Moradores vizinhos aos terrenos da Rhodia em São Vicente (SP) ignoram riscos de contaminação

  São Vicente (SP) - Antônio Márcio Mariano da Silva, é funcionário afastado da empresa Rhodia e membro da Associação de Combate aos Poluentes (ACPO). Márcio foi contaminado por substâncias organocloradas como o pó da china (pentaclorofenato de sódio) e o hexaclorobenzeno quando trabalhava na fábrica da empresa. Foto de Marcelo Camargo/ABr   Moradores do entorno de terrenos em São Vicente, na Baixada Santista, que receberam durante décadas o descarte do lixo tóxico

Rhodia diz que lixo tóxico depositado em São Vicente (SP) terá destino diferente que a incineração em Camaçari

  São Vicente (SP) - Galpão da empresa Rhodia próximo ao bairro residencial Gleba II, em São Vicente, na baixada santista. A empresa armazenou durante décadas milhares de toneladas de resíduos tóxicos em terrenos da Baixada Santista. Foto de Marcelo Camargo/ABr.   A empresa Rhodia não planeja dar a mesma destinação do lixo tóxico armazenado na antiga fábrica de Cubatão aos resíduos que estão concentrados em um terreno de São Vicente, município do

Autoridades de São Vicente aguardam resultado de testes para discutir envio de material tóxico para Camaçari

    A Secretaria Municipal de Meio Ambiente de São Vicente, no litoral paulista, pretende aguardar por um resultado positivo da queima do material contaminado por resíduos industriais tóxicos que vai ser transportado de Cubatão para Camaçari, na Bahia, antes de exigir que a empresa Rhodia dê a mesma destinação às cerca de 33 mil toneladas de material semelhante que, há décadas, estão armazenadas em um terreno vicentino, à espera de destinação

Parlamentares e população baiana reagem contra envio de material tóxico de Cubatão para Camaçari

    Parlamentares e cidadãos baianos prometem agir para impedir que toneladas de resíduos industriais tóxicos – há décadas armazenados pela empresa multinacional Rhodia em terrenos de Cubatão (SP), sejam transportados e queimados em Camaçari, na região metropolitana de Salvador (BA). Após a Agência Brasil divulgar, nesta terça-feira (20), com exclusividade, que o Instituto de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema) da Bahia e a Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb) de

Rhodia obtém autorização para incinerar em Camaçari/BA lixo tóxico armazenado na Baixada Santista

  O Polo Petroquímico de Camaçari está a 50 quilômetros de Salvador, capital do Estado da Bahia (Governo da Bahia/Creative Commons)   Quase nove anos após ser impedida pela Justiça de transferir para a Bahia parte das milhares de toneladas de resíduos tóxicos armazenados há décadas em terrenos da Baixada Santista, a empresa Rhodia foi novamente autorizada a enviar uma parcela do lixo para ser incinerada em Camaçari, região metropolitana de Salvador (BA). O

Norma para controle, uso e descarte de pilhas e baterias é fixada pelo Ibama

  Substâncias contidas nas baterias e pilhas são ameça à saúde e ao meio ambiente. Foto: EBC   O controle sobre a fabricação, o uso e o descarte de pilhas e baterias é fixado em decisão do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos RecursosNaturais Renováveis (Ibama), por meio da Norma Instrutiva número 8, publicada ontem (4) no Diário Oficial da União. Pela norma, há uma série de regras para o descarte do

CE: Coca-Cola e Município de Maracanaú devem indenizar vítimas de queimaduras em decorrência de lixo químico

    A Empresa Norsa Refrigerantes Ltda. (Coca-Cola) e o Município de Maracanaú devem pagar R$ 125 mil para cinco adolescentes vítimas de queimaduras em decorrência de lixo químico deixado em via pública. A decisão, proferida nesta terça-feira (07/08), é da 7ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE). Segundo os autos, em setembro de 1997, os adolescentes brincavam nas imediações da fábrica da Norsa, em Maracanaú, distante 25 Km de

Coleta de lixo tóxico ainda é um problema para o país

  O descarte de lixo passível de liberar substâncias tóxicas ainda é um problema para o país, apesar de já haver legislação regulamentando o assunto. De acordo com a Lei n°12.305/2010, que instituiu a Política Nacional de Resíduos Sólidos, os fabricantes, importadores e revendedores de produtos que podem causar contaminação devem recolhê-los. Mas dois anos após a regra estar em vigor, os cidadãos dispõem de poucos locais adequados para jogar fora

Bhopal, Índia: Lixo tóxico começa a ser retirado após 28 anos de acidente químico

  Restos da antiga fábrica da Union Carbide em Bhopal, na Índia. Foto: SIMONE KAISER / DER SPIEGEL O desastre de Bhopal, em 1984, foi um dos piores acidentes industriais da história. Mas, quase três décadas depois, resíduos tóxicos ainda continuam armazenados no local em condições precárias. Agora, uma agência governamental alemã transportará para a Alemanha centenas de toneladas desses produtos prejudiciais à saúde a fim de destruí-los. Matéria de Simone Kaiser,

Urânio da Bahia: Caetité não quer virar lixão atômico

  [Por Zoraide Vilasboas, para o EcoDebate] Um ano depois que um levante popular tentou impedir que 90 toneladas de material atômico do Centro Tecnológico da Marinha, em Iperó (SP), chegassem à unidade da Indústrias Nucleares do Brasil (INB), em Caetité, além de conviver com o medo da contaminação da água, as populações afetadas pela mina de urânio continuam desassistidas pelo Estado, vítimas da omissão e inoperância dos poderes públicos, ante

