nº 2.428, 2015 [30/11/2015]

    A Vale acabou com o Rio Doce, artigo de Paulo J.P.Mancini Samarco X ONU: lama inerte ou tóxica? Em quem acreditar? por Rogério Jordão Peixes do rio Doce morreram por asfixia, não por contaminação, diz o ICMBio Médico lembra que cidadãos têm direito a saber composição de lama tóxica União, MG e ES vão processar a Samarco e as empresas Vale e BHP Billiton em R$ 20 bi País precisa restaurar 'ciclo das águas' para

A Vale acabou com o Rio Doce, artigo de Paulo J.P.Mancini

    A Vale acabou com o Rio Doce A ‘Vale’ e a BHP Billiton são as multinacionais proprietárias da ‘Samarco’. Mas por que são pouco citadas na mídia dominante? Paulo J.P.Mancini “Ambiente Central” Talvez ainda muitos não saibam, - porque nossa mídia dominante (e bota dominante nisso!) poucas vezes cita - mas a mineradora Samarco (ir)responsável pelo maior tragédia ambiental ocorrida no Brasil e uma das maiores do mundo no gênero ‘rompimento de barragem’, tem

Samarco X ONU: lama inerte ou tóxica? Em quem acreditar? por Rogério Jordão

    No dia seguinte ao rompimento da sua barragem em Mariana (MG), em 5 de novembro, a Samarco, mineradora controlada pela Vale e BHP, informou ao público que o rejeito era “inerte” formado em sua maior parte por sílica (areia); esta semana, no dia 25, especialistas da ONU disseram outra coisa: a lama que desce o Rio Doce e atinge o Atlântico é “tóxica”. Conforme se desdobra o maior acidente ambiental

Peixes do rio Doce morreram por asfixia, não por contaminação, diz o ICMBio

  Lama bloqueou brânquias, impedindo animais de captar oxigênio na água     Uma análise por amostragem feita pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) descartou a possibilidade de as mortes de peixes no Rio Doce, conforme registrado após o rompimento da barragem da mineradora Samarco, no início do mês, terem sido causadas por contaminação das águas. A necropsia realizada nos animais apontou asfixia como a razão das mortes dos peixes. A hipótese

Médico lembra que cidadãos têm direito a saber composição de lama tóxica

lama no rio Doce

  Apresentação Juliana Maya, Radioagência Nacional. Um dos maiores desastres ambientais da história do Brasil: -o rompimento da barragem da mineradora Samarco, em Mariana, Minas Gerais, - ocorreu no último dia 5.     Nesta entrevista, o chefe do Centro de Assistência Toxicológica do Hospital das Clínicas de São Paulo, Anthony Wong, critica a demora da divulgação da composição da lama tóxica. Segundo ele, a população tem o direito de saber quais metais estão presentes no

União, MG e ES vão processar a Samarco e as empresas Vale e BHP Billiton em R$ 20 bi

  Em  entrevista  coletiva,  a  ministra  do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, disse que cabe às empresas pagar pelos danos e que, dessa forma, os recursos não sairão do Orçamento Geral da UniãoValter Campanato/Agência Brasil O governo federal e os estados de Minas Gerais e do Espírito Santo vão processar a Samarco e as empresas Vale e BHP Billiton para que arquem com R$ 20 bilhões para as despesas de recuperação dos

País precisa restaurar ‘ciclo das águas’ para enfrentar crise de dimensão nacional. Entrevista com Roberto Malvezzi

  “A crise não é produto de um só fator, mas resulta de um processo histórico de destruição dos elementos fundamentais que garantiam o ciclo das águas”, avalia Roberto Malvezzi, da Pastoral da Terra por Helder Lima, da RBA A crise de abastecimento de água vivida hoje pelo país, que também afeta a produção de energia hidrelétrica, tem um horizonte que vai além da seca histórica pela qual o país passa. “A crise

Saída para crise é a economia de baixo carbono, diz Observatório do Clima

    Líderes de mais de 190 países começam a discutir hoje (30), em Paris, um novo acordo climático global para limitar o aumento da temperatura da Terra a 2 graus Celsius (ºC) até 2100, em relação aos níveis pré-Revolução Industrial. Além de prevenir catástrofes naturais, uma economia de baixo carbono, que minimize as emissões de gases de efeito estufa, pode ser a saída para a crise econômica no Brasil, informou o secretário-executivo

Temperatura da Terra chega à metade do limite para consequências catastróficas

aquecimento global

    O ano de 2015 deverá ser o mais quente desde que há registos sistemáticos, com o termômetro global a ultrapassar um marco simbólico e preocupante. A temperatura média do planeta será 1ºC superior à da era pré-industrial, ou seja, metade do caminho até ao limite de 2ºC, acima do qual temem-se consequências catastróficas. A reportagem é de Ricardo Garcia, publicado por Público, 25-11-2015. A alta nos termómetros é resultado do efeito dos

COP21: Em Paris, 195 países tentarão chegar a novo acordo climático

  O mundo já sente os efeitos das mudanças climáticas que podem piorar ao longo deste século se não forem tomadas medidas para combatê-las. Secas severas e prolongadas em alguns locais e chuvas torrenciais que causam alagamentos e resultam em perdas humanas e econômicas podem ser cada vez mais intensas. Na tentativa de reverter esse quadro, 195 países e a União Europeia, membros da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (UNFCCC

