Portal EcoDebate: Índice da edição nº 1.312, de 04/04/2011

Meio Biológico, artigo de Roberto Naime O desafio dos líderes, artigo de Montserrat Martins Responsabilidade Social: o paradigma da competitividade, artigo de Gilberto Barros Lima Fukushima 'derrete' e a direção da CNEN se fortalece Populações tradicionais tem que ser protagonistas da luta por Justiça Climática Novo Código Florestal deve proibir desmatamento em florestas nativas, diz ministra Contaminação: Crianças da cidade de Santo Amaro, BA, têm altas concentrações de chumbo nos

Meio Biológico, artigo de Roberto Naime

[EcoDebate] O meio biológico consiste no conjunto de plantas e de animais e nas suas inter-relações envolvendo troca de matéria e energia. São os ecossistemas naturais, a flora e a fauna. No meio biológico várias espécies de ambos os grupos podem ser indicadores de qualidade ambiental. Outras espécies tem valor científico e econômico, ou são raras ou ameaçadas de extinção e necessitam de proteção em áreas de preservação permanente. A compreensão

O desafio dos líderes, artigo de Montserrat Martins

[EcoDebate] A presidenta Dilma causou boa impressão mudando (em relação ao governo Lula) a política externa do Brasil quanto ao Irã, na defesa dos Direitos Humanos. Não sabemos que pressões internas ela possa ter sofrido em suas posições, mas o novo rumo nessa questão específica corresponde, sem dúvida, ao que a maioria da população espera de seus governantes. Também foi elogiada sua postura na visita de Obama, como

Responsabilidade Social: o paradigma da competitividade, artigo de Gilberto Barros Lima

[EcoDebate] O sentimento da competição sempre esteve impregnado nas relações humanas, tal comportamento não se conteve apenas nos estádios e disputas esportivas, o ato de competir se tornou uma alavanca para o sucesso profissional, empresarial e também no reconhecimento pessoal. Ressaltando também o fenômeno da penetração da internet, isso causou uma revolução mundial não apenas na forma como a sociedade se comunica e busca a informação, muito além disso, como na

Fukushima ‘derrete’ e a direção da CNEN se fortalece

[Por Zoraide Vilasboas, para o EcoDebate] Não conseguimos entender a justificativa do ministro Mercadante para adiar a demissão da direção da CNEN, anunciada pela Isto é, e vincular este ato à superação da crise do Japão, segundo noticiou a Agência Brasil. Até porque a crise do Japão não tem data para acabar, mesmo que o setor nuclear venha a encapsular os reatores moribundos, seus efeitos sócio-ambientais persistirão por longo tempo.

Populações tradicionais tem que ser protagonistas da luta por Justiça Climática

Bianca Pyl, especial para a CESE “Cada vez que uma comunidade desaparece, é expulsa de suas terras, nós, enquanto humanidade, empobrecemos mais. Por isso falamos de Justiça Climática”, disse Jean-Pierre Leroy, da organização não-governamental Fase, convidado do terceiro dia do Seminário Mudanças Climáticas e Riscos de Desastres, realizado na sede da CESE, em Salvador desde terça-feira (29). O conceito de Justiça Ambiental começou nos Estados Unidos, quando um grupo de ambientalistas viu

Novo Código Florestal deve proibir desmatamento em florestas nativas, diz ministra

O projeto do novo Código Florestal busca a sustentabilidade e o desenvolvimento do país, disse, no dia 1/4, a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira. Para ela, a agricultura brasileira não será sustentável se não proteger as nascentes dos rios e outros recursos naturais. Em sua visita a Curitiba, onde foi debater com produtores rurais, empresários e parlamentares a proposta de mudança na legislação em tramitação no Congresso Nacional, a

Envelhecimento e urbanização são as principais tendências demográficas do século 21

Novo envelhecimento – O envelhecimento e a urbanização são tendências demográficas importantes no século 21. A população urbana, que já corresponde à metade da humanidade, dobrará até 2050, de acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU). Por outro lado, se hoje existem cerca de 600 milhões de pessoas com mais de 60 anos, em 2050 a população nessa faixa etária será de quase 2 bilhões. A consequência disso é que

