Portal EcoDebate: Índice da edição nº 1.437, de 28/09/2011

  Antropocentrismo ou Biodiversidade: 8,7 milhões de espécies vivas e 30 mil desaparecendo por ano, artigo de José Eustáquio Diniz Alves Código Florestal: o texto e o contexto, artigo de Roberto Malvezzi (Gogó) A cidade como afirmação dos direitos indígenas, por Bianca Pyl Código Florestal: Compensação florestal pode distribuir renda, dizem pesquisadores Código Florestal: pesquisador defende que agricultor transforme áreas degradadas em reserva legal Amazalert: Pesquisa busca prever impactos do desflorestamento

Antropocentrismo ou Biodiversidade: 8,7 milhões de espécies vivas e 30 mil desaparecendo por ano, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  [EcoDebate] A revista PLoS Biology publicou, em agosto de 2011, o resultado do censo da biodiversidade, mostrando que existem cerca de 8,7 milhões de espécies vivas no Planeta Terra. Este número não inclui os animais procariontes, como bactérias e vírus. A margem de erro do censo é de cerca de 15%, podendo existir 1,3 milhão de espécies a mais ou a menos. Do total de espécies estimadas, 6,5 milhões vivem

Código Florestal: o texto e o contexto, artigo de Roberto Malvezzi (Gogó)

  [EcoDebate] 1) Contexto. A humanidade atravessa um momento onde um bilhão de pessoas passa fome e 1,2 bilhões não tem um copo de água limpo para beber. Fome e sede continuam sendo os problemas fundamentais da humanidade. Porém, para alguns cientistas, como James Lovelock, diante do Aquecimento Global todos os outros problemas humanos são irrelevantes. Ele tem o dom de tornar pior todas as tragédias humanas, inclusive

A cidade como afirmação dos direitos indígenas, por Bianca Pyl

  [EcoDebate] Avani Fulni-ô, 48 anos, faz parte dos 90% de indígenas que vivem em cidades no Estado de São Paulo. Foi em uma das maiores cidades do Mundo, a capital paulista, que Avani redescobriu sua cultura. “Eu vim para São Paulo porque perdi meu pai e minha mãe, precisava refazer a minha vida. Em Pernambuco não havia opções e eu decidi vim pra cá”, conta a indígena que começou trabalhando

Código Florestal: Compensação florestal pode distribuir renda, dizem pesquisadores

  O fortalecimento do mercado de compensação florestal no Brasil, com a possibilidade de uma área desmatada ser recomposta em diferentes propriedades, representa uma importante oportunidade de distribuição de renda, na opinião de pesquisadores participantes de audiência pública sobre a reforma do Código Florestal nesta terça-feira (27). Em debate conjunto nas comissões de Meio Ambiente (CMA), de Ciência e Tecnologia (CCT) e de Agricultura (CRA), Ricardo Ribeiro Rodrigues, professor da Escola Superior

Código Florestal: pesquisador defende que agricultor transforme áreas degradadas em reserva legal

  A exploração de áreas degradadas pode render ao trabalhador rural mais recursos do que a insistência em continuar com a pecuária, segundo o pesquisador da Escola Superior de Agricultura da Universidade de São Paulo (USP) Ricardo Rodrigues. Ele apresentou ontem (27) aos senadores, em um debate sobre o novo Código Florestal, experiência de diversos fazendeiros paulistas e mineiros que adotam o sistema de ganho financeiro com a exploração de madeira

Amazalert: Pesquisa busca prever impactos do desflorestamento e das mudanças climáticas na Amazônia

  Cientistas da América do Sul e Europa iniciam pesquisa para prever impactos do desflorestamento e das mudanças climáticas globais nas águas, clima e sociedade da Amazônia. Cientistas de 14 renomadas instituições europeias e sul-americanas (Brasil, Bolívia, Colômbia, Peru) iniciaram um novo e ambicioso programa de pesquisa para prever o que poderá acontecer com a Amazônia ao longo das próximas décadas. Alguns relatórios sugerem que sob contínuas mudanças climáticas e desflorestamento, as

Inclusão social, regularização de terras e grandes obras são temas da agenda amazônia para a Rio+20

  Organizações não governamentais, movimentos sociais, ambientalistas, representantes de empresas e povos tradicionais da Amazônia apresentaram ontem (27), na capital paraense, as demandas da região para a Conferência sobre Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas (ONU), a Rio+20, evento que o Brasil vai sediar em junho de 2012. O grupo listou 24 propostas para inserir a Amazônia na economia verde, tema chave da conferência. As propostas, definidas no Seminário Regional sobre

MP/MT e MPF/PA recomendam ao Ibama suspensão da licença para hidrelétrica de Teles Pires

  Entre outros problemas, faltam dados sobre impactos sociais e participação da definição de programa ambiental, dizem promotores de Justiça e procurador da República O Ministério Público do Estado do Mato Grosso e o Ministério Público Federal no Pará encaminharam ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) notificação para que seja suspensa a licença de instalação da hidrelétrica de Teles Pires, na divisa entre os dois Estados. O

Prefeitura de S.Paulo determina que Shopping Center Norte suspenda atividades em até 72 horas

  Técnicos da Secretaria do Verde e do Meio Ambiente estiveram nesta terça-feira (27/9) no Shopping Center Norte e aplicaram um auto de multa no valor de R$ 2 milhões pelo não atendimento às exigências da CETESB. Os estabelecimentos têm 72 horas para suspender totalmente as atividades. Técnicos da Secretaria do Verde e do Meio Ambiente estiveram ontem (27/9) no Shopping Center Norte e aplicaram um auto de multa no valor de

Prefeito de Belém pode ser multado por não limpar lixo que põe em risco segurança aérea

  Justiça determinou em maio limpeza do entorno de aeroportos, mas lixo em vários locais continua sendo foco de atração de aves, o que aumenta possibilidade de colisões entre pássaros e aeronaves O Ministério Público Federal no Pará (MPF/PA) solicitou nesta quinta-feira, 22 de setembro, que a Justiça aplique multa ao prefeito de Belém, Duciomar Costa, e para os titulares das secretarias municipais de saneamento e de meio ambiente pelo descumprimento da

Repórter Brasil avalia as relações entre Código Florestal e Agricultura Familiar

  Além de suscitar debates acalorados entre ambientalistas e ruralistas nos últimos dois anos, a proposta de mudanças no Código Florestal acabou também no centro da pauta das organizações e movimentos da agricultura familiar, depois que o setor foi citado insistentemente pela bancada ruralista nos argumentos pela suposta necessidade de flexibilização das leis ambientais. Empurrada, assim, para o centro dos debates, a agricultura familiar internamente também adotou posicionamentos distintos, com parcela

Top