Portal EcoDebate: Índice da edição nº 1.637, de 18/07/2012

  A degradação do rio São Francisco, artigo de José Eustáquio Diniz Alves O nascimento da geologia e o meio ambiente, artigo de Roberto Naime Catolicismo: a decadência do poder, artigo de Roberto Malvezzi (Gogó) Conselho cria anuário para balizar Metas Globais de Biodiversidade (metas de Aichi) na Mata Atlântica MP pede que Ibama não emita licença de operação para UHE Jirau por não cumprimento de condicionantes AGU publica regras sobre

A degradação do rio São Francisco, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  [EcoDebate] O rio São Francisco está pedindo socorro, mas ao invés de um projeto de recuperação e revitalização, a única grande obra do governo visa apenas sugar mais água do leito, por meio da transposição. O rio São Francisco foi fundamental para o desenvolvimento do Brasil e já está passando da hora de o país restituir, pelo menos em parte, o tanto que ele deu à nação. Pelos livros de geografia

O nascimento da geologia e o meio ambiente, artigo de Roberto Naime

  [EcoDebate] Boa parte da geologia nasceu com o pioneiro James Hutton: o holomorfismo e o uniformitarismo. Raciocinar que as coisas possam ser auto-semelhantes não deixa de guardar íntima relação com o holomorfismo: as estruturas dúcteis em pequenas escalas também podem ocorrer em grandes escalas. E as rúpteis também. E o uniformitarismo: tudo que acontece agora de uma forma, acontecia antes da mesma forma, até prova em contrário. A auto-semelhança assim como

Catolicismo: a decadência do poder, artigo de Roberto Malvezzi (Gogó)

  [EcoDebate] O cristianismo nasceu pobre, de um Deus feito gente pobre, difundido por pescadores e outros homens e mulheres dos grupos marginais. Gente de pequenas comunidades, que tinham uma extraordinária novidade para quem quisesse. Depois tornou-se a religião do poder romano, como Igreja Católica, e essa metamorfose tem até hoje conseqüências impagáveis. A Igreja Católica começou a perder poder religioso com a ruptura de Lutero e poder mundano com o iluminismo. As

Conselho cria anuário para balizar Metas Globais de Biodiversidade (metas de Aichi) na Mata Atlântica

  Com intuito de acompanhar com precisão o cumprimento das chamadas Metas de Aichi - plano estratégico internacional firmado há dois anos no Japão para o período de 2011 a 2020 - no Bioma da Mata Atlântica, o Conselho Nacional da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica (RBMA) criou o Anuário Mata Atlântica para mapear e monitorar as diretrizes traçadas para a conservação da diversidade biológica, especificamente dessa floresta, até 2020. Essa

MP pede que Ibama não emita licença de operação para UHE Jirau por não cumprimento de condicionantes

  Mapa de localização da UHE Jirau. Imagem do Observatório Ambiental Jirau Empresa Energia Sustentável vem se recusando a restaurar e revitalizar o Completo Ferroviário Madeira-Mamoré, conforme previsto nas condicionantes O Ministério Público Federal e o Ministério Público de Rondônia propuseram ação civil pública na Justiça Federal, com pedido de liminar, para que seja ordenado ao Ibama não emitir a licença de operação para a Empresa Energia Sustentável (ESBR), relativa à Usina Hidrelétrica

AGU publica regras sobre demarcação e direito de uso de terras indígenas

  Três anos depois do julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF) que homologou a demarcação da Terra Indígena (TI) Raposa Serra do Sol em área contínua, a Advocacia-Geral da União (AGU) publicou ontem (17) uma portaria que regulamenta a atuação de advogados e procuradores em processos judiciais que envolvem áreas indígenas em todo o país. Na prática, a portaria coloca em vigor as 19 condicionantes definidas pelo STF para demarcação e

Cimi: Nota de repúdio à portaria da AGU sobre demarcação e direito de uso de terras indígenas

  Nota de repúdio à portaria do Governo Federal que manipula decisão do STF - O Conselho Indigenista Missionário, Cimi, vem a público manifestar indignação frente à publicação, neste dia 17 de julho, da portaria 303, no Diário Oficial da União. O Governo Federal, fazendo uso da Advocacia Geral da União, manipula, escandalosamente, a decisão do Supremo Tribunal Federal, tomada no âmbito da Petição 3388, que diz respeito exclusivamente ao caso da

Indicador do Alfabetismo Funcional (Inaf): Menos de 30% dos brasileiros são plenamente alfabetizados

  Apenas 26% da população pode ser considerada plenamente alfabetizada – mesmo patamar verificado em 2001 (Foto: José Cruz/Arquivo ABr) Apenas 35% das pessoas com ensino médio completo podem ser consideradas plenamente alfabetizadas e 38% dos brasileiros com formação superior têm nível insuficiente em leitura e escrita. É o que apontam os resultados do Indicador do Alfabetismo Funcional (Inaf) 2011-2012, pesquisa produzida pelo Instituto Paulo Montenegro e a organização não governamental Ação

Inaf: No ensino superior, 38% dos alunos não sabem ler e escrever plenamente

  A educação e a constituição,por Brum para a Tribuna do Norte, no Humor Político http://www.humorpolitico.com.br/ Entre os estudantes do ensino superior, 38% não dominam habilidades básicas de leitura e escrita, segundo o Indicador de Alfabetismo Funcional (Inaf), divulgado pelo Instituto Paulo Montenegro (IPM) e pela ONG Ação Educativa. O indicador reflete o expressivo crescimento de universidades de baixa qualidade. A reportagem é de Luís Carrasco e Mariana Lenharo e publicada pelo jornal

[Áudio] Cresce o consumo de pescados no mundo, mas FAO alerta para escassez nos mares

  O mundo consumiu cerca de 128 milhões de toneladas de peixes em 2010. O dado é considerado um recorde para a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), que estima que, em 2011, o consumo tenha ultrapassado 130 milhões de toneladas. Isso equivale a 19 quilos de peixes por pessoa/ano. No Brasil, a região que mais come pescados é a Norte, com 17 quilos por pessoa/ano. Embora

Poluição do ar aumenta risco de aterosclerose mesmo com dieta saudável

  Camundongos expostos ao ar ambiente de São Paulo durante a gestação e após o nascimento desenvolveram placas ateroscleróticas 13 vezes maior que os do grupo controle, indica pesquisa Resultados preliminares de uma pesquisa feita na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) indicam que a exposição à poluição atmosférica nos grandes centros urbanos durante a gestação e logo após o nascimento aumenta o risco de desenvolvimento de aterosclerose em

Top