Crise energética: impasses e riscos das formas de energia produzidas atualmente. Entrevista Marcelo Firpo Porto

“A discussão do urânio, além da questão das bombas nucleares, necessariamente levanta o debate sobre a política energética no planeta e, em particular, no Brasil”. Assim Marcelo Firpo Porto inicia a discussão a respeito dos riscos a partir da atual produção de energia que se sobressai no mundo, principalmente no que diz respeito à energia nuclear. Em entrevista à IHU On-Line, realizada por e-mail, o pesquisador analisa a contribuição dos

Dandara, Camilo Torres e Irmã Dorothy, artigo de Frei Gilvander Luís Moreira

Em Belo Horizonte, 13ª cidade mais desigual do mundo (segundo a ONU), três comunidades sem teto estão ameaçadas de despejo: Comunidades Dandara, Camilo Torres e Irmã Dorothy. Acompanho de perto, desde o início, a luta das 1.200 famílias dessas três comunidades. Por isso, digo que são exemplos de luta por inclusão social e por dignidade humana. Na Camilo Torres moram 142 famílias; na Dandara 887 famílias e na Irmã Dorothy

No a las plantas nucleares, por Gustavo Portocarrero Valda

Un reactor nuclear produce energía eléctrica limpia y no empeora el calentamiento terrestre, porque no usa combustible fósil alguno (petróleo ni carbón). Tampoco atenta contra los ecosistemas porque no precisa de embalses de agua para turbinas; menos quema madera. ¿Dónde se encuentra el peligro? De un lado se trata de su estructura; cualquier reactor nuclear constituye una auténtica bomba de tiempo. De otro lado, su basura es el segundo peligro.

Energia nuclear e a ameaça radioativa. As falhas que o povo desconhece

"No Brasil, a opção de instalar as usinas em Angra dos Reis é uma temeridade, pois estão a menos de 200 quilômetros do Rio de Janeiro e a menos de 250 quilômetros de São Paulo, duas megalópoles que poderiam ficar seriamente ameaçadas. Num país com tantas opções de geração de energia, é ainda mais inaceitável", escreve Celso Vicenzi, jornalista, e publicada pela Agência Latino-Americana e Caribenha de Comunicação - ALC,

ONGs ambientais pedem que governo alemão desista de financiar Angra 3

Organizações ambientais pediram ao governo alemão que desista do acordo que prevê um subsídio de 1,3 bilhão de euros (cerca de R$ 3 bilhões) para a construção da usina nuclear de Angra 3, no município de Angra dos Reis (RJ). A partir dos anos 70, a Alemanha passou a colaborar com o programa nuclear brasileiro. No caso de Angra 3, o país se comprometeu em subsidiar a empresa alemã Siemens, que

Japão: Meio de vida dos agricultores da região de Fukushima definha com a crise nuclear

Se os líderes do Japão veem o colapso do complexo nuclear de Fukushima Daiichi como a maior crise do país em décadas, Saichi Sato tem uma perspectiva diferente. Do ponto de vista dele, sentado em sua propriedade nesse vilarejo verdejante de 8 mil pessoas, a cerca de 40 quilômetros de Daiichi, esta é a maior crise dos últimos 400 anos, diz ele. Reportagem de Michael Wines, The New York Times. Sato,

Europa não consegue controlar uso de alimentos transgênicos

Pode o uso de alimentos e de sementes provenientes da clonagem continuar sem uma restrição na Europa? Essa é a pergunta feita aos legisladores europeus após o fracasso, na terça-feira (29), de uma negociação iniciada há muito tempo entre os eurodeputados e os Estados a respeito desses “novos alimentos”. Reportagem de Philippe Ricard, Le Monde. Para avalizar um sistema comum de referência, a Comissão Europeia havia proposto, no outono de 2010,

Food dyes pose risks of cancer, hyperactivity in children, and allergies

Food dyes—used in everything from M&Ms to Manischewitz Matzo Balls to Kraft salad dressings—pose risks of cancer, hyperactivity in children, and allergies, and should be banned, according to a new report by the Center for Science in the Public Interest. A top government scientist agrees, and says that food dyes present unnecessary risks to the public. The three most widely used dyes, Red 40, Yellow

Top