COP21, Paris: Sapatos de manifestantes que participariam da marcha pelo clima ocupam Praça da República

    Chinelos de criança, botas repletas de flores, tênis acompanhados de palavras em defesa do planeta são alguns dos milhares de sapatos que cobriram ontem (29) a praça parisiense de onde sairia uma marcha pelo clima, que foi cancelada devido aos recentes atentados na capital francesa. O mar de sapatos foi exposto na Praça da República, onde uma estátua e uma escultura foram transformadas em uma espécie de monumentos aos mortos, em

nº 2.427, 2015 [27/11/2015]

    A taça da desigualdade global e o choque marxista, artigo de José Eustáquio Diniz Alves Morte do Rio Doce: um crime com muitos autores, artigo de Artigo de Alessandra Cardoso Prefeituras reclamam de falta de orientação da Samarco sobre lama de rejeitos Desmatamento na Amazônia Legal aumentou 16% em um ano, diz ministra do Meio Ambiente Desmatamento já atinge quase 50% do Cerrado Mineração tem colocado em risco dois patrimônios

A taça da desigualdade global e o choque marxista, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  “Para os pobres, é dura lex, sed lex. A lei é dura, mas é a lei. Para os ricos, é dura lex, sed latex. A lei é dura, mas estica” Fernando Sabino (1923-2004)     [EcoDebate] O mundo está ficando cada vez mais desigual e os conflitos sociais tendem a aumentar. A distribuição de riqueza do mundo parece uma taça de champanhe, com uma base bem fininha e um topo bem largo. A

Morte do Rio Doce: um crime com muitos autores, artigo de Artigo de Alessandra Cardoso

  O desastre socioambiental do Vale do Rio Doce trouxe para nós, brasileiros, o sentimento de tragédia humana, no seu sentido mais amplo, associada à violação dos direitos humanos, como direitos sociais, ambientais, econômicos e culturais. Uma violação que não diz respeito somente ao Brasil e aos brasileiros. Expressão disto foi o comunicado da ONU ao Brasil cobrando da empresa Samarco, das suas controladoras Vale e BHP, e do governo brasileiro ações

Prefeituras reclamam de falta de orientação da Samarco sobre lama de rejeitos

Prefeituras reclamam da  falta de orientação da Samarco sobre a lama de rejeitos. Foto: Paulo de Araújo/Ministério do Meio Ambiente   Três semanas depois do rompimento da barragem de rejeitos de mineração da empresa Samarco, em Mariana (MG), ainda restam dúvidas sobre os riscos que as mais de 50 milhões de toneladas de lama representam para a saúde das populações atingidas e o meio ambiente ao longo de 850 quilômetros do Rio

Desmatamento na Amazônia Legal aumentou 16% em um ano, diz ministra do Meio Ambiente

  O desmatamento na Amazônia Legal aumentou 16% no período de agosto de 2014 a julho de 2015, quando comparado ao mesmo período do ano anterior. Dados anunciados ontem (26) pela ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, mostram que, ao todo, foram derrubados 5.831 quilômetros quadrados (km²) de floresta , enquanto na análise 2013-2014 a derrubada havia sido de 5.012 km².     Amazonas, com aumento de 54% nas derrubadas (769 km² de desmatamento), Rondônia,

Desmatamento já atinge quase 50% do Cerrado

  Cobertura natural do Cerrado, bioma será monitorado de forma sistemática, com objetivo de conter o desmatamento     O Cerrado brasileiro tem 54,5% de sua vegetação natural preservada. Piauí, Maranhão, Tocantins e Bahia são os Estados com as maiores reservas desse bioma. Esses dados foram anunciados nesta quarta-feira (25) pela ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira. “Essa é a nossa fotografia real”, afirmou a ministra, com base em dados fornecidos pelo Instituto Nacional de

Mineração tem colocado em risco dois patrimônios naturais do país: os recursos minerais e os recursos hídricos

  Mineração e o jogo dos sete erros. Entrevista especial com Paulo Rodrigues “Nas últimas décadas, esse processo nos levou a esse ‘holocausto’ socioambiental de Mariana, que ainda não terminou e que irá demorar décadas para ser avaliado e acompanhado, porque os prejuízos são enormes”, diz o geólogo. Foto: viafanzine.jor.br A mineração como um dos pilares centrais do “modelo de desenvolvimento” brasileiro tem colocado em risco dois patrimônios naturais do país: os recursos minerais

Programa incentiva pequenos agricultores a gerarem energia eólica e solar

  Acordo insere equipamentos de geração no programa Mais Alimentos; Produtores terão crédito diferenciado     A partir de hoje, pequenos produtores de agricultura familiar e assentados da reforma agrária podem financiar os equipamentos para produção de energia eólica e solar pelo programa Mais Alimentos, uma linha de crédito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) para dar subsídios a infraestrutura produtiva. A assinatura do termo de cooperação foi feita nesta quarta-feira (25),

Lideranças indígenas e povos tradicionais criticam tramitação da PEC 215

    Lideranças indígenas, representantes do poder Legislativo, de entidades que atuam em defesa dos direitos dos povos tradicionais e membros do Ministério Público Federal (MPF) criticaram ontem (27) a aprovação, no fim de outubro, da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 215, na comissão especial destinada a analisar o tema na Câmara dos Deputados. Pela proposta, o Congresso Nacional passa a dar a palavra final sobre a demarcação de terras indígenas, de

Top