Parceria Econômica Global Abrangente (RCEP) e a trilateral China-Japão-Coreia do Sul, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

"O Mediterrâneo é o oceano do passado. O Atlântico é o oceano do presente e o Pacífico, o oceano do futuro” John Hay, secretário de Estado dos EUA, em 1900     [EcoDebate] O leste asiático é a região que mais cresce no mundo e que mais avança nas exportações mundiais. Isto tem causado medidas protecionistas no países ocidentais, principalmente por parte do presidente Donald Trump dos Estados Unidos (EUA). Há três anos os EUA

COP25: Países como Brasil, China e Arábia Saudita ainda relutam em alterar o Acordo de Paris

  Por Aline Robert* | EURACTIV.fr Países como Brasil, China e Arábia Saudita estão criticando o Artigo 6 do Acordo Climático de Paris e seu mecanismo de compensação de carbono, embora não estejam atualmente pagando a “conta climática”. Os defensores do clima temem que essa postura possa enfraquecer todo o tratado. Na COP25 deste ano, em Madri, a UE continua obcecada com a questão dos mercados de carbono no Acordo Climático de Paris, porque

Os 70 anos da Revolução Comunista na China, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

“A revolução não é um convite para um jantar” Mao Tse-Tung [EcoDebate] No dia 01 de outubro de 1949, depois de uma longa marcha e do acúmulo de uma série de vitórias parciais, o líder do Exército de Libertação Popular e do Partido Comunista Chinês (PCC), Mao Tse-tung, proclamou, em Pequim, na Praça Tiananmen, a República Popular da China. Em seguida, Chiang Kai-shek, do kuomintang (Partido Nacionalista Chinês) se refugiou em Taiwan

Vietnã: o vencedor do duelo comercial entre EUA e China, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  [EcoDebate] A guerra comercial e tecnológica entre os Estados Unidos (EUA) e a China tem se agravado e já assume feições de uma nova “Guerra Fria”. A trégua obtida entre as duas potências durante a Cúpula do G20, em Osaka, no Japão, no final de junho de 2019, parece apenas um intervalo entre o primeiro e o segundo tempo da partida que ainda deverá ter muitos “pontapés”. Em agosto, o presidente

Poluição do ar é inimiga da geração de energia solar na China

Novo estudo mostra que o país poderia gerar muito mais energia e dinheiro com sua vasta capacidade instalada de painéis solares. Por: Ruy Fontes – Redator Se a saúde de sua população já não fosse o suficiente, a China acaba de ganhar um motivo a mais para continuar sua luta contra a poluição do ar: a perda de geração da sua enorme capacidade fotovoltaica. Foi o que mostrou um estudo realizado pelo

Terras semiáridas na China se expandiram nas últimas décadas e provavelmente continuam a se expandir

    As terras secas cobrem aproximadamente 50% da superfície terrestre da China, entre as quais as regiões semiáridas são o principal tipo de terras secas. No entanto, essas regiões semiáridas sofreram uma expansão contínua e uma tendência de secagem significativa nas últimas décadas, o que aumenta o risco de degradação e deterioração da terra na China. Institute of Atmospheric Physics, Chinese Academy of Sciences* Entender completamente as características e a dinâmica da mudança

População da China: bônus demográfico e envelhecimento, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  [EcoDebate] A China é o país mais populoso do mundo e, desde 2014, possui a maior economia (quando medida em paridade de poder de compra). Desde o início das reformas promovidas por Deng Xiaoping, em 1978, a China apresentou – em 40 anos - o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) mais robusto de toda a história econômica global. Diversos fatores contribuíram para este desempenho excepcional e dentre os mais

O desmatamento da floresta amazônica pode acelerar como resultado da guerra comercial EUA-China, alertaram os pesquisadores

  Desmatamento da floresta amazônica O aumento das tarifas fez com que as exportações de grãos de soja dos EUA para a China caíssem pela metade em 2018, criando um enorme déficit que poderia desencadear um extenso corte de árvores no Brasil, dizem especialistas. University of Edinburgh, School of Geosciences*     O estudo, da Universidade de Edimburgo e Instituto de Tecnologia de Karlsruhe, adverte que o Brasil estará sob pressão para fornecer até 38 milhões

Comunidades rurais da China são mais vulneráveis a eventos climáticos extremos do que as pessoas que vivem em áreas urbanas

  Quente ou frio, os moradores rurais são mais vulneráveis a eventos climáticos extremos International Institute for Applied Systems Analysis (IIASA)*   Temperaturas extremas, tanto frias quanto quentes, trazem maior risco de mortalidade para as pessoas que vivem nas comunidades rurais da China do que nas áreas urbanas, de acordo com um estudo recente publicado na revista Environmental Health Perspectives. A disparidade entre o risco de mortalidade urbano e rural foi encontrada em toda

O avanço da indústria de veículos elétricos na China, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    O avanço da indústria de veículos elétricos na China [Ecodebate] A indústria automobilística está passando pela mudança mais significativa desde a sua origem. A época do motor à combustão interna, com base nos combustíveis fósseis, está sendo substituída pela época dos carros elétricos, tendo como base a energia renovável. Este processo é fundamental para reduzir as emissões de gases de efeito estufa e contribuir para a mitigação do aquecimento global. A substituição

A população da África ultrapassará a população da China e da Índia em 2023, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  [EcoDebate] A China e a Índia são considerados países continentais, pois tinham, cada um, uma população maior do que todo o continente africano. Mas como mostra o gráfico abaixo, com dados da Divisão de População da ONU, a população da África vai ultrapassar a população da China e da Índia em 2023 e deve continuar crescendo rapidamente durante todo o século XXI, enquanto a China começa a decrescer a partir

O fim da política de filho único e o futuro da fecundidade na China, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    [EcoDebate] A China vai completar 70 anos da Revolução Comunista no dia 01 de outubro de 2019. Nestas 7 décadas muita coisa mudou no maior país do mundo em termos demográficos. Na primeira década revolucionária (1950-1960) as taxas de mortalidade infantil e de fecundidade começaram a cair, apontando para um declínio rápido que poderia atenuar as altas taxas de crescimento demográfico e a estrutura etária muito jovem. Porém, com o

Top