamente viável. A

Para brasileiros, desemprego e falta de acesso à educação são principais causas da pobreza

  SIPS revela percepção do brasileiro sobre a pobreza - Para a maior parte da população brasileira, desemprego e falta de acesso à educação são as principais causas da pobreza. Essa constatação está no Sistema de Indicadores de Percepção Social (SIPS): Assistência Social - percepção sobre a pobreza: causas e soluções, divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). O SIPS ouviu 3.796 pessoas em todo o país, entre os dias 08

Consumidor também é responsável pela qualidade e não contaminação dos alimentos

  Os alimentos podem ser facilmente contaminados por microorganismos por vários fatores ambientais. Por isso, a higiene na manipulação e preparo dos alimentos são imprescindíveis para o cuidado de uma alimentação sem contaminação e de qualidade. Em entrevista a Walter Lima, o consultor e especialista na área de alimentos, Eduardo Daniel, alerta para os cuidados. Ele diz que o consumidor deve ficar atento e proceder de forma responsável. Apresentação Walter Lima EcoDebate, 06/02/2012 [

Afinal a biodiversidade sobe ao primeiro plano, artigo de Washington Novaes

  [O Estado de S.Paulo] É muito importante e bem-vinda para o Brasil a notícia de que o professor Bráulio de Souza Dias, secretário de Biodiversidade e Florestas do Ministério do Meio Ambiente, está ascendendo ao cargo de secretário executivo da Convenção sobre Diversidade Biológica, a convite do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon. Competente e experimentado na área - onde atua há muito tempo -, Bráulio concorreu com outros 66 indicados

Inundações catastróficas e deslizamento de barrancos em Minas Gerais e o novo código florestal

  [Jornal da Ciência] A cada ano, durante o verão, notícias sobre inundações catastróficas e deslizamentos de morros dominam os jornais, revistas e televisão. No ano passado, o estado de Rio de Janeiro sofreu dramáticas perdas de vidas e danos econômicos severos devido a esses eventos. Este ano, o estado de Minas Gerais chama novamente a atenção por causa de grandes inundações, em que cidadãos perderam a vida e a população

Crise Financeira e Ambiental: Os novos limites do possível, artigo de André Lara Resende

  [Valor Econômico] A crise financeira mundial já vai completar quatro anos, mas ainda não dá sinais de que esteja por se esgotar. Pelo contrário, parece não haver economia no mundo, das mais pobres às mais avançadas, que esteja imune ao seu agravamento. O paralelo com a Grande Depressão do século XX é cada vez mais frequente entre os analistas. Acreditava-se que o antídoto para crises destas proporções havia sido descoberto,

Novo Código Florestal ameaça manguezais

  Importantes e cobiçadas, regiões costeiras perderam proteção quando projeto foi votado no Senado; agora, texto segue para Câmara Prestes a voltar para a Câmara dos Deputados, o Código Florestal tem no aumento da vulnerabilidade dos manguezais um de seus pontos mais polêmicos. Alterações feitas pelo Senado no projeto de lei, em dezembro, abriram a possibilidade da ocupação de apicuns – uma parte dos manguezais. Reportagem de Karina Ninni, em O Estado

Relatório da ONU alerta para a pressão crescente sobre os recursos naturais

  O relatório [Resilient People, Resilient Planet: A Future Worth Choosing] entregue na segunda-feira (30/1) ao secretário-geral da ONU já está sendo apresentado com o sucessor do famoso relatório Brundtland que, em 1987, se tornou um marco ao introduzir a noção de desenvolvimento sustentável no debate internacional. Redigido a pedido de Ban Ki-moon por um grupo de 22 personalidades de “alto nível” e de diferentes esferas – entre as quais o ministro

Biodiversidade: Prazo para assinar Protocolo de Nagoya terminou em 1º de fevereiro

  Após fim de prazo, convenção de biodiversidade aguarda ratificações Para que ele entre em vigor, 50 dos 92 signatários precisam ratificá-lo em lei. Por Amanda Rossi, do Globo Natureza, no G1. O prazo de assinatura do Protocolo de Nagoya, que trata da conservação da biodiversidade e da divisão equitativa dos benefícios da sua exploração, terminou na última quarta-feira (1), com 92 signatários - 91 países mais a União Europeia. Agora, segundo

Top