Descarte correto de lixo eletrônico ainda é problema para o Brasil

  Lixo eletrônico. Foto de José Cruz/ABr Às vésperas da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, programada para junho próximo, no Rio de Janeiro, o Brasil ainda enfrenta um grave problema: o descarte irregular de lixo eletrônico. De acordo com relatório do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), divulgado em 2010, o país ocupa a liderança entre as nações emergentes na geração de lixo eletrônico per capita,

Crescimento do lixo eletrônico ameaça a saúde da população e o meio ambiente

  Lixo eletrônico. Foto de José Cruz/ABr O crescimento significativo do lixo eletrônico (e-lixo) no Brasil vem preocupando os técnicos da Secretaria Estadual do Ambiente do Rio de Janeiro (SEA). O resíduo desse tipo de material contém substâncias perigosas, que podem impactar o meio ambiente e ameaçar a saúde da população. A estimativa é que cada brasileiro descarta cerca de 0,5 quilo de resíduos de equipamentos eletroeletrônicos por ano. O superintendente de Resíduos

MPF/RS fiscaliza descarte de material tóxico no Rio Caí

  Análise pericial constatou presença excessiva de Zinco na água utilizada por assentamento em Nova Santa Rita O Ministério Público Federal (MPF) em Canoas (RS) acompanha a situação do lançamento de material tóxico no Rio Caí, que banha o assentamento Santa Rita II, no município de Nova Santa Rita, região metropolitana de Porto Alegre. A água do rio recebe descarte de resíduos tanto de uma empresa de galvanização quanto de um posto

Greenpeace denuncia ter encontrado resíduo tóxico em roupas de grife feitas na China

Resíduos de produtos químicos perigosos tanto para o ambiente quanto para a saúde foram encontrados em produtos de 14 grandes marcas de roupa, denunciou nesta terça-feira a organização ambientalista Greenpeace em seu relatório "Roupa suja 2". Análises em amostras de roupa de marcas como Adidas, Uniqlo, Calvin Klein, H&M, Abercrombie & Fitch, Lacoste, Converse e Ralph Lauren evidenciaram a utilização de produtos químicos conhecidos como nonilfenóis-etoxilados em sua fabricação, alertou a

Comitê Interministerial para Inclusão Social e Econômica dos Catadores de Materiais Reutilizáveis e Recicláveis, artigo de Antonio Silvio Hendges

[EcoDebate] O Decreto 7.405/2010 que instituiu o Programa Pró-Catador para integrar as ações do Governo Federal relacionadas ao incentivo à organização produtiva, inclusão social e econômica, melhoria das condições de trabalho e expansão da coleta seletiva com a participação destes trabalhadores, estabeleceu o Comitê Interministerial para Inclusão Social e Econômica dos Catadores de Materiais Reutilizáveis e Recicláveis para coordenar a execução e realizar o monitoramento do Programa. Este Comitê é integrado

Classificação de Resíduos, segundo a NBR 10.004, artigo de Roberto Naime

[EcoDebate] Para resolver a questão de classificação dos resíduos, a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) elaborou e vinculou a NBR 10.004 as seguintes normas e procedimentos: NBR 10.005 – Lixiviação de resíduos – Procedimento; NBR 10.006 – Solubilização de resíduos – Procedimento; NBR 10.007 – Amostragem de resíduos – Procedimento. A partir deste conjunto de regramentos e definições, os resíduos sólidos são classificados e enquadrados em uma das seguintes classes: I.Resíduos Classe I –

Os Resíduos Perigosos e a Política Nacional de Resíduos Sólidos, artigo de Antonio Silvio Hendges

[Ecodebate] A instalação e funcionamento de empreendimentos e atividades que produzam ou realizem operações com resíduos perigosos para serem autorizados e licenciados precisam comprovar capacidade técnica e econômica de realizarem o gerenciamento adequado destes resíduos. É indispensável adoção de planos específicos que devem ser submetidos aos órgãos responsáveis do SISNAMA (Sistema Nacional de Meio Ambiente), do SNVS (Sistema Nacional de Vigilância Sanitária) e SUASA (Sistema Unificado de Atenção à Sanidade

Chevron é multada no Equador pelo derramamento de materiais tóxicos em áreas amazônicas

Chevron é multada por poluição no Equador - A Justiça do Equador multou a gigante petrolífera americana Chevron em supostos US$ 8 bilhões (R$ 13 bilhões) pela poluição de uma área da floresta amazônica equatoriana. A Texaco, que se fundiu com a Chevron em 2001, é acusada de ter derramado 68 bilhões de litros de materiais tóxicos em fossas e rios amazônicos no norte do Equador entre 1972 e 1992. A queixa

Justiça obriga Indústrias Nucleares do Brasil (INB) a tratar rejeitos da extração de urânio em Caldas (MG)

Desativada. Antiga mina virou um enorme lago de águas ácidas - Washington Alves/AE - 17/1/2011 Temor de contaminação por milhares de toneladas de materiais radioativos em unidade de tratamento de minério em Caldas (MG) motivou ação; empresa, ligada ao Ministério da Ciência e Tecnologia, nega riscos, mas inspeção do Ibama viu problemas Em 1,4 mil hectares, o primeiro complexo de extração e concentração de urânio no Brasil se tornou um passivo de

MPF/RJ: CSN deve eliminar 540 mil toneladas de lixo tóxico de aterro

Ré tem até próximo dia 7 para entregar projeto de remoção de resíduos A partir de ação do Ministério Público Federal no Rio de Janeiro (MPF/RJ), a Justiça ordenou que a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) apresente, até o próximo dia 7, um projeto de remoção ou recuperação de um aterro irregular em Volta Redonda. No aterro, chamado Márcia I, foram depositados, em mais de três décadas, 540 mil toneladas de resíduos

Top