Nova edição da Revista Poli (Nº 51 – mai./jun. 2017) aborda mercantilização da água

  EPSJV/Fiocruz Acaba de sair do prelo a nova edição da Revista Poli. Na matéria de capa, o foco são os interesses por trás dos processos de concessão dos serviços de água e saneamento à iniciativa privada no Brasil. O pano de fundo da reportagem não poderia ser mais atual. Hoje, tramita no Congresso Nacional um projeto de lei complementar que, para garantir a recuperação fiscal dos estados, exige a privatização das

Lucrativa, Sabesp quer aumentar tarifa residencial, mas continua dando desconto para grandes empresas

  A Pública obteve através da Lei de Acesso à Informação a lista de 466 empresas que têm contratos de demanda firme para abastecimento de água em São Paulo. Clientes como Volkswagen, Itaú e Nestlé pagam menos e consomem mais Por Natalia Viana, da Agência Pública   Dias depois de o presidente da Sabesp, Jerson Kelman, anunciar que busca um “pacto social” para aumentar a conta de água para a classe média, a Pública

Injustiça na cobrança pelo uso da água na Bacia do São Francisco, artigo de Almacks Luiz Silva

    [EcoDebate] A cobrança pelo uso da água no Brasil foi estabelecida pela Lei Federal nº 9.433/97, em seu Capítulo IV, Art. 5º, IV – “Cobrança pelo uso dos recursos hídricos”. Na Bacia do Rio São Francisco a Cobrança foi implantada a partir do ano de 2010 e tem a seguinte tabela: Captação de água bruta 0,01 por m3 Consumo de água bruta 0,02 por m3 Lançamento de Carga orgânica 0,07 KgDBO (demanda bioquímica

Paraná vai cobrar água usada por indústrias e grandes usuários

    A partir do mês de setembro, aproximadamente 76 indústrias e grandes usuários que utilizam a água dos rios da Bacia do Alto Iguaçú e Afluentes do Alto Ribeira com finalidades comerciais, em seus processos de produção e operação, terão que pagar pelo uso da água.   O Conselho Estadual de Recursos Hídricos aprovou nesta quarta-feira (28) os mecanismos e valores da cobrança. O projeto piloto no Paraná abrange a bacia do Alto

A cobrança pelo direito de uso da água, artigo de Junior Garcia

    Em 7 de março, a Gazeta do Povo trouxe a notícia de que empresas passarão a pagar pelo uso da água no estado do Paraná. A cobrança no Brasil foi institucionalizada pela Política Nacional de Recursos Hídricos, a partir da aprovação da Lei Federal 9.433/1997. Isso significa que o Paraná levou 16 anos para implantar a cobrança, ainda em caráter de projeto piloto. A cobrança tem por objetivo reconhecer o

Bacias hidrográficas do Paranaíba e do Verde Grande podem começar a cobrar pelo uso da água

  A cobrança pelo uso da água nos rios de domínio da União, hoje restrita a quatro bacias hidrográficas, poderá se estender ainda este ano para as bacias do Paranaíba, que banha os estados de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul e o Distrito Federal, e do Verde Grande, integrante da Bacia do São Francisco. Segundo o gerente de Cobrança pelo Uso de Recursos Hídricos da Agência Nacional de Águas (ANA),

Transposição do Rio São Francisco exige modificações que podem tornar preço da água um dos mais altos do País

  Transposição do Rio São Francisco esbarra em preço da tarifa de água Com dificuldades para completar as obras da transposição do Rio São Francisco, cujo custo já explodiu, o governo analisa como cobrar do consumidor do semiárido nordestino o alto preço da água. Para vencer o relevo da região, as águas desviadas do rio terão de ser bombeadas até uma altura de 300 metros. O trabalho consumirá muita energia elétrica e

Cobrança pela transposição de águas do Rio São Francisco, artigo de Paulo Afonso da Mata Machado

[EcoDebate] A Lei 9.433/1997 (Lei das Águas), que autorizou a formação dos comitês de bacia, prevê a cobrança pelo uso de recursos hídricos. O primeiro comitê a iniciar essa cobrança foi o Comitê das Bacias Hidrográficas do Rio Paraíba do Sul (CBH-PS), que utiliza, atualmente, os seguintes parâmetros1: Tabela 1 Setor Unidade Valor Captação de água bruta R$/m3 0,01 Consumo de água bruta R$/m3 0,02 Lançamento de carga orgânica R$/kg DBO5,20 0,07 O consumo de água bruta (definido como a diferença entre

Protegendo as águas, artigo de Aroldo Cangussu

[EcoDebate] Estou escrevendo de Fortaleza, a linda capital do Ceará, onde estou desde o dia 21, participando de um congresso de meio ambiente e recursos hídricos, denominado "Encontro Nacional de Comitês de Bacias Hidrográficas" com a participação de mais de 1.500 pessoas do Brasil inteiro. Aqui, represento a região do norte de Minas que está incluída na bacia do Rio São Francisco. Em um evento paralelo, faço parte de um grupo

Após transposição água do rio São Francisco será a mais cara

Após transposição, nordestino deverá pagar R$ 0,13 por mil litros, enquanto valor médio nacional é de até R$ 0,02 Governo diz que terá de responder por captação e bombeamento da água e que preço se deve à complexidade da obra Da torneira do nordestino atendido pela transposição do rio São Francisco vai pingar a água mais cara do país. O Conselho Gestor do Projeto de Integração do São Francisco avalia cobrar dos Estados

A Cobrança pela Água no São Francisco, artigo de Roberto Malvezzi (Gogó)

[EcoDebate] Como estava previsto na lei nacional de Recursos Hídricos 9433/97, a cobrança pelo uso da água começa a se difundir pelo Brasil. Ela se torna possível quando é criado um comitê de bacia e esse comitê cria sua agência de águas, isto é, um corpo técnico que se torna responsável pela implementação da cobrança. Entretanto, a cobrança é uma decisão do comitê. O São Francisco começa nesse mês a cobrar

Transposição: o negócio da água, artigo de Ruben Siqueira

[EcoDebate] Mal Lula e Dilma em campanha eleitoral antecipada correram as obras no Rio São Francisco, encadeiam-se fatos novos e muito elucidativos a respeito do assunto. Finalmente, a verdade. O Comitê da Bacia chegou a um acordo sobre os valores da água captada na bacia e na transposição. Nesta a de uso produtivo custará o dobro da de uso humano, o que vai encarecer a do eixo norte, de maior volume

Top